conecte-se conosco


ASSASSINATO

Paccola reclama de decisão que o deixou sem arma e pede licença para fazer campanha

Publicado

Destaque

O vereador Marcos Paccola (Republicanos), réu na Justiça pelo assassinato do agente penitenciário Alexandre Miyagawa, o “Japão”, protocolou um pedido de afastamento do cargo na Câmara de Vereadores de Cuiabá, nesta quinta-feira (4).

Segundo o parlamentar, que é tenente-coronel da reserva da Polícia Militar, a solicitação é para se dedicar à candidatura a deputado estadual nas eleições deste ano. “Vou dedicar dia, noite e madrugada, nesses próximos dias, à campanha. Se for assim acolhido pelo partido, estaremos cravando a nossa condição de candidato como deputado estadual em Mato Grosso, a partir da convenção de amanhã”, disse na tribuna.

O juiz Flávio Miraglia Fernandes, da 12ª Vara Criminal de Cuiabá, que tornou o vereador réu pela morte de “Japão”, também suspendeu o porte de arma do parlamentar, “considerando a necessidade e a eficiência para a garantia da ordem pública”, diz o despacho.

Paccola citou a decisão em seu discurso esta manhã. “Depois desses mais de 20 anos [de atividade policial], eu me sinto como se estivesse andando nu, me sinto pelado. Por decisão do juiz e decisão judicial a gente está aqui pra acatar. Hoje não estou portando a minha arma de fogo, porque foi suspenso o meu porte de arma, fiquem tranquilos porque não posso enquanto essa decisão não for revogada”, afirmou.

“Para alegria de uns e tristeza de outros, vários policiais fizeram contato comigo e se colocaram à disposição para, na folga, estarem junto comigo […] enquanto eu não tiver possibilidade de me defender”, completou

A Câmara Municipal informou que recebeu o documento hoje, mas que a solicitação ainda será votada em plenário nos próximos dias. Paccola foi indiciado pela Polícia Civil e, nessa terça-feira (4), se tornou réu na Justiça de Mato Grosso por homicídio qualificado. O crime aconteceu no dia 1º de julho em uma loja de conveniência de Cuiabá.

Comentários Facebook
publicidade

Destaque

Falta de Coronavac impede início de vacinação contra Covid de crianças de 3 e 4 anos em Cuiabá

Publicado

Reprodução

 

Clique para ampliar

Em 13 de julho a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) liberou o uso emergencial da vacina Coronavac em crianças de 3 e 4 anos de todo o território brasileiro. Cerca de uma semana depois, o Ministério da Saúde divulgou uma Nota Técnica com as orientações sobre a vacinação deste grupo e os municípios que ainda possuíam estoques de Coronavac deram início à imunização das crianças.

Em Cuiabá não foi possível começar a imunização desta faixa etária, visto que a capital não tem mais doses do imunizante. “A última remessa de Coronavac que Cuiabá recebeu foi em 12 de julho, num total de apenas 500 doses. Elas foram usadas para completar o esquema vacinal das crianças acima de 5 anos que já tinham tomado a primeira”, explicou Valéria de Oliveira, coordenadora da Vigilância Epidemiológica.

Valéria revelou que a capital mato-grossense ainda possui estoque de Pfizer pediátrica, para crianças de 5 a 11 anos. “A vacinação das crianças começou em janeiro deste ano e ainda assim não conseguimos alcançar 50% grupo de 5 a 11 anos com a primeira dose. O grupo de 5 a 11 anos em Cuiabá é composto por 60.659 crianças e foram vacinadas 47,5% com a primeira dose e 28% com a segunda”, comentou.

A coordenadora disse que, tão logo Cuiabá receba as doses de Coronavac, a vacinação das crianças de 3 e 4 anos terá início. “Atualmente temos 13 locais de vacinação infantil, espalhados por todas as regionais da cidade, inclusive na regional rural. Assim que recebermos a Coronavac, começaremos imediatamente a imunização deste grupo. Aproveito para pedir que os pais que não levaram ainda suas crianças a partir dos 5 anos para receber a dose da vacina, que o façam o quanto antes. As vacinas são seguras e graças a elas estamos vencendo a pandemia”, concluiu.

Fonte: Prefeitura de Cuiabá MT

Comentários Facebook
Continue lendo

Destaque

Supostos organizadores do Dia do Fogo são alvos de operação em Colniza

Publicado

Sete mandados de buscas e apreensão, expedidos pelo Poder Judiciário em Colniza, município distante 1.042 km de Cuiabá, estão sendo cumpridos neste sábado (13), na Operação Jomeri. Os alvos são pessoas físicas e jurídicas responsáveis, em tese, pela organização da ação criminosa conhecida como “Dia do Fogo”.

A Operação é um desdobramento da ação fiscalizatória realizada no dia 05 de agosto. A iniciativa é desenvolvida de forma conjunta pelo Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco Ambiental), Promotoria de Justiça de Colniza, Delegacia Especializada do Meio Ambiente (Dema), Delegacia Regional de Juína, Delegacia Municipal de Colniza, Grupo de Operações Especiais (GOE), Batalhão de Proteção Ambiental da Polícia Militar e Secretaria de Estado do Meio Ambiente (Sema).

De acordo com as investigações, um grupo de indivíduos estaria se organizando para provocar, de forma coordenada, queimadas em áreas de floresta nativa em vários pontos da região de Colniza. O modo de agir seria o mesmo utilizado há três anos, no Estado do Pará, quando a fumaça gerada por queimadas criminosas percorreu milhares de quilômetros pelo território brasileiro.

A área total das propriedades investigadas ultrapassa 300 mil hectares, dos quais já se constatou um desmatamento de 50 mil hectares. Os envolvidos na ação poderão responder pelos crimes de associação criminosa, desmatamento e queima Ilegal, crime contra a administração ambiental, dentre outros. A investigação teve início no ano de 2021.

Além das medidas de busca e apreensão, o Ministério Público do Estado de Mato Grosso instaurou dezenas de procedimentos de natureza cível, buscando a reparação socioambiental pela degradação já ocorrida. O valor total das indenizações é de R$ 421.731.922,05.

Desde a notícia de que ocupantes de uma das fazendas da região promoveriam incêndio criminoso na área, a Sema, por meio da Superintendência de Fiscalização e o Núcleo de Inteligência, Batalhão de Polícia Militar de Proteção Ambiental e Batalhão de Emergências Ambientais do Corpo de Bombeiros Militar, posicionaram suas equipes na área de forma ostensiva a prevenir e impedir a ação dos infratores, bem como identificar as pessoas ligadas à incitação lesiva ao meio ambiente. Já foram lavrados 18 autos de infração pela prática de desmate ilegal, que correspondem a 50% do desmate para o município de Colniza.

De 08 a 12 de agosto, o Batalhão de Polícia Militar de Proteção Ambiental aplicou em quatro pontos da região multas de R$ 200 mil por quebra de embargo e de R$ 450 mil desmate ilegal, totalizando R$ 650 mil. Ao todo, foram fiscalizados oito alertas.

Em Mato Grosso, o uso do fogo está proibido desde o dia 1º de julho e a vedação segue até o dia 30 de outubro.

SIGNIFICADO – A denominação da operação faz referência ao nome do antigo psicólogo que estudou sobre o problema da piromania (caracterizada por atear fogo de forma intencional e compulsivamente) e deu origem a todos os recentes estudos e tratamentos sobre citada síndrome.

Fonte: MP MT

Comentários Facebook
Continue lendo

Policial

Política

Mato Grosso