conecte-se conosco


Mulher

Escravidão contemporânea e precarização não choca tanto quanto deveria

Publicado

Mulher

Sucesso midiático e nas redes sociais,
Divulgação

Sucesso midiático e nas redes sociais, “A Mulher da Casa Abandonada” relembra caso de mulher que foi mantida há 20 anos em situação de escravidão contemporânea

Há pouco mais de um mês, é comum encontrar “A Mulher da Casa Abandonada” como um dos principais assuntos do momento nas redes sociais. O podcast da Folha de S.Paulo, com apuração e narração do jornalista Chico Felitti, se tornou um fenômeno midiático por esmiuçar a história de uma mulher, foragida do FBI por manter uma empregada doméstica em situação de trabalho escravo contemporânea nos Estados Unidos, que se esconde em uma mansão decadente em Higienópolis, bairro nobre da cidade de São Paulo.

O trabalho investigativo de Felitti o levou ao caso que envolve Margarida Bonetti e o marido, Renê Bonetti, que explodiu nos noticiários no início dos anos 2000. A vítima, uma empregada doméstica brasileira “dada de presente” pela família, é analfabeta e passou 20 anos em situação de trabalho forçado. A mulher era mantida em condições insalubres no porão da mansão do casal em Washington, teve atendimento médico negado para tratar de um tumor e sofreu uma série de maus tratos por parte, principalmente, de Margarida.

O intuito de “A Mulher da Casa Abandonada” é abordar a realidade nada distante da situação de escravidão à qual muitas empregadas domésticas são silenciosamente submetidas, mas também de trazer à tona o caso e a história por trás de quem vive na sinistra mansão em Higienópolis. Ou melhor, vivia, já que  a procurada fugiu da residência no último fim de semana – período em que a casa abandonada pareceu alçar de vez o status de “ponto turístico”.

Agora, a fachada da mansão dos Bonetti está sempre ocupada por ouvintes e curiosos ávidos para conhecer o local. Pessoas subiram no muro, picharam o nome da vítima (mantido em sigilo no podcast) e gravaram dancinhas de TikTok em frente à casa, ostentando a presença naquele lugar.

Para Nathalie Rosário, advogada do Sindicato das Empregadas e Trabalhadores Domésticos da Grande São Paulo (Sindoméstica), a repercussão de “A Mulher da Casa Abandonada” causa tristeza. Para ela, a atenção do público parece ter ficado muito mais voltada para a infratora e pela “aura misteriosa” da mansão. “Fora do podcast, pouco se falou sobre como essa empregada está, se está segura, se foi acolhida e se teve acesso aos direitos dela”, afirma ao iG Delas.

“A sociedade não tem esse olhar atento para a vítima de racismo e escravidão. Mas teve com a infratora. A supremacia branca continua prevalecendo nesse sentido de enxergar aquilo que ela fez como algo a se fazer meme, como algo a ser levado na brincadeira. Se foge do ponto principal, que é a questão racial e que ainda existe esse tipo de situação”, complementa a advogada.

Entre no canal do  iG Delas no Telegram e fique por dentro de todas as notícias sobre celebridades, reality shows e muito mais!

Escravidão contemporânea

O ano de 2021 foi um dos que apresentaram o maior índice de pessoas encontradas em situação de escravidão contemporânea. De acordo com o Ministério do Trabalho e Previdência, foram quase 2 mil pessoas amparadas nessas condições. A Organização Nacional do Trabalho aponta que foram 60 mil pessoas libertadas nos últimos 15 anos.

Melina Girardi Fachin, advogada, pesquisadora e co-autora do livro “Constituição e Direitos Humanos” (disponível pela editora Almedina Brasil), lembra ainda que, nos últimos dez anos, o Brasil recebeu duas condenações da Corte Interamericana de Direitos Humanos por escravidão contemporânea.

No âmbito do trabalho doméstico, as mulheres, por si só, representam 92% das trabalhadoras dessa categoria; destas, 65% são negras, segundo levantamento do Departamento Intersindical de Estudos e Estatísticas (Dieese). “Além de negras, essas mulheres, em sua maioria, têm baixa escolaridade e são de baixa renda”, aponta Fachin.

Melina explica que a a forte desigualdade social e o racismo estrutural brasileiro são os dois principais fatores na conjuntura brasileira que propiciam a continuidade da escravidão contemporânea no país. “É o que mantém esse sistema perverso que continua escravizando e instrumentalizando pessoas. O perfil das vítimas já nos mostra a realidade discriminatória que, ao mesmo tempo, alimenta esse sistema e é fruto dele”.

“As empregadas se submetem a essas condições por uma questão de racismo estrutural”, afirma Rosário. “É um ciclo vicioso que atinge mais as mulheres negras e é passado de avó para mãe, de mãe para filha. Por vezes, alguém precisa romper esse ciclo para que exista uma ascensão profissional. Não é que a categoria não seja importante, porque é. Mas é necessário que exista um trampolim para que trabalhadoras tenham acesso aos estudos e possibilidades de crescer prifissionalmente”.

Por mais que o regime escravocrata pareça ser uma página virada no contexto atual do Brasil, Rosário aponta que a raiz da categoria segue os moldes dele, já que elas surgiram no período colonial. “Vivemos uma falsa abolição em relação ao emprego doméstico. Com todo avanço legislativo, ainda existem empregadas sendo silenciadas, sem o mínimo de direitos. Esses casos existem e não são pontuais”, afirma a advogada do sindicato.

Rosário e Fachin apontam que são características do trabalho escravo contemporâneo o trabalho forçado, jornadas exaustivas, situações de servidão por dívidas (como trabalhar em troca de moradia, por exemplo), condições degradantes, falta de higiene, alimentação e assistência médica, cerceamento dos direitos de ir e vir e falta de remuneração.

Rosário aponta que existe um padrão que atrai as vítimas para essa situação de trabalho, caracterizado por uma situação de hipervulnerabilidade. Em casos que acabam em situação de escravidão contemporânea, o perfil das vítimas é de mulheres que foram despejadas ou não tinham um lar.

“O empregador se aproveita dessa situação vulnerável para oferecer um ambiente. Só que essa mulher trabalha e recebe em retorno tão somente o lar, o famoso quartinho da empregada, onde ficam isoladas em condições precárias. Elas perdem acesso social a suas famílias, então não há acesso ao que está acontecendo”, indica.

Tasha Jolley/Unsplash

“sociedade não tem esse olhar atento para a vítima de racismo e escravidão”, diz advogada do Sindoméstica

Fachin aponta que as vítimas ficam tão imersas nesses ambientes e são tão afastadas do convívio social que não conseguem pedir ajuda ou buscar proteção. “Devido à própria condição de dominação em que essas pessoas se encontram e pela ausência de consciência e compreensão dos próprios direitos, justamente por serem pessoas de baixíssima escolaridade e que vieram de um cenário de hipervulnerabilidade, há poucas chances de que essa pessoa faça a denúncia”. O medo também é um fator predominante para impedir que a vítima denuncie.

“Então, é muito complicada a forma como, hoje, a internet repercute esses casos de uma forma engraçada. É um crime hediondo. Tem uma família que sofreu e uma pessoa que perdeu a vida toda. É importante refletir sobre qual mensagem precisamos aprender por trás disso para evoluir como sociedade”.

Rosário complementa que, por ser um trabalho realizado na casa de alguém, fazer o resgate é ainda mais complicado devido ao direito de inviolabilidade do lar, que impede o acesso à residência sem que exista uma denúncia oficial. “Falta uma fiscalização do poder para afastar essas trabalhadoras que estão sofrendo essas condições”.

Fachin explica que existem diversas divisões responsáveis pela fiscalização de trabalho e pelo mapeamento de pessoas nessa situação, sendo o Ministério Público do Trabalho o principal. No entanto, há poucos quadros com acesso aos casos que ocorrem em determinadas regiões brasileiras, principalmente o interior.

A advogada acrescenta que as estruturas judiciárias frequentemente desqualificam essas denúncias; da mesma forma que o crime de racismo é negligenciado. “Viemos em um país que não prestou contas do seu passado escravocrata. Isso acaba alimentando o mito da democracia racial que faz com que a sociedade, incluindo autoridades públicas, se autorize a dizer que não há racismo no Brasil ignorando os dados que mostram essa realidade”.

“É fundamental que esse tema seja colocado em pauta porque mexe na estrutura do nosso modo de ser sociedade. Temos leis. Temos condenações internacionais. É inconcebível que estejamos, em 2022, presenciando cenas que remontam a um passado oitocentista. Temos que não perder a capacidade de nos indignar com esse absurdo e cobrar dos cargos responsáveis e do poder público que esses órgãos sejam mais robustos e que exista a fiscalização da implementação da lei”, alerta Fachin.

Precarização do trabalho doméstico

Em 1988, a Constituição Federal garantiu a proteção de empregados de empresas comuns. Levou 17 anos para que existisse uma legislação que assegurasse o mesmo direito às empregadas domésticas. A Lei Complementar 150 regulamenta, sancionada em junho de 2015, entre outros direitos, o seguro-desemprego, fundo de garantia, aposentadoria, jornada de trabalho de 44 horas semanais.

“Infelizmente, a nossa constituição fazia essa discriminação, o que mostra como o direito, as normas e as leis também precisam se adatar e correr atrás para dar respostas mais robustas a essas pessoas”, diz Fachin. Rosário, no entanto, afirma que a lei, por si só, não atingiu o resultado esperado, já que a cada dez empregadas domésticas brasileiras, apenas três são registradas.

Sem o registro, é ainda mais difícil entrar com um processo para reaver todos os direitos que não foram assegurados, já que essas profissionais, geralmente, recebem o pagamento em mãos e não têm testemunhas. “Essas desvantagens favorecem o empregador doméstico”.

Outro motivo que propicia essa relação de trabalho é a falsa mistura entre relação profissional e pessoal. “O empregador afirma que a empregada é uma figura ‘parte da família’ e usa desse atributo para deixar de cumprir um direito dela. Existe essa máscara de que há uma benevolência do empregador ao contratar uma empregada doméstica”.

A precarização do trabalho doméstico é efeito direto da desvalorização dessa atividade e das profissionais. Tanto no caso de precarização como de escravidão, Rosário aponta que a reação da sociedade é, desde sempre, de olhar para o outro lado. Essa postura coloca as trabalhadoras como não dignas de direitos e amparo; além de estarem atreladas aos rótulos racistas e patriarcais que perpetuam o silenciamento e invisibilização da classe.

Marta*, 50, trabalha como empregada doméstica há 15 anos e lembra de ter vivido dias de aflição na primeira casa de família em que trabalhou. Ela ficou no cargo por dois anos e, ao longo do tempo, presenciou intrigas, recebeu acusações e foi vítima de abusos psicológicos causados pelo casal de empregadores.

Ela lembra que trabalhava com uma outra colega, que cuidava da cozinha da mansão, e que as duas só tinham autorização para fazer refeições numa mesa da área externa. A área, que tinha teto coberto, tinha laterais abertas. Elas tinham que ficar ali mesmo no frio.

O casal era de difícil convivência. A mulher sentia ciúmes da relação das filhas do marido com as empregadas e as acusava de oferecer tratamento diferenciado para elas. Alguns dias dava “bom dia”; em outros, ignorava as funcionárias. “Ela era advogada, então sabia os limites. Era tudo muito sutil”, diz a empregada sobre os insultos e a pressão psicológica diária.

No caso do homem, o problema era a comida. Por mais que a alimentação esteja assegurada para as empregadas domésticas, Marta preferia almoçar em casa, que era próxima do local de trabalho, para almoçar com a filha. Só almoçou na mansão uma única vez, mas nunca mais o fez ao perceber que os patrões “fecharam a cara”. As únicas frutas que poderiam comer era banana, já que o casal não gostava.

Para evitar problemas, ela e a colega faziam vaquinhas para comprar leite, café, açúcar e pão para o café da tarde. Por vezes, o homem se sentava à mesa e comia os ingredientes comprados por ela. “Ele comia nosso pão e tomava do nosso café. Não tava nem aí”, diz.

Para alguns desses cafés, o patrão já levou ingredientes como geleias e requeijão como “cortesia” para as empregadas. Marta afirma que a data de validade de todos os produtos estava vencida há, pelo menos, seis meses.

Entre outras situações que passou, Marta relata que foi acusada de entupir o vaso sanitário de um dos lavabos da mansão em um fim de semana em que ela sequer esteve na casa. Era pedido que ela fizesse horas extras ou atividades que não constavam no seu escopo, como limpar a piscina ou organizar o jardim – eram as únicas ocasiões em que os padrões ficavam mais amigáveis.

Na residência seguinte em que trabalhou, era obrigada a cuidar dos animais domésticos dos empregadores quando eles viajavam, muitas vezes sem aviso prévio e, em todos os casos, sem receber nada a mais. “Principalmente no final do ano, jogam a responsabilidade em cima das empregadas. Eles pedem na primeira e na segunda vez. Da terceira em diante, você chega e já estão com as malas prontas. Tive que desmarcar vários compromissos para ir todo dia em casa, faça chuva ou faça sol, para cuidar dos animais”.

Siga também o perfil geral do  Portal iG no Telegram !

Por mais que passasse por abusos e recebesse falas atravessadas, Marta aponta que sempre se impunha diante dos patrões. Delimitava o limite do horário, dizia quando discordava de algo e, quando acusada de algum ato que não cometeu, respondia a altura. “Eles falavam que eu era mesmo mais esperta, então eu tinha outro tratamento”.

A colega de trabalho de Marta no primeiro emprego era a que mais sofria represálias. Os patrões pediam para que ela cozinhasse um prato no almoço e, quando o levava pronto, pediam outro. Era comum que recebesse gritos, ofensas e trabalhasse chorando. Marta relata que essa mulher ficou por mais tempo trabalhando na mansão, e que chegou a passar tanto nervoso que, um dia, desmaiou de nervoso. “Eles viram e não ligaram. Não socorreram ela, não”, diz.

Como denunciar?

Tanto nos casos de precarização de trabalho como de situação de escravidão contemporânea, é possível fazer as denúncias anônimas pelo Disque Direitos Humanos, o Disque 100. O Sindoméstica recebe denúncias anônimas, junto ao Ministério Público do Trabalho, para fiscalização e acolhimento pelo telefone 0800 77 35 900.

Pela internet, é possível denunciar irregularidades trabalhistas pelos canais digitais de denúncia da Secretaria do Trabalho do Ministério da Economia, pelo link https://denuncia.sit.trabalho.gov.br/home . Nos casos de escravidão contemporânea, o canal de denúncia é o Sistema Ipê ( https://ipe.sit.trabalho.gov.br/#!/ ).

*O nome foi alterado para preservar a identidade da fonte.

Fonte: IG Mulher

Comentários Facebook
publicidade

Mulher

Novo estudo identifica três tipos de orgasmo feminino

Publicado

Os orgasmos receberam o nome de
Ana Melo

Os orgasmos receberam o nome de “onda”, “avalanche” e “vulcão”

Um estudo feito por pesquisadores da Universidade Charles em Praga, na República Tcheca, e do Centro de Saúde Genital e Educação, identificou três tipos de orgasmo feminino: “onda”, “avalanche” e “vulcão”. A descoberta foi publicada na revista científica Journal of Sexual Medicine.

Os nomes se referem à maneira como os movimentos do assoalho pélvico ocorreram durante a preparação para o orgasmo e a liberação da tensão no orgasmo.

Os cientistas caracterizaram como “onda” quando o assoalho pélvico apresenta ondulações ou contrações sucessivas de tensão e liberação no orgasmo. Já a “avalanche” ocorre quando há uma tensão mais elevada do assoalho pélvico com contrações que diminuem a tensão durante o orgasmo. Já o “vulcão” é caracterizado pelo assoalho pélvico permanecendo em uma tensão mais baixa antes de aumentar drasticamente no clímax.

Para o estudo, 54 mulheres usaram um vibrador conectado por Bluetooth, chamado Lioness, detecta a força das contrações do assoalho pélvico em dois sensores laterais, para que esses padrões possam ser analisados.

As mulheres, que realizavam as tarefas em casa, foram instruídas a se masturbarem até chegarem ao orgasmo e desligar o aparelho dois minutos após alcançarem o clímax. As voluntárias repetiram as ações por vários dias. Elas também foram solicitadas a realizar um teste de controle, no qual inseriam o vibrador, mas não se estimularam.

Os resultados apontaram que quase 50% das mulheres (26) tiveram orgasmos de “onda”, enquanto 17 tiveram “avalanches” e 11 tiveram “vulcões”.

Uma descoberta importante foi que cada mulher experimentou consistentemente apenas um dos três tipos. Alguém que tem um padrão de orgasmo provavelmente não será capaz de experimentar nenhum dos outros, embora não tenha sido estabelecido se isso é ou não possível ter outros movimentos do assoalho pélvico ou se isso é apenas menos comum.

“Estamos fazendo um estudo de longo prazo de mulheres usando o Lioness para ver como esses diferentes padrões de orgamos são experimentados, quais são os níveis de prazer e de onde vem a estimulação que os induz”, disse James Pfaus, professor de neurociência da Universidade Charles e principal autor do estudo, em comunicado.

Entre no canal do iG Delas no Telegram e fique por dentro de todas as notícias sobre beleza, moda, comportamento, sexo e muito mais!

Fonte: IG Mulher

Comentários Facebook
Continue lendo

Mulher

Empresária transforma experiência com depressão em negócio lucrativo

Publicado

Tatiana Pimenta usou sua experiência com a depressão para criar a Vittude
Divulgação

Tatiana Pimenta usou sua experiência com a depressão para criar a Vittude

Foi de sua experiência pessoal com a depressão que a engenheira civil Tatiana Pimenta tirou a ideia de construir um negócio até então inédito no mercado: uma healthtech para unir psicólogos a pacientes. A Vittude, fundada em parceria com Everton Höpner (COO), está completando 6 anos com números expressivos. São mais de 500 mil consultas realizadas em sua plataforma, que somam 30 milhões de minutos de terapia.

A Vittude gerou mais de R$32 milhões de renda a cerca de 2900 psicólogos ao longo da sua história. Com clientes como Grupo Boticário, Banco do Brasil, SAP e Telhanorte Tumelero em seu portfólio, ao todo são mais de 170 empresas que confiam na Vittude para levar saúde mental aos seus colaboradores.

Entre no  canal do iG Delas no Telegram e fique por dentro de todas as notícias sobre beleza, moda, comportamento, sexo e muito mais! 

“Eu tive uma experiência péssima quando sofri de depressão, a gente não quer falar do assunto, não tem vontade de levantar, quando decidi buscar ajuda tentei o plano de saúde, mas foram vivências muito ruins. Decidi criar algo que pudesse facilitar o acesso a um profissional de saúde mental”, lembra a empresária.

A plataforma chegou oferecendo suporte aos psicólogos, com agenda online, consultório virtual, prontuário eletrônico, serviços pelos quais eles pagam para usar. Na outra ponta, vieram as empresas, com as demandas de seus funcionários.

“A pandamia chegou em março de 2020 e a gente tinha sete clientes. A necessidade de cuidar da saúde mental surgiu, ganhou urgência, as pessoas estavam morrendo, muitos em trabalho remoto e isolamento social, convivendo com a ansiedade, cansaço, exaustão. A demanda explodiu. De 7 passamos para 170 clientes. As coisas aconteciam em uma velocidade muito rápida, foi um furacão”, lembra. Sair para captar recursos foi um percurso natural e ela conseguiu uma injeção de grana.

Durante sua trajetória, a Vittude teve grandes marcos de reconhecimento como os aportes recebidos pela Redpoint eventures, pelo Scale Up Ventures da Endeavor e também pela Crescera Capital que, juntos, somam mais de R$ 40 milhões.

Acompanhe também perfil geral do Portal iG no Telegram !

“A Vittude foi pioneira no segmento de psicologia online no Brasil e uma das grandes articuladoras da regulamentação do serviço em 2018, dois anos antes da pandemia. Construir uma empresa em um setor rodeado de estigma é desafiador, mas ao mesmo tempo gratificante, especialmente para uma pessoa que já conviveu com um quadro de depressão”, explica.

Pimenta esclarece que o trabalho sempre foi pautado na curadoria dos profissionais de psicologia, de modo a garantir à população uma experiência diferenciada e positiva no momento da consulta. “A mente humana é sofisticada, demanda conhecimento especializado e competência técnica para seu manejo. Por essa razão, sempre investimos em ter profissionais experientes e muito bem capacitados junto conosco”, afirma.

tatiana pimenta vittue
Divulgação

Tatiana Pimenta é a CEO da Vittude

Para as empresas, passou a oferecer soluções corporativas para os interessados em investir na saúde mental de seus funcionários. Pimenta garante que esse movimento vai explodir quando entrar em vigor a determinação da OMS (Organização Mundial de Saúde) que classifica o bornout como uma doença ocupacional. A Vittude faz todo um diagnóstico da situação e avaliação de segurança psicológica.

“É mais barato subsidiar a sessão de terapia do funcionário do que arcar com os danos de um problema de saúde mental. A gente monta um projeto e há empresas que subsidiam integralmente o atendimento aos colaboradores, com 4 consultas por mês (como faz o Banco do Brasil, por exemplo). O sinistro médico reduz, a empresa economiza”, explica a empresária. 

“Queremos nos consolidar como a empresa parceira dos nossos clientes no âmbito de saúde mental, que oferece suporte e serviços de alta qualidade para empresas e seus funcionários”, conclui Tatiana Pimenta.

Fonte: IG Mulher

Comentários Facebook
Continue lendo

Policial

Política

Mato Grosso