conecte-se conosco


Economia

Economia em ritmo de eleição afasta investidores e eleva risco país

Publicado

Economia

‘Bondades’ de Bolsonaro ajudam a elevar indicadores de risco do país e afastam investidores
Agência Brasil

‘Bondades’ de Bolsonaro ajudam a elevar indicadores de risco do país e afastam investidores

As recentes medidas discutidas pelo governo e propostas debatidas no Congresso para tentar reduzir o  impacto da inflação no cotidiano dos brasileiros, particularmente o da escalada dos combustíveis , a pouco mais de três meses das eleições assustam investidores. Estão piorando os indicadores utilizados para medir o risco da economia brasileira, afastando capitais financeiros do país.

Projetos como os que subsidiam os preços dos combustíveis ou  elevam o pagamento de benefícios sociais como o Auxílio Brasil ou  criam um para os caminhoneiros ganham força no governo e na sua base parlamentar à medida que se aproxima o pleito, mas o aumento dos gastos que eles implicam e seu impacto nas contas públicas a partir do ano que vem estão agravando a pressão de baixa sobre as ações na Bolsa brasileira e sobre o real, que voltou a sofrer forte desvalorização em relação ao dólar. 

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia. Siga também o  perfil geral do Portal iG 

O Ibovespa, principal índice da Bolsa de São Paulo, a B3, teve dificuldades neste mês para retomar os 100 mil pontos ontem. O dólar voltou a operar acima dos R$ 5,20 recentemente, renovando as máximas vistas em fevereiro. Só em junho, o dólar já subiu 10,14% ante o real, e o Ibovespa perdeu 9,51%.

Especialistas explicam que os efeitos das “bondades eleitorais” em discussão no longo prazo está elevando os indicadores que medem o risco-país. Novas incertezas políticas e fiscais prejudicam o interesse dos investidores por ativos no país no momento, mas também deixam o horizonte mais incerto em meio a um cenário global já desafiador, com alta da inflação e dos juros em vários países. 

Deterioração rápida

O impacto aparece em várias medidas. Entre elas, estão os Credit Default Swap, conhecidos como CDS. Trata-se de uma espécie de seguro contra possíveis calotes de um país, funcionando, portanto, como uma das principais medições de riscos usadas por investidores internacionais no momento de decidir onde alocar seu dinheiro. Quanto mais alto o CDS, mais arriscado é considerado o país para aplicações.

De acordo com um monitoramento realizado pela consultoria Tendências, o CDS de cinco anos do Brasil ultrapassou o patamar de 290 pontos na semana passada, atingindo o ponto mais alto desde maio de 2020, bem acima da faixa dos 205 do início do ano.

O risco brasileiro sobe mais que o de outros países da América Latina. Desde o início de 2022, a média do risco-país de Colômbia, Chile, Peru e México avançou de 110 para os 167 pontos.

Curva de juros altera tendência

Ao longo da semana passada, a curva de juros futuros também reverteu a tendência no Brasil. Passou a subir diante da piora do noticiário fiscal e da divulgação de um IPCA-15 levemente acima das expectativas.

A curva de juro real (taxa descontada a inflação), que reflete as taxas dos títulos do Tesouro indexados à inflação (NTN-B), apresentou abertura intensa em quase toda extensão, com exceção do título de 2022 que vence em menos de 2 meses, mantendo-se próximo aos 6% ao ano, segundo levantamento da XP. 

Na segunda-feira (27), as taxas de juros futuros longas voltaram a subir. A taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2025 e a do DI para janeiro de 2027 tiveram ligeira alta.

Apesar de bons números, piora a percepção

As propostas em discussão no governo e no Congresso, como a desoneração de combustíveis, o pagamento de um auxílio na casa dos R$ 1 mil para caminhoneiros e a elevação do Auxílio Brasil de R$ 400 para R$ 600 afastam o país cada vez mais do teto de gastos, a regra que limita o crescimento das despesas públicas à inflação.

Causa receio nos investidores a possibilidade de decretação de um estado de emergência, o que suspenderia regras fiscais e abriria espaço para ainda mais gastos nas vésperas da eleição que teriam impacto nas contas públicas e na economia do país a partir de 2023.

As investidas contra a Lei das Estatais e a ingerência política na Petrobras também prejudicam a avaliação do país pelos investidores. Para analistas ouvidos pelo GLOBO, a percepção de risco político e fiscal tem aumentado, mesmo levando em conta dados financeiros positivos do governo nos últimos meses.

O país tem renovado recordes de arrecadação, favorecido pela alta de commodities das quais o país é grande produtor e exportador e pela inflação, que elevam a receita com impostos. O problema é que a sinalização de mais gastos pelo governo, que perde credibilidade, e o cenário externo desfavorável principalmente para as economias emergentes desestimulam o fluxo de capitais para o Brasil, desvalorizando ações e o real.

‘Mais importante é o governo passar credibilidade’

“Desde a aprovação da PEC dos Precatórios, existe a percepção de que o risco fiscal pode piorar por causa de propostas que surgem e alteram as regras vigentes. Observamos o governo entregando um resultado fiscal melhor, mas ainda temos muito ruído e discussões de propostas que podem alterar as regras fiscais. Mais importante do que ter uma regra é o governo passar credibilidade sobre essa regra”, diz a economista-chefe do Inter, Rafaela Vitória.

Para a economista, a piora do desempenho do real e dos CDS no último mês também é explicada pela reversão, ainda que parcial, dos preços de commodities. Rafaela observa que, além da inflação, o resultado fiscal do governo tem sido ajudado por um crescimento maior que o esperado da economia, com lucro mais alto das empresas ligadas a commodities e maior geração de vagas no mercado de trabalho.

“Esses dados positivos são importantes, mas não é uma situação aparentemente permanente. Parte da melhora foi consequência de um choque positivo de receitas, mas os mercados estão olhando mais para a frente. Essas medidas anunciadas trazem um preço no curto prazo de renúncia de receitas e aumento de despesas. O próximo governo vai lidar com um cenário de teto praticamente estourado e podendo adotar medidas de ou suprimir a regra do teto ou abrir novas exceções”, concorda Silvio Campos Neto, economista da Tendências.

Ele também destaca que o Brasil tem uma economia mais líquida na comparação com outros emergentes, o que facilita a entrada e saída de capitais, com maior volatilidade na Bolsa e no câmbio.

Incertezas no horizonte

Para o gestor de fundos da Arena Investimentos, Mauricio Pedrosa, mesmo que algumas das propostas de gastos públicos em discussão sejam provisórias, o próximo governo terá dificuldades para retirá-las. Ele aponta a falta de clareza dos candidatos que lideram a corrida eleitoral para o Planalto sobre a condução da economia a partir de 2023, deixando o horizonte mais turvo para os investidores, o que se reflete nos indicadores de risco-país.

“Como é que o novo governo vai lidar com um espaço fiscal muito baixo? Quando é dito que a construção de controle fiscal que está vigente será retirada, não é oferecido ao mercado o que vai ser colocado no seu lugar. O teto de gastos é uma das medidas que ajuda a dar uma percepção de risco menor para os investidores. A retirada disso gera insegurança, principalmente, quando ela não vem acompanhada do que vai ser colocado no lugar.”

Exterior pesa

No exterior, os principais bancos centrais já começaram ou sinalizaram um processo de alta nos juros contra a inflação elevada. Esse aperto monetário já deixa investidores internacionais naturalmente mais seletivos. O que tem mantido o interesse deles pelo Brasil são os papéis ligados à alta das commodities e o diferencial de juros, já que a taxa básica no país começou a subir no ano passado e já supera 13% ao ano.

“Vemos todos os países emergentes sofrendo com aumento de prêmio de risco e desvalorização cambial, com pressões nas taxas de juros. Aqui por esse detalhe adicional de estarmos na discussão de medidas que trazem impactos fiscais, esse movimento acabou sendo exacerbado”, avalia Campos Neto.

Para os analistas, a tendência é que o cenário interno continue desafiador no Brasil até o fim do período eleitoral e as sinalizações do eleito para o Planalto. Ontem, o Itaú BBA revisou para baixo sua projeção para o Ibovespa no fim de 2022, de 115 mil pontos para 110 mil pontos. O banco avalia que a inflação doméstica mais alta e persistente que o esperado deve manter os juros elevados por mais tempo e seguir impactando a performance dos ativos ligados à economia local.

“O cenário lá fora é o principal desafio que vamos ter no próximo semestre. A parte negativa que está refletida nos preços hoje já é conhecida pelo cenário doméstico. Se tivermos uma alta de juros lá fora maior do que a gente espera, podemos ter uma deterioração maior aqui, com investidor estrangeiro entrando de forma mais lenta”, observa Rafaela, do Inter.

Não é só por aqui

A alta dos combustíveis não é exclusividade do Brasil. Outros países também buscam formas de amenizar o impacto para os consumidores. Na semana passada, por exemplo, o presidente dos EUA, Joe Biden, pediu ao Congresso uma suspensão temporária dos impostos sobre a gasolina e o diesel. O que os investidores avaliam não é a política em si, mas as condições dos países para concretizá-las, explica Campos Neto:

“A gente sempre tem que diferenciar a adoção de medidas por países avançados e emergentes e a própria perspectiva de reverter essas medidas em algum momento.”

Para Pedrosa, da Arena, o governo brasileiro teria instrumentos mais eficazes para lidar com a questão dos combustíveis sem promover interferências na Petrobras:

“Não resta dúvida de que o preço da energia está bastante alto e temos uma matriz de transporte de público e de carga muito dependente de diesel. Mas, com os recursos que você ganha da cadeia de todo o setor de óleo e gás, você pode devolver de forma focalizada para aqueles que mais precisam.”

Fonte: IG ECONOMIA

Comentários Facebook
publicidade

Economia

Dólar sobe para R$ 5,09 com preocupações sobre China

Publicado

A divulgação de dados econômicos fracos sobre a China provocou instabilidade no mercado financeiro de países emergentes. O dólar disparou pela manhã, mas desacelerou ao longo do dia. A bolsa de valores iniciou o dia em baixa, mas reverteu o movimento, impulsionado por ações de varejistas.

O dólar comercial encerrou esta segunda-feira (15) vendido a R$ 5,092, com alta de R$ 0,018 (+0,35%). A cotação chegou a R$ 5,14 no início das negociações, mas a tensão diminuiu com a entrada de fluxos externos durante a tarde de investidores atraídos pelos juros altos no Brasil, o que permitiu que o câmbio se mantivesse abaixo de R$ 5,10.

Com o desempenho de hoje, a moeda norte-americana acumula queda de 1,6% em agosto. Em 2022, o recuo chega a 8,68%.

A volatilidade também afetou o mercado de ações. O índice Ibovespa, da B3, fechou aos 113.032 pontos, com alta de 0,24%. Pela manhã, o indicador chegou a cair 1,44%, após a divulgação de que a economia chinesa continuou a desacelerar. No entanto, a melhoria no mercado norte-americano durante a tarde e a alta de ações de setores ligados ao consumo trouxeram o índice para cima.

A política de lockdowns imposta pelo governo chinês para combater a economia de covid-19 fez a economia do país asiático registrar forte desaceleração em julho. Além disso, o prolongamento da crise imobiliária tem afetado a retomada da segunda maior economia do planeta. Problemas econômicos na China afetam países exportadores de commodities (bens primários com cotação internacional), como o Brasil.

Por outro lado, fatores ligados à economia doméstica ajudaram a amenizar as notícias vindas da China. A perspectiva de que o ciclo de alta da taxa Selic (juros básicos da economia) tenha chegado ao fim tem atraído capital externo para o Brasil. Paralelamente, as ações de empresas ligadas ao consumo doméstico passaram a recuperar-se com a expectativa que a Selic comece a cair no próximo ano.

* Com informações da Reuters

Edição: Valéria Aguiar

Fonte: EBC Economia

Comentários Facebook
Continue lendo

Economia

O que esperar do 5G no varejo? Tecnologia promete revolucionar o setor

Publicado

O que esperar do 5G no varejo? Tecnologia promete revolucionar o setor
Divulgação

O que esperar do 5G no varejo? Tecnologia promete revolucionar o setor

Sinônimo de inovação, a chegada do 5G ao Brasil promete revolucionar o varejo e as relações sociais.  Já disponível em Brasília, Porto Alegre, João Pessoa, Belo Horizonte e São Paulo, a expectativa é que a tecnologia esteja em todas as capitais brasileiras até o final deste ano. Mais do que velocidade de navegação, o 5G promete transformar as experiências de compra, que serão mais completas, diferenciadas e eficientes.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia. Siga também o  perfil geral do Portal iG

Segundo o relatório da EMIS, plataforma digital do Grupo ISI Emerging Markets, estima-se um aumento de 3,8% nas vendas do varejo brasileiro em 2022. Esta perspectiva já é realidade para a China, que além de liderar a corrida de implantação do 5G, aumentou 4,9% das suas vendas em outubro de 2021.

“Realidade virtual, lives commerce , metaverso e muitas outras tecnologias serão facilitadas com o 5G. É a hora dos executivos se atentarem às tendências e possibilidades que dão match com o seu público-alvo. Por isso, traçar caminhos estratégicos e inovadores para cada negócio é crucial neste momento, afinal o 5G traz benefícios para todos”, afirma Jefferson Araújo, CEO da Showkase, plataforma de vendas online.

Há quem diga que o 5G mudará o jeito de se fazer varejo no Brasil. Ampliar o uso da inteligência artificial (IA) e da internet das coisas (IoT), isto é, dos produtos interconectados também está no radar. Com isso, o consumidor que está cada vez mais exigente e imediatista, além de uma experiência de compra mais completa, poderá ter um consumo ainda mais eficiente. Por outro lado, os varejistas terão novas oportunidades e facilidades, inclusive em etapas burocráticas como o pagamento.

Mas, afinal, o que esperar da tecnologia 5G? O executivo listou abaixo três avanços significativos para o varejo brasileiro:

Fidelidade à marca

Inovação, qualidade e agilidade são premissas para o 5G. A tecnologia possibilitará que o atendimento automatizado ganhe ainda mais espaço no dia a dia do cliente. A partir da implementação de soluções como IoT e IA, será possível coletar dados dos usuários, identificar demandas e proporcionar experiências personalizadas.

“O 5G possibilita uma coleta mais veloz e em maior volume, capaz de otimizar a experiência do cliente durante toda sua jornada de compra. Mapear hábitos e padrão de consumo é essencial para uma experiência mais assertiva. Estes dados são valiosos para mais do que ampliar os lucros da empresa, aumentar a fidelidade à marca”, explica Araújo.

Automatização dos processos

Com a chegada do 5G, o machine learning – ramo da inteligência artificial (IA) que reconhece padrões ou a capacidade de aprender continuamente ou fazer previsões com base em dados – também se beneficia e, consequentemente, traz avanços significativos para o varejo.

A tecnologia, além de apoiar estratégias de segurança, automatiza pagamentos e aprimora a performance nas operações, a exemplo da gestão dos funcionários, estoque e logística. “Os clientes terão os prazos de entrega mais atualizados e rastreados em tempo real. Embora esta tecnologia já exista, nem sempre há um funcionamento sem atrasos. Em resumo, o 5G traz maior estabilidade e velocidade aos processos que já existem”, destaca o executivo.

Presença digital e omnichannel

O comércio eletrônico registou um crescimento significativo nos últimos meses: 12,59% no primeiro trimestre de 2022, aponta índice do MCC-ENET, desenvolvido pela Neotrust | Movimento Compre & Confie, em parceria com o Comitê de Métricas da Câmara Brasileira da Economia Digital.

De acordo com Jefferson Araújo, diante desse boom do e-commerce, os empresários precisam estar cada vez mais atentos às estratégias multicanais disponíveis para o varejo. O 5G promete acelerar as soluções em omnichannel , possibilitando assim que o varejista esteja presente em mais de um canal de venda e ofereça uma experiência personalizada para o cliente. “Hoje, o omnichannel é o caminho mais promissor para os resultados do varejo”, complementa o CEO.


Fonte: IG ECONOMIA

Comentários Facebook
Continue lendo

Policial

Política

Mato Grosso