conecte-se conosco


Economia

Governo paga hoje Auxílio Brasil a beneficiários com NIS final 5

Publicado

Economia

O Governo paga hoje (23) a parcela de junho do Auxílio Brasil aos beneficiários com Número de Inscrição Social (NIS) com final 5. O valor mínimo do benefício é de R$ 400. As datas seguem o modelo do Bolsa Família, que pagava os beneficiários nos dez últimos dias úteis do mês.

O beneficiário poderá consultar informações sobre as datas de pagamento, o valor do benefício e a composição das parcelas em dois aplicativos: Auxílio Brasil, desenvolvido para o programa social, e o aplicativo Caixa Tem, usado para acompanhar as contas poupança digitais do banco.

O Auxílio Brasil é coordenado pelo Ministério da Cidadania, responsável por gerenciar os benefícios do programa e o envio dos recursos para pagamento pela Caixa.

Atualmente, 17,5 milhões de famílias são atendidas pelo programa. No início do ano, três milhões de famílias foram incluídas no Auxílio Brasil.

NIS jun jul ago set out nov dez
1 17/06 18/07 18/08 19/09 18/10 17/11 12/12
2 20/06 19/07 19/08 20/09 19/10 18/11 13/12
3 21/06 20/07 22/08 21/09 20/10 21/11 14/12
4 22/06 21/07 23/08 22/09 21/10 22/11 15/12
5 23/06 22/07 24/08 23/09 24/10 23/11 16/12
6 24/06 25/07 25/08 26/09 25/10 24/11 19/12
7 27/06 26/07 26/08 27/09 26/10 25/11 20/12
8 28/06 27/07 29/08 28/09 27/10 28/11 21/12
9 29/06 28/07 30/08 29/09 28/10 29/11 22/12
0 30/06 29/07 31/08 30/09 31/10 30/11 23/12

Auxílio Gás

O Auxílio Gás também é pago hoje às famílias inseridas no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal (CadÚnico), com NIS final 5. Com valor de R$ 53 em junho, o benefício segue o calendário regular de pagamentos do Auxílio Brasil.

Com duração prevista de cinco anos, o programa beneficiará 5,5 milhões de famílias, até o fim de 2026, com o pagamento de 50% do preço médio do botijão de 13 quilos, conforme valor calculado pela Agência Nacional do Petróleo (ANP) nos últimos seis meses.

Pago a cada dois meses, o Auxílio Gás tem orçamento de R$ 1,9 bilhão para este ano. Só pode fazer parte do programa quem está incluído no CadÚnico e tenha pelo menos um membro da família que receba o Benefício de Prestação Continuada (BPC).

A lei que criou o programa definiu que a mulher responsável pela família terá preferência, assim como mulheres vítimas de violência doméstica.

Benefícios básicos

O Auxílio Brasil tem três benefícios básicos e seis suplementares, que podem ser adicionados caso o beneficiário consiga um emprego ou tenha um filho que se destaque em provas esportivas ou em competições científicas e acadêmicas.

Podem receber o benefício as famílias com renda per capita de até R$ 100, consideradas em situação de extrema pobreza, e aquelas com renda per capita de até R$ 200, consideradas em condição de pobreza.

A Agência Brasil elaborou um guia de perguntas e respostas sobre o Auxílio Brasil. Entre as dúvidas que o beneficiário pode tirar estão os critérios para integrar o programa social e o detalhamento dos nove tipos diferentes de benefícios.

O Auxílio Brasil é coordenado pelo Ministério da Cidadania, responsável por gerenciar os benefícios do programa e pelo envio dos recursos para pagamento da Caixa.

Edição: Kleber Sampaio

Comentários Facebook
publicidade

Economia

Petróleo cai e combustíveis no Brasil superam paridade internacional

Publicado

Petróleo é vendido abaixo de cem dólares pela primeira vez desde março
FreePik

Petróleo é vendido abaixo de cem dólares pela primeira vez desde março

Pela primeira vez no ano, tanto o diesel quanto a gasolina estão mais caros que o Preço em Paridade Internacional, valor que a Petrobras utiliza para realizar os reajustes no preço dos combustíveis . Segundo a Abicom (Associação Brasileira dos Importadores de Combustível), a gasolina tem defasagem média 2% e o diesel de 3%.

O PPI é calculado usando como referência os valores para gasolina, óleo diesel, câmbio, RVO e frete marítimo no fechamento do mercado no dia anterior.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia. Siga também o  perfil geral do Portal iG 

Hoje é o 19º dia de vigência do último reajuste de preços promovidos pela Petrobras , de 14,25% no diesel e 5,18% na gasolina. Na época, a defasagem na gasolina atingia 17% (ou R$ 0,82 por litro). No diesel, a diferença entre os preços vendidos no exterior e os cobrados no Brasil está em 16% (R$ 0,92 por litro).

Com a queda do petróleo, o panorama se inverteu e o diesel acumula redução de R$0,93/L e a gasolina R$0,48/L desde o último reajuste.

O petróleo Brent vem sofrendo sucessivas quedas, com temores de implementação de um teto no preço do óleo russo, especulado pelo G7 . Nesta quarta-feira (6), o barril é negociado abaixo de cem dólares pela primeira vez desde 15 de março. 

O sentimento de risco se espalhou pelos mercados devido a crescentes preocupações de que uma desaceleração econômica global acabará prejudicando a demanda. Os preços do petróleo têm sido propensos a oscilações violentas à medida que os comerciantes buscaram alternativas depois que a Rússia invadiu a Ucrânia, secando a liquidez do produto.



Fonte: IG ECONOMIA

Comentários Facebook
Continue lendo

Economia

Governo promete gasolina R$ 1,55 mais barata com corte no ICMS

Publicado

Posto de combustível
MARCELLO CASAL JR./AGÊNCIA BRASIL

Posto de combustível

O Ministério de Minas e Energia (MME) publicou uma  nota nesta quarta-feira (6) mostrando o efeito que o corte de impostos deve ter no preço dos combustíveis . Segundo a pasta, a gasolina deve cair R$ 1,55 por litro, tendo como referencial o recorde de R$ 7,390 atingido na semana anterior à vigência das medidas. Por enquanto, a queda foi de R$ 0,26, segundo a última pesquisa de preços da ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás e Biocombustíveis).

Quanto ao etanol, a expectativa é de corte médio de R$ 0,31 por litro, uma redução de 6,3%, se comparado a média de R$ 4,873. O óleo diesel cairia R$ 0,13 por litro e o Gás Liquefeito de Petróleo (GLP), R$ 2,63. 

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia. Siga também o  perfil geral do Portal iG 

Nas redes sociais, o ministro Adolfo Sachsida (Minas e Energia), comemorou a potencial queda no preço: “Competição é bom.” 

O cálculo considera a redução do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) a 17% ou 18%, já implementada por pelo menos  22 estados.

Mas, a discussão ainda não terminou. No Congresso, os parlamentares ainda precisam avaliar os vetos do presidente Jair Bolsonaro à lei do teto do ICMS. No Supremo Tribunal Federal, governadores questionam a lei do teto e a lei que determinou alíquota uniforme em todo o país.

Veja a perspectiva por Estado:


Fonte: IG ECONOMIA

Comentários Facebook
Continue lendo

Policial

Política

Mato Grosso