conecte-se conosco


Economia

Cade autoriza venda da subsidiária da Petrobras para Compass

Publicado

Economia

source
Conselho Administrativo de Defesa Econômica aprovou venda da Gaspetro
Divulgação

Conselho Administrativo de Defesa Econômica aprovou venda da Gaspetro

O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) aprovou nesta quarta-feira (22) a venda da Gaspetro, subsidiária de distribuição de gás da Petrobras, para a Compass, do grupo Cosan. A operação foi anunciada em julho do ano passado por um valor de R$ 2 bilhões.

Apesar de algumas divergências sobre medidas para garantir a concorrência no setor, o tribunal aprovou, por maioria, a operação sem restrições.

A Gaspetro tem participação societária em 19 companhias distribuidoras de gás natural no país e aceitou vender sua fatia de 51% na empresa para a Compass. A outra parte pertence à Mitsui, empresa que atua no setor de gás e energia.

A Compass é controladora da Comgás, maior distribuidora de gás no país, com mais de 2,1 milhões de clientes e 19 mil quilômetros de rede instalada, com presença relevante no estado de São Paulo.

Histórico

Em março, a operação havia sido aprovada pela Superintendência-Geral do Cade. O entendimento era que a operação não prejudicaria a concorrência no mercado de gás e a saída da Petrobras do setor geraria um ganho para a disputa entre as empresas.

No entanto, houve um pedido da conselheira Lenisa Rodrigues Prado para que o tribunal avaliasse a operação. Ela argumentou que o aumento de concentração poderia ser prejudicial para o mercado livre de gás e esclarecimentos deveriam ser feitos sobre a conformidade da operação com o acordo entre Cade e Petrobras de venda de ativos fechado em 2019.

O conselheiro-relator, Luiz Augusto Hoffman, votou pela aprovação sem restrições da venda. Segundo ele, o cenário pós-operação é benéfico para a competição e o reforço da posição da Compass reforça seu poder de barganha com os produtores de gás natural, como a Petrobras. 

“Com efeito, a operação pode viabilizar poder compensatório a posição dominante da Petrobras no elo upstream, exploração e produção, com potenciais benefícios à livre concorrência que devem ser considerados por este conselho”, argumentou. 


Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia. Siga também o  perfil geral do Portal iG

Acordo entre Cade e Petrobras 

Em julho de 2019, o Cade fechou um acordo com a Petrobras para venda de ativos no setor de gás. A venda da Gaspetro acontece nesse contexto e de um plano da estatal para reduzir o endividamento e concentrar investimentos em exploração e produção de petróleo.

O conselheiro Luiz Augusto Hoffmann entendeu que a operação é compatível com o acordo fechado com a Petrobras e ressaltou que apesar da concentração mais alta, a probabilidade de exercício de poder de mercado é baixa por conta da regulação do setor.

“A probabilidade de haver aumento de exercício de poder de mercado pela Compass em decorrência da operação é baixa no que diz respeito ao mercado de distribuição de gás canalizado e na mesma linha em relação ao mercado de comercialização para consumidores cativos”, apontou.

Fora a Gaspetro, a Petrobras já vendeu gasodutos, como TAG e NTS e pretende se desfazer de sua capacidade de refino. Em março, o Cade concedeu mais prazo para que as refinarias sejam vendidas.

Comentários Facebook
publicidade

Economia

Golpistas miram acordos para recuperar perdas com planos econômicos

Publicado

source
Acordo para recuperar perdas de poupadores nos planos Collor, Bresser e Verão vira alvo de golpes
Luciano Rocha

Acordo para recuperar perdas de poupadores nos planos Collor, Bresser e Verão vira alvo de golpes

A aproximação do prazo final para a adesão aos acordos firmados no Supremo Tribunal Federal (STF) para compensação de poupadores por perdas causadas pelos planos Collor, Bresser e Verão , que termina em dezembro, está aumentando o apetite de criminosos por golpes.

De posse do número do processo e de informações como valor de indenização, criminosos ligam para poupadores — apresentando-se como representantes da Justiça ou de entidades que lideraram os processos — e pedem depósitos para a liberação imediata dos valores a receber.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia. Siga também o  perfil geral do Portal iG 

Edson Freitas, coordenador executivo da Frente Brasileiras de Poupadores (Febrapo), diz já ter recebido dezenas de denúncias:

“É um golpe bem orquestrado. Trata-se de um processo longo, cujo beneficiário em sua maioria é idoso, hipervulnerável. Há caso de quem perdeu R$ 8 mil.”

O gerente de negócios Luiz Ascânio Coelho, de 60 anos, foi assediado por golpistas:

” Eles tinham todas as informações, inclusive o valor total da indenização da ação coletiva que é de R$ 286 mil. Disseram que se eu depositasse R$ 3.450,25 até meio-dia, o dinheiro seria liberado no mesmo dia. Mas sei que não é assim que funciona e a parte que me cabe é de cerca de R$ 2,4 mil. Deixei falarem, no fim disse que sabia que era golpe e desligaram. E avisei à Febrapo.”

Dados sensíveis

Na avaliação de Jéssica Frata, sócia da área de Litígio do escritório PDK Advogados, embora o processo seja público alguns dados sensíveis, como o telefone dos poupadores, não estão disponíveis.

Para ela, fraudadores obtiveram informações das vítimas em vazamentos de outras bases de dados, cruzaram tudo e começaram a tentar aplicar golpe, aproveitando-se da idade avançada dos poupadores e da demora no pagamento. 

A advogada Juliana Sá de Miranda, sócia da área Penal do escritório Machado Meyer, lembra que a Justiça não faz qualquer contato telefônico com as partes de um processo para cobrar custas judiciais. Ela diz que se for contatado, o poupador deve entrar em contato com o advogado e não efetuar depósitos.

A orientação é também fazer um boletim de ocorrência e avisar à Febrapo. Segundo Freitas, até dezembro R$ 2,9 bilhões de indenizações devem ser pagas, contabilizado os pagamentos desde a assinatura do acordo em 2018.

Comentários Facebook
Continue lendo

Economia

Bolsonaro volta a sugerir vale-alimentação em dobro para servidores

Publicado

source
Bolsonaro diz que reajuste para servidores da PF e PRF foi suspenso porque greve das demais categorias iria ‘parar o Brasil’
Carolina Antunes/Presidência da República – 04.09.2020

Bolsonaro diz que reajuste para servidores da PF e PRF foi suspenso porque greve das demais categorias iria ‘parar o Brasil’

O presidente Jair Bolsonaro afirmou, neste domingo (26), que o  reajuste de salário que ele havia prometido para servidores das forças de segurança – Polícia Federal (PF), Polícia Rodoviária Federal (PRF) e agentes do Departamento Penitenciário (Depen) – foi suspenso porque servidores de categorias estratégicas entraram em greve. O movimento, segundo o presidente, iria “parar o Brasil”.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia. Siga também o  perfil geral do Portal iG 

“Houve uma ideia inicial de separar R$ 1,7 bilhão para PF, PRF e o pessoal dos estabelecimentos prisionais. Quando começamos a estudar isso aí, outras categorias não aceitaram, queriam também e entraram em greve servidores estratégicos, que parariam o Brasil. Então lamentavelmente foi suspensa essa possibilidade de reajustar para esses servidores porque o Brasil ia parar”, afirmou na noite deste domingo.

Ele reconheceu a insatisfação dos servidores em relação à falta de reajustes, mas disse que o governo evitou um corte salarial na época da pandemia – trabalhadores da rede privada puderam ter descontos nos salários proporcionais à redução na jornada de trabalho. 

Também voltou a afirmar que os estudos para aumentar o valor do auxílio-alimentação está na reta final e que o governo deve propor reestruturação de algumas carreiras na lei orçamentária de 2023.

Apesar da declaração do Bolsonaro, a proposta pode não sair do papel por falta de tempo, além das dificuldades para obter espaço no orçamento, como já mostrou o GLOBO. Integrantes do Executivo alertam que a janela legal para conceder reajustar o auxílio pago aos servidores está se fechando, por conta da proximidade das eleições.

Comentários Facebook
Continue lendo

Policial

Política

Mato Grosso