conecte-se conosco


Entretenimento

‘Pantanal’: piloto de verdade, Ari da primeira versão estará no remake

Publicado

Entretenimento

source
Luiz Henrique Rondon Santagostino em primeira versão de 'Pantanal'
Reprodução – 18.06.2022

Luiz Henrique Rondon Santagostino em primeira versão de ‘Pantanal’


Luiz Henrique Rondon Santagostino, o Lilique, teve três contratos com a TV Manchete em 1990: transporte, produção e atuação. Sem nunca ter feito curso de interpretação, o homem criado na Fazenda Rio Negro, que pertencia ao seu avô e virou cenário da casa de Zé Leôncio (Cláudio Marzo/Marcos Palmeira) ontem e hoje, em “Pantanal”, foi convidado pelo diretor Jayme Monjardim a dar vida ao piloto Ari na primeira versão da novela, escrita por Benedito Ruy Barbosa. Foi só por causa dele que o fenômeno da teledramaturgia aconteceu.

+ Entre no  canal do iG Gente no Telegram e fique por dentro de todas as notícias sobre celebridades, reality shows e muito mais!

— Eu fiz tudo na primeira “Pantanal”. Apresentei as melhores fazendas ao Jayme, tinha sete aviões envolvidos nessa missão da novela. Tudo o que ele precisava era comigo. Voei 1.300 horas em 11 meses, mais de cem por mês — contabiliza Lilique, lembrando que só Cristiana Oliveira (a primeira Juma) ele levou do interior à capital do Mato Grosso do Sul por 75 vezes: — Na época, a filhinha dela (Rafaella) tinha 2 aninhos. Eu encontrava a Krika chorando pelos cantos, de saudade. E me dispus a levá-la até Campo Grande para poder se comunicar com a menina. Ela ficava duas horas no rádio e saía toda satisfeita.


Em dezembro de 2020, Lilique reencontrou a atriz em Campo Grande, após três décadas sem contato.

+ Siga também o perfil geral do Portal iG no Telegram !

— Ela chorou de soluçar por uns cinco minutos, enquanto me abraçava. Fiquei até preocupado com tanta emoção, foi bonito perceber como ela é grata — conta, orgulhoso pelas amizades que construiu.

Carinho manuscrito

De Paulo Gorgulho, que interpretou o Zé Leôncio jovem na primeira fase da versão original e o Zé Lucas de Nada na segunda, Lilique guarda com carinho uma carta elogiosa, escrita a mão pelo ator.

— Ainda no segundo dia de Pantanal, ele bateu o olho nas minhas roupas, bombacha e faixa na cintura, e cismou que queria usá-las em cena de qualquer jeito. E assim foi, do início ao fim da novela. Teve uma gravação em que ele rolava pelado na areia com Ingra Lyberato (a Madeleine da primeira fase) e depois tinha que pegar um jacaré na unha. Eu capturei o bicho, limpei ele todinho e amarrei a boca com linha de nylon. Mesmo assim, Paulo morreu de medo de chegar perto e sugeriu que eu o dublasse nessa hora, já que éramos parecidos fisicamente. Eu falei: “Na cena com a Ingra você não quis minha ajuda, né?” (gargalhadas). Nunca mais o vi, tenho muita saudade… — desabafa por telefone o simpático senhor, que faz 80 anos em outubro: — Estou aposentado, mas voo todo dia, levando gente até o Pantanal. Aquilo é a minha vida.

As cenas em que Joventino (Marcos Winter) e Tadeu (Marcos Palmeira) pilotavam aviões monomotores, ele conta, eram reais:

— Eu decolava na direção e depois pulava para a parte de trás. Passava o ator para o assento do piloto e ficava escondido no banco para a câmera não me pegar. Marzo, que ficava no carona, suava até dentro das calças, de tanto medo. Já Winter adorava pilotar.

Acervo pessoal

As memórias não estão guardadas só na cabeça de Lilique: além da carta manuscrita por Gorgulho, o veterano guarda relíquias daquela época em forma de álbuns de fotos, recortes de jornais e revistas, quadros e um LP com a trilha sonora da novela, autografado por todo o elenco.

— Também tenho a sinopse original da novela, que Jayme me entregou assim que colocou os pés aqui em Campo Grande, recomendado por um amigo em comum do Rio. Ele estava aflito, sem saber para onde ir. Ficou hospedado num hotel da cidade durante dois dias e me ligava sem parar, ansiosíssimo. Quando o enfiei no avião e mostrei as locações no Pantanal, ele enlouqueceu.

Citado por Claudio Galvan, atual intérprete do papel que lhe foi confiado há 32 anos, em uma das cenas do remake, como uma forma de homenagem, Lilique confessa não acompanhar “Pantanal” com afinco, hoje em dia:

— Vejo uma cena ou outra. Encontrei Bruno Luperi e falei: “Você pode mandar helicóptero e até boeing pra cá, mas o que aconteceu em 1990 foi mágico, um momento iluminado por Deus, nunca vai se repetir. Nós quebramos barreiras.

Agora, Lilique aguarda ansioso pelas gravações finais da novela, em que se casarão Zé Leôncio (Marcos Palmeira) e Filó (Dira Paes), Tadeu (José Loreto) e Zefa (Paula Barbosa), e Marcelo (Lucas Leto) e Guta (Julia Dalavia) — se nada mudar em relação à trama original. Ele foi convidado para uma participação especial.

— Os casos de Covid no elenco adiaram as gravações, mas eu não vejo a hora de reencontrar meu amigo Marquinhos Palmeira! — vibra.

Fonte: IG GENTE

Comentários Facebook
publicidade

Entretenimento

Monica Benini, esposa de Júnior Lima, passa por cirurgia de emergência

Publicado

Monica Benini e Junior Lima estão juntos desde 2013
Reprodução/Instagram

Monica Benini e Junior Lima estão juntos desde 2013

Monica Benini, esposa de Júnior Lima, contou que foi operada às pressas neste fim de semana após sofrer com fortes dores abdominais. A influenciadora contou nesta terça-feira (5) que passou mal e precisou ir às pressas ao pronto-socorro. 

“Para servir de alerta para a gente nunca camuflar as dores que sentimos, sempre checar e nunca se automedicar”, disse no texto, que explica o acontecido. Segundo Monica, os sintomas começaram leves e se agravaram. 

“De domingo para segunda, comecei a sentir uma sensação de azia. Ontem a dor começou a aumentar e estava brincando com o Otto e não consegui caminhar direito. Quase desmaiei. Liguei por Junior e ele veio correndo… Pensei: se estou sentindo dores que nunca senti é porque está acontecendo alguma coisa”, disse.

Após bateria de exames, ela descobriu que estava com apendicite. “Não ando só. Obrigada, anjo da guarda”, afirmou ela. 


Fonte: IG GENTE

Comentários Facebook
Continue lendo

Entretenimento

David Harbour diz ter passado fome em preparação de ‘Stranger Things’

Publicado

Ator perdeu 36 quilos para a mudança do personagem
Reprodução 05.07.2022

Ator perdeu 36 quilos para a mudança do personagem

David Harbour, intérprete de Jim Hopper em “Stranger Things”, admitiu que passou fome para perder 36 quilos entre a terceira e quarta temporadas da série da Netflix. 

Em entrevista ao “BBC Breakafast”, David contou que o processo foi difícil para ele. “Não é fácil. É [necessário] muito tempo sem comer para perder tanto peso, passar fome”, contou o ator de 47 anos.

“Esse é o segredo. Se você ficou curioso sobre o segredo da dieta, é só não comer comida”, brincou. Apesar da brincadeira, qualquer dieta deve ser recomendada por um profissional. O ator detalhou que pesava 122 quilos e na temporada atual, 86. 

Fonte: IG GENTE

Comentários Facebook
Continue lendo

Policial

Política

Mato Grosso