conecte-se conosco


Economia

Anvisa proíbe marca de vender chocolates por risco de salmonela

Publicado

Economia

source
Chocolates Elite têm vendas suspensas no Brasil
Reprodução

Chocolates Elite têm vendas suspensas no Brasil

A suspeita de contaminção por salmonela levou a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) a determinar o recolhimento e proibir comércio, distribuição e importação dos chocolates da marca Elite.

A recomendação é que não se consuma os produtos do fabricante israelense de guloseima.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia

A medida foi adotada pela Anvisa após um alerta internacional e se aplica a todos os lotes dos produtos Strauss Elite. Além de chocolates, estão entre os produtos doces como balas, chicletes, biscoitos e wafers.

Segundo a reguladora, esses produtos foram importados pela Rodin Importação Exportação e Comércio de Produtos Alimentícios.

Caso o consumidor identifique produtos da marca Elite no mercado ou tenha qualquer item da marca em casa, a orientação é não consumi-los e entrar em contato com o estabelecimento onde foi adquirido para as providências necessárias. A agência também pode ser acionada.

Em abril, vários produtos da linha Kinder, da Ferrero,  também foram alvo de restrição de venda por risco de contaminação por salmonela.

Comentários Facebook
publicidade

Economia

Mourão sobre Petrobras: ‘Bolsonaro sabe as pressões que está sofrendo’

Publicado

source
Mourão sobre Petrobras: 'Bolsonaro sabe as pressões que está sofrendo'
Reprodução CNN

Mourão sobre Petrobras: ‘Bolsonaro sabe as pressões que está sofrendo’

O vice-presidente da República, Hamilton Mourão (Republicanos), comentou nesta terça-feira (24) sobre  a nova troca no comando da Petrobras e disse que o presidente Jair Bolsonaro (PL) ‘sabe as pressões que está sofrendo’ em relação à estatal.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia. Siga também o  perfil geral do Portal iG

“Isso aí é uma decisão tomada pelo presidente. Ele sabe as pressões que está sofrendo. Então, segue o baile aí. Vamos aguardar o que que o Caio pode fazer”, disse o general em entrevista à imprensa.

Na noite da última segunda, o governo anunciou a saída de José Mauro Ferreira Coelho da presidência da empresa após 40 dias no cargo. O indicado para o posto foi o secretário do Ministério da Economia Caio Mário Paes de Andrade.

Esta foi a terceira troca no comando da Petrobras durante o atual governo. A demissão ocorre em meio às pressões sobre os preços dos combustíveis. 

Mourão elogiou o indicado à presidência da petroleira, mas disse que ele enfrentará “uma situação que não é fácil” para resolver.

“O que eu vejo no Caio é que ele é um cara competente, mas vai pegar uma situação que não está fácil. Temos o problema do preço do petróleo ligado à situação internacional, essa flutuação por causa do conflito da Ucrânia e da saída da Rússia do mercado, os nossos problemas internos relacionados a não termos capacidade de refino para tudo aquilo que produzimos, por transportarmos nosso combustível em caminhões, falta adutora aqui porque poderia baratear… Não é tão simples esse problema”, afirmou.

Questionado se as consecutivas trocas na Petrobras podem ser caracterizadas como uma “intervenção” do governo, Hamilton Mourão disse que isso está “dentro das atribuições do presidente”.

“Ele tem prerrogativa de nomear o presidente da Petrobras. Óbvio que tem de passar lá pelo conselho de acionista, vai ter uma reunião do conselho e da administração. Então, não é de hoje pra amanhã que isso vai acontecer, vai levar, na minha visão, 30 ou 40 dias pra isso acontecer”, rebateu.

Comentários Facebook
Continue lendo

Economia

Modal: Monitor Semanal de Combustíveis

Publicado

source
Modal: Monitor Semanal de Combustíveis
Felipe Sichel

Modal: Monitor Semanal de Combustíveis

Com os dados do fechamento desta segunda-feira (23/05) estimamos a defasagem da gasolina de octanagem 87 em 21,2% (R$ 0,82). Enquanto isso, a defasagem da mistura entre as octanagens 87 e 93 se encontra em 28,6% (R$ 1,11), a da mistura com o etanol (73/27) está em 14,7% (R$ 0,57) e a do diesel está em -7,3% (-R$ 0,36).

Para a gasolina observamos um recuo relevante no gap, após 5 semanas consecutivas de alta. Para a octanagem 87, a defasagem estava em 38,0% (R$ 1,48), mostrando uma queda de 16,8p.p (-R$ 0,65) desde então. Enquanto isso, o gap do diesel teve queda de 10,6p.p (-R$ 0,52) no período.

As datas de reajustes pela Petrobras (trigger) são aderentes ao comportamento da defasagem da gasolina de octanagem 87. Desde abril/2021, o trigger máximo observado foi de 25,5%, superior ao patamar atual do gap (21,2%). Ainda que esta condição enseje reajustes, há considerável incerteza acerca da materialização do trigger.

Diante deste cenário, retiramos das nossas projeções para o IPCA a premissa de reajuste da gasolina no curto prazo. Se houvesse um reajuste equivalente à metade do gap atual (10,6%, R$ 0,41) no dia 01/06, o impacto estimado na bomba elevaria o IPCA de junho em 40bps.

Segundo os dados da ANP, o preço médio da gasolina aos consumidores do país caiu para R$ 7,28 na semana encerrada no dia 21/05 (vs. R$ 7,30 na semana anterior). Para o diesel, o preço médio subiu para R$ 6,94 (vs. R$ 6,85).

Se você gostou deste conteúdo e quer continuar por dentro do mundo dos investimentos, não se esqueça de clicar aqui

Entre no nosso grupo de trader

O post Modal: Monitor Semanal de Combustíveis apareceu primeiro em 1 Bilhão Educação Financeira .

Comentários Facebook
Continue lendo

Policial

Política

Mato Grosso