conecte-se conosco


Economia

Uber abre 100 vagas para engenharia e quer dobrar equipe de tecnologia

Publicado

Economia

source
Uber abre 100 vagas para engenharia e quer dobrar equipe de tecnologia
Lorena Amaro

Uber abre 100 vagas para engenharia e quer dobrar equipe de tecnologia

A Uber anunciou nesta quinta-feira (12) contratações para equipe de Engenharia no Brasil. Até o fim de 2022, o objetivo da empresa é que seu Centro de Tecnologia passe de cem para 250 profissionais.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia

As cem novas vagas já estão abertas e são destinadas principalmente para a equipe de Tecnologia focada em desenvolvimento de soluções para pedidos por meio da plataforma, em especial, o serviço integrado ao aplicativo Uber que permite aos usuários realizar compras de mercado e em outros varejos. As inscrições podem ser feitas pelo site  https://www.uber.com/br/pt-br/careers/. Outras 50 vagas foram anunciadas no início do ano.

As novas funções ficarão baseadas na nova sede da Uber no Brasil, em Osasco (SP). A empresa adotou o modelo de trabalho híbrido, em que os funcionários precisam trabalhar de maneira presencial apenas em alguns dias da semana. No caso da Engenharia, os profissionais podem optar por trabalhar de forma 100% remota.

O chefe do Centro de Tecnologia da Uber no Brasil, Rafael Pereira, afirma que um dos aspectos mais interessantes de se trabalhar na área de Tecnologia da Uber é que os times são realmente integrados a vários outros países do mundo.

“Ao mesmo tempo que estamos lançando novas ferramentas no aplicativo de viagens, alguém está pensando na integração com um aplicativo de delivery e outro time está trabalhando na interface que o app precisa ter para prestar serviços corporativos”, detalha ele.

Processo seletivo online

O processo seletivo será totalmente on-line e está aberto para profissionais de todo o país.

Para quem quiser saber mais sobre os projetos desenvolvidos pelo Tech Center da Uber no Brasil, a empresa também está organizando um encontro no dia 26 de maio, às 19h. O bate-papo informal para contar sobre os desafios da equipe de Tecnologia focada em desenvolvimento de soluções para pedidos. As inscrições podem ser feitas  pelo link.

Comentários Facebook
publicidade

Economia

Inflação ‘subiu muito’ para 71% dos consumidores, diz Ipespe

Publicado

source
Ipespe: 71% da população diz que inflação subiu muito nos últimos meses
Reprodução

Ipespe: 71% da população diz que inflação subiu muito nos últimos meses

A maior parte dos brasileiros está pessimista com os rumos da economia do país. Segundo uma pesquisa Ipese publicada nesta sexta-feira (27), 62% dos entrevistados consideram que a economia brasileira está no “caminho errado”. O mesmo levantamento identificou que 71% consideram que os preços dos produtos “aumentaram muito” nos últimos meses.

O estudo perguntou aos entrevistados se eles acham “que a economia no Brasil, no momento, está no caminho certo ou no caminho errado?”. 62% responderam que está no “caminho errado”, 32% consideram que está no “caminho certo” e 6% não responderam.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia. Siga também o  perfil geral do Portal iG 

O Ipespe também perguntou sobre a percepção da população em relação à inflação e os preços dos produtos nos últimos meses. 71% responderam que os custos “aumentaram muito” e 24% que “aumentaram”. Apenas 3% consideram que os preços “ficaram iguais” e 1% que diminuíram.

Para 45% das pessoas ouvidas os preços vão “aumentar muito” nos próximos meses. 20% avaliam que a inflação “ficará igual” e 19% que vai “aumentar”. Apenas 10% acreditam que o custo de vida pode diminuir.

A pesquisa Ipespe foi feita entre os dias 23 a 25 de maio e ouviu 1000 pessoas de todas as regiões do país. A margem de erro é 3,2 pontos percentuais para mais ou para menos e o nível de confiança é de 95,5%.

Comentários Facebook
Continue lendo

Economia

Teto do ICMS: Lira não acredita em perda de arrecadação dos estados

Publicado

source
Arthur Lira questionou o argumento usado por governadores para inviabilizar a proposta
Agência Câmara

Arthur Lira questionou o argumento usado por governadores para inviabilizar a proposta

O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira disse nesta sexta-feira (27) que a aprovação do projeto que mudava a cobrança do ICMS dos combustíveis pelo Congresso não foi cumprida pelos governos estaduais, após o Confaz (Conselho Nacional de Política Fazendária) estabelecer uma alíquota única do ICMS sobre o litro do diesel (R$ 1,006 por litro), alíquota essa mais alta do que é aplicada pela maioria dos estados e autorizar que os entes federados aplicassem descontos sobre esse valor.

Dessa forma, os governadores manteriam a arrecadação de 2021. Segundo Lira, a decisão do órgão anulou toda a economia feita pelo Congresso após a aprovação da Lei Complementar 192/22. Lira criticou os governadores e cobrou uma atuação mais firme dos estados para atenuar a inflação.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia. Siga também o  perfil geral do Portal iG 

“Não acreditemos em arrecadação negativa, porque os estados têm batido recorde de arrecadação. Então, não teremos perdas para os estados e sim ganho para população”, disse Lira à Rádio BandNews. 

“Não temos os governadores como inimigos, os governadores precisam dar sua conta de sacrifício de impostos”, acrescentou.

Lira afirmou que conversou com o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, na semana passada e disse esperar que a proposta tenha celeridade naquela Casa.

“É um projeto estruturante que modifica basilarmente os impostos sobre serviços essenciais, posso lhe garantir que, na conversa, ele (Pacheco) ressaltou que diversos senadores gostaram do projeto”, disse o presidente.

Petrobras

Lira voltou a criticar a Petrobras pela falta de sensibilidade com o que chamou de “lucro abusivo” e a falta de investimentos da empresa na economia brasileira. Segundo ele, ou a empresa é privatizada ou medidas mais duras serão tomadas . “A Petrobras não tem nada estruturante a não ser pagamentos de dividendos. Ela não quer ser cobrada pela sua inação”, criticou.

O presidente foi questionado sobre a privatização da empresa, mas ele afirmou que, no período eleitoral, com o País tão polarizado, é impossível uma proposta dessa ser aprovada no Congresso.

Comentários Facebook
Continue lendo

Policial

Política

Mato Grosso