conecte-se conosco


Nacional

Governo debate sobre participação de Bolsonaro na cúpula das Américas

Publicado

Nacional

source
Itamaraty prepara viagem aos EUA, enquanto governo debate sobre participação de Bolsonaro na cúpula das Américas
Isac Nóbrega/PR

Itamaraty prepara viagem aos EUA, enquanto governo debate sobre participação de Bolsonaro na cúpula das Américas

O presidente Jair Bolsonaro ainda não decidiu, mas o Itamaraty trabalha com o cenário de uma participação do chefe de Estado na próxima cúpula das Américas, que será realizada em Los Angeles, no início de junho. O martelo será batido pelo Palácio do Planalto, mas enquanto aguardam uma definição política, a ala diplomática do governo trabalha na preparação da viagem que, se ocorrer, poderia incluir a primeira reunião bilateral entre Bolsonaro e o presidente americano, Joe Biden.

Na avaliação de fontes diplomáticas, um encontro de alto nível entre autoridades dos dois países seria positivo para ambos. Daria, aos EUA, peso e relevância a uma cúpula que corre sério risco de ser esvaziada por países como México e Argentina, cujos presidentes poderiam não comparecer em gesto de repúdio à decisão do governo americano de não convidar os governos de Cuba, Venezuela e Nicarágua. 

Já para o Brasil, avaliaram as fontes, seria uma boa oportunidade de virar a página dos desencontros com a administração Biden, iniciados a partir do momento em que Bolsonaro demorou em parabenizar a eleição do chefe de Estado americano e, mais ainda, aderiu às teorias de fraude eleitoral levantadas pelo ex-presidente Donald Trump.

O eventual esvaziamento da cúpula preocupa a ala diplomática. Se os presidentes de países importantes da região como Argentina e México de fato não forem, isso poderia pesar na decisão final do Brasil.

Por outro lado, comentaram outras fontes do governo, está claro que para a ala política um encontro com Biden não é visto como um acontecimento que possa beneficiar Bolsonaro, já em plena campanha eleitoral. Pelo contrário. Para alguns setores do governo, o presidente brasileiro ficaria muito exposto nos EUA, e poderia acabar sendo alvo de questionamentos sobre seus recentes ataques ao processo eleitoral e ao Supremo Tribunal Federal (STF).

A primeira Cúpula das Américas foi realizada em 1994, e o encontro de Los Angeles será sua nona edição. A última ocorreu em abril de 2018, em Lima, no Peru, e o então presidente Donald Trump cancelou sua participação na última hora.

Esta nova reunião despertou expectativas sobre a recomposição das relações entre os EUA e a América Latina, mas a falta de propostas concretas do governo americano para a região e, agora, a possibilidade de que vários presidentes acabem não indo, reduziu ao mínimo as expectativas de que possa haver um relançamento da cooperação e integração regional.

Abaixo dos presidentes do Brasil e dos EUA, as relações bilaterais adotaram uma agenda positiva, apesar das tensões provocadas após a eleição de Biden. Na recente visita da subsecretária de Estado americana, Victoria Nuland, a Brasília, as conversas, informaram fontes brasileiras, fluíram com cordialidade e espírito de trabalho em conjunto. Abriu-se o caminho para a recomposição do vínculo e um encontro entre os presidentes, avaliaram as fontes, seria muito positivo nesse sentido.

Mas nem todos os setores do governo Bolsonaro estão de acordo, e a decisão final ainda é uma incógnita, até mesmo para o Itamaraty. 

Em recente entrevista à BBC News, Nuland afirmou que seu país confia no sistema eleitoral brasileiro, classificado por ela como “um dos mais fortes da América Latina”.  A alta funcionária americana também assegurou que a população brasileira deve “ter confiança” nas eleições do país que, segundo ela, precisam ser “livres e justas”. 

Semana passada, Bolsonaro chegou a afirmar que contrataria uma empresa privada para fazer uma auditoria das eleições. Suas declarações causaram preocupação na comunidade internacional, embora fontes diplomáticas estrangeiras assegurem que confiam nas instituições brasileiras e acreditam que, finalmente, o processo eleitoral acontecerá sem sobressaltos. 

Enquanto o presidente brasileiro não define se viaja ou não a Los Angeles – ou se o Brasil será representado pelo chanceler Carlos França e o vice-presidente Hamilton Mourão -, o governo, através do Itamaraty, participa da discussão de cinco documentos centrais com os demais participantes, além de outros acordos em paralelos, entre outros assuntos, sobre imigração, tema sensível e prioritário para o governo americano.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.

Comentários Facebook
publicidade

Nacional

Delegado da Polícia Federal pede apreensão do celular de Aras e Guedes

Publicado

Procurador-geral da República, Augusto Aras
Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Procurador-geral da República, Augusto Aras

Responsável por inquéritos sensíveis ao governo de Jair Bolsonaro, o delegado de  Polícia Federal Bruno Calandrini solicitou ao Supremo Tribunal Federal (STF) duas medidas que geraram mal-estar em integrantes da corporação. 

A primeira foi um pedido de busca e apreensão do telefone celular do procurador-geral da República Augusto Aras e do ministro da Economia Paulo Guedes, já negado pelo ministro Luís Roberto Barroso, que não viu elementos para justicar tais ações. 

A segunda foram diligências contra a própria cúpula da PF, que está sob análise da ministra Carmen Lúcia.

O pedido de diligências contra a cúpula da PF foi revelado no sábado pelo portal “Metrópoles” e seria motivado por suspeitas de interferência de diretores da PF na investigação sobre o ex-ministro da Educação Milton Ribeiro. Os alvos dessas diligências e o teor estão mantidos sob sigilo.

O caso deflagrou uma crise interna na atual gestão do diretor-geral Marcio Nunes de Oliveira. A avaliação entre integrantes do órgão é que foi uma tentativa do delegado Bruno Calandrini para se blindar da sindicância aberta após ele acusar que houve interferência na investigação do ex-ministro Milton Ribeiro.

Calandrini foi notificado para prestar depoimento sobre o caso, mas até agora não compareceu. Segundo interlocutores, há um receio do delegado que a sindicância seja usada para puni-lo pela atuação no caso.

O delegado Calandrini chegou a escrever, em mensagem a seus colegas, que houve interferência para impedir a transferência do ex-ministro para Brasília após sua prisão. Mas a direção da PF argumentou que não houve tempo nem disponibilidade de aeronave para realizar o deslocamento.

No pedido de busca e apreensão contra Aras e Guedes, Calandrini também havia pedido medidas contra o advogado do ministro, Ticiano Figueiredo.

O requerimento tinha como base a divulgação de um diálogo entre Aras e Ticiano no qual o advogado pedia que o procurador-geral intercedesse para suspender um depoimento de Guedes à PF em uma investigação sobre desvios no fundo de pensão dos Correios, o Postalis. Guedes havia sido citado em um depoimento. Barroso, entretanto, considerou que não havia elementos para autorizar a medida e arquivou o pedido.

Os pedidos provocaram descontentamento na PF. Os delegados que integram a atual gestão avaliam que havia poucos elementos para justificar as medidas. Calandrini não consultou seus superiores ao apresentar os pedidos e os protocolou diretamente no STF.

Procurada, a PF não comentou. A assessoria de Aras afirmou que não iria se manifestar porque o caso já havia sido arquivado.

O advogado Ticiano Figueiredo, que defende o ministro Paulo Guedes, afirmou em nota: “Se isso for verdade mesmo, esse é um ato que se revela autoritário, odioso e destoa do trabalho relevante dos delegados da Polícia Federal. Causa perplexidade, já que exercer, de forma plena, o direito de defesa dos clientes, é um dos pilares do Estado Democrático de Direito e não pode, jamais, ser criminalizado por quem quer que seja”.

Também procurado, Calandrini não respondeu aos contatos da reportagem.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG Nacional

Comentários Facebook
Continue lendo

Nacional

Aeronave cai sobre casa na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro

Publicado

Aeronave cai sobre casa na Barra da Tijuca no Rio de Janeiro
Reprodução/Twitter

Aeronave cai sobre casa na Barra da Tijuca no Rio de Janeiro

Um avião caiu na tarde de hoje no bairro da Barra da Tijuca, zona oeste do Rio de Janeiro. As primeiras informações apontam que duas pessoas estavam dentro da aeronave e teriam sido levadas ao hospital. Não há informações sobre mortos. 

Não há informações sobre a causa do acidente até o momento.

Um vídeo que circula nas redes sociais mostra o momento em que um homem recebe atendimento médico ao lado da aeronave, perto de uma piscina. 

*Mais informações em instantes.

Fonte: IG Nacional

Comentários Facebook
Continue lendo

Policial

Política

Mato Grosso