conecte-se conosco


Internacional

Presidente do Peru suspende toque de recolher em Lima

Publicado

Internacional


O presidente peruano, Pedro Castillo, suspendeu na tarde desta terça-feira (5) uma ordem de toque de recolher após um desafio generalizado nas ruas, em meio à disseminação de protestos contra o aumento dos preços de combustíveis e fertilizantes desencadeado pelo conflito na Ucrânia.

“Devo anunciar que a partir deste momento vamos cancelar o toque de recolher”, disse Castillo em uma reunião com o Congresso. “Apelamos agora ao povo peruano para manter a calma.”

Castillo emitiu um toque de recolher repentino minutos antes da meia-noite de segunda-feira, ordenando que os moradores de Lima ficassem em casa entre as 2h e as 23h59, em uma tentativa de conter protestos em todo o país por causa do aumento dos preços.

Mas o toque de recolher desencadeou uma nova crise para o governo Castillo, com milhares de pessoas indo às ruas para desafiar a medida. Ele interrompeu o toque de recolher logo após as 17h no horário local.

Os novos protestos de terça-feira se somaram a uma crise mais ampla que começou há uma semana no Peru devido à inflação crescente, que abalou Castillo poucos dias depois de ele sobreviver a uma tentativa de impeachment.

Os protestos se tornaram cada vez mais violentos e pelo menos quatro pessoas foram mortas, disse o governo mais cedo.

As sanções ocidentais à Rússia reduziram o fornecimento de petróleo e fertilizantes, prejudicando economias emergentes frágeis como o Peru. Como muitos países, o Peru lutava contra a alta inflação antes do início da guerra, mas o conflito acelerou um aumento no preço dos alimentos, combustíveis e outros itens essenciais. A inflação de março do Peru, de 1,48%, foi a mais alta em 26 anos.

O governo disse repetidamente, sem fornecer provas, que o toque de recolher era necessário para evitar saques.

Comentários Facebook
publicidade

Internacional

Morre, aos 73 anos, a atriz e cantora Olivia Newton-John

Publicado

A cantora e atriz Olivia Newton-John, que atingiu o topo das paradas de música pop nas décadas de 1970 e 1980 com sucessos como I Honestly Love You e Physical e estrelou o filme musical Grease, morreu nesta segunda-feira, aos 73 anos, em sua casa no sul da Califórnia.

A morte da artista nascida no Reino Unido e criada na Austrália foi anunciada na conta dela no Instagram, dizendo que ela “faleceu pacificamente” em seu rancho “cercada por familiares e amigos.”

Newton-John, quatro vezes vencedora do Grammy, revelou há alguns anos que um câncer de mama havia sofrido metástase e se espalhado para suas costas, forçando-a a cancelar apresentações. Cerca de 25 anos antes, Newton-John se submetera a uma mastectomia parcial e estabelecera um centro de pesquisa e tratamento de câncer na Austrália.

A artista começou a se apresentar quando criança e se tornou uma estrela global depois de se mudar para os Estados Unidos. Loira, de olhos azuis e cheia de saúde, ela conseguiu seu primeiro sucesso em 1971 com If Not for You, uma música de Bob Dylan que também havia sido gravada por George Harrison.

Esse sucesso seria seguido nos anos seguintes por Let Me Be There, que lhe rendeu um Grammy de melhor performance vocal country feminina; If You Love Me (Let Me Know), e duas músicas número 1 das paradas, Have You Never Been Mellow e I Honestly Love You. A última ganhou o Grammy de melhor performance pop feminina e de gravação do ano.

Newton-John também superou as estrelas country Loretta Lynn e Dolly Parton para ganhar o prêmio de cantora do ano da Country Music Association em 1974. O improvável sucesso de uma australiana na música country norte-americana incomodou muitos puristas de Nashville.

Mas as críticas não prejudicaram as vendas de Newton-John quando ela passou das paradas country para o pop, e a artista cimentou sua aclamação ao coestrelar com John Travolta em Grease, o filme de 1978 que se tornaria um dos musicais mais populares da história de Hollywood.

Fonte: EBC Internacional

Comentários Facebook
Continue lendo

Internacional

Secretário-geral da ONU condena ameaças de guerra nuclear

Publicado

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres,  disse neste sábado (6), durante um evento em Hiroshima para marcar os 77 anos do lançamento da bomba atômica sobre a cidade japonesa, considera inaceitável que os países com armas nucleares admitam a possibilidade de uma guerra com o uso deste tipo de armamento e avisa que a humanidade está brincando com uma arma carregada.

“Temos de manter os horrores de Hiroshima sempre presentes, reconhecendo que existe apenas uma solução para a ameça nuclear, não haver armas nucleares”, disse Guterres. “Quase 13 mil armas nucleares são mantidas em arsenais em todo o mundo e crises fortemente sublinhadas pelo nuclear disseminam-se depressa, do Oriente Média à península coreana e na invasão russa da Ucrânia.”

Durante o evento, Guterres pediu aos países que trabalhem para eliminar as armas nucleares. “Os países que têm armas nucleares têm que se empenhar na não utilização dessas armas e também têm que garantir aos estados que não possuem armas nucleares, que não usarão e nem ameaçarão usar essas armas contra eles.”

Mais de 140 mil pessoas morreram em Hiroshima em consequência do ataque norte-americano usando uma bomba nuclear no dia 6 de agosto de 1945. Foi a primeira vez que este tipo de armamento foi utilizado. Três dias depois, os EUA soltaram uma segunda bomba atômica na cidade japonesa de Nagasaki.

* Com informações da RTP

Edição: Fábio Massalli

Fonte: EBC Internacional

Comentários Facebook
Continue lendo

Policial

Política

Mato Grosso