conecte-se conosco


Economia

Kinder Ovo sofre Recall após suspeita de salmonella no Reino Unido

Publicado

Economia


source
Kinder Ovo está ligado a suposto caso de salmonella
Reprodução

Kinder Ovo está ligado a suposto caso de salmonella

A menos de duas semanas da Páscoa, a fabricante de chocolates Ferrero iniciou um recall de um dos principais produtos da empresa, o Kinder Ovo, após um surto de salmonella no Reino Unido. Até o momento, foram registrados 57 casos de intoxicação, sendo 40 deles em crianças com até 5 anos de idade.

A Food Standards Agency (FSA), agência reguladora equivalente à Anvisa, aconselhou que as pessoas evitem comer o alimento por ora. Segundo as autoridades, os ovos afetados possuem validade entre 11 de julho e 7 de outubro deste ano. Todos eles foram fabricados na mesma indústria. Outros produtos feitos no mesmo local não foram atingidos, de acordo com a FSA.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia 

Investigações capitaneadas pela Agência de Segurança da Saúde do Reino Unido (UKHSA) encontraram uma suposta ligação entre casos relatados de intoxicação por salmonella e o Kinder Ovo.

De acordo com a chefe de incidente da FSA, Tina Potter, a Ferrero realizou voluntariamente a retirada e o recall dos produtos.

“Estamos trabalhando em estreita colaboração com eles e suas autoridades competentes para identificar a causa precisa desse surto. Também estamos trabalhando em estreita colaboração com o Reino Unido e parceiros internacionais, incluindo UKHSA e Food Standards Scotland”, disse em comunicado.

Leia Também

Potter também aconselhou que os consumidores a não comer nenhum dos produtos listados pela agência.

“É realmente importante que os consumidores sigam este conselho para evitar o risco de adoecer com intoxicação por salmonella. Sabemos que esses produtos em particular são populares entre crianças pequenas, especialmente quando a Páscoa se aproxima. Por isso pedimos aos pais e responsáveis pelas crianças que verifiquem se algum produto que já está em sua casa é afetado por esse recall”, acrescentou.

Os sintomas da salmonella incluem diarreia, cólicas estomacais, náuseas, vômitos e febre. Apesar de a maioria dos casos ser leve, pode haver complicações que resultem em internação hospitalar, sobretudo nos mais jovens, cujo sistema imunológico é mais vulnerável. 

“A salmonella pode ser transmitida de pessoa para pessoa, portanto, qualquer pessoa afetada deve seguir boas práticas de higiene, como lavar bem as mãos após usar o banheiro e evitar manusear alimentos por outros sempre que possível, se tiver sintomas”, disse Lesley Larkin, líder de vigilância, Patógenos gastrointestinais e segurança alimentar da UKHSA, no comunicado emitido pela FSA.

Comentários Facebook
publicidade

Economia

Guedes critica pagamento de bônus  aos servidores do BNDES

Publicado

Paulo Guedes, ministro da Economia
Washington Costa/ASCOM ME

Paulo Guedes, ministro da Economia

O ministro da Economia, Paulo Guedes, criticou o BNDES durante uma palestra nesta quinta-feira (18) ao falar sobre o uso de recursos públicos para melhorar o país. Guedes disse que o banco deveria reduzir o bônus distribuído a seus servidores e pagar o que deve à União.

Dados do Ministério da Economia mostram que o BNDES pagou em média, em 2021, cerca de R$ 108 mil aos empregados. Foi o maior valor declarado entre as empresas públicas com Participação nos Lucros e Resultados (PLR).

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia. Siga também o  perfil geral do Portal iG

Por outro lado, o banco tem uma dívida em torno de R$ 100 bilhões com o Tesouro Nacional. Segundo o ministro, a instituição convenceu o Tribunal de Contas da União (TCU) a postergar o pagamento.

“O BNDES convenceu o TCU que era um risco devolver mais dinheiro para a União e que ela melhor pagar lá na frente. Se o BNDES deu um bônus maior, tem que pagar a União”, afirmou o ministro da Economia.

Guedes disse que o Brasil está melhor do que outros países e tem todas as condições de atrair investimentos de empresas estrangeiras em áreas como petróleo e gás, alimentos e energia. Ele afirmou que, somando o resultado do leilão de aeroportos desta quinta-feira, o Brasil deverá receber em torno de R$ 900 bilhões nos próximos anos.

“As democracias liberais não confiam mais nos regimes totalitários. A Alemanha não quer mais depender da Rússia. Alemanha e França têm planos de investir no Nordeste brasileiro. Nos próximos quatro anos, vamos dobrar de 10% para 20% a oferta de energia eólica e de 5% para 10% a energia solar.”

Fonte: IG ECONOMIA

Comentários Facebook
Continue lendo

Economia

Guedes diz que governo ‘perdeu prazo’, mas defende reforma tributária

Publicado

Guedes defendeu maior tributação para mais ricos e garantiu reforma tributária na pauta do governo
Lorena Amaro

Guedes defendeu maior tributação para mais ricos e garantiu reforma tributária na pauta do governo

O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou que, embora o governo tenha perdido o ‘prazo’, a reforma tributária ainda está em pauta do governo. A declaração foi dada nesta quinta-feira (18) em um evento promovido pelo BTG Pactual.

Em tom eleitoral, Guedes afirmou que a redução de tributos com o aumento na arrecadação é uma medida que contribui para a simplificação tributária. Para o ministro, a tramitação da reforma em tributos não pode perder a “janela de oportunidade”.

“Os passos não são retráteis, você não vai andar para trás”, afirmou.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia. Siga também o  perfil geral do Portal iG

Guedes ainda voltou a defender a tributação de lucros e dividendos, medida que causou mal-estar com o mercado financeiro. Segundo do chefe da pasta econômica, a iniciativa é necessária para aumentar a margem de isenção do Imposto de Renda (IR).

Paulo Guedes aproveitou para defender o aumento da tributação para mais ricos. O ministro propôs a junção de políticas sociais, gestão de capital público e investimento privado para simplificar a impostos.

“A base de arrecadação aumenta e essa massa de arrecadação maior paga a transferência de renda”, declarou.


Fonte: IG ECONOMIA

Comentários Facebook
Continue lendo

Policial

Política

Mato Grosso