conecte-se conosco


Saúde

Rio prevê imunizar crianças de 10 anos na quarta com CoronaVac

Publicado

Saúde


source
Rio prevê imunizar crianças de 10 anos na quarta com CoronaVac
Reprodução: BBC News Brasil

Rio prevê imunizar crianças de 10 anos na quarta com CoronaVac

O município do Rio de Janeiro confirmou a inclusão já na próxima semana da aplicação da CoronaVac para crianças após a aprovação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), nesta quinta-feira, para a população de 6 anos a 17 anos. O secretário municipal de Saúde Daniel Soranz confirmou a chegada de dose do imunizante até segunda-feira, dia 24, por meio do repasse do Ministério da Saúde, que deve ser de 90 mil doses. Também está previsa a entrega de 30 mil doses da Pfizer pediátrica nos próximos dias. Com isso, o calendário tem a previsão de voltar a avançar, com a vacinação de crianças de 10 anos a partir de quarta-feira.

“O Ministério tem 15 milhões da CoronaVac em estoque para distribuição. Então ele deve distribuir ainda nesse fim de semana. Então a previsão é que no máximo até segunda-feira essas vacinas já tenham chegado ao Rio de Janeiro. O Ministério está empenhado nessa distribuição. Eu falei ontem com o Rodrigo Cruz, com o secretário executivo que confirmou a utilização da CoronaVac pelo Programa Nacional de Imunização, e isso vai permitir que a gente retome o calendário em ritmo um pouco mais acelerado. Na quarta-feira, a gente já começa a vacinar as crianças de 10 anos, meninos e meninas no mesmo dia. E também receberemos 30 mil doses de Pfizer na segunda-feira do mesmo tipo de vacina para criança”, disse Soranz em entrevista ao “Bom Dia Rio”, da TV Globo, nesta sexta-feira.

Atualmente, para as crianças, o município do Rio aplica apenas as doses pediátricas da Pfizer, que diferem das destinadas a pessoas com mais de 12 anos em dosagem e composição, sendo aplicada em duas doses de 0,2 ml (equivalente a 10 microgramas). Já a da CoronaVac a vacina para a população infantil e os adultos é a mesma. Esse imunizante já é aplicado para os menores de 12 anos em países como Chile, China, Hong Kong, Equador e Indonésia.

Com as doses já em estoque, não dependendo da entrega vinda do exterior — caso da Pfizer pediátrica — e produção no país por meio do Instituto Butantan, o secretário de Saúde espera poder acelerar o calendário, que teve que se manter na idade de 11 anos devido à falta de doses. Diferente do divulgado inicialmente, com a entrega de novos lotes, meninos e meninas serão vacinados no mesmo dia. Antes, a prefeitura previa três dias para cada idade, contando com uma para repescagem.

Leia Também

“Muda um pouco o cenário porque é uma nova vacina que entra, que o Ministério tem em estoque. Então, na quarta-feira, a gente vacina as crianças de 10 anos, meninos e meninas, e o restante do calendário a gente já se planeja para poder ajustar ele ao ritmo e ao número de doses que o Ministério vai enviar”, disse Soranz ao “Bom Dia Rio”.

Doses de reforço nos adultos

Enquanto há a corrida para acelerar o calendário dos pequenos, a prefeitura ainda tem tentado convencer os atrasados maiores de 12 anos a completarem o ciclo vacinal. Essa grande parcela de população não tem direito apenas às primeira e segunda doses de um dos imunizantes, mas também à dose de reforço e até a uma quarta — caso dos imunossuprimidos.

Dos 871 internados na rede SUS, o número é cada vez maior dos que não tomaram todas as doses, o que já inclui a de reforço, que pode ser aplicada com quatro meses de intervalo da segunda.

“A gente está muito preocupado com o aumento das internações por conta dos não-vacinados. 88%das pessoas que estão internadas não completaram o seu calendário vacinal. A gente já passa de 61% de taxa de ocupação, ainda não é uma ocupação tão alta quanto no auge da pandemia, mas ela já é bem maior do que a gente já tinha em dezembro. Então é muito importante que as pessoas tomem a dose de reforço. 650 mil cariocas já estão aptos a tomar a dose de reforço e não voltaram para se proteger. A dose de reforço faz muita diferença na internação para a Covid-19 e também nos casos graves”, salienta o secretário.

Fonte: IG SAÚDE

Comentários Facebook
publicidade

Saúde

Varíola dos macacos: quais países confirmaram casos da doença

Publicado

source
Varíola dos macacos: 334 casos já foram confirmados em 20 países
Reprodução/Montagem iG 25.5.2022

Varíola dos macacos: 334 casos já foram confirmados em 20 países

O número de casos confirmados da  varíola de macaco já está em 334 pessoas, segundo números atualizados, nesta sexta-feira (27), pela iniciativa Global.health, formada por pesquisadores das universidades de Harvard e Oxford. Além disso, segundo os números do projeto, 20 países já confirmaram casos da doença, que se espalha pelo mundo.

Os países europeus estão no epicentro da doença até o momento, mas a  Organização Mundial da Saúde já se prepara para evitar que a varíola se torna um problema em outras regiões do mundo.

Nesta sexta-feira, a diretora da OMS, Sylvie Briand, disse que conter o surto da varíola dos macacos em países não endêmicos é uma prioridade, e que isso pode ser feito caso os países tomem medidas rápidas.

“Achamos que, se tomarmos as medidas certas agora, podemos contê-lo (o surto) facilmente (…) Investigação de casos, rastreamento de contatos, isolamento em casa (para infectados) serão as melhores apostas”, afirmou a representante na assembleia anual da OMS.

Países com casos confirmados até agora

  1. Reino Unido – 90 casos
  2. Espanha – 84 casos
  3. Portugal – 58 casos
  4. Canadá – 26 casos
  5. Alemanha – 13 casos
  6. Países Baixos – 12 casos
  7. Itália – 10 casos
  8. Estados Unidos – 9 casos
  9. França – 7 casos
  10. Bélgica – 6 casos
  11. República Checa – 5 casos
  12. Suíça – 3 casos
  13. Suécia – 2 casos
  14. Austrália – 2 casos
  15. Dinamarca – 2 casos
  16. Slovenia – 2 casos
  17. Israel – 1 caso
  18. Emirados Árabes Unidos – 1 caso
  19. Finlândia – 1 caso

Casos suspeitos

Ainda segundo a iniciativa Global.health, existem casos suspeitos da doença que ainda estão em avaliação. A Espanha é o país que mais conta com casos suspeitos, com 55 possíveis novas infecções ainda sem confirmação.

Na sequência, o Canadá tem 34 casos suspeitos, enquanto a Itália tem 2, os Estados Unidos, Bélgica, Israel, Argentina, Sudão e Bolívia com 1 caso suspeito até o momento.


Situação no Brasil

No Brasil, ainda não houve casos confirmados ou suspeitos da doença, mas, as recentes possíveis infecções na Argentina e na Bolívia levantaram um alerta para as autoridades de saúde do país.

A fronteira entre o Brasil e a Bolívia, por exemplo, está em alerta após um jovem boliviano, de 26 anos, ser isolado na cidade de Santa Cruz de la Sierra com sintomas parecidos ao da varíola dos macacos. O comunicado foi feito pela Secretária de Saúde de Corumbá, cidade que fica na fronteira com o país vizinho.

“Recebemos o comunicado da vigilância de fronteira sobre o possível diagnóstico de uma doença relacionada à varíola dos macacos, trata-se de um jovem boliviano, que está em Santa Cruz de la Sierra isolado”, informou o secretário Rogério Leite.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) divulgou uma nota, na última terça-feira (24), esclarecendo as recomendações feitas para tentar retardar a entrada do vírus no Brasil. Segundo a agência, foi apenas reforçada a adoção das medidas que já estão em vigência em aeroportos e aeronaves e que são destinadas a proteger “o indivíduo e a coletividade não apenas contra a Covid-19, mas também contra outras doenças.”

Origem do vírus

Os primeiros registros da doença, provocada pelo vírus monkeypox, começaram a ser feitos na metade deste mês de maio, e o sequenciamento genético do vírus foi feito no dia 19. Ou seja, é cedo demais para fazer afirmações precisas sobre a disseminação, a letalidade e os possíveis rumos da doença.

Porém, segundo a revista científica ‘Nature’, o número de casos detectados fora do continente africano nos últimos dias já ultrapassou o acumulado dos últimos 50 anos. Apesar do novo surto com potencial global, a varíola dos macacos é conhecida e monitorada há décadas.

De acordo com especialistas, a varíola dos macacos é uma parente mais branda da varíola humana. A maior parte dos infectados tem um quadro que começa com mal-estar, dor de cabeça, dor no corpo e febre. Depois de alguns dias, aparecem as lesões na pele.

Essas lesões na pele geralmente começam vermelhas e menores, mas ficam maiores por conta do pus e do inchaço. É na fase de inchaço e pus que a transmissão do vírus é maior.

A doença é uma versão semelhante à varíola erradicada em 1980. Ela costuma ser passada de animais, principalmente roedores, para os humanos. O período de incubação do vírus monkeypox – tempo entre infecção e aparecimento de sintomas – é geralmente de 6 a 13 dias, mas pode variar de 5 a 21 dias, segundo a OMS.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo. Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG SAÚDE

Comentários Facebook
Continue lendo

Saúde

Novo medicamento dá perspectiva a pacientes de insuficiência cardíaca

Publicado

source
Pacientes com insuficiência cardíaca tem nova opção de tratamento
Pixabay

Pacientes com insuficiência cardíaca tem nova opção de tratamento

Pacientes com a chamada insuficiência cardíaca com fração de ejeção preservada (ICFEP) tem, a partir de agora, uma nova perspectiva de qualidade de vida, tudo por conta de um novo medicamento, a empagliflozina, aprovada nesta semana pela Anvisa.

Até então, no país, o tratamento para esse tipo de insuficiência era focado nos sintomas, como a falta de ar, cansaço e inchaço das pernas. Agora será possível tratar o mal em si, assim como é feito com o tipo mais comum de insuficiência, com fração de ejeção reduzida.

“Não existia tratamento específico que mostrasse melhora nos desfechos principais, que são a hospitalização e a mortalidade”, explica a médica especialista Thais Melo, diretora da Boehringer Ingelheim no Brasil.

“Agora, após a publicação do estudo e com a aprovação da Anvisa, associada a terapia padrão acima mencionada, a empaglioflozina levou a uma redução de 21% no risco relativo de morte cardiovascular ou de hospitalização por insuficiência cardíaca. É uma diferença significativa, então, na prática, a gente pode esperar redução de hospitalização, que é uma questão muito crítica, e reduçaõ de mortalidade”, aponta. A contra-indicação é apenas para pacientes com insuficiência renal grave.

A substância já é utilizada no Brasil para tratamento de diabetes, e faz parte de diversos estudos em pacientes cardiovasculares.

No Brasil, a insuficiência cardíaca é a primeira causa de internação hospitalar em pessoas com mais de 60 anos, e metade dos paciente diagnósticos morrem cinco anos após o diagnóstico, em média, o que aponta a urgência no desenvolvimento de novos tratamentos. Fadiga, falta de ar são sintomas comuns, que afetam a qualidade de vida dos pacientes.

Estudo

O medicamento foi testado para os dois tipos de insuficiência cardíaca. Dos quase 6 mil participantes, 700 eram brasileiros.

“Esses dados estabelecem a empagliflozina como o primeiro tratamento aprovado capaz de melhorar significativamente a saúde de pacientes com ambos os tipos de insuficiência cardíaca”, afirma a médica.

Fonte: IG SAÚDE

Comentários Facebook
Continue lendo

Policial

Política

Mato Grosso