conecte-se conosco


AMM

Prejuízos e danos das chuvas no Brasil são apresentados em live da CNM

Publicado

AMM


A Roda de Conhecimento, promovida todas as quintas-feiras pela Confederação Nacional de Municípios (CNM) e transmitida ao vivo pelas redes sociais da entidade, abordou nesta quinta-feira, 13 de janeiro, os danos e prejuízos causados pelas chuvas nos últimos meses no Brasil, em especial na Bahia e em Minas Gerais. O analista técnico da área de Defesa Civil, Johnny Amorim, falou sobre as ações que devem ser realizadas pelos Municípios a fim de minimizar os efeitos negativos.

Dados de outubro de 2021 a janeiro de 2022 foram destacados por Amorim. “As chuvas causaram mais de R$ 11,1 bilhões em prejuízos para todos os Municípios”, lamentou o especialista ao falar também de quais áreas foram mais afetadas pelos desastres naturais, entre chuvas e secas. Segundo ele, a pandemia do coronavírus foi um agravante, pois dificultou ainda mais as ações de respostas para atender os Municípios afetados.

O especialista da CNM ressaltou também a importância de os gestores criarem a Defesa Civil municipal e principalmente colocá-la em operação e monitoramento para conseguir dar as respostas no momento em que ocorre um desastre natural. Amorim destacou quais ações e projetos devem ser executados por esse órgão para que esteja apropriado para atender essas ações.

Ele falou ainda de propostas em tramitação no Congresso Nacional que poderão ajudar os Municípios nos momentos de desastres. Ele ressaltou a importância dessas pautas para a área de Defesa Civil e falou ainda sobre o trabalho que vem sendo realizado pela CNM para que a proposta avance no Legislativo.

Ainda na live, o especialista falou do Observatório dos Desastres, ferramenta para auxiliar os gestores no acompanhamento, monitoramento e avaliação da implementação da Política Nacional de Proteção e Defesa Civil (PNPDEC). A plataforma compartilha dados e informações das realidades locais, de modo a difundir boas práticas municipais de ações de proteção e defesa civil.

Fonte: AMM

Comentários Facebook

AMM

CNM orienta gestores sobre nova linha de financiamento para habitação

Publicado


A Instrução Normativa 1/2022, que regulamenta o Programa de Atendimento Habitacional através do Poder Público, mais conhecido como Pró-Moradia, foi publicada na  segunda-feira, 24 de janeiro, no Diário Oficial da União (DOU), pelo Ministério do Desenvolvimento Regional. A Confederação Nacional de Municípios (CNM) informa que os Entes com capacidade de cumprir financiamento com recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) podem se cadastrar e participar da seleção para o Pró-Moradia.

A CNM explica que, com a publicação da Instrução, o programa passa a receber propostas em duas modalidades: Urbanização de Assentamentos Precários e Produção de Conjuntos Habitacionais. O valor mínimo de cada proposta é R$ 1 milhão e máximo de R$ 50 milhões. O processo de seleção é contínuo, ou seja, os projetos podem ser apresentados a qualquer momento por meio do sistema para cadastramento e seleção de propostas junto aos programas habitacionais do MDR – Selehab

A novidade neste ano é a segunda modalidade, produção de conjuntos habitacionais em que o poder público pode apresentar propostas para a construção ou aquisição de conjuntos habitacionais e requalificação de imóveis urbanos para atender às demandas daquelas famílias com renda mensal de até R$ 2 mil, exceto quando envolve famílias que perderam seu único imóvel em função de calamidade ou situação de emergência reconhecidos pela União. Para essas situações o enquadramento da renda familiar não poderá ser superior ao limite de renda estabelecido na Resolução 469/2005, do Conselho Curador do FGTS.

A Confederação recomenda a leitura da Instrução Normativa, uma avaliação da capacidade financeira local em adquirir financiamento considerando a sua capacidade fiscal em adquirir novos empréstimos considerando a Capag vinculada ao Tesouro Nacional e posteriormente dúvidas e informações sobre o Pró-Moradia devem ser enviadas para o [email protected], identificando no assunto da mensagem PRÓ-MORADIA, ou pelo telefone: (61) 2108-1652/1548.

Fonte: AMM

Comentários Facebook
Continue lendo

AMM

Valores anuais para ações na área da saúde são divulgados

Publicado


A Confederação Nacional de Municípios (CNM) chama a atenção dos gestores municipais para a publicação de duas portarias voltadas à área da Saúde nesta terça-feira, 25 de janeiro. As publicações, divulgadas pelo Ministério da Saúde, tratam dos valores anuais referentes ao Grupo de Vigilância em Saúde do Bloco de Manutenção das Ações e Serviços Públicos de Saúde.

A primeira é a Portaria 124/2022, que divulga os recursos anuais alocados a Estados, Distrito Federal e Municípios relativos ao Incentivo de Custeio às Ações de Vigilância, Prevenção e Controle das IST/Aids e Hepatites Virais.

A outra é a Portaria 128/2022, dividida em sete partes, que disponibiliza os recursos anuais alocados aos Estados, Distrito Federal e Municípios relativos ao Piso Fixo de Vigilância em Saúde e ao incentivo aos Laboratórios Centrais de Saúde Pública.

Em ambas portarias, os valores anuais do Piso Fixo de Vigilância em Saúde e do incentivo para os Laboratórios Centrais de Saúde Pública estão disponíveis nos anexos I a XXVIII e serão transferidos em parcelas mensais, correspondentes a 1/12 (um doze avos) dos valores pactuados.

Os valores anuais do Piso Fixo de Vigilância em Saúde e do Incentivo de Custeio às Ações de Vigilância, Prevenção e Controle das IST/AIDS e Hepatites Virais estão disponíveis nos anexos I a XXVII da portaria e serão transferidos em parcelas mensais, correspondentes a 1/12 (um doze avos) dos valores pactuados.

Recebimento dos recursos
A CNM ressalta que para receber o repasse dos valores de recursos financeiros do Bloco de Manutenção das Ações e Serviços Públicos de Saúde, a serem alocados no Grupo de Vigilância em Saúde, o Município deve alimentar o Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan), do Sistema de Informações de Nascidos Vivos (Sinasc) e do Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM).

A entidade frisa que os Municípios bloqueados, pelo não envio das informações, não farão jus aos recursos previstos nas portarias caso a regularização da alimentação dos sistemas ocorra após 90 (noventa) dias da data de publicação do bloqueio.

Os créditos orçamentários de que tratam a presente nas portarias fazem parte do Programa de Trabalho – 10.305.5023.20AL – Incentivo Financeiro aos Estados, Distrito Federal e Municípios para a Vigilância em Saúde – Plano Orçamentário 0002.

Fonte: AMM

Comentários Facebook
Continue lendo

Policial

Política

Mato Grosso