conecte-se conosco


Internacional

Europa lista inflamação como possível efeito colateral da AstraZeneca

Publicado

Internacional


Um painel de segurança da agência reguladora europeia de saúde recomendou nesta sexta-feira (14) acrescentar uma rara inflamação vertebral, chamada mielite transversa, como um possível efeito colateral da vacina da AstraZeneca contra a covid-19.

A vacina enfrentou uma série de contratempos, incluindo atrasos na produção e investigações de reguladores após casos raros de efeitos colaterais graves, como coágulos sanguíneos com níveis baixos de plaquetas, o que levou a restrições ao uso do imunizante em vários países.

O comitê de segurança da Agência Europeia de Medicamentos (EMA) também reiterou a recomendação para que um alerta semelhante seja incluído para a vacina de uma dose da Johnson & Johnson.

A mielite transversa é caracterizada por uma inflamação de um ou ambos os lados da medula espinhal e pode causar fraquezas nos braços ou pernas, com sintomas sensoriais ou problemas nas funções urinárias e digestivas.

O comitê, após revisar os dados, concluiu que a relação causal entre as duas vacinas e a mielite transversa é, ao menos, uma possibilidade razoável. Entretanto, acrescentou que a relação risco-benefício de ambas as vacinas continua inalterada.

A AstraZeneca não respondeu imediatamente a um pedido da Reuters para comentar o assunto.

A agência regulatória não ofereceu informações sobre quantos casos foram registrados após a vacinação, mas a mielite transversa foi adicionada como uma reação adversa de frequência desconhecida às informações do imunizante.

* É proibida a reprodução deste conteúdo

Comentários Facebook

Internacional

Itamaraty diz acompanhar com preocupação cenário em Burkina Faso

Publicado


O Ministério das Relações Exteriores informou hoje (26) que o governo brasileiro acompanha com preocupação a situação em Burkina Faso. Na última segunda-feira (24), o Exército do país anunciou que derrubou o presidente Roch Kabore, suspendeu a Constituição, dissolveu o governo e a Assembleia Nacional e fechou as fronteiras.

Por meio de nota, o Itamaraty destacou que o governo brasileiro conclama as forças políticas do país ao diálogo amplo, pacífico e democrático, “com vistas à rápida restauração da ordem constitucional”.

“Apela também a que se garanta a integridade física do presidente Roch Marc Christian Kaboré e a segurança de todos os burkinabés”, concluiu o comunicado.

Entenda

Assinado pelo tenente-coronel Paul-Henri Sandaogo Damiba e lido por outro oficial na televisão estatal de Brukina Faso, o anúncio do Exército dizia que a tomada do poder foi realizada sem violência e que os detidos estavam em local seguro. A declaração foi feita em nome de uma entidade chamada Movimento Patriótico para Salvaguarda e Restauração (MPSR na sigla em francês).

Burkina Faso, um dos países mais pobres da África Ocidental, apesar de ser produtor de ouro, sofreu vários golpes desde a independência da França, em 1960.

União Europeia

Também hoje, a União Europeia (UE) condenou o golpe de Estado em Burkina Faso que, segundo o bloco, provocou “a queda de um presidente eleito” e pediu a volta imediata à ordem constitucional.

O alto representante da UE para os Negócios Estrangeiros, Josep Borrell, lamentou, em comunicado, a suspensão da Constituição e das instituições por membros das Forças Armadas e manifestou respeito pelas instituições republicanas.

“A UE faz um apelo à calma e à concórdia de todos os atores e pede a libertação imediata de todas as pessoas detidas ilegalmente, a começar pelo presidente Kaboré”, afirmou.

ONU

Ontem (25), a alta-comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, pediu a “libertação imediata” do presidente de Burkina Faso.

“Pedimos aos militares que libertem imediatamente o presidente e outros funcionários que tenham sido detidos”, disse Ravina Shamdasani, porta-voz do gabinete de Bachelet, em entrevista em Genebra.

Segundo ela, Bachelet lamenta a tomada do poder pelos militares e “apela ao rápido regresso à ordem constitucional”.

*Com informações da Reuters e da RTP.

Edição: Paula Laboissière

Comentários Facebook
Continue lendo

Internacional

Burkina Faso: UE pede volta imediata à ordem constitucional

Publicado


A União Europeia (UE) condenou hoje (26) o golpe de Estado em Burkina Faso, que provocou “a queda de um presidente eleito”, Roch Kaboré, e pediu a volta imediata à ordem constitucional.

O alto representante da UE para os Negócios Estrangeiros, Josep Borrell, lamentou, em comunicado, a suspensão da Constituição e das instituições por membros das Forças Armadas agrupadas no chamado Movimento Patriótico para a Salvaguarda e Restauração (MPSR), e manifestou respeito pelas instituições republicanas.

“A UE faz um apelo à calma e à concórdia de todos os atores e pede a libertação imediata de todas as pessoas detidas ilegalmente, a começar pelo presidente Kaboré”, afirmou.

O chefe da diplomacia disse que o bloco está atento à posição e às decisões tomadas pela Comunidade Econômica dos Estados da África Ocidental (Cedeao), que condenou firmemente o golpe, “com vista a encontrar solução favorável para a situação”.

“A UE lamenta que o diálogo não tenha prevalecido, particularmente em relação às questões de segurança nacional e à situação humanitária no país, que exigem resposta apoiada pela maioria para realizar reformas essenciais”, disse o político espanhol.

Borrell afirmou ainda que o fracasso em restaurar a ordem constitucional terá consequências imediatas para a parceria da UE com o país.

“Juntamente com outros parceiros de Burkina Faso, a União Europeia continua firmemente empenhada em apoiar o país, para ajudá-lo a superar os muitos desafios que enfrenta”, disse Borrel. Ele expressou solidariedade do bloco europeu a todo o povo de Burkina Faso.

A junta militar que dirige o país desde o golpe de Estado de segunda-feira (24) recebeu ontem apoio popular nas ruas, apesar da condenação da comunidade internacional, que repudia a ruptura da ordem constitucional e exige a libertação do presidente deposto.

O golpe foi confirmado na segunda-feira, depois de o país ter vivido momentos de tensão no domingo. Tiroteios em vários quartéis militares, em Ouagadougou e outras cidades, foram descritos inicialmente como motim para exigir melhorias nas Forças Armadas.

O golpe foi precedido, no sábado (22), por dia de manifestações não autorizadas, convocadas pela sociedade civil para expressar grande descontentamento social, agravado nos últimos meses pela insegurança gerada pela violência `jihadista`, e exigir a demissão de Kaboré.

Burkina Faso tem sido alvo de jihadistas desde 2015, e os ataques, atribuídos a grupos aliados da Al-Qaeda e do Estado Islâmico, causaram mais de 1,5 milhão de deslocados internos, segundo o governo. 

O golpe de Estado é o quarto na região da África Ocidental, depois dos ocorridos no vizinho Mali (agosto de 2020 e maio de 2021), país que também enfrenta o terrorismo jihadista, e na Guiné-Conacri (setembro de 2021).

*É proibida a reprodução deste conteúdo.

Comentários Facebook
Continue lendo

Policial

Política

Mato Grosso