conecte-se conosco


Direto de Brasília

Comissão debate o Programa Nacional de Assistência Estudantil

Publicado

Direto de Brasília


Depositphotos
Educação - geral - ensino superior - universidade - estudante - faculdade
Pnaes visa auxiliar a permanência de jovens de baixa renda no ensino superior

A Comissão de Educação da Câmara dos Deputados realiza audiência pública nesta sexta-feira (3) para discutir o Programa Nacional de Assistência Estudantil (Pnaes). O programa visa auxiliar a permanência de jovens de baixa renda matriculados em cursos de graduação presencial das instituições federais de ensino superior. O debate atende a requerimento da deputada Alice Portugal (PCdoB-BA).

Foram convidados:

  • o presidente da Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes), Marcus Vinicius David;
  • a presidente do Conselho Nacional das Instituições da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica  (Conif), Sônia Regina de Souza Fernandes;
  • a coordenadora Nacional do Fórum Nacional de Pró-Reitores de Assuntos Comunitários e Estudantis (Fonaprace), Maísa Miralva da Silva;
  • a presidente da Associação Nacional dos Pós-Graduandos (ANPG), Flávia Calé da Silva;
  • a presidente da União Nacional dos Estudantes (UNE), Bruna Brelaz; e
  • a presidente da União Brasileira de Estudantes Secundaristas (Ubes), Rozana Barroso.

O debate será realizado às 9 horas, em plenário ser definido. O público pode acompanhar o debate e participar da discussão por meio do portal e-Democracia. 

Da Redação – RL

Comentários Facebook

Direto de Brasília

Bolsonaro é proibido pela Justiça de usar termo “lepra” publicamente

Publicado


source
Bolsonaro é proibido pela Justiça de usar termo
Reprodução

Bolsonaro é proibido pela Justiça de usar termo “lepra” publicamente

presidente Jair Bolsonaro (PL) foi proibido de usar o termo “lepra” e seus derivados para se referir à hanseníase em declarações públicas. A decisão da 3ª Vara Federal do Rio de Janeiro, publicada no último sábado (15), atende a um pedido do Movimento de Reintegração das Pessoas Atingidas pela Hanseníase (Morhan).

A entidade recorreu ao judiciário depois que Bolsonaro fez um discurso, em dezembro do ano passado, no qual usava o termo “lepra”. A legislação brasileira – Lei 9.010/1995 – determina o banimento dessa expressão, considerada como violadora da dignidade humana.

“Quem já leu ou viu filmes daquela época, quando Cristo nasceu, o grande mal daquele momento era a lepra. O leproso era isolado, distância dele. Hoje em dia, temos lepra também, continua, mas o mundo não acabou naquele momento”, disse o presidente em discurso.

A sentença do juiz federal Fabio Tenenblat deferiu parcialmente o pedido feito pelo Morhan. Apesar da proibição de uso do termo, o magistrado resolveu não aplicar multa em caso de descumprimento da decisão.

Leia Também

A entidade tinha solicitado multa diária no valor de R$ 50 mil, caso Bolsonaro ou qualquer outro representante da União voltasse a usar o termo. Tenenblat negou por “presumir que haverá reiteração no descumprimento da legislação por parte de autoridades federais”.


No entanto, o magistrado reconheceu que um discurso do presidente, gravado pelos canais de comunicação do governo, podem ser considerados como documento oficial. E, dessa forma, são alcançados pela Lei nº 9.010/1995.

Tenenblat destaca ainda, na decisão, “a histórica dívida que a sociedade tem com as pessoas atingidas pela hanseníase”. E menciona “os abalos psicológicos causados pelo uso de termos estigmatizantes e discriminatórios por autoridades públicas”.

Comentários Facebook
Continue lendo

Direto de Brasília

Silas Malafaia chama Sergio Moro de “Judas”: “É um covarde”

Publicado


source
Silas Malafaia chama Sergio Moro de
Reprodução/Youtube

Silas Malafaia chama Sergio Moro de “Judas”: “É um covarde”

pastor e bolsonarista Silas Malafaia participou, na última segunda-feira (17), de uma transmissão ao vivo no canal ConservaTalk. Ao discutir temas como educação e política, o líder religioso criticou o  ex-juiz Sergio Moro e o chamou de “Judas” e “covarde”.

“Além de Judas, [Moro] é um covarde, porque esperou um momento difícil de [Jair] Bolsonaro para tentar sair em glória e se ferrou. Eu não falo com um cara que era ministro da Justiça e não deu um pitaco, uma palavra da covardia de governadores e prefeitos contra o povo pobre vendendo laranja, limão para viver. E esse caboclo ficou calado. Então, é um covarde que não merece a consideração do povo brasileiro”, opinou o pastor.

No evento, estavam presentes os ex-ministros Malafaia como convidado na 2ª feira (17.jan.2022). Ao lado dos ex-ministros da Educação, Abraham Weintraub; de Relações Exteriores, Ernesto Araújo; e do Meio Ambiente, Ricardo Salles.

Durante a live, Salles questionou se Weintraub – pré-candidado ao governo do estado de São Paulo – estaria “se preparando para pular para o barco de Moro”.


O ex-ministro da Educação classificou Moro como oportunista e não conservador. “Papo de maluco, fico até ofendido”, afirmou.

Comentários Facebook
Continue lendo

Policial

Política

Mato Grosso