conecte-se conosco


Meu Pet

Choque anafilático pode levar animais de estimação ao óbito, saiba o que fazer

Publicado

Meu Pet


source
O pet deve ser levado ao veterinário o mais rápido possível
Werzk Luuu/Unsplash

O pet deve ser levado ao veterinário o mais rápido possível

Assim como a intoxicação  por produtos químicos e substâncias tóxicas pode acabar surpreendendo os tutores, que vão precisar agir rápido para ajudar os animais de estimação, o choque anafilático também é um enorme problema que pode gerar consequências graves.

O choque anafilático, ou simplesmente anafilaxia, se trata de uma reação alérgica generalizada de manifestação rápida e bastante grave, por isso, caso não sejam tomadas as medidas necessárias rapidamente, o animal pode entrar em coma e vir a falecer.

Ao contrário da intoxicação, que o tutor pode prevenir mais facilmente ao retirar os causadores (como produtos de limpeza, alimentos e plantas) do alcance do animal, o caso das alergias se torna um pouco mais difícil, já que podem ser causadas por qualquer agente que o pet venha a ter alergia, que vão desde fatores ambientais, picadas de insetos – sendo bem comuns com abelhas e marimbondos – medicamentos e, em casos mais raros, até mesmo reação a vacinas.

Como identificar o choque anafilático

Cachorro que ficou com a cara inchada após ter contato com planta venenosa
Alexander Lawrie

Cachorro que ficou com a cara inchada após ter contato com planta venenosa

A princípio, umas das reações mais comuns ao choque anafilático, especialmente em cães, é o inchaço causado na região do focinho. Os sintomas, porém, são variados e cada animal pode reagir de uma forma diferente ao causador da alergia.

Alguns cães podem apresentar moleza e falta de energia, enquanto outros podem ficar mais agitados e ansiosos, devido à irritação causada. Uma alergia mais leve não causará tantos problemas, já em forma aguda traz reações generalizadas por todo o organismo do animal, que podem vir imediatamente após o início dos sintomas, ou em algumas horas

Os sinais mais comuns de um choque anafilático grave são:

  • Vômitos
  • Diarreias (hemorrágicas ou não)
  • Nervosismo
  •  Fraqueza
  •  Urticária com coceira excessiva
  •  Perda do controle sobre vias de micção e defecação

O choque anafilático geralmente ocorre depois que o pet já passou por um grau de sensibilidade anterior, ou seja, já na segunda vez em que o animal entra em contato com a substância alérgena.

Se nada for feito, é comum que os sintomas se agravem e aconteça a retenção de líquidos e inchaço, hipersalivação, dificuldades para respirar, gengivas e mucosas pálidas, letargia, hiperatividade,  geralmente acompanhada de taquicardia, convulsões, cólicas, sensação de frio nas extremidades e coma.

O tutor deve observar se o pet apresenta dificuldades para respirar, que podem acompanhar ruídos, conhecido como estridor, causados pelo inchaço da laringe. Deve-se permitir que o animal fique na posição em que se sinta mais confortável, por é natural que ele escolherá a que facilita a respiração.

É imprescindível que o animal seja levado até uma clínica veterinária já aos primeiros sinais, em poucos minutos eles evoluem para uma situação mais grave que pode ser irreversível.

Os primeiros socorros

Leia Também

Picadas de insetos como abelhas, vespas e marimbondos estão entre os principais causadores do choque anafilático em animais
Fabian Keller/Unsplash

Picadas de insetos como abelhas, vespas e marimbondos estão entre os principais causadores do choque anafilático em animais

Assim que notar que o pet está passando por um choque anafilático, o tutor deve iniciar com os primeiros socorros , o que fará toda a diferença para a sobrevivência do pet. Para isso, inicialmente se deve manter o pescoço do animal esticado, para facilitar a ventilação dos pulmões. É fundamental observar o ambiente onde o pet estava no momento do ataque, para descobrir a possível causa da alergia – pode ser, por exemplo, alguma planta do jardim, ou um inseto que estivesse por ali.

Em seguida, o tutor deve levar o animal à clinica veterinária mais próxima – por isso é sempre importante ter o contato salvo na agenda, para emergência. Somente em um hospital veterinário o animal terá todo o tratamento necessário.

No caso dos cachorros , o sistema hepático costuma ser o mais afetado, já nos gatos a parte respiratória é a que mais sofre. De qualquer modo, ambos correm o risco de morrer caso não seja realizado nenhum tratamento imediatamente.

(Continue a leitura logo abaixo)

Leia Também

O tratamento

Já sob os cuidados de um médico veterinário, o profissional irá estabilizar o corpo do animal com os procedimentos de emergência, sendo eles: uso de adrenalina, anti-histamínicos, anti-inflamatórios, corticoides, fluidoterapia, entre outros.

Podem ser realizados exames laboratoriais, como hemograma, função renal, hepática, eletrólitos e exames de urina para verificar possíveis lesões causadas pela reação alérgica.

Geralmente, após o atendimento inicial, o animal é hospitalizado para que o quadro de saúde dele possa ser acompanhado de perto pelos profissionais, assim começando a inibir ou eliminar os agentes causadores da anafilaxia.

Como prevenir que aconteça 

É importante ficar atento aos sinais de anafilaxia do pet
Dieny Portinanni/Unsplash

É importante ficar atento aos sinais de anafilaxia do pet

Não existe uma maneira de se prevenir totalmente que uma reação alérgica aconteça, porém algumas medidas podem ser tomadas para ajudar a evitar que aconteça. Para quem vive em áreas com maior incidência de insetos, por exemplo, vale investir em repelentes  e inseticidas – lembrando de verificar se os produtos não podem fazer mal ao pet.

Em hipótese alguma deve ser dado qualquer tipo de medicamento sem prescrição médica ao animal. Checar se as plantas que estão no jardim,  ou produtos utilizados na casa, não podem ser alergênicos ao animal.

Testes de alergia são uma ótima opção  para evitar que o tutor seja pego desprevenido, caso o resultado dos testes seja positivo para alguma substância, ele deverá manter fora do alcance do animal – lembrando que produtos de limpeza, cosméticos, remédios e venenos jamais devem estar em locais aos quais os animais de estimação têm acesso. Além disso, anotar a quais agentes o pet tem alergia, para avisar ao veterinário caso uma futura emergência venha a acontecer.

Fonte: IG PET

Comentários Facebook

Meu Pet

Felipe Prior lamenta morte de sua cachorrinha um dia após aniversário

Publicado


source
Felipe Prior, um dia após celebrar o aniversário da cachorrinha Bombom, lamenta a morte da pet
Reprodução/Instagram

Felipe Prior, um dia após celebrar o aniversário da cachorrinha Bombom, lamenta a morte da pet

Perder um animal de estimação nunca é fácil e Felipe Prior está passando por este momento difícil. Bombom, a cachorrinha do ex-BBB, morreu nesta segunda-feira, 17, vítima de um ataque cardíaco enquanto fazia um passeio.

O empresário contou em stories, no Instagram, que Bombom chegou a ser levada às pressas para um hospital veterinário, mas não resistiu. Já com saudade e inconformado, o Prior abriu o coração e relembrou o quanto o pet foi importante para ele.

“Minha Bombom. Dói tanto pensar que você se foi. Em cada pedaço de lembrança, sua bagunça e sua alegria, que marcaram sua existência em nossas vidas, serão também sentidas, junto com essa saudade que já é imensa! Minha gorducha, que em um ano entrou na minha vida, conquistou toda a família e virou nosso xodó… que tristeza te perder! Por aqui, ficou muito amor!”, lamentou.

Ele já havia emocionado à internet na tarde de ontem, com imagens fofas da pet, que chegou a festejar seu primeiro ano de vida neste domingo, 16. “Nunca vou te esquecer!”, concluiu Prior.

Fonte: IG PET

Comentários Facebook
Continue lendo

Meu Pet

Pássaro faz ninho em árvore artificial em refeitório de empresa

Publicado


source
A mãe pássaro escolheu um lugar bem inusitado para construir o ninho
Santa Ângela Construtora

A mãe pássaro escolheu um lugar bem inusitado para construir o ninho

As festas de Natal e Ano Novo já passaram, mas a decoração de Natal continua instalada no refeitório de uma construtora em Jundiaí, interior de São Paulo. Quando chegou o dia de desmontar tudo, os funcionários do local notaram que, apesar de a árvore ser artificial, havia algo muito natural e curioso acontecendo por ali.

Entre os galhos de plástico da árvore, estava um ninho com uma mãe pássaro aninhada chocando os filhotes. A ave construiu um ninho dentro da área de alimentação enquanto ninguém estava observando.

“Para nossa surpresa e empolgação, ao desmontar a árvore, nos deparamos com essa cena linda e emocionante!” disse Cíntia Souza, porta-voz da empresa, ao site The Dodo.

Com algo tão único acontecendo, não teriam como desmontar a árvore e, por isso, a deixaram no local e a cercaram com uma rede de proteção, para que ninguém mexesse com a família de pássaros enquanto eles estivessem por ali.

O que mais surpreendeu aos funcionários da empresa é que a região é cercada por árvores, mas a pequena ave escolheu uma pequena árvore artificial dentro do refeitório, onde geralmente passam dezenas de pessoas diariamente. A árvore de Natal continuará por ali até que os pássaros decidam ir embora.

Fonte: IG PET

Comentários Facebook
Continue lendo

Policial

Política

Mato Grosso