conecte-se conosco


Política

Mercado do Porto é reconhecido como patrimônio histórico, artístico e cultural

Publicado

Política


Foto: MAURICIO BARBANT / ALMT

Já está em vigor a Lei 11511/21, que declara como patrimônio histórico, artístico e cultural imaterial, o Mercado do Porto, de Cuiabá. Numa iniciativa do primeiro-secretário da Mesa Diretora da Assembleia Legislativa, deputado Eduardo Botelho (DEM), defensor ferrenho de melhorias aos feirantes e trabalhadores da agricultura familiar.

Popularmente chamado de Campo do Bode, o Mercado do Porto se tornou um dos pontos turísticos da Capital, com estrutura coberta que abriga 480 boxes, que oferecem imensa variedade de produtos de qualidade, como peixes, verduras, legumes, cerais e frutas.

De acordo com o Jorge Antônio Lemos Junior, presidente da Organização do Mercado do Porto, entidade que representa os permissionários desse espaço oferecido aos feirantes, a iniciativa é o reconhecimento aos trabalhadores e frequentadores do local.  

“A lei do deputado Eduardo Botelho é uma grande conquista para nós porque, além de termos o reconhecimento simbólico, teremos muito mais possibilidades de captar recursos públicos para melhorar o Mercado do Porto, as condições de vida e de trabalho dos permissionários e a qualidade do serviço prestado ao consumidor”, comemorou Lemos Junior.

Botelho já trabalhou nas feiras livres e agricultura familiar, e tem gratidão por tudo que vivenciou à época. “O reconhecimento do Mercado do Porto como Patrimônio Histórico, Artístico, Cultural e Imaterial tem o objetivo de proteger, preservar e difundir a riqueza cultural do local, que é, sem dúvida, uma referência em Cuiabá e Mato Grosso”, avalia Botelho.

HISTÓRIA – Na justificativa do projeto que virou lei, Botelho fez uma retrospectiva sobre a história do Mercado do Porto. Confira:

As primeiras lembranças do que é hoje o Mercado do Porto de Cuiabá, surgem em meados de 1960, conforme registro da memória oral de feirantes remanescentes da primeira grande feira pública e popular da capital de Mato Grosso.

A feira nasceu na região central de Cuiabá, na praça Rachid Jaudy, no meio da avenida Isaac Póvoas, com pouco mais de 10 feirantes, expondo seus produtos em charretes e algumas poucas barracas improvisadas e, ao longo dos anos, foi mudando de lugar, de acordo com o aumento dos feirantes e o crescimento dos consumidores.

Embora sejam raras as pesquisas históricas, feirantes mais antigos relatam que a feira saiu da praça Rachid Jaudy, na década de 50, para o espaço entre o estádio Presidente Dutra e o Arsenal de Guerra, depois foi para a Avenida da Prainha, atrás do Quartel da Polícia Militar, onde hoje é o Shopping Popular. Funcionou no bairro Verdão; na praça Maria Ricci, no Porto; Mercado do Peixe, atual Museu do Rio. E, em 10 de fevereiro de 1995, foi instalado na avenida 8 de abril, no local chamado popularmente de Campo do Bode, entre o córrego Mané Pinto e o Rio Cuiabá.

Hoje é um complexo comercial varejista composto por 167 permissionários divididos por setores de pescados, açougues, frios, doces, lanchonetes, restaurantes, hortigranjeiros, rações e similares, confecções e utilidades domésticas. O Mercado funciona de terça-feira a domingo, embora alguns comércios abram nas segundas-feiras. Em média, 120 mil pessoas frequentam o mercado por mês.

Além de importante entreposto comercial, o Mercado do Porto de Cuiabá desponta como um dos principais ambientes de circulação. Mantém o método tradicional de preparo de peixes, retirando a espinha e fazendo cortes especiais. Também oferece raridades da gastronomia cuiabana, como o pixé, o furrundú, o doce de caju, as bananinhas fritas, além de frutos típicos da região do cerrado, como o pequi, dentre vários outros ícones da cultura regional.

Fonte: ALMT

Comentários Facebook

Política

Distritos recebem emendas para asfalto na MT-400

Publicado


Foto: MAURICIO BARBANT / ALMT

Proporcionar conforto à população, melhorar as condições de limpeza, contribuindo para a saúde pública, segurança e economia no transporte de pessoas e de mercadorias por meio da pavimentação asfáltica. É com esse intuito que o deputado Eduardo Botelho (DEM), primeiro-secretário da Assembleia Legislativa, destinou emenda no valor de R$ 2 milhões, para ajudar na pavimentação de 20 quilômetros da MT-400, conhecida como Estrada da Guia, beneficiando moradores de Nossa Senhora da Guia, Bandeira e Sucuri, em Cuiabá.
Morador do bairro Tarumã, Osvaldo Xavier conhece as demandas há 25 anos e agradece a parceria. “Sem sombra de dúvidas, a participação do deputado Botelho é essencial. Ele sempre teve bons olhos para a baixada cuiabana e agora para essa região. Então, essa emenda de dois milhões vai significar muito para o desenvolvimento ”, afirmou, ao agradecer o asfalto da primeira etapa.
Intitulado de miniestradeiro, o lançamento da obra, realizado no sábado (16), contou com as presenças de lideranças da região, deputados e do governador Mauro Mendes. O asfalto será feito com recursos próprios do governo do estado e de emendas parlamentares.
Botelho destacou a importância do trabalho conjunto para efetivar a obra. “Essa é uma estrada secular, a primeira ligação que teve aqui na região da Guia, onde no século passado havia um poder político muito grande, também por aqui ia para Rosário Oeste e Acorizal. Essa reivindicação aqui é antiga, então destinamos as emendas. Destinei dois milhões de reais, o deputado Paulo Araújo, o senador Carlos Fávaro também colocaram emendas e terá recursos do governo do estado. É o reconhecimento à história de Mato Grosso e a valorização das pessoas que acreditam na região, que investiram aqui, que tem seu comércio. É a valorização da Baixada Cuiabana que também fomentará o turismo”, disse Botelho.
O secretário de Infraestrutura e Logística de Mato Grosso (Sinfra), Marcelo de Oliveira e Silva disse que a Sinfra já recebeu o projeto básico e até o final deste ano deverá aprovar o projeto executivo.
“Há um resgate hoje da história da estrada velha da Guia, passando pelo Tarumã, do Bandeira e Sucuri. É uma obra que vai trazer desenvolvimento à região. Tenho certeza que daqui a cinco anos quem passar aqui vai ver outra realidade. Vem o desenvolvimento, vêm melhores condições de vida e o empresário também quer investir onde tem infraestrutura. Aqui vão sair vários empreendimentos”, disse o secretário Marcelo.
Da mesma forma, o governador Mendes reiterou a postura de lançar obras com recurso em caixa. “Não lanço nenhuma obra se não tiver 100% certeza de que o dinheiro está no caixa do governo para começar e terminar essa obra. Tenham certeza disso”, garantiu o governador, que deverá investir aproximadamente R$ 25 milhões nesse empreendimento.
A região é pacata e hospitaleira, sendo o refúgio de muitas famílias que querem fugir do cotidiano da Capital, possui diversos pontos de lazer, como peixarias, lanchonetes, rios e belezas naturais exuberantes.

Fonte: ALMT

Comentários Facebook
Continue lendo

Política

Xuxu Dal Molin ouve pacientes para identificar demandas do Hospital Regional de Sorriso

Publicado


Foto: JLSIQUEIRA / ALMT

Número de servidores insuficiente, equipamentos de ar-condicionado danificados e a abertura de novas salas de cirurgias. Essas foram algumas das demandas identificadas pelo deputado estadual Xuxu Dal Molin (PSC), sábado (16), durante vistoria ao Hospital Regional de Sorriso. 

A vistoria atendeu solicitações feitas por familiares de pacientes e por profissionais da unidade médica, responsável pelo atendimento de moradores de 15 municípios situados no norte de Mato Grosso.  Na oportunidade, Dal Molin reconheceu os esforços do governo no processo de reestruturação da saúde, mas contrapôs ao reafirmar que alguns investimentos, ainda pendentes, requerem máxima urgência. 

“Estamos encaminhando as demandas ao Gilberto Figueredo [secretário de Estado de Saúde] no intuito de auxiliar nas tomadas de decisões. Precisamos ampliar a maternidade e construir novas salas de cirurgias, aliás, o aumento do número de cirurgias eletivas depende de investimentos na estruturação do espaço físico da unidade (…). Se for necessário, vamos destinar mais emendas”, afirmou o deputado que, na ocasião fez a doação de ventiladores para amenizar o problema enfrentado por pacientes e servidores do hospital. 

Durante a vistoria, também foi identificado o aumento do número de pacientes diagnosticados com dengue. Sobre esse aspecto, o deputado reforçou a necessidade de os municípios da região intensificarem as ações de combate e prevenção ao mosquito Aedes aegypti, transmissor de doenças como a dengue, zika, chikungunya e febre amarela. 

“Nos últimos meses ouvimos muito pouco, ou quase nada sobre a dengue. O fato é que ela ainda existe e continua fazendo milhares de vítimas em todo estado. Os gestores da região precisam estar atentos ao problema e atuar de forma preventiva a fim de evitar a sobrecarga do Hospital Regional de Sorriso”, concluiu Dal Molin.

Fonte: ALMT

Comentários Facebook
Continue lendo

Policial

Política

Mato Grosso