conecte-se conosco


Saúde

Vacinas protegem contra variantes, apesar de “lacunas” em evidências, diz OMS

Publicado

Saúde


source
Vacinas protegem contra variantes, apesar de “lacunas” em evidências, diz OMS
Divulgação/Prefeitura de Manaus

Vacinas protegem contra variantes, apesar de “lacunas” em evidências, diz OMS

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), as vacinas contra a Covid-19 são capazes de protegerem contra as variantes em circulação da doença. No entanto, há ainda algumas “lacunas” na eficácia dos imunizantes contra as cepas, que dificultam uma medição precisa dessa eficiência.

Segundo Katherine O’Brien, diretora do Departamento de Imunização, Vacinas e Produtos Biológicos da OMS nesta quarta-feira (28), as vacinas são capazes de evitarem casos graves e hospitalizações contras as variantes da Covid-19. A entidade deve agora coletar dados detalhados para entender como ocorre a reação exata de cada imunizante contra cada uma das cepas.

OMS e as novas variantes

Ainda segundo O’Brien, ainda existe uma enorme falta de vacinas em países mais pobres do mundo. Por conta disso, uma terceira dose de reforço ou uma reaplicação dos imunizantes não é aconselhável, para que não faltem vacinas.

Outro tópico discutido é sobre as misturas de imunizantes. A diretora disse que há estudos em andamento, mas que até existir uma conclusão específica, o ideal é ser vacinado com duas doses do mesmo produto. Pesquisas preliminares indicam que a AstraZeneca pode ter sua eficácia aumentada se combinada com a Pfizer ou a Moderna.

Em entrevista para o Valor Econômico, Jairo Mendez Rico, assessor regional em Enfermidades Virais da Organização Pan-americana de Saúde (Opas) e da OMS disse que há riscos da Cepa Delta, mais contagiosa do que a versão padrão e as outras variantes, pode se tornar predominante no Brasil.

Você viu?

“A variante Delta mostrou ter uma capacidade de transmissão maior em comparação com outras variantes preocupantes, como a alpha ou a gama; mas até o momento não existem evidências que permitam inferir um comportamento mais agressivo ou severo dessa variante. Claro que, se o número de casos aumenta, também aumenta a proporção daqueles que podem ser graves ou exigir internação hospitalar”, explicou.

Fonte: IG SAÚDE

Comentários Facebook

Saúde

Anvisa diz que não há indícios que liguem morte de jovem à vacina anti-Covid

Publicado


source
Imunizante da Pfizer
Luiz Pessoa/SEI

Imunizante da Pfizer



A apuração sobre a causa da morte de um adolescente após se vacinar contra a Covid-19 indica que não há relação causal entre a aplicação do imunizante e o óbito. A informação foi divulgada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) na noite desta segunda-feira (20).

Em nota publicada no portal, a Anvisa afirma que representantes do seu setor de Farmacovigilância se reuniram mais cedo, em São Paulo, a fim de obter mais informações sobre a suspeita de evento adverso pós-vacinação do adolescente no estado. Na ocasião, a autarquia considerou que os dados apresentados foram consistentes e bem documentados ao indicar a ausência de relação entre a morte e a vacinação .

No domingo (19), a Anvisa já havia recebido o relatório de investigação elaborado pelo Centro de Vigilância Epidemiológica de São Paulo. Segundo o órgão, o processo de avaliação indicado no documento concluiu não ser possível atribuir o óbito diretamente à imunização.

Leia Também

A comitiva da Anvisa foi recebida pela Coordenadoria de Controle de Doenças (CCD), da Secretaria de Estado da Saúde, responsável por recomendar e adotar medidas de prevenção e controle de doenças e agravos de saúde. Além dela, uma especialista em farmacologia representou o Programa Nacional de Imunização do Ministério da Saúde no encontro, que teve ainda as participações de técnicos dos Centro de Vigilância Sanitária e Centro de Vigilância Epidemiológica de São Paulo.


Notificação à OMS

Embora não tenham identificado relação entre o óbito e a vacinação, a Anvisa vai notificar a Organização Mundial da Saúde (OMS) por conta da relação temporal entre a aplicação da vacina e o evento adverso – a adolescente faleceu oito dias após tomar a vacina.

Além disso, com as informações já colhidas, a agência brasileira vai participar das reuniões do International Coalition of Medicines Regulatory Authorities (ICMRA), um conselho de autoridades regulatórias que reúne as maiores autoridades do mundo em discussões acerca da segurança das vacinas, bem como do Comitê Interinstitucional de Farmacovigilância de Vacinas e outros Imunobiológicos (Cifavi). Ambos os encontros serão na manhã desta terça-feira (21).

Conflito com Ministério da Saúde O caso em questão gerou um conflito com o Ministério da Saúde, que chegou a recomendar a suspensão da aplicação da vacina em adolescentes sem comorbidades . Neste sentido, o ministro Marcelo Queiroga indicou a existência de “casos sob investigação” ao defender a medida. No entanto, o governo federal não encontrou apoio em outras entidades , que, como a Anvisa, Se posicionaram a favor da vacinação do grupo.

Fonte: IG SAÚDE

Comentários Facebook
Continue lendo

Saúde

Morte de adolescente em SP não é relacionada à vacina, conclui Anvisa

Publicado


Representantes da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) receberam informações do Centro de Vigilância Epidemiológica de São Paulo que negam a relação entre a morte de uma adolescente no estado e sua vacinação contra covid-19. Segundo a Anvisa, os dados apresentados foram considerados “consistentes e bem documentados”.

Uma adolescente de São Paulo morreu sete dias depois de ter tomado vacina contra a covid-19. A causa provável, segundo a Secretaria de Estado da Saúde, foi atribuída ao diagnóstico de doença autoimune, denominada púrpura trombótica trombocitopênica (PPT), identificada com base no quadro clínico e em exames complementares.

“O relatório de investigação elaborado pelo Centro de Vigilância Epidemiológica de São Paulo foi recebido pela agência na noite deste domingo, 19 de setembro, contendo detalhes de todo o processo de avaliação que concluiu não ser possível atribuir diretamente o óbito à vacinação”, informou a Anvisa em nota.

A agência notificará a Organização Mundial de Saúde (OMS) sobre as investigações para avaliação quanto a qualquer possível sinal de segurança. Por fim, a Anvisa afirmou manter sua posição acerca dos benefícios das vacinas e de sua importância no combate à pandemia.

“Até o momento, os achados apontam para a manutenção da relação benefício versus risco para todas as vacinas autorizadas no Brasil, ou seja, os benefícios da vacinação excedem significativamente os seus potenciais riscos”.

Edição: Fábio Massalli

Fonte: EBC Saúde

Comentários Facebook
Continue lendo

Policial

Política

Mato Grosso