conecte-se conosco


TURISMO

Tem patinação de gelo no Brasil? Conheça 5 lugares para praticar

Publicado

TURISMO


source


Snowland
Snowland

Snowland



Os brasileiros não estão acostumados a ver aquela paisagem branquinha, cheia de neve, então se encantam com a possibilidade de patinar no gelo, o que seria completamente impossível já que o clima do Brasil é tropical. Mas, o que muita gente não sabe é que existem vários lugares no país para praticar o esporte e a diversão é certa para toda a família. 

Pensando nisso, o iG Turismo listou os principais locais de patinação no Brasil para o turista se divertir. Alguns são apenas pistas de gelos e outros são parques congelados com diversas atividades em graus negativos.

Snowland – Gramado/ RS

Snowland
Snowland/ Instagram

Snowland


Considerado um dos principais destinos de inverno do Brasil, Gramado, localizada na Serra Gaúcha, no Rio Grande do Sul, é a cidade onde fica o Snowland, parque de neve indoor que inclui a maior pista de patinação do Brasil.

Acessando o parque, será disponibilizado o Kit Neve (bota, calça, jaqueta e luvas), bem como todos os equipamentos necessários para a patinação. E, para a segurança do visitante, profissionais capacitados estarão presentes o tempo todo no local.

A entrada é liberada somente para crianças acima de um ano de idade comprovado, sempre acompanhado por um responsável. Os termômetros marcam entre -5°C e -3°C, então prepare-se para o frio.

Em relação ao horário de funcionamento, o parque de neve em Gramado funciona das 10h às 17h e, terça e quinta, as atrações funcionam até as 16h30. Às quartas-feiras, o espaço não abre, apenas nos meses de julho, novembro, dezembro e na primeira quinzena de janeiro (períodos de alta temporada). 

Os valores dos ingressos podem variar dependendo da temporada. Em época de alta temporada para melhor idade o valor é de R$ 95, crianças de um a 11 anos, R$ 149, adultos pagam R$ 179.

Turundu – Campos do Jordão/ SP

Tarundu
Tarundu

Tarundu


A pista de patinação no gelo na cidade Campos do Jordão, em São Paulo, está localizada na pousada Tarundu. O local é conhecido como um verdadeiro centro de lazer, com atividades de tirolesa, gastronomia, passeio a cavalo, trekking, shows temáticos, games, entre outros.

Diferente das demais atividades, a patinação no gelo não faz parte do passaporte VIP. Somente é permitida a entrada de crianças a partir dos 5 anos, com número de calçado mínimo de 28. Esta patinação de gelo fica localizada na Avenida José A. Manso, 1515 (Toriba). O horário de funcionamento do Tarundu é todos os dias, das 9h às 17h.

A patinação de gelo tem duração de 20 minutos e o valor é R$ 60. 

Você viu?


Patinação Shopping Park – Canoas/RS

onicepatinacao
onicepatinacao

onicepatinacao


A pista de patinação de gelo, em Canoas, região metropolitana do estado do Rio Grande do Sul, fica localizada dentro do Shopping Park Shopping Canoas, na Avenida Farroupilha, 4545.

Ela contém uma estrutura de 750 m², que englobam as arquibancadas e uma pista de 450m² para você ter uma experiência incrível. Além disso, a Iceland conta com monitores treinados para auxiliar e trenós especiais para crianças pequenas. O horário de funcionamento é de segunda a sexta, das 12h às 22h,  sábado das 10h às 22h. Domingos e feriados, das 11h às 21h. 

O valor do ingresso é cobrado por hora, então cada 30 minutos custa R$ 50.

Monte Verde – MG

monte verde
Patinação em monte Verde

monte verde


Monte Verde é conhecida como uma região com várias montanhas. Neste município encontra-se uma pista de gelo idealizada nos anos 1980 e aberta ao público no ano 2000. Por conta do seu pioneirismo, ela leva o título de uma das maiores pistas fixas do Brasil, com 200 m² de gelo, comportando até 50 pessoas patinando com segurança ao mesmo tempo.

A pista fica na Avenida Monte Verde, 1463, e funciona aos sábados, domingos e feriados das 10 às 20h e quintas e sextas das 14h às 20h. A única restrição é a entrada de crianças com no mínimo 5 anos. 

Os ingressos custam R$ 80, a cada 30 minutos.

Ski Mountain Park – São Roque/SP

Ski Mountain Park
checkindehoje

Ski Mountain Park


Ski Mountain Park é um parque de esqui artificial localizado em São Roque, no estado de São Paulo, Brasil. É considerado o maior centro de entretenimento de montanha artificial da América Latina. 

Localizado na Estrada da Serrinha, s/n, Vila Santo Antônio, o local possui, além de esqui e patinação, prática de arvorismo, passeios a cavalo por trilhas ecológicas, paintball, torre de escalada, teleférico, tobogã, arco e flecha e outras atrações. 

Os ingressos estão a partir de R$ 10, atrações a partir de R$ 8, passaportes a partir de R$ 69 e menores de quatro anos não pagam.

Fonte: IG Turismo

Comentários Facebook

TURISMO

Viajantes mudam a rotina e compartilham vida a bordo de motorhome na web

Publicado


source
Casais viajam pelo Brasil e pelo mundo e compartilham a vida com seguidores pelas redes sociais
Reprodução/redes sociais

Casais viajam pelo Brasil e pelo mundo e compartilham a vida com seguidores pelas redes sociais

Uma tendência vem despontando entre os brasileiros desde o início da pandemia, principalmente entre os jovens casais: a vida em um motorhome. É a materialização do sonho de trocar uma rotina comum em grandes cidades para viver a experiência de desbravar novos horizontes sobre rodas. Em lugar do home office emerge o termo road office. Mas mesmo com o pé na estrada, os jovens autodenominados “nômades digitais” encontram uma maneira de empreender – e se manter – vendendo produtos e cursos, além de documentar o seu cotidiano de maneira leve e divertida por meio das plataformas digitais. Afinal, o lema dessa geração, que já nasceu conectada, é: “meu destino é onde o wi-fi está”.

E exemplos do crescimento desta tendência podem ser vistos em diversos conteúdos publicados por esses jovens casais no Kwai, app de criação e compartilhamento de vídeos curtos, que tem se destacado por dar voz a esse perfil. Criadores de conteúdo vêm angariando um número crescente de seguidores e fãs na plataforma, que passam os dias curtindo as dicas para se aventurar pelo Brasil e mundo afora, e que buscam entretenimento de qualidade e inspiração para o seu dia a dia.

Conheça a história de três casais que estão bombando

Traveleiros – Laís Sousa e Renan Jereissati

O projeto Traveleiros surgiu por meio do sonho comum de Laís e Renan de compartilhar a vida na estrada e desbravar diferentes destinos
Reprodução/redes sociais

O projeto Traveleiros surgiu por meio do sonho comum de Laís e Renan de compartilhar a vida na estrada e desbravar diferentes destinos

projeto Traveleiros surgiu por meio do sonho comum de Laís e Renan de compartilhar a vida na estrada e desbravar diferentes destinos para prática de esportes outdoor, conhecer 100 países e passar pelos cinco continentes. Para que a ideia se tornasse realidade, o casal economizou e investiu grande parte do salário reunido nos últimos cinco anos buscando garantir a segurança e o conforto durante essa “viagem em tempo integral”, como preferem chamar.

A primeira etapa desta road trip começou em meados de 2020, percorrendo todos os estados brasileiros a bordo de um furgão Mercedes Sprinter 1999 que foi adaptado para um motorhome de forma artesanal. O veículo de 6m² abriga sala, quarto, cozinha, banheiro e depósito para guardar os equipamentos dos esportes variados que os dois praticam: mergulho, surfe, stand up paddle, escalada, trekking, ciclismo e acroyoga (combinação de ioga e acrobacias). 

“A finalidade do Traveleiros é levar esse estilo de vida cada vez mais longe e incentivar mais pessoas a viajarem e praticarem esportes outdoor”, revela Renan. Para Laís, a chave do sucesso do projeto é entender o que o público quer saber e assistir: “Produzimos conteúdo para os nossos seguidores – não para nós. Nossa principal rede social hoje é o Kwai, onde conseguimos mais de 1,7 milhão de seguidores em apenas dois meses neste ano, e somos o maior perfil de viagem na plataforma”.

Rotas Recalculadas – Wellington Waltrick e Carina Amâncio

Você viu?

A grande meta da viagem é ir do Ushuaia ao Alaska, quando as fronteiras se abrirem
Reprodução/redes sociais

A grande meta da viagem é ir do Ushuaia ao Alaska, quando as fronteiras se abrirem

Quem também optou pela liberdade de reunir o essencial e cair na estrada dentro de um motorhome foi o casal da serra catarinense, Wellington Waltrick e Carina Amâncio, que decidiu, literalmente, recalcular a rota da vida em comum em busca de novas paisagens. A dupla disse adeus ao cotidiano pacato e se mudou para a “Van Bulância”, como apelidou seu atual veículo de transporte, abraçando um novo estilo de vida com uma residência móvel, sem endereço fixo e sem previsão de volta. 

Sob o  nome “Rotas Recalculadas” o projeto tem crescido a cada dia. O casal já visitou belas paisagens em Santa Catarina e no Rio Grande do Sul, seguindo um roteiro que iniciou pelo litoral do Brasil. O plano é passar pelo centro-oeste e seguir em direção ao nordeste do país. A grande meta da viagem é ir do Ushuaia ao Alaska, quando as fronteiras se abrirem, passando por Uruguai e Chile, por exemplo. 

O casal também tem se destacado recentemente como criadores de conteúdo, e viram crescer sua popularidade no app de vídeos, onde conquistaram mais de 48 mil seguidores em apenas um mês, sendo hoje um dos perfis mais relevantes de viagem na plataforma. “Os vídeos curtos são uma grande tendência que o público vem criando e vão se tornar cada vez mais relevantes entre os usuários brasileiros”, prevê Wellington.

Get Outside BR – Alessandro da Cruz e Duda Cardoso

O casal já contabiliza mais de 54 mil seguidores e é um dos perfis de viagem com mais destaque na plataforma
Reprodução/redes sociais

O casal já contabiliza mais de 54 mil seguidores e é um dos perfis de viagem com mais destaque na plataforma

Alessandro da Cruz e Duda Cardoso formam um casal de advogados de São Paulo que trabalhava em grandes escritórios e resolveu abandonar tudo para ter uma vida sem amarras. Resultado:  desde o início do ano passado eles se deslocam pela América do Sul a bordo de um motorhome de fabricação caseira.

“Não estávamos satisfeitos com o mundo corporativo e, ao mesmo tempo, percebemos o quanto desejávamos dar um sentido diferente para nossas existências”, conta Duda. O casal, então, estruturou o nomadismo digital como um negócio, criando o Get Outside BR. “Abrimos uma empresa e buscamos clientes e parceiros que pudessem se juntar a nós nesse grande projeto e tornar tudo isso viável”, explica Ale.

O casal também viu sua vida se transformar ao virarem criadores de conteúdo. Hoje, já contabiliza mais de 54 mil seguidores e é um dos perfis de viagem com mais destaque na plataforma. “O Kwai oferece um formato descomplicado e dinâmico, além de entregar nosso conteúdo para um número maior de pessoas. Nos vídeos curtos, mostramos nossa vida real, recheada de conquistas, mas também de perrengues, o que tem aproximado as pessoas a se identificarem com nosso estilo de vida”, comemora Duda.

Fonte: IG Turismo

Comentários Facebook
Continue lendo

TURISMO

Conheça a Jungle Cruise, atração que inspirou o novo filme da Disney

Publicado


source
Filme
Reprodução

Filme “Jungle Cruise” é inspirado em atração de mesmo nome da Disney

“Jungle Cruise” é mais recente lançamento da Disney e chega aos cinemas brasileiros e no Disney+ por meio do Premier Access nesta quinta-feira (29). Se a tendência é de que filmes bem sucedidos se tornem atrações da Walt Disney World após o lançamento, o que se vê aqui é o contrário. Desta vez, o filme foi inspirado em uma das atrações mais clássicas dos parques temáticos.

Jungle Cruise é uma das atrações mais antigas dos parques e está presente em quatro deles, sempre localizada na região de Adventureland. O primeiro surgiu em 1955 na Disneylândia, em Anaheim, Califórnia. Para que a atração pudesse funcionar, foi preciso abrir um rio no meio do deserto do estado estadunidense.

Posteriormente, o Jungle Cruise foi levado também para o Magic Kingdom, na Flórida, e para as Disneylândias de Hong Kong e Tóquio.

Como o Jungle Cruise funciona?

A atração consiste em um passeio de barco a vapor que dura cerca de 10 minutos, oferecendo aos visitantes uma aventura em meio às selvas da América do Sul, Ásia e África. São representadas a Amazônia, as margens do Rio Congo, rio Nilo e o rio Mekong.

Cachoeiras, acampamentos e animais eletrônicos de cada região estão espalhados pelo caminho, desde criaturas inofensivas, como borboletas e babuínos, até os considerados mais perigosos, como jacarés, cobras e tigres. Em alguns países, o trajeto conta ainda com um templo escuro onde estão outros animais e povos indígenas.

Você viu?


Quem comanda o passeio são guias turísticos que fazem parte do elenco do parque, que guiam o barco e vão apresentando os animais selvagens com roteiros bem humorados e misteriosos.

Por ser considerada uma atração de baixa periculosidade e não proporcionar altas velocidades, o Jungle Cruise atrai muitas famílias e quem gosta de um passeio tranquilo, sem surpresas ou radicalidades. As filas tendem a ser grandes, por isso vale a pena investir em um FastPass, o tíquete fura-fila dos parques da Disney.

Polêmicas racistas e reformas

No início de 2021, o Jungle Cruise foi fechado devido às representações estereotipadas e racistas de povos indígenas e nativos. A atração retratava essas populações como “exóticas” e reforçava a visão equivocada de que indígenas são “povos selvagens” ou “não civilizados”. A narrativa usada pelos guias do passeio se referia aos indígenas como povos hostis e perigosos, referindo-se a eles até mesmo como caçadores de humanos.

O parque chegou a fechar a atração em diversos locais do mundo para fazer reformas, assim foram retiradas as representações racistas e a narrativa contada pelos funcionários que guiam o barco foi alterada.

Com a chegada da adaptação de “Jungle Cruise” para as telas, existem especulações de que elementos do enredo do filme sejam incorporados na atração no futuro, auxiliando o parque nas mudanças narrativas e visuais do brinquedo.

Filme de Jungle Cruise se passa na Floresta Amazônica


No filme, Frank (Dwayne Johnson) é um capitão de barco que leva dois irmãos cientistas, Lily (Emily Blunt) e McGregor (Jack Whitehall), até uma árvore que pode ter poderes importantes para os novos rumos da humanidade, no início do século 20. Esta árvore estaria localizada em meio à Floresta Amazônica, palco da aventura do filme.

Além da floresta, a cidade de Porto Velho, em Rondônia, também ganha espaço em pedaços da trama. No entanto, as filmagens não foram realizadas no Brasil. Alguns cenários foram construídos digitalmente. As cenas de Porto Velho foram rodadas em um set localizado no Havaí.

Fonte: IG Turismo

Comentários Facebook
Continue lendo

Policial

Política

Mato Grosso