conecte-se conosco


Tecnologia

Samsung ajuda Google em sistema paralelo ao Android; conheça

Publicado

Tecnologia


source
Samsung está colaborando com o Google no Fuchsia OS
Reprodução

Samsung está colaborando com o Google no Fuchsia OS

A Samsung é uma das empresas que estão ajudando o Google no desenvolvimento do projeto Fuchsia OS , o sistema operacional que a empresa de Mountain View vem construindo desde meados de 2016 completamente do zero.

A informação vem da própria página do sistema, que revelou uma linha de código pertencente à Samsung por parte do Google. Com ela, o Fuchsia OS agora passa a contar com a tecnologia “Flash-Friendly File System”, ou simplesmente “F2FS”. Basicamente, é uma forma alternativa de gerenciamento de arquivos dentro de dispositivos.

Por anos, o F2FS vem competindo com a tecnologia EXT4, que se estabeleceu como o padrão em gerenciamento de arquivos para dispositivos Android (exceto, evidentemente, smartphones da Samsung, como a família Galaxy; e alguns modelos da linha Pixel, do Google). Dentro do Fuchsia OS , a empresa sul-coreana é listada como co-autora, mostrando também que a ação de contribuição não partiu de um único funcionário de forma independente, mas conta com o apoio irrestrito da fabricante.

Veja Também  Supercomputador mais rápido do mundo busca a cura da Covid-19

Você viu?

Já faz um tempo desde que falamos dele pela última vez, então vale relembrar: o Fuchsia OS é uma nova ideia de sistema operacional móvel que o Google vem trabalhando. Não é bem um “substituto” do Android : pense nele mais como um projeto paralelo. Ele vem sendo construído por meio do microkernel Zircon e, segundo o seu incrivelmente básico site oficial, o Fuchsia OS deve oferecer alto grau de escalabilidade.

A colaboração externa de empresas para o sistema foi oficialmente aberta em dezembro de 2020, mas mesmo antes disso o projeto já contou com o auxílio de outras companhias, como a Huawei , que ofereceu suporte para o SO em um de seus aparelhos.

O Google já avisou que não pretende trocar o Android pelo Fuchsia , mas admitiu que o projeto pode evoluir para a oferta de suporte à Google Play e seus aplicativos , assim como já faz o principal sistema operacional móvel do mundo.

Veja Também  Chaves no Globoplay? Seriado some no mundo todo após briga por direitos

Comentários Facebook

Tecnologia

Pandemia mudou modo como pessoas dão ‘match’ no Tinder? Entenda

Publicado


source

BBC News Brasil

Pandemia mudou modo como pessoas dão 'match', diz chefe do Tinder
Hazel Shearing – BBC News

Pandemia mudou modo como pessoas dão ‘match’, diz chefe do Tinder

Deslizar para esquerda ou para a direita, o gesto típico de quem usa o aplicativo Tinder , parece não ser mais suficiente para os solteiros vivendo no contexto de isolamento durante a pandemia de coronavírus .

O “match”, a confirmação de que os dois lados se interessaram reciprocamente, era antes apenas um pontapé para o encontro presencial — mas isso mudou com o novo cenário de intensas interações virtuais, disse à BBC o diretor do aplicativo, Jim Lanzone.

Agora, o Tinder está passando por uma reformulação para que os perfis sejam apresentados de forma mais “holística”, para que os usuários possam se conhecer bastante online.

As mudanças refletem uma nova postura, explica Lanzone, 50 anos, na única entrevista concedida no Reino Unido antes da reformulação do aplicativo.

“Como sabemos, nos últimos 15 a 18 meses, as pessoas realmente se abriram para se conhecer virtualmente antes de definirem relacionamentos offline; ou se abriram até para ter relacionamentos virtuais”, afirmou o diretor do Tinder.

“A maior tendência aqui é que as pessoas no Tinder, saindo da pandemia de covid… elas só querem desacelerar as coisas e se conhecer muito mais antes de decidirem ‘dar o match’ e de encontrar alguém offline.”

Chat antes do ‘match’

Os dados do aplicativo indicam que o número médio de mensagens enviadas por dia aumentou 19% em comparação com o período anterior à pandemia, e as conversas são 32% mais longas.

Metade dos usuários da Geração Z, como são normalmente classificados aqueles nascidos entre 1997 e 2015, teve encontros por conversa de vídeo e um terço fez mais atividades virtuais em conjunto, diz a empresa.

Veja Também  Chaves no Globoplay? Seriado some no mundo todo após briga por direitos

A reformulação manterá a opção de uma pessoa deslizar para a direita se tiver interesse em outra, e para a esquerda se não. No entanto, as pessoas terão “mais ferramentas para mostrar uma versão mais multidimensional de si mesmas”, de acordo com Lanzone, que mora em San Francisco, Estados Unidos, e se tornou CEO do Tinder durante a pandemia no ano passado.

Os novos recursos incluem a opção de adicionar vídeos aos perfis e buscas mais precisas — por exemplo, alguém pode dizer ao aplicativo que quer encontrar pessoas que tenham animais de estimação ou que gostem de aventuras.

Pela primeira vez, os usuários poderão bater um papo com alguém antes de dar “match”, usando um recurso que lhes pede para dar sua opinião sobre um tópico.

Outros aplicativos de namoro — como o Hinge, que pertence à mesma empresa do Tinder, e o Bumble — já pedem aos usuários que respondam a perguntas e também postem fotos.

Você viu?

Mas Lanzone explica que esses aplicativos são destinados àqueles que procuram um relacionamento sério — um “estágio diferente” das pessoas na casa dos 20 anos que estão “abertas a uma gama mais ampla de possibilidades”.

Veja Também  Star+ da Disney terá Simpsons completo e esportes da ESPN ao vivo

A decisão do Tinder de se concentrar mais em vídeos vem em um momento em que a popularidade do TikTok continua a crescer. ByteDance, a empresa chinesa por trás do aplicativo de vídeo de grande sucesso, viu seus lucros dobrarem no ano passado.

Jim Lanzone gesticula em palestra

Getty Images
Jim Lanzone assumiu o Tinder no ano passado, em meio à pandemia

Lanzone disse que os jovens da Geração Z, hoje cerca de metade dos usuários do Tinder, “vivem de vídeos, e por isso espera que estes usuários do Tinder atualizem constantemente seu perfil — em vez de ficar um tempo com o mesmo conjunto de vídeos e fotos.

Os dados do Tinder sugerem que usuários mais jovens valorizam em um parceiro a autenticidade e a abertura. Há também mais menções à saúde mental e a palavras como “ansiedade e” normalizar ” nos perfis.

Lanzone garante que o Tinder não se tornará uma mídia social, ao contrário do rival Bumble.

Menos drinks, mais trilhas

No entanto, o diretor afirma que a pandemia tirou as pessoas da trajetória linear do namoro que, em princípio, envolvia buscar candidatos no Tinder, dar “match”, combinar um encontro, ter um relacionamento e se casar.

“No verão passado (no hemisfério norte), quando houve uma flexibilização antes da próxima onda (de Covid-19) chegar, a tendência mudou muito rapidamente. Foram menos encontros para tomar um drink, e mais para fazer uma trilha juntos.”

Há “muito mais” em conhecer alguém “do que apenas dar ‘match’ e bater um papo rápido antes de se encontrar offline”, acrescentou ele.

“Acho que é hora de darmos às pessoas mais ferramentas para mostrar uma versão mais multidimensional de si mesmas.”

Comentários Facebook
Continue lendo

Tecnologia

iPhone 13? Fãs rejeitam nome e não querem que celular da Apple tenha o número 13

Publicado


source
Linha iPhone 12
Divulgação/Apple

Linha iPhone 12

O próximo smartphone da Apple pode não se chamar iPhone 13 se a empresa resolver ouvir seus fãs. Uma pesquisa realizada nos Estados Unidos pela empresa SellCell mostrou que 18% dos usuários de iPhones e iPads rejeitam o nome, já que o número 13 é conhecido por dar azar em algumas culturas.

“Nomear o próximo smartphone da Apple como iPhone 13 poderia te desanimar, visto que o número 13 é considerado azarado?”, perguntou a empresa. 81,7% dos entrevistados disseram que a decisão de comprar, ou não, o iPhone 13 não seria influenciada pela superstição, mas quase 20% disseram que se desanimam com o número.

A pesquisa ainda revelou que a triscaidecafobia, ou o medo do número 13, é mais comum em homens do que em mulheres: 25% contra 12%. A maior parte dos entrevistados ainda acredita que o próximo smartphone da Apple deveria se chamar apenas ‘iPhone (2021)’, seguindo o padrão utilizado em iPads e Macs .

A SellCell ainda perguntou aos usuários da Apple sobre as expectativas para a chegada dos novos sistemas operacionais, iOS 15 e iPadOS 15 . 52,6% dos entrevistados se disseram “um pouco” ou “nada” empolgados com a novidade, 28,1% se disseram “relativamente” empolgados, e apenas 19,3% disseram estar “extremamente” ou “muito” empolgados.

Comentários Facebook
Continue lendo

Policial

Política

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana