conecte-se conosco


Economia

Lira quer a volta do financiamento privado junto com o Fundão para 2022; entenda

Publicado

Economia


source
Arthur Lira (PP-AL), presidente da Câmara
Luis Macedo/Câmara dos Deputados

Arthur Lira (PP-AL), presidente da Câmara

Um grupo formado pelo presidente da Câmara dos Deputados , Arthur Lira, estuda a flexibilização do financiamento de campanha . Mesmo após deis anos da decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) proibindo a doação por empresas , o Congresso estuda alguma possibilidade de viabilizar a medida, mantendo o fundo partidário , que em 2020 foi de R$ 2 bilhões

Segundo apuração do Estadão, uma proposta é discutida nos bastidores por deputados, e prevê que sejam estabelecidos tetos de R$ 500 mil a R$ 1 milhão por empresa, independentemente do porte da companhia. O valor poderia ser doado a um só candidato, ou ao partido. 

Lira pretende formar uma Comissão para analisar a proposta ainda hoje (4), para que a nova lei possa ser usufruída pelos candidatos às eleições de 2022. A deputada Renata Abreu (Podemos-SP) deve ser escolhida como relatora.

Para isso acontecer, todos os trâmites devem ser finalizados até outubro , para que o presidente Jair Bolsonaro sancionar a medida a tempo. 

Você viu?

A proposta também engloba a regra de destinar 30% do Fundo Eleitoral a mulheres, e a liberação de “showmícios”, com artistas divulgando o candidato, proibida pela justiça eleitoral desde 2006. 

“No atual momento, a decisão de instituir o financiamento eleitoral por empresas, com teto fixo, constitui uma decisão política, que cabe ao Congresso. Embora nem todo modelo de doação por pessoas jurídicas seja a priori inconstitucional, não tenho simpatia pela ideia”, disse ao Estadão o presidente do TSE, Luís Roberto Barroso.

“O processo democrático deve ser um exercício de cidadania, e não de poder econômico. Sou a favor das doações por pessoas físicas, com teto. E sou a favor, também, de incentivos para que as pessoas físicas façam doações”, completou. 


Comentários Facebook

Economia

Guedes não deve continuar no governo em caso de reeleição de Bolsonaro; entenda

Avatar

Publicado


source
Guedes estuda deixar o governo em caso de reeleição de Bolsonaro
Edu Andrade/Ascom/ME

Guedes estuda deixar o governo em caso de reeleição de Bolsonaro

O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse a interlocutores que não deve continuar no governo em caso de reeleição de Bolsonaro em 2022. A informação é do jornal O Globo .

Guedes afirmou que pretende entregar “um país democrático”, com a apresentação de reformas e privatizações. À frente da pasta, o ministro apresentou a reforma da previdência , aprovada em 2019, além das reformas administras e tributárias , ainda em discussão no Congresso Nacional.

Paulo Guedes foi protagonista de diversas polêmicas envolvimento discórdias políticas ou com o presidente Jair Bolsonaro. A mais forte foi no começo deste ano, após a aprovação da Lei Orçamentária Anual de 2021 . Após alterações na peça orçamentária, Guedes ameaçou cortar as verbas e atiçou a ala política do Palácio do Planalto. Durante as discussões, parlamentares pediram o desmembramento da pasta e Bolsonaro precisou tomar frente às negociações.

Veja Também  Produção de aço soma 11,8 milhões de toneladas de janeiro a abril

Após os boatos e a sinalização positiva de Bolsonaro para desmembrar os setores da Indústria e Planejamento do Ministério da Economia, Guedes ameaçou desembarcar do governo, mas recuou após conversas com interlocutores. No entanto, a retirada de secretarias não agrada ao ministro e seus assessores.

Comentários Facebook
Continue lendo

Economia

Empresário interessado na compra particular de vacinas é convocado à CPI

Avatar

Publicado


source
O empresário Carlos Wizad
Reprodução

O empresário Carlos Wizad


O empresário Carlos Wizard foi convocado nesta segunda-feira (12) pelo senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) para falar na CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito). Ele é dono da rede de idiomas Wise-Up e fundador da rede que carrega seu sobrenome. 

Wizard ajudaria a “esclarecer detalhes ‘ministério paralelo da saúde’, responsável pelo aconselhamento extraoficial do Governo Federal com relação às medidas de enfrentamento da pandemia, incluindo a sugestão de utilização de medicamentos sem eficácia comprovada e o apoio a teorias como a da imunidade de rebanho”.


Apesar do Congresso ter aprovado a compra de vacinas pelo setor privado, a adesão à modalidade tem sido baixa . O projeto, apelidado de ” fura-fila da vacina”, que permite que empresários vacinem seus funcionários fora do SUS (Sistema Único de Saúde), foi capitaneada por Luciano Hang, dono da Havan , e Wizard.

Veja Também  Produção de aço soma 11,8 milhões de toneladas de janeiro a abril

Procurado por meio de sua assessoria de imprensa, o empresário não quis comentar o caso.

Comentários Facebook
Continue lendo

Policial

Política

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana