conecte-se conosco


A PONTE CAIU

Polícia Civil de MT desarticula grupo criminoso que comprava veículos com cheques falsos em vários estados do país

Publicado

Manchete

 

Assessoria/Polícia Civil-MT

Quatro estelionatários que aplicavam golpes de compras de veículos com cheques falsos com vítimas em todo o país foram presos em flagrante em uma operação interestadual deflagrada pela Polícia Civil de Mato Grosso com apoio das Polícias Civis do Pará e de Mato Grosso do Sul.

A operação Defraudo, deflagrada pela Delegacia de Confresa finalizou nesta segunda-feira (03) com duas pessoas presas em Mato Grosso, no sábado (01), e mais duas pessoas presas nesta segunda-feira (03) no estado do Pará, além de dois veículos recuperados.

As investigações que resultaram na desarticulação do grupo criminoso tiveram início no mês de fevereiro, após os suspeitos passarem pela cidade de Confresa, onde aplicaram o golpe contra uma idosa de 66 anos, cujo prejuízo foi de R$ 28 mil.

Assim que foi comunicada dos fatos, a Polícia Civil, através da Delegacia Municipal de Confresa iniciou as investigações que levaram a identificação de quatro integrantes do grupo criminoso. As prisões dos suspeitos ocorreram nas cidades de Três Lagoas (MS) e Canaã dos Carajás (PA).

As investigações da Delegacia de Confresa apontam que os envolvidos praticaram golpes nos estados de Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás, São Paulo e Tocantins, nas cidades de Confresa (MT), Ipiranga do Norte (MT), Guarantã do Norte (MT), Agua Boa (MT), Colider (MT), Uruana (GO), Mineiros (GO), Três Lagoas (MS), Dracena (SP), Palmas (TO).

Veja Também  KALIL INAUGURA NOVA MATERNIDADE E VÁRZEA GRANDE AVANÇA NA VACINAÇÃO

Segundo o delegado, Matheus Soares Augusto, a estimativa é que somente em 2021 a associação criminosa tenha causado prejuízos na ordem de R$ 300 mil às vítimas. O delegado acredita que no decorrer das investigações outras vítimas serão identificadas.

“Durante os trabalhos, ficou demonstrado que os criminosos eram especializados em crimes desta natureza. Com base na cidade de Rolim de Moura (RO), eles viajavam o Brasil aplicando golpes e retornavam ao seu estado eventualmente para descansarem e gastar o dinheiro obtido ilicitamente”, disse o delegado.

Os investigados serão indiciados por crimes de Estelionato Qualificado, Uso de Documento Falso, Falsidade Ideológica, Associação Criminosa e Lavagem de Dinheiro.

Atuação do grupo criminoso

Os criminosos se apresentavam com documentação falsa, buscando vítimas idosas ou que percebessem alguma vulnerabilidade. Os supeitos demonstravam interesse na compra do veículo e ao se dirigir à agência bancária para realizar o pagamento, utilizavam cheques falsos.

As vítimas acreditando ter recebido a quantia negociada transferiam o veículo aos estelionatários, que a partir então anunciavam nas redes sociais e em sites de venda, com preços abaixo de mercado para que fosse vendido o mais rápido possível.

Veja Também  Brasil tem mais de 70 mil casos de Covid-19 pelo 3º dia e chega a 430 mil óbitos

Ao encontrarem algum interessado vendiam o veículo e recebiam do dinheiro em suas contas bancárias. A vítima que recebeu o cheque falso só percebia o golpe alguns dias depois quando os veículos já haviam sido vendidos para terceiros.

Desafios da investigação

O delegado de Confresa, Matheus Augusto, a investigação contra estelionatários deste calibre é sempre um desafio muito grande, pois eles utilizam de documentos falsos, contas bancárias de laranjas, celulares cadastrados em nomes de terceiros.

“A garra e o comprometimento dos investigadores prevaleceu e os resultados vieram. O dia de hoje é muito importante para Polícia Civil pois demonstra que não existe crime perfeito e que mesmo diante dos desafios esses profissionais conseguem fazer um excelente trabalho”, disse.

O delegado estendeu o agradecimento ao Núcleo de Inteligência de Confresa e às Polícias Civis do Pará e de Mato Grosso do Sul.

A Delegacia Municipal estende seus agradecimentos ao Núcleo de Inteligência de Confresa/MT e às Polícias Civis do Pará e Mato Grosso do Sul.

Fonte: PJC MT

Comentários Facebook

Manchete

Comitê do SUS contraindica cloroquina, ivermectina e azitromicina contra a Covid

Avatar

Publicado

 

 

source
Comitê do SUS emite documento contraindicando cloroquina e ivermectina no tratamento da Covid-19
undefined

Comitê do SUS emite documento contraindicando cloroquina e ivermectina no tratamento da Covid-19

A Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no Sistema Único de Saúde (Conitec) desaprova o uso de medicamentos com ineficácia comprovada contra Covid-19, como cloroquina, hidroxicloroquina, ivermectina e azitromicina, em ambientes hospitalares. É a primeira vez que há um posicionamento contrário do Ministério da Saúde em relação ao uso dessas drogas.

Apesar disso, a pasta não traz orientações contra o “kit Covid”, defendido pelo presidente Jair Bolsonaro como tratamento precoce mesmo sem evidências científicas.

Você viu?

Segundo o documento, não há evidências de que o uso, isolado ou junto a outros medicamentos, beneficie o tratamento da Covid-19. O parecer foi divulgado pela “Folha de S.Paulo” e obtido pelo GLOBO.

“Alguns medicamentos foram testados e não mostraram benefícios clínicos na população de pacientes hospitalizados, não devendo ser utilizados, sendo eles: hidroxicloroquina ou cloroquina, azitromicina, lopinavir/ritonavir, colchicina e plasma convalescente. A ivermectina e a associação de casirivimabe + imdevimabe não possuem evidência que justifiquem seu uso em pacientes hospitalizados, não devendo ser utilizados nessa população”, diz o documento.

Veja Também  Comitê do SUS contraindica cloroquina, ivermectina e azitromicina contra a Covid

Já outros remédios, como o corticoesteroide dexametasona, além de anticoagulantes, são recomendados em casos específicos e dentro do ambiente hospitalar.

Fonte: IG SAÚDE

Comentários Facebook
Continue lendo

Manchete

Saúde distribui 1,12 milhão de vacinas da Pfizer a partir de hoje

Avatar

Publicado

 

O Ministério da Saúde começa a distribuir a partir desta segunda-feira (10) mais um lote com 1,12 milhão de doses da vacina contra a covid-19 da Pfizer/BioNTech. As doses são destinadas para a primeira aplicação em pessoas com comorbidades, gestantes e puérperas e pessoas com deficiência permanente.

Segundo o ministério, todos os estados e o Distrito Federal receberão o imunizante de forma proporcional e igualitária. Na semana passada, o governo distribuiu o primeiro lote de vacinas da Pfizer com 1 milhão de doses.

De acordo com a pasta, a logística de distribuição das vacinas da Pfizer foi montada levando em conta as condições de armazenamento do imunizante. No Centro de Distribuição do ministério, em Guarulhos, as doses ficam armazenadas a uma temperatura de -90°C a -60°C.

Ao serem enviadas aos estados, as vacinas estarão expostas à temperatura de -20°C. Nas salas de vacinação, onde a refrigeração é de +2 a +8°C, as doses precisam ser aplicadas em até cinco dias.

“Em função disso, o Ministério da Saúde orienta que, neste momento, a vacinação com o imunizante da Pfizer seja realizada apenas em unidades de saúde das 27 capitais brasileiras, de forma a evitar prejuízos na vacinação e garantir a aplicação da primeira e segunda doses com intervalo de 12 semanas entre uma e outra”, informou o ministério.

Veja Também  Bolsonaro chama ICMS de estados de "estupro" e defende redução nos combustíveis

A vacinação contra a covid-19 começou no país no dia 18 de janeiro. Até o momento, contando com esse novo lote, foram destinadas a todas as unidades da Federação aproximadamente 75,4 milhões de doses de imunizantes.

Edição: Aécio Amado

Fonte: EBC Saúde

Comentários Facebook
Continue lendo

Policial

Política

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana