conecte-se conosco


Saúde

Pandemia faz expectativa de vida cair um ano em São Paulo

Publicado

Saúde


A pandemia do novo coronavírus fez a esperança de vida ao nascer no estado de São Paulo cair em um ano em 2020, revelou um estudo feito pela Fundação Seade.

No ano passado, a expectativa de vida foi estimada em 75,4 anos, valor menor que em 2019, quando a esperança de vida ao nascer era de 76,4 anos.

Com isso, a expectativa de vida no estado paulista regrediu sete anos, voltando a números que eram apresentados em 2013. “O rápido aumento dos níveis de mortalidade, devido à expansão da pandemia da covid-19 em todo o território paulista, afetou diretamente os padrões demográficos de longevidade conquistados, resultando em retrocesso ao patamar de vida média observado sete anos atrás, entre 2012 e 2013”, diz o estudo.

Diferença entre homens e mulheres

Para os homens, a expectativa de vida caiu mais do que para as mulheres. Entre as mulheres, a vida média caiu de 79,4 para 78,7 anos, com perda de 0,7 ano em 2020. Já entre os homens passou de 73,3 para 72,0 anos, uma redução de 1,3 ano.

Veja Também  Covid-19: mortes continuam a cair e casos oscilam positivamente

Com isso, a diferença de longevidade entre os sexos passou de 6,1 anos para 6,7 anos em 2020, interrompendo o ritmo de queda. Essa diferença de longevidade entre os sexos decrescia desde 2000, quando ela estava estabelecida em 9 anos. Em 2019, essa diferença entre os sexos correspondia a 6,1 anos.

Mortalidade por faixas etárias

No ano passado, as taxas de mortalidade cresceram nas idades acima de 15 anos. Até 14 anos, houve redução de 20%. Já entre 15 e 29 anos, houve acréscimo de 11%. Nas demais faixas etárias, cresceu em torno de 15%.

Entre 30 e 59 anos, o aumento foi próximo ao dos idosos, mas o número de óbitos por mil habitantes é bem distinto. No primeiro grupo, as taxas passaram de 3,4 para 3,9 óbitos a cada mil habitantes, enquanto nas idades entre 60 e 69 anos, as taxas foram de 15,0 para 17,2 óbitos por mil habitantes. Já no grupo entre 70 e 79 anos, as taxas passaram de 33,2 para 38,0 óbitos por mil habitantes.

Edição: Maria Claudia

Fonte: EBC Saúde

Comentários Facebook

Saúde

Rio: situação melhora, mas há regiões com risco alto para covid-19

Avatar

Publicado


A 30ª edição do Mapa de Risco da Covid-19, divulgada nesta sexta-feira (14) pela Secretaria de Estado de Saúde (SES), mostra que o estado do Rio de Janeiro está com bandeira laranja, que indica risco moderado de contrair a doença, na pontuação geral. A pesquisa apresenta uma melhora do cenário epidemiológico, com a região norte saindo da bandeira laranja e passando para a amarela, risco baixo, e uma piora, na região litorânea, que estava com bandeira laranja e passa para a vermelha.

As regiões metropolitana I, baía da Ilha Grande, serrana e noroeste permanecem com bandeira vermelha. Centro-Sul, metropolitana II e médio Paraíba seguem na laranja. A análise compara a semana epidemiológica 17, entre 25 de abril e 1º de maio, com a 15, entre 11 e 17 de abril.

O estado do Rio apresentou uma redução de 28% no número de óbitos, e as internações por síndrome respiratória aguda grave (SRAG) caíram 27% na comparação entre as semanas epidemiológicas analisadas. As taxas de ocupação de leitos no estado, nesta sexta-feira (14), são 84,8% para leitos de UTI e 61,2% para leitos de enfermaria.

Veja Também  Covid-19: governo compra 100 milhões de doses da vacina da Pfizer

Os resultados apurados para os indicadores apresentados devem auxiliar a tomada de decisão, além de informar a necessidade de adoção de medidas restritivas, conforme o nível de risco de cada região.

Os dados completos do mapa podem ser acessados na página da secretaria , incluindo a norma técnica que explica a metodologia de cálculo.

Edição: Fábio Massalli

Fonte: EBC Saúde

Comentários Facebook
Continue lendo

Saúde

Fiocruz entrega mais vacinas que o previsto pela 3ª vez

Avatar

Publicado


A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) anunciou hoje (14) a entrega de mais 4,7 milhões de doses da vacina contra a covid-19. O número supera em 600 mil o inicialmente previsto  É a terceira semana que a instituição científica vinculada ao Ministério da Saúde repassa ao Programa Nacional de Imunizações (PNI) mais doses do que o estimado. Isso havia ocorrido em 23 de abril, quando foi entregue 500 mil doses extras, e em 30 de abril, quando o incremento foi de 900 mil doses. 

“O aumento do quantitativo nesta semana foi possível por conta da antecipação de lotes previstos para serem liberados na próxima semana. As entregas ocorrem em duas remessas: uma, com 217 mil doses, para o estado do Rio de Janeiro; e outra, com o restante do quantitativo, para o almoxarifado designado pelo Ministério da Saúde, de onde sairão as doses para os demais estados, até o final do dia”, diz em nota a Fiocruz.

A vacina produzida pela instituição é a Covishield, que já possui registro definitivo na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e está sendo usado no controle da pandemia seguindo os critérios do PNI. Ela foi desenvolvida por meio de uma parceria entre a Universidade de Oxford e a farmacêutica inglesa AstraZeneca, que firmaram com a Fiocruz, no ano passado, um acordo para transferência de tecnologia.

Veja Também  Covid-19: casos sobem para 15,5 milhões e mortes, para 432,6 mil

Com a nova entrega, a instituição chega à marca de 34,9 milhões doses disponibilizadas ao PNI. Os primeiros lotes da vacina que chegaram ao país em janeiro foram importados da Índia. A fabricação em larga escala no Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos da Fiocruz (Bio-Manguinhos) teve início em março.

Edição: Fábio Massalli

Fonte: EBC Saúde

Comentários Facebook
Continue lendo

Policial

Política

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana