conecte-se conosco


Nacional

Membros da Secretaria da Cultura realizam dossiê para combater ‘esquerdistas’

Publicado

Nacional


source
 Integrantes da Secretaria da Cultura realizam dossiê para exonerar 'esquerditas'
Reprodução/Flickr

Integrantes da Secretaria da Cultura realizam dossiê para exonerar ‘esquerditas’

Servidores ideológicos que ocupam a Secretaria Especial da Cultura no governo  Jair Bolsonaro (sem partido), comandada por Mário Frias , elaboraram um dossiê em que criticam funcionários “militantes esquerdistas” e enaltecem os ‘direitistas’. As informações são da jornalista Camila Mattoso .

De acordo com interlocutores, a secretaria se isolou do governo federal por ser o ‘reduto de seguidores de Olavo de Carvalho’ e de radicais bolsonaristas que foram perdendo espaço em outros cargos e ministérios.

O documento é chamado de “mapeamento Funarte 2020-2021″ e costuma ser enviado por WhatsApp ou email à cupula da secretaria. No dossiê, é possivel observar seis servidores descritos como “militantes esquerdistas”, ou do PT, e que por isso deveriam ser exonerados .

Segundo a planilha, uma das colaboradores é “servidora há anos e é militante esquerdista, tirar cargo de gratificação. Faz movimentos na Funarte contra governo. Companheira de Marcos Teixeira [Campos, presidente substituto da Funarte na gestão de Regina Duarte], turma do Humberto Braga [presidente da Funarte no governo Michel Temer (MDB)], levantar açãos contra o governo (sic)”.

Veja Também  Tiroteio em restaurante deixa dois mortos no Rio Grande do Sul; veja imagens

Você viu?

Andrea Paes Leme, secretária-adjunta da Cultura, foi mencionada no dossiê como um dos alvos da ala ideológica. No documento, tuítes da servidora criticando o segundo turno das eleições de 2018 e declarando apoio a João Amoêdo (Novo) corroboram o argumento de “humilhação para Bolsonaro” tê-la no governo.

“A Secretária Especial Adjunta Andrea Abrão Paes Leme se deu bem: enganou o Secretário Especial Mario Frias e sabendo ser o Bolsonaro Bozo bobo acertou em cheio. Saiu do DNIT e agora manda na Cultura. Que humilhação para um Presidente da República dar o segundo posto no comando da Cultura para quem na boca da eleição e 10 dias antes de ser esfaqueado estava ridicularizando-o como uma opção equivalente ao PT (sic)”, relata trecho do dossiê.


Paralelamente, funcionários que se alinham a ideologia do governo são elogiados e dignos de promoção. Um advogado bolsonarista é tido como “jovem conservador ativo”. Outro servidor é tido como “secretário da ala conservadora da OAB-RJ, reconhecido jornalista conservador por nomeação”.

Comentários Facebook

Nacional

Polícia não pode julgar quem vive e morre, diz diretora da Anistia Internacional

Avatar

Publicado


source
Jurema Wernek, ativista e diretora-executiva da Anistia Internacional Brasil
Reprodução

Jurema Wernek, ativista e diretora-executiva da Anistia Internacional Brasil

A ativista e diretora-executiva da Anistia Internacional Brasil, Jurema Werneck, falou nesta segunda-feira (17) sobre a operação policial que deixou 29 mortos no bairro do Jacarezinho, no Rio.  Werneck criticou a operação e afirmou que “polícia nenhuma tem autorização para decidir quem vive e quem morre”.

“Se trata de uma chacina porque são muitas pessoas mortas, atacadas, traumatizadas e com sequelas que vão durar a vida toda. O país vai viver com essa marca de que policiais entraram na comunidade, nas casas, no quarto de crianças e mataram brasileiros e brasileiras. Mataram jovens, gente que tem uma vida pela frente”, disse Jurema no Roda Viva , da TV Cultura .

Segundo a ativista, existe uma ‘falência’ da promessa da segurança pública no Brasil, em especial no Rio de Janeiro. Ela diz que as forças de segurança querem “quase uma carta branca” para as suas ações.

“Essas ações que, nos últimos 30 anos, têm sido denunciadas como pouco inteligentes, truculentas e violadoras de direitos humanos (…) existe um profundo desprezo pela vida das pessoas que moram nas favelas, nas periferias, pela vida de pessoas negras”, disse Jurema. 

A ativista reforçou que a truculência das forças de segurança só fazem aumentar os índices de violência no Brasil. Segundo ela, a solução passa pelo respeito aos direitos humanos. “Que inclui saúde, educação, moradia, cultura, trabalho… é pela vida digna.”

Comentários Facebook
Continue lendo

Nacional

Polícia não pode julgar quem vive e morre, diz diretora da Anistia Internacional

Avatar

Publicado


source
Jurema Wernek, ativista e diretora-executiva da Anistia Internacional Brasil
Reprodução

Jurema Wernek, ativista e diretora-executiva da Anistia Internacional Brasil

A ativista e diretora-executiva da Anistia Internacional Brasil, Jurema Werneck, falou nesta segunda-feira (17) sobre a operação policial que deixou 29 mortos no bairro do Jacarezinho, no Rio.  Werneck criticou a operação e afirmou que “polícia nenhuma tem autorização para decidir quem vive e quem morre”.

“Se trata de uma chacina porque são muitas pessoas mortas, atacadas, traumatizadas e com sequelas que vão durar a vida toda. O país vai viver com essa marca de que policiais entraram na comunidade, nas casas, no quarto de crianças e mataram brasileiros e brasileiras. Mataram jovens, gente que tem uma vida pela frente”, disse Jurema no Roda Viva , da TV Cultura .

Segundo a ativista, existe uma ‘falência’ da promessa da segurança pública no Brasil, em especial no Rio de Janeiro. Ela diz que as forças de segurança querem “quase uma carta branca” para as suas ações.

“Essas ações que, nos últimos 30 anos, têm sido denunciadas como pouco inteligentes, truculentas e violadoras de direitos humanos (…) existe um profundo desprezo pela vida das pessoas que moram nas favelas, nas periferias, pela vida de pessoas negras”, disse Jurema. 

A ativista reforçou que a truculência das forças de segurança só fazem aumentar os índices de violência no Brasil. Segundo ela, a solução passa pelo respeito aos direitos humanos. “Que inclui saúde, educação, moradia, cultura, trabalho… é pela vida digna.”

Comentários Facebook
Continue lendo

Policial

Política

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana