conecte-se conosco


EDUCAÇÃO

Terminam hoje inscrições para o Sisu do primeiro semestre

Publicado

EDUCAÇÃO


Termina hoje (14), às 23h59, o prazo de inscrições para o processo seletivo do Sistema de Seleção Unificada (Sisu) do primeiro semestre de 2021. Os estudantes devem realizar as inscrições, exclusivamente, por meio da página do programa na internet, utilizando o mesmo login cadastrado no portal de serviços do governo federal.

O Sisu é o programa do Ministério da Educação (MEC) para acesso de brasileiros a um curso de graduação em universidades públicas do país. As vagas são abertas semestralmente, por meio de um sistema informatizado, e os candidatos são selecionados de acordo com suas notas no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem).

Para esta seleção serão exigidos, exclusivamente, os resultados obtidos pelos estudantes no Enem de 2020, aplicado neste ano. Para participar, o estudante não pode ter zerado a redação.

O período de inscrições do Sisu começou no dia 6 de abril e terminaria no dia 9, mas foi prorrogado pelo Ministério da Educação até esta quarta-feira. São ofertadas, nesta edição, 206.609 mil vagas em 5.571 cursos de graduação, distribuídos em 109 instituições em todos os estados do Brasil e no Distrito Federal.

O resultado está previsto para ser divulgado no dia 16 de abril. O processo de matrícula será de 19 a 23 de abril, em dias, horários e locais de atendimento definidos por cada instituição de ensino.

Veja Também  Bolsas do Prouni: prazo para entrega de documentos termina hoje

O estudante poderá se inscrever no Sisu em até duas opções de vaga e especificar a ordem de preferência. Ele poderá optar por concorrer às vagas de ampla concorrência ou aquelas reservadas a políticas de ações afirmativas, as cotas. Entretanto, não é permitida a inscrição em mais de uma modalidade de concorrência para o mesmo curso e turno, na mesma instituição de ensino e local de oferta.

Nota de corte

Durante o período de inscrição, o sistema disponibilizará ao candidato, em caráter informativo, a nota de corte para cada instituição participante, local de oferta, curso, turno e modalidade de concorrência. As informações são atualizadas periodicamente conforme o processamento das inscrições. No caso, o estudante poderá alterar as suas opções de curso, bem como efetuar o seu cancelamento. A classificação no Sisu será feita com base na última alteração efetuada e confirmada no sistema.

A nota de corte é a menor nota para o candidato ficar entre os potencialmente selecionados para cada curso. A partir deste ano, o MEC voltará a calcular as notas de corte do Sisu como fazia antes de 2020, quando o formato foi alterado. Assim, a nota do candidato parcialmente classificado no curso de sua primeira opção de inscrição não será mais computada para efeito do cálculo da nota de corte do curso de sua segunda opção.

Veja Também  UFRJ diz que redução no orçamento pode inviabilizar funcionamento

Até então, os candidatos tinham acesso à classificação tanto para a primeira quanto para a segunda opção de curso, independente de terem se classificado para a primeira opção. Entretanto, considerar a nota deles no cálculo da segunda opção de curso pode fazer com que a nota de corte desses cursos aumente, gerando uma camuflagem e um aumento de notas de corte que pode não ser real.

Lista de espera

O processo seletivo do Sisu referente à primeira edição de 2021 vai ocorrer em uma única chamada. Para participar da lista de espera, o estudante deverá manifestar seu interesse por meio da página do Sisu na internet, no período de 16 a 23 de abril, em apenas um dos cursos para o qual optou por concorrer.

Aquele que foi selecionado na chamada regular em uma de suas opções de vaga não poderá participar da lista de espera, independentemente de ter realizado ou não sua matrícula na instituição. Os procedimentos para preenchimento das vagas não ocupadas na chamada regular serão definidos em edital próprio de cada instituição participante.

Edição: Maria Claudia

Comentários Facebook

EDUCAÇÃO

Professores de redes municipais se adaptaram às teconologias de ensino

Avatar

Publicado


Para 83% dos professores de redes municipais de todo país, a adaptação às ferramentas tecnológicas de ensino é considerada boa. A maioria usa grupos de professores nas redes sociais e aplicativos de trocas de mensagens para trocar ideias, experiências e conversar. 

“Muitos professores buscaram se atualizar diante dos novos desafios impostos pela pandemia. Seja com apoio das redes de ensino, seja na troca com outros colegas, eles se adaptaram ao uso de novos recursos tecnológicos, e isso é muito positivo”, disse Daniel de Bonis, diretor de políticas educacionais da Fundação Lemann, ao acrescentar: “essas ferramentas serão especialmente importantes daqui em diante para a superação das defasagens educacionais acumuladas durante a pandemia”.

Para entender a prioridade da educação nas redes municipais brasileiras, a Rede Conectando Saberes, uma iniciativa da Fundação Lemann, realizou o estudo Vozes Docentes. A pesquisa contou com mais de 8,7 mil respostas de professores de escolas municipais de 87 cidades, em todas as regiões do país. 

A pesquisa foi dividida em seis eixos temáticos: Participação política, Educação na pandemia (ensino remoto e reabertura de escolas), Formação de professores, Diagnóstico de defasagens e plano de reforço escolar, Saúde mental e clima escolar, e Adequação e priorização do currículo.

Outro dado da pesquisa mostrou que, apesar da adaptação, 42% afirmam que a pandemia trouxe dificuldades em avaliar seus alunos, seja por não conseguirem acompanhar tão de perto o desenvolvimento dos estudantes pelo vídeo, seja por não saberem se as respostas dos testes aplicados são realmente deles.

Os educadores também responderam sobre a percepção da saúde mental dos estudantes, sendo que somente 25% dos professores dizem que seus alunos raramente ou nunca estão emocionalmente equilibrados.

Em relação à participação política, 97% dos educadores afirmam que se sentiriam valorizados se pudessem participar da formulação de políticas públicas de seus municípios. Apenas 31% dos professores conhecem e concordam com os planos de retomada de aulas presenciais municipais. 

Veja Também  Alunos que criaram tecnologias sociais podem concorrer a prêmios

“A pesquisa vem para reforçar algo que acreditamos e trabalhamos muito na Conectando Saberes, o(a) professor(a) precisa ser mais ouvido e ser uma parte ativa da tomada de decisões sobre a educação na sua cidade. 77% deles dedicariam tempo de trabalho não remunerado para essa construção”, afirma o gestor de projetos da Conectando Saberes, Lucas Corrêa do Bomfim Costa. 

Tanto para aqueles que defendem a reabertura das escolas quanto para os que preferem o ensino remoto, o aprimoramento do reforço escolar para redução das defasagens é prioridade.

A professora Angélica dos Santos Benith Belo, que leciona na rede municipal de ensino de Sã Paulo, contou que se adaptou às ferramentas tecnológicas de ensino, mas que apesar do treinamento recebido da prefeitura para algumas ferramentas, teve que aprender a gravar aula na prática:

“A utilização das ferramentas foi boa porque procuramos nos aperfeiçoar, nos aprimorar, tivemos um treinamento da prefeitura e deu para administrar essa parte, mas algumas coisas em relação a gravação de aula, a elaboração de conteúdo, foi muito de aprender a fazer com a mão na massa, porque esse cenário de pandemia trouxe essa possibilidade e essa necessidade para todos os educadores, acredito que de todas as esferas”, diz Angélica.

Para ela, dar dar aula através de uma tela foi desafiador. “Porque quando a gente está numa sala de aula a gente tem um feedback instantâneo do aluno, que é norteador para o nosso planejamento e para que a nossa prática tenha significado”.

Ela concorda que é difícil avaliar os estudantes com o ensino remoto: “as avaliações foram difíceis porque por um meio digital não tem como a gente dizer se no momento da prova aquele aluno estava tenso ou nervoso, ou se estava consultando algum material, então a falta desse parâmetro inviabilizou uma avaliação significativa”. 

Confira os principais dados da pesquisa: 

Veja Também  Bolsas do Prouni: prazo para entrega de documentos termina hoje

Participação política

• 97% dos professores dizem que se sentiriam valorizados se pudessem participar da formulação de políticas públicas de seus municípios;
• 25% dos professores relatam que gostariam de colaborar apenas sendo informados sobre as decisões feitas pelas gestões municipais, enquanto outros 49% gostariam de opinar sobre as decisões a serem tomadas;
• 39% dos respondentes estariam dispostos a dedicar uma hora de trabalho não remunerada para participar das políticas públicas de seu município; 31% dedicariam entre uma e três horas.

Educação na pandemia (ensino remoto e reabertura de escolas)

• 83% dos professores se sentem bem adaptados às ferramentas tecnológicas de ensino, em parte devido à cooperação realizada entre os docentes através de grupos de WhatsApp durante a pandemia;
• 42% dos professores não conseguem avaliar estudantes com o ensino remoto;
• Apenas 31% dos professores conhecem e concordam com os planos de retomada de aulas presenciais de seus municípios.

Diagnóstico de defasagens e plano de reforço escolar

• Apenas 25% dos respondentes dizem que seus municípios sempre fazem diagnósticos educacionais;
• 35% sempre elaboram planos de recuperação e 28% implementam planos de recuperação de aprendizagem;
• O aprimoramento do reforço escolar para redução das defasagens é prioridade comum tanto para professores que defendem o retorno às aulas presenciais, quanto aqueles que preferem o ensino remoto no contexto de pandemia.

Saúde mental e clima escolar

• 52% afirmaram que não veem responsáveis participarem da vida escolar de seus filhos e filhas;
• 25% afirmaram que nunca ou raramente percebem seus estudantes emocionalmente equilibrados.

Adequação e priorização do currículo

• 91% dos professores indicam que conhecem e utilizam o novo currículo baseado na Base Nacional Curricular Comum (BNCC);
• Apenas 50% apontam que sempre conseguem adaptar suas aulas para que estejam alinhadas com o novo currículo.

Edição: Denise Griesinger

Comentários Facebook
Continue lendo

EDUCAÇÃO

Governo libera R$ 2,61 bilhões para universidades federais

Avatar

Publicado


Após meses de aperto no caixa, as universidades federais terão alívio temporário nos seus orçamentos. O Ministério da Economia anunciou hoje (14) a liberação de R$ 2,61 bilhões para essas instituições de ensino. Os recursos ajudarão a recompor o orçamento de gastos discricionários.

Embora sejam definidos como não obrigatórios, os gastos discricionários englobam despesas essenciais para o funcionamento de serviços públicos, como contas de luz, telefone, internet, água, material de escritório, combustíveis, manutenção de prédios e de equipamentos. No caso das universidades, o pagamento de bolsas também é considerado despesa discricionária.

O dinheiro vem do remanejamento de programas que seriam custeados com emissões de títulos da dívida pública a serem autorizadas pela regra de ouro. 

A regra de ouro proíbe o Executivo de se endividar para pagar as despesas correntes – como são chamados os gastos da administração pública para manter seus serviços em funcionamento.

Ontem (13), o Diário Oficial da União publicou crédito suplementar de R$ 18,7 bilhões que aliviará os cofres de diversos órgãos e ministérios afetados pelo contingenciamento (bloqueio temporário) de recursos, anunciado no fim de abril. 

Veja Também  Bolsas do Prouni: prazo para entrega de documentos termina hoje

Logo após a sanção do Orçamento de 2021, o governo anunciou o contingenciamento de R$ 9,2 bilhões e o veto de R$ 19,8 bilhões em gastos. Os cortes foram necessários para garantir a execução de despesas obrigatórias que haviam sido remanejadas para emendas parlamentares.

Nesse processo, o Ministério da Educação teve cerca de R$ 3,5 bilhões cortados: R$ 2,73 bilhões bloqueados temporariamente e R$ 1,2 bilhão vetados. Quase a totalidade dos cortes, na ocasião, referiam-se a verbas para o ensino superior, com a alegação de que as universidades não estavam funcionando presencialmente durante a pandemia de covid-19.

Instituída pelo Artigo 167 da Constituição, a regra de ouro estabelece que o governo só pode emitir dívida pública para rolar (renovar) a própria dívida ou para cobrir despesas de capital, como investimentos em obras públicas e amortizações. Para cobrir gastos correntes, como os citados anteriormente, o governo precisa pedir autorização do Congresso.

O Orçamento de 2021 prevê insuficiência de R$ 434,8 bilhões para cumprir a regra de ouro, mas a quantia pode ser reduzida para R$ 125,7 bilhões com o uso de parte dos lucros do Banco Central nos últimos anos, devoluções do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) ao Tesouro e pagamentos de dividendos de estatais.

Veja Também  Universo - Olimpíada sobre astronomia está com inscrições abertas

Para evitar a paralisação de serviços públicos, o governo precisará pedir autorização ao Congresso Nacional nesse montante (R$ 125,7 bilhões) para custear determinados programas com títulos da dívida pública. Com a publicação da portaria, o governo antecipou a liberação dos recursos antes da votação pelo Congresso.

Edição: Fernando Fraga

Comentários Facebook
Continue lendo

Policial

Política

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana