conecte-se conosco


Policial

Policial escreve texto em que fala sobre a carreira e presta homenagem aos colegas de profissão

Publicado

Policial


O investigador de polícia, Oscarmo de Barros Gonçalves, lotado na Delegacia Especializada de Crimes Fazendários e Contra a Administração Pública (Defaz) escreveu um texto em que fala sobre a carreira de policial civil e presta homenagem aos colegas profissionais que fazem a diferença na sua atuação em prol da instituição e da sociedade.

Hoje deu saudades de você

*Por Oscarmo de Barros Gonçalves”

Sabe aquele dia que a gente acorda ainda madrugada e começa a fazer uma retrospectiva na vida profissional e recordar dos grandes amigos, dos grandes líderes que fizeram parte da nossa história, da nossa carreira, daqueles que deixaram marcas que tempo algum apaga? 

Todos vamos viver esse dia, momento de retrospectiva, dia que lembramos das grandes missões, mas também das pequenas, vamos lembrar da glória, das belas prisões, da satisfação de cumprir o nosso dever com excelência, dos grandes amigos ou verdadeiros irmãos e líderes que Deus colocou em nosso caminho.

Boas lembranças. Mas lembranças de policial também têm lágrimas, tem recordações dos “meio amigos”, dos “chefes”, mas essa parte a gente prefere deixar em “vaga lembrança”…

Veja Também  Escrivão descobre amor pela carreira policial em ações operacionais e no trabalho investigativo

Que saudade dos meus irmãos policiais, que saudade dos grandes amigos, que estavam juntos na hora de pular o muro, chutar a porta, na vigilância em meio a mata, nos atoleiros, na corrida pelas ruas atrás do preso que tentou escapar, do “cantar” da sirene  abrindo caminho pelo centro da cidade, na boa conversa no momento da “entrevista”, naquele grito “Polícia! Mão na cabeça!”. 

Na missão que foi sucesso, na outra que nem tudo saiu como se desejava. Hoje deu saudade dos grandes homens e mulheres que são os responsáveis (ainda que hoje alguns estejam aposentados), mas são os responsáveis por a PJC ter esse brilho singular que nos orgulha.

Hoje deu saudade de você meu amigo (a) policial, que além de ser um grande profissional é uma pessoa incomparável. Hoje deu saudade de você…

Peço a Deus que esteja bem, que bem esteja a sua família. A nossa gratidão por ter sido tão especial na vida de seus pares, na vida do cidadão que te pediu apoio e saiu satisfeito, pois conheceu a excelente pessoa que você é.

Veja Também  Trabalho em conjunto permite mudança para nova Escola Tiradentes em Lucas do Rio Verde

Hoje deu saudades de você. Não importa onde esteja, tenho certeza que continua sendo essa luz que faz a diferença por onde passa,  te  desejo a mesma felicidade, a felicidade que tem proporcionado a todos que lembram e lembrarão do teu nome. Felicidades meu irmão e amigo policial!!

Fonte: PJC MT

Comentários Facebook

Policial

Polícia Civil prende gerente de facção com arma, drogas e dinheiro em Rondonópolis

Avatar

Publicado


Assessoria/Polícia Civil-MT

Grande quantidade de entorpecentes, materiais relacionados ao tráfico e a facção criminosa e mais de R$ 8 mil em dinheiro foram apreendidos pela Polícia Civil, na tarde de terça-feira (20.04), em mais uma investigação de combate ao tráfico de drogas, realizada pela Delegacia Especializada de Roubos e Furtos de Rondonópolis (212 km ao sul de Cuiabá).

A ação desencadeada para cumprimento de mandado de busca e apreensão domiciliar em uma residência no bairro Serra Dourada resultou na prisão em flagrante de duas pessoas pelos crimes de tráfico de drogas e associação criminosa.

A ordem judicial foi decretada após as investigações da Derf Rondonópolis identificaram um homem que atuava como gerente de uma facção criminosa que atuava com o abastecimento de pontos de venda de drogas no bairros Serra Dourada, Jardim Liberdade, Jardim Nova Era, Edinalva Muniz, Marechal Rondon e Jardim São Bento.

Durante monitoramento  do suspeito foi possível confirmar o envolvimento dele com o comércio ilícito, sendo utilizadas duas motocicletas para realizar a entrega dos entorpecentes. Diante do apurado, foi representado pelo mandado de busca e apreensão domiciliar no endereço do investigado, o qual foi cumprido na terça-feira (20).

Veja Também  Trabalho em conjunto permite mudança para nova Escola Tiradentes em Lucas do Rio Verde

Nas buscas, os policiais encontraram no quarto do investigado diversas porções de droga, entre cocaína pura, pasta base de cocaína e maconha, três balanças de precisão, e apetrechos utilizados para preparo e embalo do entorpecente. Escondido dentro de uma luva de boxe, estava uma arma de fogo calibre 38 com numeração suprimida.

Ainda no quarto, foi apreendido dentro do guarda-roupas um rolo grande e embalagens de adesivos da associação criminosa, utilizados para identificar veículos e estabelecimentos comerciais que colaboram com a facção e que não devem ser roubados/furtados, além de R$ 8.640 em dinheiro trocado característico da atividade de tráfico.

No quarto de outro suspeito foram apreendidas embalagens com resquícios de entorpecentes. Diante das evidências, todo material encontrado na casa foi apreendido e os suspeitos conduzidos à Derf, onde após serem interrogados foi lavrado o flagrante.  

Fonte: PJC MT

Comentários Facebook
Continue lendo

Policial

Escrivão descobre amor pela carreira policial em ações operacionais e no trabalho investigativo

Avatar

Publicado


Camila Molina/Polícia Civil-MT

Um escrivão de polícia com sangue de investigador correndo nas veias. É assim que o policial civil Hélio Aparecido da Silva, escrivão-chefe da Delegacia de São José dos Quatro Marcos encara a rotina de trabalho, atuando com sede pelo esclarecimento de crimes e acreditando nos benefícios da unificação das tarefas de investigador e escrivão para alcançar a excelência nas investigações.  

A garra e vontade de atuar além das suas funções com o fim de prestar um bom serviço policial certamente são heranças da época em que atuou como soldado de Exército Brasileiro, pouco antes de ingressar na Polícia Civil, em março de 2002.

Quando deixou o Exército, Hélio não pensava em ser policial, mas acabou fazendo o concurso para o cargo de escrivão da Polícia Civil de Mato Grosso e hoje se diz apaixonado pela profissão. No entanto, esse sentimento amor pela carreira não foi sempre assim.

Hélio lembra que quando ingressou na Polícia Civil, lotado na Delegacia de Rio Branco, foi que de fato conheceu o que era a atividade policial e teve uma grande decepção. “Eu esperava que encontraria uma polícia mais avançada, mas tive que, inclusive, trabalhar com máquina de datilografia e papel carbono, uma vez que o boletim de ocorrência era registrado em quatro vias. Tínhamos que revezar para usar o único computador disponível na delegacia para os trabalhos serem acelerados”, lembra.

Participação em operações

Foi quando já estava na Delegacia de São José dos Quatro Marcos, que o escrivão teve a oportunidade de explorar o lado mais operacional da profissão, iniciando a história de amor com a carreira policial. Na ocasião, os policiais participavam de uma diligência de tráfico de drogas na região de Porto Esperidião.

No dia seguinte, o então delegado da unidade, Walfrido Franklim do Nascimento (atual Diretor de Interior), mobilizou os policiais para relatar se as investigações tinham evoluído e que novas diligências seriam realizadas desta vez para apurar a atuação de pistoleiros na região.

Veja Também  Escrivão descobre amor pela carreira policial em ações operacionais e no trabalho investigativo

“Foi então que ele olhou para mim e perguntou se eu iria com eles. Pela minha formação anterior de militar, prontamente aceitei. No final, acabamos deflagrando uma operação muito grande, com a desarticulação de uma organização criminosa com integrantes de uma facção do estado de São Paulo. O fato na época teve grande repercussão na sociedade e engrandeceu o nome da Polícia Civil”, conta o escrivão.

A ação mencionada pelo escrivão é a Operação Têmis, deflagrada em novembro de 2008 e que resultou na prisão de 11 pessoas envolvidas em uma série de crimes na região da fronteira, entre eles homicídios, receptação de veículos roubados e furtados e tráfico de drogas.

As investigações iniciaram com a localização de dois corpos em um canavial, na zona rural de Mirassol d’Oeste. As vítimas foram encontradas com sinais de tortura e sem marcas de perfuração. À polícia, uma testemunha revelou que as duas vítimas se conheciam e que teriam sido contratadas para um serviço de cobrança contra um traficante de Mirassol d’Oeste, em conjunto com três pessoas de Cuiabá. Cada pistoleiro receberia U$ 8 mil dólares pela “empreitada”.

 
Material apreendido na Operação Têmis

Outro caso que marcou a carreira do escrivão foi um crime bárbaro de estupro, homicídio e ocultação de cadáver cometido contra uma adolescente de 17 anos em São José dos Quatro Marcos.  A notícia do desaparecimento da jovem foi comunicada na Delegacia no dia 29 setembro, pela família da adolescente, que informou que a garota havia saído na noite anterior para ir a um show sertanejo e não havia voltado para casa. O corpo da adolescente foi encontrado somente no dia 4 de novembro, em estado de  decomposição, numa região de serra, nas proximidades da localidade conhecida por Cacho, entre as cidades de Cáceres e Mirassol D’Oeste.

Veja Também  Polícia Civil prende homem que agrediu ex-companheira e raptou criança em Mirassol D'Oeste

Um caminhoneiro de 29 anos, apontado como autor do crime, foi preso dias depois em Goiânia (GO). Enquanto era recambiado para São José dos Quatro Marcos, continuava negando a autoria do crime e só confessou os fatos após tomar conhecimento que a Polícia havia localizado o corpo.

“Foi um caso complicado, em que tivemos que bater muito a cabeça até a elucidação dos fatos, após 45 dias de investigação. As pistas iniciais apontavam para dois suspeitos e foram várias diligências até conseguirmos chegar ao verdadeiro autor. Fizemos um relatório policial minucioso, detalhando cada fato apurado, e mostrando uma investigação diferenciada de crime”, disse o escrivão.

O escrivão que descobriu amor pela profissão policial através do trabalho investigativo revela que diante da falta de efetivo, a atuação unificada das funções de escrivão e investigador traz bons resultados. “Durante os trabalhos, encontramos opiniões diferentes das nossas, mas essa troca de ideias ajuda no desenvolvimento das investigações. Eu acredito na ideia de que alguns escrivães têm esse perfil investigativo aguçado e podem nortear a atuação da Polícia Civil”,  destacou.

 
Turma de escrivães de 2002

Com quase 20 anos de dedicação à Polícia Civil, Hélio diz que o trabalho como policial mudou muito sua vida, em especial o seu posicionamento diante dos problemas. “Eu era muito inibido, mas percebi que precisava me manifestar diante de certas situações, e esse é um posicionamento que passei a ter não só na vida profissional como na pessoal e que me ajuda diariamente no meu cargo que desempenho de chefe dos escrivães”, finalizou.

Fonte: PJC MT

Comentários Facebook
Continue lendo

Policial

Política

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana