conecte-se conosco


Internacional

“Super-Terra” pode ter pistas sobre atmosferas em planetas distantes

Publicado

Internacional


Cientistas encontraram um planeta que orbita uma estrela relativamente próxima ao nosso sistema solar e que pode oferecer uma grande oportunidade para estudar a atmosfera de um planeta rochoso e semelhante à Terra, o tipo de pesquisa que poderia auxiliar na busca por vida extraterrestre. 

Os pesquisadores afirmaram na quinta-feira que o planeta, chamado Gliese 486 b e classificado como uma “Super-Terra” não é em si um candidato promissor como um refúgio para a vida. Imagina-se que ele seja inóspito –quente e seco como Vênus, com possíveis rios de lava fluindo em sua superfície.

Mas a proximidade com a Terra e as características físicas o tornam um bom candidato para um estudo de atmosfera com os telescópios espaciais e terrestres de nova geração, começando com o Telescópio Espacial James Webb, que a Nasa deve lançar em outubro.  Esses devem fornecer aos cientistas dados para decifrar as atmosferas de outros exoplanetas –planetas que ficam além do nosso sistema solar– incluindo os que podem abrigar vida. 

“Nós dizemos que o Gliese 486 b irá se tornar instantaneamente a Pedra de Rosetta da exoplanetologia –pelo menos para os planetas semelhantes à Terra”, disse o astrofísico e co-autor do estudo José Caballero, do Centro de Astrobiologia da Espanha, em referência à antiga placa de pedra que ajudou pesquisadores a decifrar os hieróglifos egípcios. 

Veja Também  Rainha Elizabeth fica sozinha enquanto Philip é sepultado

Cientistas descobriram mais de 4.300 exoplanetas. Alguns deles são gigantes de gás, similares a Júpiter. Outros são menores, rochosos, planetas mais parecidos com a Terra, o tipo que é considerado um potencial mantenedor da vida, mas os instrumentos científicos disponíveis atualmente nos dizem pouco sobre suas atmosferas. 

“O exoplaneta precisa ter as configurações físicas e orbitais corretas para que seja elegível para investigação atmosférica”, disse o cientista planetário Trifon Trifonov, do Instituto Max Planck para Astronomia, na Alemanha, principal autor da pesquisa publicada na revista Science.

Comentários Facebook

Internacional

Rainha Elizabeth fica sozinha enquanto Philip é sepultado

Avatar

Publicado


A rainha Elizabeth e sua família prestaram suas últimas homenagens ao príncipe Philip em um funeral neste sábado (17) que exaltou seu legado internacional e sete décadas de serviço, e deu aos netos William e Harry a chance de falar em público, pela primeira vez, desde que as alegações de racismo geraram uma crise na família.

Elizabeth, vestida de preto e com uma máscara preta com bordas brancas, ficou sozinha enquanto seu marido por 73 anos foi rebaixado para o Royal Vault em um funeral com a presença de membros da realeza, incluindo o príncipe Charles.

O príncipe Harry, que voou dos Estados Unidos para comparecer ao funeral, caminhou e conversou com seu irmão William e sua esposa Kate no final da cerimônia – a primeira vez que eles falaram em público desde que Harry e sua esposa Meghan deram uma entrevista explosiva a Oprah Winfrey no mês passado.

Essa crise veio quando Philip estava no hospital. Oficialmente conhecido como duque de Edimburgo, Philip morreu aos 99 anos em 9 de abril.

Veja Também  Covid-19: contágio não garante aos jovens imunidade para reinfecção

Homenagem

“Nós nos lembramos hoje de ti, Philip, duque de Edimburgo, rendendo graças a ti – por sua fé e lealdade resolutas, por seu alto senso de dever e integridade”, afirmou o arcebispo de Canterbury, Justin Welby, em uma oração.

Philip, que se casou com Elizabeth em 1947, ajudou a jovem rainha a adaptar a monarquia aos tempos de mudança da era pós-Segunda Guerra Mundial, quando a perda do império e o declínio da deferência desafiaram a família real mais proeminente do mundo.

A rainha em 1997 descreveu Philip como sua “força” ao longo de décadas de casamento. O arcebispo elogiou a “vida de serviço de Philip à nação e ao Commonwealth, pela coragem e liderança inspiradora”.

Depois que a nação observou um minuto de silêncio em dia de sol brilhante, Harry e William ocuparam seus lugares no lado oposto da capela no Castelo de Windsor.

O quepe naval e a espada de Philip estavam em cima do caixão, que foi coberto com símbolos pessoais do duque de Edimburgo, assim como da família Mountbatten. Uma coroa de rosas brancas, lírios e jasmim da rainha de 94 anos também adornou o caixão.

Veja Também  John Kerry pede ações do Brasil em relação ao meio ambiente

Comentários Facebook
Continue lendo

Internacional

Princípe Philip é sepultado neste sábado em cerimônia restrita

Avatar

Publicado


Um antigo jipe modificado pelo próprio príncipe Philip vai carregar hoje o caixão do marido da rainha Elizabeth II na cerimônia fúnebre no palácio de Windsor, que terá apenas 30 convidados devido às restrições da pandemia da covid-19. 

O veículo, um Land Rover Defender, foi pintado de verde militar e adaptado de forma a funcionar como um carro funerário, de acordo com as ideias e desejos do duque de Edimburgo, que planeou meticulosamente seu próprio funeral, ao longo de 18 anos. 

Em vez de um cortejo de 40 quilômetros aberto ao público do centro de Londres até ao palácio de Windsor, a necessidade de evitar aglomerações levou à decisão de conter os preparativos dentro dos muros da propriedade real, onde o príncipe consorte morreu aos 99 anos em 9 de abril. 

O número de convidados também teve de ser reduzido das centenas previstas pelo protocolo, entre políticos e chefes de Estado estrangeiros, para um grupo de apenas 30 pessoas, número ditado pelas regras em vigor na Inglaterra para conter a pandemia. 

Veja Também  Tiroteio em Indianapolis deixa oito mortos e vários feridos

Os quatro filhos, príncipes Charles, Andrew, Edward e Anne, bem como os netos William e Harry, vão acompanhar o veículo a pé até à Capela de São Jorge, também no castelo, onde o corpo se encontra atualmente. A rainha Elizabeth fará o trajeto de carro.  

Outros familiares convidados incluem netos, primos, sobrinhos e parentes do ramo alemão da família do príncipe Philip. Os filhos do príncipe William não estarão presentes. 

Todos usarão trajes civis, uma solução encontrada para evitar uma situação incômoda, já que o príncipe Harry, que deixou de representar a família real e perdeu os títulos honoríficos, seria o único do núcleo mais próximo sem uniforme militar. 

Funeral of Britain's Prince Philip in WindsorFuneral of Britain's Prince Philip in Windsor

A rainha Elizabeth acompanha o funeral de máscara – Reuters/Direitos Reservados

Os convidados terão também de usar máscaras, incluindo a rainha, e terão de respeitar o distanciamento social dentro da capela durante a cerimônia religiosa, que deverá durar cerca de 50 minutos. 

Embora as regras de saúde pública tenham levado à alteração dos planos iniciais, muitos dos detalhes da cerimônia se mantém como o marido da Rainha pediu, tal como o envolvimento de guardas de honra de várias forças militares. 

O príncipe Philip cumpriu serviço na Marinha Real britânica e combateu na Segunda Guerra Mundial, tendo chegado à patente de comandante, mas abandonou a carreira quando Elizabeth II subiu ao trono. 

Um toque militar usado nos navios da Marinha para colocar as tripulações em posição de combate, chamado Action Stations, foi especialmente solicitado, tal como The Last Post, normalmente tocado em funerais de soldados. 

O corpo do Duque de Edimburgo ficará sepultado no jazigo real da Capela de São Jorge do Palácio de Windsor.

Comentários Facebook
Continue lendo

Policial

Política

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana