conecte-se conosco


Mato Grosso

Sefaz fará consulta pública para elaboração da Lei de Diretrizes Orçamentárias 2022

Publicado

Mato Grosso


Com o objetivo de despertar na sociedade civil o interesse em acompanhar e participar do orçamento público de Mato Grosso, a Secretaria de Fazenda (Sefaz) promoverá uma consulta popular para elaboração do projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2022. O edital de convocação foi publicado nesta quinta-feira (25.02) no Diário Oficial.

A consulta pública terá início na próxima segunda-feira (01.03) e segue até o dia 15 de março. Os interessados deverão preencher formulário eletrônico, a ser disponibilizado no site da Sefaz.

De acordo com a Secretaria Adjunta de Orçamento Público, da Sefaz, esse é um momento importante para que os cidadãos manifestem suas demandas e necessidades regionais. Além disso, é uma forma de atender ao disposto na Lei de Responsabilidade Fiscal, conferindo mais transparência à gestão fiscal e aos processos de elaboração das peças orçamentárias.

A Lei de Diretrizes Orçamentárias é uma das partes essenciais na elaboração do orçamento público. “Na LDO constam o valor das projeções de receitas e despesas primárias, as estimativas dos resultados primário e nominal para os próximos três exercícios financeiros, limites para endividamento público decorrente de restos a pagar e das despesas primárias correntes de cada Poder ou Órgão Autônomo”, explica o secretário Adjunto de Orçamento Público, Ricardo de Almeida Capistrano.

Veja Também  Operação Armagedon prende autores de roubos violentos praticados na região de Chapada dos Guimarães

Além disso, é com base na LDO que o Poder Executivo elabora a Lei Orçamentária Anual (LOA) que aponta como os recursos públicos serão aplicados. Esse planejamento orçamentário é essencial na gestão governamental e cada etapa é importante, pois uma depende da outra.

Fonte: GOV MT

Comentários Facebook

Mato Grosso

Confaz restringe, mas Governo vai propor extensão da isenção do ICMS da energia solar

Avatar

Publicado


A respeito das dúvidas surgidas sobre a energia elétrica de fonte fotovoltaica (energia solar), nos últimos dias, o Governo do Estado informa que:

1) Não há incidência do ICMS sobre a energia fotovoltaica produzida e imediatamente consumida pela unidade consumidora;

2) Porém, durante o período do dia, em que se tem maior incidência solar, a usina fotovoltaica produz mais energia elétrica do que consome;

3) Esse excesso de energia elétrica produzida durante o dia pela usina fotovoltaica é injetado na rede de distribuição e será compensado com a energia consumida pela unidade;

4) É importante o registro de que o faturamento da energia elétrica pela concessionária abrange o preço da energia propriamente dita e o de uso do sistema de distribuição;

5) O Conselho Nacional de Política Fazendária (CONFAZ), desde o Convênio 16, de 22 de abril de 2015, desonerou a incidência do ICMS sobre a energia produzida que é injetada na rede de distribuição e, posteriormente, compensada pela unidade consumidora;

6) Contudo, no inc. I do § 1° da Cláusula Primeira do referido Convênio 16, de 2015, o CONFAZ decidiu, desde o ano de 2015, que a isenção do ICMS sobre a energia elétrica produzida a partir de fonte fotovoltaica injetada e compensada “não se aplica (…) aos encargos de conexão ou uso do sistema de distribuição”;

Veja Também  Terça-feira (20): Mato Grosso registra 346.743 casos e 9.233 óbitos por Covid-19

7) Assim, a concessionária distribuidora de energia elétrica em Mato Grosso, verificando que não estava observando o disposto na referida cláusula do Convênio n° 16, de 2015, passou a cobrar, a partir de abril deste ano, o ICMS incidente sobre o uso do sistema de distribuição da energia elétrica produzida pela unidade consumidora e injetada na rede;

8) O Governo do Estado reitera que não alterou nenhuma regra da sua legislação para aumentar a incidência do ICMS sobre a energia fotovoltaica e afirma que proporá ao CONFAZ alteração do inc. I do § 1° da Cláusula Primeira do referido Convênio 16, de 2015, para que o ICMS passe a não incidir também sobre o uso do sistema de distribuição da energia elétrica injetada na rede;

9) Sem a autorização do CONFAZ, nenhum Estado pode isentar o ICMS incidente sobre o uso do sistema de distribuição por energia fotovoltaica injetada na rede, de acordo com o disposto no art. 155, § 2°, XII, ‘g’, da Constituição Federal.

Fonte: GOV MT

Comentários Facebook
Continue lendo

Mato Grosso

Mauro Mendes defende que vacinas compradas pelo Estado fiquem em Mato Grosso

Avatar

Publicado


Em reunião com o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, o governador Mauro Mendes defendeu que as doses da vacina Sputnik V, adquiridas pelo Governo do Estado, sejam pagas pelo estado e aplicadas exclusivamente em Mato Grosso. Ao todo, o Estado adquiriu 1,2 milhão de doses da vacina contra a covid-19.

A reunião ocorreu na tarde desta terça-feira (20.04), por videoconferência, com a participação dos governadores do Norte, Nordeste e Centro-Oeste que compraram a Sputnik V.

De acordo com Mauro Mendes, o ministro da Saúde demonstrou intenção de requisitar as vacinas compradas pelos estados, pagar pelas doses, e incluí-las no Plano Nacional de Imunização (PNI).

“Eu tenho defendido que o Estado de Mato Grosso prefere, em primeiro lugar, pagar pelas vacinas para que nós fiquemos com essas vacinas aqui no estado”, afirmou o governador.

Mauro relatou que, caso não seja possível essa primeira alternativa, que o Ministério da Saúde inclua no PNI as doses, mas as entregue apenas aos estados que fizeram a compra, como forma de antecipar as doses que já o Ministério já iria entregar.

Veja Também  Mauro Mendes defende que vacinas compradas pelo Estado fiquem em Mato Grosso

“Ou seja, nós recebemos as vacinas aqui, aplicamos na nossa população, e as futuras entregas do PNI seriam descontadas e mandadas para os demais estados para poder futuramente reequilibrar essa conta em todo o país”, explicou.

A proposta de antecipação das doses, com a compensação, foi defendida por todos os governadores que adquiriram a Sputnik V. Marcelo Queiroga adiantou que irá encaminhar a proposta para análise da procuradoria do ministério.

Fonte: GOV MT

Comentários Facebook
Continue lendo

Policial

Política

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana