conecte-se conosco


Polícia Federal

PF deflagra Operação Hydra para investigar obtenção fraudulenta de benefício social

Publicado

Polícia Federal


 São Mateus/ES – A Polícia Federal deflagrou nesta quinta-feira (25/2) a OPERAÇÃO HYDRA, que objetiva desarticular um esquema montado para obtenção fraudulenta do Benefício de Prestação Continuada da Assistência Social concedido ao idoso com mais de 65 anos (LOAS), tendo a ação contado com a participação de 23 policiais federais.

Foram cumpridos quatro mandados de busca e apreensão nas cidades de Montanha/ES, Mucurici/ES e Nanuque/MG.

Em síntese, o modus operandi consistia em se produzir documentos de pessoas com mais de 65 anos, para que idosos envolvidos na fraude, e se passando por esses idosos fictícios, comparecessem ao INSS e requeressem os benefícios assistenciais.

A investigação da Polícia Federal teve início em setembro/2019, mas já revelou que a fraude vem ocorrendo, ao menos, desde 2013, o que pode ter gerado um prejuízo aos cofres públicos de mais de R$ 1 milhão.

O nome da operação se refere à HYDRA DE LERNA, monstro da mitologia grega que possuía várias cabeças, assim como faziam os investigados, criando vários falsos idosos.

Veja Também  PF deflagra Operação Pentaedro do Fogo no sul do Amazonas

Os envolvidos são investigados pelas práticas de vários crimes de estelionato majorado (art. 171, § 3º, do Código Penal) e lavagem de dinheiro (art. 1º da Lei nº 9.613/1998), cujas penas totais ultrapassam os 15 anos de reclusão.

Não haverá coletiva.

Comunicação Social da Polícia Federal no Espírito Santo
Telefone: (27) 3041-8051/8029

Comentários Facebook

Polícia Federal

PF deflagra a Operação Escambo de combate à fraude na concessão de benefícios previdenciários

Avatar

Publicado


Rio Branco/AC – A Polícia Federal deflagrou nesta terça-feira, 20/04, a Operação Policial “Escambo”, para combater a prática ilegal de concessão de benefícios previdenciários de aposentadoria por idade e auxílio-maternidade a segurados especiais na condição de trabalhador rural.
A PF cumpriu três mandados judiciais de busca e apreensão, sendo 02 (dois) mandados judiciais na cidade de Sena Madureira/AC e 01 (um) mandado judicial na cidade de Campo Grande/ MS.

Durante as investigações, que começaram em maio de 2017, a PF identificou como possível irregularidade a declaração de atividade rural ideologicamente falsa, não comprovação de efetivo exercício de atividade rural, inserção de dados no sistema atestando indevidamente a qualidade de trabalhador rural.

Os envolvidos responderão pelos crimes de estelionato previdenciário, art. 171, § 3º, do Código Penal, falsidade ideológica, art. 299 do Código Penal, e inserção de dados falsos em sistema de informações, art. 313-A do Código Penal, corrupção eleitoral, art. 299, do Código Eleitoral, com penas de até 12 anos de reclusão.

Veja Também  PF deflagra a Operação Escambo de combate à fraude na concessão de benefícios previdenciários

A Polícia Federal reforça que a atual pandemia não afetou as investigações e ações da instituição nos crimes de sua atribuição, mas que as diligências policiais foram cumpridas em total observância às normas sanitárias de prevenção ao COVID-19, sobretudo o uso de equipamentos de proteção individual para resguardar a saúde dos policiais e dos investigados.

A investigação conduzida pela Polícia Federal no Acre foi denominada de “Escambo” – o termo significa troca de bens ou serviço sem uso de moeda ou qualquer tipo de troca ou permuta.

Comunicação Social da Polícia Federal no Acre

Fone: (68) 3212-1200 / 3212-1211/ 3212-1213
E-mail: [email protected]

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia Federal

Polícia Federal deflagra a Operação BLACK HAWK em Marabá/PA

Avatar

Publicado


Marabá/PA – A Polícia Federal, com apoio do Exército e da Marinha do Brasil, deflagrou a operação BLACK HAWK, nesta terça-feira (20/4), tendo por objetivo coibir os crimes de atividade ilegal de mineração e atentado contra a segurança de serviço de utilidade pública, além de garantir a segurança da linha de transmissão de alta tensão de energia elétrica, o que ameaçava o fornecimento de abastecimento energético do sistema interligado nacional.

O Linhão de Corrente Contínua é uma linha de Ultra Alta Tensão que escoa energia elétrica gerada na Usina de Belo Monte aos grandes centros de consumo de energia do país. Tal estrutura foi construída pela BMTE – Belo Monte Transmissora de Energia e se estende desde o município de Xingú/PA até Estreito/MG, passando pelos estados do Pará, Tocantins, Goiás e Minas Gerais.

Na base de cada torre da linha de transmissão de energia há uma área de servidão de 50m em cada direção a partir do centro da estrutura e serve para garantir a segurança e a estabilidade das torres. Ocorre que a atividade de extração ilegal de minério na região tem avançado paulatinamente e tem colocado em risco essa área de segurança. Assim, consequentemente, fica ameaçado o fornecimento de energia aos grandes polos consumidores.

Veja Também  PF combate crime de moeda falsa no Piauí

Caso essa extração avançasse, haveria graves impactos econômicos e humanos podendo afetar o fornecimento de energia elétrica para milhões de brasileiros, sem mencionar o risco de falta de eletricidade nos hospitais que atendem a atual demanda da Pandemia de Covid19.

O objetivo principal da operação foi dar cumprimento aos mandados de busca e apreensão, com vistas a inibir a atividade mineradora ilegal na região com o maior degradação nas áreas de segurança (composta por 5 torres de transmissão de alta tensão e região próxima); assim como avaliar a situação atual da mineração ilegal na região foco, garantir a segurança da equipe de engenheiros da BMTE, a qual estava presente para averiguar o dano à linha de transmissão do Linhão e contribuir com a operação Verde Brasil II, que possui o foco no combate aos focos de incêndio, desmatamento e garimpo ilegal na região da Amazônia Legal e emprega militares das forças armadas. Todos os objetivos propostos foram alcançados com êxito.

A deflagração contou com o apoio de 18 policiais federais, 32 policiais militares e 4 funcionários da BMTE; além de terem sido utilizadas 4 viaturas veladas, 2 viaturas ostensivas da Polícia Federal, 4 helicópteros (sendo 3 das forças armadas e 1 da BMTE) e 3 viaturas do Exército Brasileiro.

Veja Também  PF deflagra a Operação Escambo de combate à fraude na concessão de benefícios previdenciários

Caso confirmada a hipótese criminal, os envolvidos serão responsabilizados pelos delitos do art. 55 da Lei 9.605/98, art. 2º da Lei 8.176/91 e art. 265 do CP, que somados podem redundar em reclusão acima de 10 anos.

O nome da operação (Black Hawk) faz referência ao nome do helicóptero popularmente utilizado pelas forças armadas em atividade bélicas.

Comunicação Social da Polícia Federal em Marabá/PA

Comentários Facebook
Continue lendo

Policial

Política

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana