conecte-se conosco


Economia

Dólar recua para R$ 5,32 após divulgação de ata do Copom

Publicado

Economia


Beneficiado pela divulgação da ata da reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), que apontou a possibilidade de os juros aumentarem antes do tempo previsto, o dólar teve forte queda nesta terça-feira (26). Em direção oposta, a bolsa de valores começou o dia em alta, mas terminou em baixa pela quinta sessão consecutiva.

O dólar comercial encerrou o dia vendido a R$ 5,327, com recuo de R$ 0,182 (-3,3%). Com o desempenho de hoje, o real corrigiu o atraso em relação a moedas de outros países emergentes, que haviam caído perante o dólar nos últimos dias.

No mercado de ações, o Ibovespa fechou esta terça aos 116.464 pontos, com recuo de 0,78%. O índice foi afetado principalmente pela desvalorização de ações de bancos.

Caso o Banco Central (BC) comece a elevar a taxa Selic (juros básicos da economia) ainda no primeiro semestre, o Brasil torna-se mais atrativo para o capital financeiro. Isso estimula a entrada de fluxos estrangeiros que pressionam para baixo a cotação do dólar.

A cotação, no entanto, não caiu apenas por causa das perspectivas em torno da política monetária. O clima mais otimista nos mercados internacionais e declarações do ministro da Economia, Paulo Guedes, de que uma eventual retomada do auxílio emergencial terá de ser coberta com recursos de outras áreas do orçamento, também foi bem recebida pelos investidores.

Veja Também  Petrobras: quatro conselheiros pedem para não serem reconduzidos aos cargos

A queda na bolsa de valores foi parcialmente influenciada pela ata do Copom. Isso porque uma possível antecipação do aumento de juros diminui a atratividade da bolsa de valores e estimula aplicações em renda fixa, como títulos do Tesouro Nacional e Certificados de Depósitos Bancários (CDB).

*Com informações da Reuters

Edição: Nádia Franco

Comentários Facebook

Economia

9 agências de veículos são autuadas por fraude em operação no Rio

Avatar

Publicado


source
Polícia Civil e Procon-RJ realizam operação e 09 agências de veículos são autuadas
Procon-RJ

Polícia Civil e Procon-RJ realizam operação e 09 agências de veículos são autuadas

Na manhã de terça-feira (02), policiais civis que atuam na Defesa do Consumidor (DECON) e agentes do PROCON/RJ , realizaram ação fiscalizatória em diversas agências de compra e venda de veículos na avenida Intendente Magalhães. A investigação iniciou após diversos consumidores terem procurado a Polícia Civil relatando irregularidades nos estabelecimentos.  

Verificou-se que o financiamento de crédito foi feito irregularmente, sem a anuência do consumidor. Em alguns casos, o valor solicitado pelo cliente era duas vezes menor que o efetivamente contratado, fazendo com que o consumidor adquirisse uma dívida fraudulenta e desproporcional.  

Em outros casos, o documento assinado pelo cliente no momento da solicitação de crédito não era o mesmo enviado para as financiadoras. Em alguns casos o empréstimo saia em nome de terceiros não participantes da relação contratual.

Veja Também  Auxílio emergencial: governador tenta convencer Lira a pagar 1º parcela maior

Além das fraudes processuais, a ação visa apurar irregularidades administrativas praticadas pelos comerciantes.

Você viu?

Todas as lojas vistoriadas apresentaram irregularidades nas suas ofertas online, tanto em sites próprios, como em sites destinados a anúncios de venda de automóveis. Constatado indício de propaganda enganosa, o valor dos veículos informados na internet era o correspondente à parcela a ser financiada e, somente ao final, com letras miúdas, era informado que deveria ser acrescentada uma entrada ao valor. Todas as publicidades induziam o consumidor a acreditar que o preço informado era do carro à vista. No entanto, os fiscais constataram que no momento de formalizar a compra, havia outro valor de tabela para cada veículo. Além disso, nenhuma loja exibia os preços dos veículos, e as informações no site não eram passadas de forma clara ao consumidor.

No site de uma das lojas fiscalizadas, o Renault Sandero era anunciado por um valor em torno de 36 mil reais, no entanto, na loja, o valor de tabela era cerca de 52 mil à vista. Numa outra, o Renault Duster era ofertado por aproximadamente R$56 mil, mas o seu valor real à vista na loja era quase R$81 mil. 

Veja Também  Quatro conselheiros da Petrobras decidem deixar o cargo

Outro problema constatado em um dos locais, foi na hora da formalização do contrato. Caso o veículo fosse parcelado, o custo efetivo total do carro pulava para quase R$90 mil, mas isso não era informado ao consumidor. O contrato incluía o valor do parcelamento sem incluir os juros pagos à financeira, exibindo somente o valor das parcelas (cerca de 1700 reais) e a quantidade das prestações (48). Caso o consumidor não fizesse essa conta, acreditaria que o valor pago era cerca de R$53 mil e não os mais de R$88 mil, que representa o valor do financiamento somado à entrada.

Comentários Facebook
Continue lendo

Economia

Petrobras: quatro conselheiros pedem para não serem reconduzidos aos cargos

Avatar

Publicado


source
Diretores pedem para não continuar no conselho administrativo da empresa
Guia do Investidor

Diretores pedem para não continuar no conselho administrativo da empresa

Quatro membros do conselho de administração da Petrobras  pediram na noite de ontem (2) para não serem reconduzidos aos cargos após o fim do mandato . São eles: João Cox Neto, Nivio Ziviani, Paulo Cesar de Souza e Silva e Omar Carneiro da Cunha.

Em comunicado enviado ao mercado, Cox Neto e Ziviani agradeceram o convite para recondução ao Conselho, mas informaram que não poderão aceitar por “razões pessoais”.

A decisão foi comunicada após o presidente  Jair Bolsonaro  (sem partido) indicar o general Joaquim Silva e Luna para o comando da petroleira, no lugar de Roberto Castello Branco após discordâncias públicas sobre a política de preço dos combustíveis. O mandato de Castello Branco acaba em 20 de março.

Veja Também  O que ensinam os 'Três Magos dos Investimentos'

“Em virtude dos recentes acontecimentos relacionados às alterações na alta administração da Petrobras, e os posicionamentos externados pelo representante maior do acionista controlador da mesma, não me sinto na posição de aceitar a recondução de meu nome como Conselheiro desta renomada empresa, na qual tive o privilégio de servir nos últimos sete meses”, acrescentou Carneiro da Cunha Sobrinho, ex-presidente da Shell.

Comentários Facebook
Continue lendo

Policial

Política

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana