conecte-se conosco


Saúde

Rio começará na quarta-feira a vacinar profissionais de saúde idosos

Publicado

Saúde


Os profissionais de saúde da cidade do Rio de Janeiro com ao menos 60 anos que atuam nas redes pública ou privada poderão procurar 236 clínicas da família e centros municipais de saúde, a partir das 12h da próxima quarta-feira (27), para serem imunizados contra a covid-19. A vacinação desse grupo deve ocorrer até o dia 3 de fevereiro

Estão incluídos nessa lista enfermeiros, nutricionistas, fisioterapeutas, terapeutas ocupacionais, biólogos, biomédicos, farmacêuticos, odontólogos, fonoaudiólogos, psicólogos, assistentes sociais, profissionais de educação física, médicos veterinários e seus respectivos técnicos e auxiliares, bem como funcionários do sistema funerário que tenham contato com cadáveres potencialmente contaminados.

Para receber a vacina, esses profissionais deverão levar documentação e comprovante de seus conselhos de classe. A vacinação também continuará para os funcionários de urgência e emergência das unidades hospitalares envolvidos no atendimento à covid-19 e para os que realizam exames da doença.

A Secretaria Municipal de Saúde orienta o restante da população a não procurar postos de vacinação neste momento, já que a imunização permanece restrita a uma parte dos grupos prioritários, definida pelo Ministério da Saúde.

Veja Também  Fiocruz detecta variantes do coronavírus em três regiões do país

Na semana passada, a imunização começou pelos idosos e maiores de idade com deficiência que moram em abrigos de longa permanência, além dos profissionais que atuam nestes locais. Também começaram a ser vacinados com a primeira remessa de imunizantes os trabalhadores da saúde que atuam na linha de frente contra a covid-19 e a população indígena que vive em aldeias.

A primeira semana de vacinação contou apenas com as primeiras 6 milhões de doses da CoronaVac produzidas no Instituto Butantan em parceria com o laboratório Sinovac. Nesta semana, começarão a ser aplicadas 2 milhões de doses da vacina AstraZeneca/Oxford, importadas prontas da Índia, onde foram produzidas pelo Instituto Serum. Os dois imunizantes possuem autorização de uso emergencial na Agência Nacional de Vigilância Sanitária, que atestou sua segurança e eficácia na prevenção da covid-19.

A cidade do Rio de Janeiro já aplicou cerca de 60 mil doses da CoronaVac, das 115 mil disponibilizadas inicialmente para uso. Como a vacina requer uma segunda dose a ser recebida em menos de um mês, foram reservadas outras 115 mil unidades para a aplicação dos que receberam a primeira dose.

Veja Também  Justiça de Santa Catarina nega pedido de leito para paciente com Covid-19

No caso da vacina AstraZeneca/Oxford importada da Índia, as 76 mil doses já recebidas pela prefeitura serão aplicadas imediatamente, seguindo orientação do Programa Nacional de Imunizações e da Fundação Oswaldo Cruz. No caso dessa vacina, a dose de reforço só deve ser aplicada três meses após a primeira dose.

Edição: Valéria Aguiar

Fonte: EBC Saúde

Comentários Facebook

Saúde

Planejamento sofre mudança e Brasil terá 6 milhões de doses a menos em março

Avatar

Publicado


source
Agora, serão 38 milhões de doses para o mês de março
Reprodução: BBC News Brasil

Agora, serão 38 milhões de doses para o mês de março


Um novo cronograma para entrega de vacinas contra a covid-19 divulgado pelo Ministério da Saúde , nesta quarta-feira (4), apresentou mudanças. Antes, a previsão era que a pasta entregasse 46 milhões de doses de imunizantes em março, mas agora, a pasta só terá 38 milhões, o que representa uma redução de 6 milhões de doses. 


Segundo a pasta, quatro milhões de doses da Astrazeneca que seriam importadas da Índia não devem chegar a tempo e a Fundação Oswaldo Cruz ( Fiocruz ), que produz a vacina no Brasil, recebeu insumos da China atrasados. O Ministério esperava ainda 400 mil doses da Sputinik V , mas estas só devem chegar em abril.

Veja Também  Brasil tem 1,7 mil mortes e 75,1 mil casos de covid-19 em 24 horas
Fonte: IG SAÚDE

Comentários Facebook
Continue lendo

Saúde

Fiocruz detecta variantes do coronavírus em três regiões do país

Avatar

Publicado


Variantes do coronavírus Sars-CoV-2 foram detectadas pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) como prevalentes em três regiões do país. Por meio de testagens com o novo protocolo de RT-PCR, desenvolvido pela Fiocruz Amazônia, foi descoberto que em 10 estados das regiões Sul, Sudeste e Nordeste a predominância é das variantes conhecidas, que podem ser a P1, identificada inicialmente no Amazonas, B.1.1.7, no Reino Unido, e B.1.351, na África do Sul.

Essas variantes são potencialmente mais transmissíveis e podem estar relacionadas aos aumentos vertiginosos de novos casos nos estados que fizeram parte da pesquisa da Fiocruz. “Dos oito estados avaliados neste recorte apenas dois não tiveram prevalência da mutação associada às variantes de preocupação superior a 50 %: caso de Minas Gerais, com 30,3% das amostras testadas como positivo para a mutação e, Alagoas, com 42,6%. Nos demais estados, mais de 50% das amostras foram identificadas com a mutação associada às ‘variantes de preocupação’”, informou a Fiocruz em comunicado técnico divulgado nesta quinta-feira (4) .

Veja Também  Força Nacional do SUS foi enviada a MG e SC para combate à covid-19

De acordo com a Fiocruz, a alta circulação de pessoas e o aumento da propagação do vírus Sars-CoV-2 tem favorecido o surgimento de ‘variantes de preocupação’ no Brasil, como é o caso da variante P1, identificada no Amazonas. O comunicado alerta para um cenário preocupante que alia o perfil potencialmente mais transmissível dessas variantes à ausência de medidas que possam ajudar a conter a propagação e circulação do vírus.

O comunicado destaca ainda como fundamental a adoção das medidas que possam reduzir a velocidade da propagação e o crescimento do número de casos, como a restrição da circulação e das atividades não essenciais e a implementação imediata de planos e campanhas de comunicação, o fortalecimento do sistema de saúde, e a necessidade de constituição de um pacto nacional para o enfrentamento da pandemia no país.

Edição: Fábio Massalli

Fonte: EBC Saúde

Comentários Facebook
Continue lendo

Policial

Política

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana