conecte-se conosco


Carros

Carro por assinatura é a nova tendência entre as montadoras

Publicado

Carros


source
Programa Renault On Demand oferece locação do Kwid a partir de R$ 869 mensais
Divulgação

Programa Renault On Demand oferece locação do Kwid a partir de R$ 869 mensais

Começou com as empresas tradicionais de locação. Mas hoje até as fabricantes estão se rendendo aos carros por assinatura, serviço de locação de longo prazo criado para atender a quem quer ou precisa de um carro, mas não quer investir na compra do veículo.

Nos planos de carros por assinatura das fabricantes, o consumidor paga uma mensalidade para rodar com um veículo novo, configurado de acordo com o seu desejo, mas sem ter que arcar com os custos de documentação, seguro e a manutenção periódica do veículo. Um bom negócio para o consumidor e também para os fabricantes, conforme avalia Milad Kalume Neto, gerente de desenvolvimento de negócios da consultoria Jato Dynamics.

“As montadoras começaram a estudar esse modelo de negócio e estão percebendo que vale a pena eliminar o intermediário. Elas mesmas disponibilizam o serviço, no lugar de vender os carros com bons descontos para que as locadoras ofereçam em seus planos de assinatura”, explica.

A mais recente a entrar para o grupo das marcas de carro com planos de assinatura foi a Renault, por meio do Renault On Demand . Anunciado na última quarta-feira (20), está disponível para pessoa física ou empresas e tem planos a partir de R$ 869, permitindo a locação de um Kwid Zen ou Outsider, um Stepway Iconic 1.6 CVT e um Duster Iconic 1.6 CVT em contratos de 12, 18, 20 ou 24 meses de duração e franquias de até 2.000 km mensais.

Veja Também  Falta de peças é principal risco atual para a indústria, aponta Anfavea

Todos os pacotes incluem os gastos relacionados com a rodagem do veículo. Mas o cliente ainda pode personalizar o pedido com a instalação de uma película solar ou de proteção dos vidros, ou ainda adicionar um seguro contra morte, invalidez ou desemprego. Após a assinatura, o prazo para recebimento do veículo é de 35 dias. Ao final do plano, o assinante tem a opção de devolver o veículo ou renovar o contrato e receber um carro novo.

Você viu?

Outras marcas

Serviço Flua! oferece modelos da Fiat e da Jeep em 32 concessionárias, com planos a partir de R$ 1.350 por mês
Divulgação

Serviço Flua! oferece modelos da Fiat e da Jeep em 32 concessionárias, com planos a partir de R$ 1.350 por mês

De acordo com uma pesquisa recente da Globo Insights, divulgada pela Anfavea (Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores), 38% dos interessados na compra de um veículo trocariam a propriedade pelo aluguel se as condições oferecidas fossem mais vantajosas.

“Isso mostra uma migração do modelo de propriedade do veículo para o de uso. O carro ainda é visto como um sinal de status, embora isso não necessariamente esteja ligado à posse do automóvel”, complementa Kalume Neto.

Além do serviço de locação de curto prazo Kinto Share , a Toyota apresentou em novembro passado o serviço Kinto One . Voltado para empresas, oferece a possibilidade de locação de longo prazo de veículos para uma frota corporativa. Sem limite mínimo de número de veículos, o Kinto One tem mensalidades a partir de R$ 1.520. Valor que é cobrado do Etios Hatch X 1.3 AT no plano de 36 meses, com franquia mensal de 1.500 km.

Também em novembro passado, a Volkswagen iniciou em fase piloto no estado de São Paulo o serviço Sign and Drive , que por meio de uma parceria com o braço financeiro da montadora e a Assobrav, a associação dos concessionários, oferece unidades dos modelos T-Cross, Tiguan Allspace e Virtus com preços a partir de R$ 1.899/mês.

Veja Também  iG Carros Podcast: como modelos novos deixam seminovos e usados mais caros?

Já a Fiat e a Jeep começaram a operar no último dia 15 o Flua! , que nesta fase inicial permite a contratação do serviço em 24 concessionárias da marca italiana (em São Paulo, Campinas, Ribeirão Preto, Sorocaba, Valinhos, Vinhedo e Curitiba) e oito da Jeep (todas na capital paulista).

Os planos partem de R$ 1.350, no caso de um Fiat Argo Drive 1.0 no plano de 36 meses, com franquia de 1.000 km/mês. No caso dos Jeep, o plano mais acessível do Flua ! é de R$ 2.100, para o Renegade 1.8 Flex, também no plano de 36 meses e com franquia de 1.000 km/mês.

Locadoras

Locadoras: já estão em alerta com o movimento das fabricantes e estão sofrendo com a salta de modelos a serem entregues
Divulgação

Locadoras: já estão em alerta com o movimento das fabricantes e estão sofrendo com a salta de modelos a serem entregues

Boa notícia para as montadoras, mas nem tanto para as locadoras. Para o presidente da Abla (Associação Brasileira das Locadoras de Automóveis), Paulo Miguel Júnior, a nova estratégia dos fabricantes coloca as empresas tradicionais do segmento de aluguel de carros em estado de alerta.

“Neste primeiro momento, até por falta de conhecimento deste segmento, notamos que a estratégia das montadoras está bem contida. Ainda estamos observando os movimentos. O mercado é grande, mas alguns pontos nos causam preocupação, como a possibilidade de uma concorrência desleal afetar a margem de competitividade do restante do mercado”, destaca o dirigente.

De acordo com Miguel Júnior, a mudança na estratégia das fábricas de automóveis ao longo de 2020, que passaram a valorizar a rentabilidade no lugar da participação no mercado, afetou o mercado com o fim dos descontos especiais para a venda de carros para locadoras.

Situação que se soma à falta de carros novos para recomposição de frota e com o aumento da alíquota do IPVA no Estado de São Paulo. Apesar desse cenário, a expectativa do setor de aluguel de carros é boa. “Fechamos o ano passado com crescimento de frota em relação a 2019, mesmo com a pandemia. Para este ano, esperamos crescer 10%”, finaliza o presidente da Abla.

Fonte: IG CARROS

Comentários Facebook

Carros

Veja 5 variações do Jeep Renegade que não temos no Brasil

Avatar

Publicado


source

Lançado em 2014 no mercado internacional, o Jeep Renegade chegou ao mercado brasileiro em março do ano seguinte, como o primeiro modelo produzido na nova fábrica de Goiana (PE). Menor SUV da marca americana conhecida pelos seus veículos utilitários, o Renegade foi também o primeiro Jeep brasileiro em mais de 30 anos, encerrando o jejum deixado pelo fim da produção do CJ-5, em 1983.


O Jeep Renegade foi oferecido desde o início no Brasil em versões equipadas com o motor 1.8 flex da família E.torQ, que podia ser combinado somente à tração dianteira, e também o 2.0 turbodiesel da linha TigerShark, sempre casado ao sistema de tração 4×4.

A trajetória do SUV compacto da Jeep por aqui  é marcada pelas séries especiais com visual bem diferenciado, como o Willys (2019) cujos detalhes de estilo remetiam ao modelo MB da época da Segunda Guerra Mundial. Esse padrão se repetiu no exterior, com algumas edições limitadas e versões de linha que nunca foram oferecidas por aqui. Confira algumas delas a seguir.

Veja Também  Veja 5 variações do Jeep Renegade que não temos no Brasil

1 – CJ-5 Renegade

Jeep CJ-5 Renegade: clássico da marca vem com motor V8 a gasolina entre os equipamentos de série
Divulgação

Jeep CJ-5 Renegade: clássico da marca vem com motor V8 a gasolina entre os equipamentos de série


O SUV compacto Renegade não foi o primeiro carro da Jeep a utilizar este nome. A mesma nomenclatura foi empregada para designar um pacote de equipamentos dos modelos CJ-5 e CJ-7 feitos nos Estados Unidos nos anos 1970 e 1980.

O CJ-5 Renegade trazia um visual menos espartano que o do carro original, com faixas laterais, cores mais chamativas e rodas de liga leve de série. Já o motor era um 5.0 V8, capaz de desenvolver 152 cv.

Renegade Van

Jeep Renegade Van: versão feita para levar carga acaba sendo um utilitário que pode vir com motor turboodiesel
Divulgação

Jeep Renegade Van: versão feita para levar carga acaba sendo um utilitário que pode vir com motor turboodiesel


Um produto que é relativamente comum em alguns países europeus são os SUVs e outros tipos de veículos de passeio em versões para uso comercial. Nem o Jeep Renegade escapou desta tradição.

Você viu?

Entre 2015 e 2018, o SUV vendido no mercado holandês na versão Van, que trocava os vidros traseiros por chapas de aço e ganhava uma divisória interna para separar os assentos dianeiros do compartimento de carga. A gama de motores era bem completa, com opções a diesel e gasolina, incluindo o mesmo 2.0 turbodiesel das versões mais caras no Brasil.

Veja Também  Piloto explica o que há de diferente em um Mercedes AMG de corrida

Renegade do Batman

Jeep Renegade
Divulgação

Jeep Renegade “Dawn of Justice”: série limitada faz alusão ao Batman, um dos super-heróis mais famosos do cinema


Em 2016, a Jeep lançou nos Estados Unidos o Renegade “Dawn of Justice” , numa referência ao filme “Batman vs Superman: A Origem da Justiça”, lançado naquele mesmo ano.

A carroceria preta era combinada a rodas e detalhes de acabamento na mesma tonalidade, para dar ao modelo um ar próximo ao do Batmóvel, além de receber um logotipo estilizado com o símbolo do Homem-Morcego. O Renegade do Batman estava equipado com um motor 1.6 turbodiesel de 120 cv.

Renegade “Tough Mudder”

Jeep Renegade Tough Mudder: outra série especial que não chegou a ser vendida no mercado brasileiro
Divulgação

Jeep Renegade Tough Mudder: outra série especial que não chegou a ser vendida no mercado brasileiro


Em parceria com os organizadores do evento de resistência física  Tough Mudder , a Jeep lançou em 2017 nas ilhas britânicas uma edição limitada do Renegade com este nome.

Na série especial, o motor 2.0 turbodiesel, mas em uma versão de 140 cv, era combinado à tração 4×4 e ao câmbio automático de nove marchas, enquanto o para-choque frontal era o mesmo da versão Trailhawk. Outro diferencial eram as rodas de 17″ com pneus do tipo M+S, próprios para uso em lama e neve.

Renegade Upland

Jeep Renegade Upland: versão mais acessível lançada na Europa em 2017 tinha cores chamativas
Divulgação

Jeep Renegade Upland: versão mais acessível lançada na Europa em 2017 tinha cores chamativas


O Renegade Upland foi lançada na Europa em 2017, como uma variação mais acessível do Renegade para uso fora-de estrada. Trazia o mesmo para-choque dianteiro da versão Trailhawk e a tração 4×4, porém combinada à versão de 140 cv do motor 2.0 turbodiesel.

A mesma ideia básica acabou sendo empregada no mercado brasileiro pela Jeep no Renegade Moab, que traz uma lista de equipamentos mais enxuta, mas combinada ao mesmo conjunto mecânico do Trailhawk, composto pelo 2.0 turbodiesel de 170 cv, câmbio automático de nove marchas e tração 4×4.

Fonte: IG CARROS

Comentários Facebook
Continue lendo

Carros

Honda lança primeiro carro autônomo de nível 3 no Japão

Avatar

Publicado


source
Honda Legend 2022 representa mais um avanço quando o assunto é carro autônomo no mercado global
Divulgação

Honda Legend 2022 representa mais um avanço quando o assunto é carro autônomo no mercado global


A Honda apresenta no Japão o primeiro sistema de direção autônoma de nível 3 do mundo. O equipamento faz a sua estreia no sedã de luxo Legend, atualmente o modelo de topo da marca no país asiático.


A função recebeu o nome de Traffic Jam Pilot é faz parte do pacote de equipamentos tecnológicos Honda Sensing Elite. Enquanto os autônomos de nível 2 exigem que o motorista se mantenha sempre atento ao volante, no nível 3 o carro já é capaz de dispensar o motorista em condição de tráfego lento em vias expressas, permitindo que o condutor assista até um filme na tela da central multimídia.

Você viu?

Em caso de necessidade, o veículo pode solicitar a retomada do controle de direção pelo motorista. Mas caso ele não reaja, o próprio Traffic Jam Pilot é capaz de desacelerar o automóvel e fazer as mudanças de faixa até a parada do carro no acostamento, como pode ser visto no vídeo abaixo.

Veja Também  Conheça o motorhome chinês com dois andares e elevador


Para conseguir comercializar a tecnologia, a Honda teve que obter uma autorização especial do Ministério Japonês de Terras, Infraestrutura, Transporte e Turismo, que exigiu a instalação no veículo de uma espécie de caixa preta para gravar dados do sistema autônomo nos últimos seis meses — incluindo se o motorista falhou em reagir a um alerta de retomada de comando — e a colocação de um adesivo indicativo na traseira do veículo.

Para operar, o Traffic Jam Pilot utiliza dados coletados pelo sistema de navegação via satélite e mapas tridimensionais de alta definição, além de uma rede de sensores que monitoram os arredores do veículo em um ângulo de 360°, enquanto uma câmera monitora as condições do condutor.

A tecnologia passou por uma bateria de testes de aproximadamente 1,3 milhão de quilômetros e é baseada em redundância, permitindo que a sua operação siga mesmo com defeito em um dos componentes.

A Honda foi a única montadora a insistir no sistema autônomo de nível 3. Outros fabricantes que haviam anunciado o desenvolvimento deste tipo de tecnologia, como a Audi, decidiram pular esta etapa e ir diretamente para o desenvolvimento de sistemas autônomos de nível 4, que diferente do equipamento presente no sedã Legend vão permitir que o motorista esqueça da direção também em condições de tráfego normal.

Veja Também  iG Carros Podcast: como modelos novos deixam seminovos e usados mais caros?
Fonte: IG CARROS

Comentários Facebook
Continue lendo

Policial

Política

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana