conecte-se conosco


Saúde

Quinze pacientes são transferidos do Amazonas para Goiás

Publicado

Saúde


Mais 15 transferências de pacientes com covid-19 do Amazonas foram realizadas na tarde de hoje (18) para outros estados da Federação na tarde de hoje. Dessa vez, os internados foram encaminhados para a cidade de Góias (GO).

Hoje pela manhã, também foram transferidos de Parintins (AM) para Belém dois pacientes. A previsão é que mais cinco pacientes do município devem ser transportados amanhã (19) para o Hospital de Campanha de Belém.

Até o momento foram transferidos 94 pacientes para outros estados, segundo informou a Secretaria de Saúde estadual. A ação faz parte da força-tarefa, em conjunto com o governo federal, para diminuir a lotação dos hospitais públicos do estado diante do aumento do número de internações de pessoas infectadas pelo novo coronavírus.

Segundo a secretaria, o estado de saúde dos pacientes é estável e, portanto, permite a locomoção área dos internados. Os pacientes transferidos para Goiás estavam no Serviço de Pronto Atendimento (SPA) São Raimundo, SPA Alvorada, SPA Zona Sul, Hospital e Pronto Socorro (HPS) Dr Aristóteles Platão Bezerra de Araújo e HPS Dr. João Lúcio Pereira Machado, todos na capital Manaus.

Veja Também  Centro de Contingência aconselha pelo menos 30 dias de restrições em SP

Segundo boletim divulgado há pouco, a Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas contabilizou 232.434 casos da doença no estado. Desde que a presença do novo coronavírus no país foi confirmada, no fim de fevereiro de 2020, 6.308 pessoas morreram em decorrência da doença.

Entre os casos confirmados, 1.766 pacientes estão internados, sendo 1.144 em leitos (475 na rede privada e 669 na rede pública), 598 em UTI (284 na rede privada e 314 na rede pública) e 24 em sala vermelha (estrutura voltada à assistência temporária para estabilização de pacientes críticos ou graves que, uma vez estabilizados, são encaminhados a outros pontos da rede de atenção à saúde).

Edição: Fábio Massalli

Fonte: EBC Saúde

Comentários Facebook

Saúde

Ministério da Saúde dispensa licitação para comprar vacinas contra a Covid-19

Avatar

Publicado


source
Vacina da Universidade de Oxford
Tânia Rêgo/Agência Brasil

Vacina da Universidade de Oxford

O Ministério da Saúde dispensou nesta quarta-feira (3) a licitação para a compra de vacinas contra a Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus (Sars-CoV-2). A flexibilização vale para a aquisição de 38 milhões de doses do imunizante da Janssen e 100 milhões de doses da vacina da Pfizer.

A determinação da pasta foi publicada em edição extra do Diário Oficial da União. Segundo as novas regras, que são assinadas pelo diretor do Departamento de Logística em Saúde, Roberto Ferreira Dias, ficam dispensadas de licitação a compra de 38 milhões de doses da farmacêutica Janssen e de 10 milhões de doses da Pfizer.

Nos dois casos, as doses dos imunizantes devem ser entregues pelas farmacêuticas dezembro de 2021.

*Esta matéria está em atualização

Fonte: IG SAÚDE

Comentários Facebook
Veja Também  Ministério da Saúde dispensa licitação para comprar vacinas contra a Covid-19
Continue lendo

Saúde

Exportação de oxigênio e vacinas necessitará de aprovação da Anvisa

Avatar

Publicado


A exportação de oxigênio medicinal e de vacinas do Brasil para outros países necessitará de prévia autorização da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Os dois insumos foram incluídos em uma lista de medicamentos e matérias-primas que constam na Resolução da Diretoria Colegiada (RDC) nº 352, em vigor desde março do ano passado. A nova redação foi aprovada por unanimidade em reunião extraordinária da diretoria da autarquia, na noite deste quarta-feira (3).

“Não se trata de uma proibição à exportação, mas de uma necessidade de análise caso a caso por parte dessa agência, fundada em sua missão, [que é] garantir o abastecimento nacional”, afirmou o diretor Romison Rodrigues Mota, relator do processo. Seu voto,  favorável à inclusão dos novos insumos, foi acompanhado integralmente pelos demais diretores. 

Segundo Mota, é papel da Anvisa opinar sobre a conveniência da exportação de produtos por ela regulados em circunstâncias especiais de risco à saúde, como é o caso da pandemia de covid-19. 

Veja Também  Covid-19: Saúde avança em negociações com laboratórios para vacinas

Em janeiro, a escassez de oxigênio hospitalar foi um dos principais problemas que afetaram hospitais e unidades de saúde da região Norte do país, especialmente no Amazonas, que viveu um agravamento sem precedentes da crise sanitária. Na ocasião, familiares de pacientes internados chegaram a buscar por conta própria a reposição dos estoques de cilindros em falta.

A Anvisa não informou por quanto tempo a nova exigência de anuência prévia ficará em vigor. Para autorização prévia de exportação, as empresas deverão peticionar junto à agência uma solicitação com as seguintes informações: nome do exportador, país de destino, código da Nomenclatura Comum do Mercosul (NCM) da mercadoria, quantidade e unidade. A autorização caberá à diretoria colegiada da Anvisa.

Edição: Aline Leal

Fonte: EBC Saúde

Comentários Facebook
Continue lendo

Policial

Política

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana