conecte-se conosco


Saúde

Pará proíbe entrada de barcos de passageiros provenientes do Amazonas

Publicado

Saúde


source

Agência Brasil

Porto do Pará
Reprodução

Governo também considera possibilidade de restringir transporte aéreo

O governo do Pará decidiu proibir a entrada no estado de embarcações de passageiros provenientes do Amazonas, unidade federativa com a qual faz divisa. Já em vigor, a proibição consta do Decreto nº 1.273, publicado hoje (14) no Diário Oficial paraense.

Assinado pelo governador Helder Barbalho, o texto sugere que o objetivo da iniciativa é conter a disseminação do novo coronavírus (SARS-CoV-2), causador da covid-19, e tem por base legal a lei federal 13.979, que trata exatamente das medidas de enfrentamento à situação de emergência em saúde pública decorrente da pandemia.

Em nota, o governo estadual informou que a possibilidade de restringir também deslocamentos aéreos não está descartada. Órgãos estaduais de segurança pública, como a Polícia Militar, vão fiscalizar o cumprimento da proibição. Os donos das embarcações que forem flagrados desrespeitando a medida serão inicialmente advertidos.

Se voltarem a incorrer na infração, serão multados em R$ 10 mil, podendo também ter seus barcos apreendidos.O governador paraense usou as redes sociais na noite desta quarta-feira (13) para comentar a decisão.

“Nossas fronteiras [divisas] com o Amazonas estarão fechadas, com fiscalizações da Polícia Militar e apoio de embarcações e aeronaves, para que possamos fazer cumprir a medida preventiva de restrição e proteger nossa população.”Boa noite, pessoal. Venho informar que amanhã vamos publicar um decreto proibindo a circulação de embarcações com passageiros entre o Pará e o Amazonas. Esta é uma medida preventiva para conter o contágio do coronavírus no nosso Estado.#ParáContraoCoronaVírus.

Veja Também  Covid-19: Brasil proíbe entrada de viajantes vindos da África do Sul

Perdeu? Mostramos de Novo

Segundo o governo paraense, até as 18 horas de ontem, o estado acumulava 306.029 casos confirmados da covid-19 e 7.366 mortos pela doença desde que a presença do novo coronavírus no país foi confirmada, no fim de fevereiro de 2020. Outros 1.110 casos suspeitos continuavam sob análise.

Já o Amazonas, que enfrenta uma nova crise nos sistemas de saúde público e privado, com o aumento do número de internações provocando dificuldades de abastecimento de oxigênio nas unidades de saúde, contabilizava, até ontem, 219.544 casos confirmados, 5.879 óbitos, 27.676 pacientes em observação e 540 casos suspeitos de pacientes internados em análise.

Amazonas

O governo do Amazonas já tinha proibido, esta semana, o transporte fluvial e rodoviário intermunicipal de passageiros. A suspensão dos serviços está estabelecida no Decreto nº 43.277, publicado nesta terça-feira (12), e irá vigorar até 17 de janeiro.

O mesmo decreto suspende o funcionamento de marinas para atividades de lazer e o funcionamento de academias, centros de ginástica e estabelecimentos semelhantes, mantendo a autorização apenas de transporte fluvial de cargas – conforme determinação judicial que estabeleceu o fechamento dos serviços não essenciais por 15 dias.

Veja Também  Vacina: embaixador chinês confirma liberação de insumos para a Coronavac

Também devido aos reflexos da covid-19, o governo do Amazonas estendeu até 31 de janeiro a determinação para que os órgãos e entidades da Administração Direta e Indireta do Poder Executivo Estadual que não estejam diretamente envolvidos com o enfrentamento da pandemia mantenham no mínimo 70% de seus servidores e empregados trabalhando remotamente.

Inicialmente, a medida que entrou em vigor no último dia 23 se encerraria no domingo passado (10), conforme estabelecido no Decreto nº 43.235. No entanto, o governo estadual decidiu estendê-la até o fim do mês devido à “grave crise de saúde pública” e a “necessidade de estabelecer novas medidas para garantir a contenção da elevação dos casos no Amazonas”, conforme justifica o Decreto nº 43.276, publicado hoje.

Fonte: IG SAÚDE

Comentários Facebook

Saúde

Governo lança plataforma “Brasil Imunizado” para acompanhar vacinação no país

Avatar

Publicado


source
Aplicação da vacina CoronaVac em SP
Divulgação/Governo do Estado de São Paulo

Aplicação da vacina CoronaVac em SP

Nesta quarta-feira (27), deve ser lançado a nova plataforma desenvolvida pelo governo federal para mapear as pessoas vacinadas contra a covid-19 no país, o ” Brasil Imunizado “. As informações foram apuradas pela CNN Brasil. 

O Brasil , até o momento, tem cerca de 600 mil pessoas imunizadas e o número começará a ser monitorado pelo ministro da Saúde, Eduardo Pazuello e pelo presidente Jair Bolsonaro. Ação será feita em conjunto com o governo federal pelo momento de pressão em que vive o ministro.

A compra de mais doses da vacina e a situação crítica do sistema de saúde encontrada em alguns estados, são algumas das insatisfações  presentes na rotina de Pazuello

O nome deveria ser escolhido como intuito de se sobressair ao nome “Vacinômetro”, nome escolhido pelo governador João Doria (PSDB) para o programa de acompanhamento em São Paulo. Esse até era um dos nomes que constava na lista de opções, porém, eles queriam ser rápidos e queriam escolher um “nome bem melhor”, como classificaram. 

Veja Também  Governo lança plataforma "Brasil Imunizado" para acompanhar vacinação no país
Fonte: IG SAÚDE

Comentários Facebook
Continue lendo

Saúde

Insumos para a CoronaVac devem chegar até o dia 3 de fevereiro

Avatar

Publicado


O Instituto Butantan prevê a chegada de 5,4 mil litros de insumos necessários para a produção da vacina CoronaVac ao Brasil até o dia 3 de fevereiro. A informação foi dada em entrevista coletiva hoje (26) logo após o governo paulista se reunir virtualmente com o embaixador da China no Brasil, Yang Wanming. A CoronaVac é uma vacina contra o novo coronavírus produzida em uma parceria do Instituto Butantan com a farmacêutica chinesa Sinovac.

Segundo Dimas Covas, diretor do Instituto Butantan, esses 5,4 mil litros serão suficientes para produzir em torno de 8,6 milhões de doses da vacina. Ele explicou que mais 5,6 mil litros deverão chegar ao país em breve, o suficiente para produzir mais 8,6 milhões de doses. Após chegarem ao país, essas vacinas serão produzidas e envasadas, além de passar por um processo de qualidade que deve durar em torno de 20 dias. Só então elas são liberadas para a vacinação.

“Uma dose de vacina tem 0,62 ml”, explicou Dimas Covas. “Na verdade, uma dose da vacina aplicada corresponde a 0,50 ml. Mas, pela regulamentação internacional, temos que colocar 0,62 ml no frasco. Então, um frasco que tenha 10 doses, se houver precisão na hora de retirada de 0,50 ml, um frasco pode render não só dez, mas 12 doses. Se houver grande observação de quem aplica a vacina, não houver desperdício, teremos a possibilidade de, com um frasco de dez doses imunizar 12 pessoas”, explicou Dimas Covas.

Veja Também  Governo é favorável à importação privada de vacinas, diz Bolsonaro

Pelo contrato estabelecido entre o Instituto Butantan e a Sinovac, o Brasil irá receber, até abril, 46 milhões de doses da vacina, quantidade que pode se expandir para até outras 54 milhões de doses, caso haja interesse do Brasil. Até este momento, o Instituto Butantan já recebeu 10,8 milhões de doses, sendo que mais de 6 milhões delas já estão sendo empregadas na vacinação no país.

Participando da entrevista coletiva, de forma virtual, o embaixador ressaltou a parceria entre Brasil e China e falou da importância da vacina para conter a pandemia do novo coronavírus. “Vacinas são uma arma para conter a pandemia e garantir a saúde do povo e não instrumento político”, disse. “A situação da pandemia é incerta. Haverá demanda urgente e de longo prazo pelas vacinas”, acrescentou.

 

Edição: Valéria Aguiar

Fonte: EBC Saúde

Comentários Facebook
Continue lendo

Policial

Política

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana