conecte-se conosco


Economia

Preços na indústria sobem 2,37%, revela pesquisa do IBGE

Publicado

Economia


Os preços de produtos na saída das fábricas, medidos pelo Índice de Preços ao Produtor, subiram 2,37% em setembro. O percentual é inferior ao de agosto (3,31%), mas superior ao de setembro de 2019: (0,50%).

De acordo com os dados divulgados hoje (30), no Rio de Janeiro, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o indicador acumula inflação de 13,46% no ano e de 15,89% em 12 meses.

Em setembro, 21 das 24 atividades industriais pesquisadas tiveram alta de preços, com destaque para alimentos (5,28%), indústrias extrativas (3,81%) e outros produtos químicos (2,03%).

Deflação

Ao mesmo tempo, três atividades tiveram deflação (queda de preços). A maior delas foi observada no refino de petróleo e produtos de álcool (-2,83%).

Entre as quatro grandes categorias econômicas, a maior alta de preços foi observada nos bens de consumo semi e não duráveis, que tiveram inflação de 3,05%.

As demais categorias anotaram as seguintes taxas de inflação: bens intermediários, isto é, os insumos industrializados usados no setor produtivo (2,24%), bens de consumo duráveis (1,53%) e bens de capital  máquinas e equipamentos usados no setor produtivo: 1,31%).

Veja Também  Black Friday 2020 termina com 9160 reclamações; confira o principal motivo

Edição: Kleber Sampaio

Comentários Facebook

Economia

LATAM espera sair da recuperação judicial em 2021

Avatar

Publicado


source

Contato Radar

undefined
Calebe Murilo

LATAM espera sair da recuperação judicial em 2021

Definitivamente este ano ficará marcado na história da aviação. A pandemia mudou a dinâmica do mercado de maneira abrupta. Companhias aéreas em todo o mundo tiveram que se adaptar à nova realidade para garantir sua sobrevivência à longo prazo.

Com isso, o LATAM Airlines Group, maior grupo de aviação da América Latina, recorreu em maio a um pedido de recuperação judicial, mediante Chapter 11 nos Estados Unidos.

A decisão em questão, foi resultado das grandes dificuldades enfrentadas em meio a pandemia, que afetou fortemente o setor aeronáutico. O processo é semelhante a de Recuperação Judicial no Brasil e envolve a reorganização dos negócios, dívidas e ativos de determinada empresa.

Conforme dito por Roberto Alvo, CEO do Grupo LATAM Airlines, é esperado que a empresa saia de sua reorganização no Chapter 11 durante o segundo semestre de 2021.

Além disso, o executivo ainda ressaltou que a companhia sairá com uma estrutura de custos competitiva, semelhante a de suas principais concorrentes no Chile, as companhias de baixo custo JetSMART e SKY.

Veja Também  A história de um único MD-11 que operou para três companhias aéreas brasileiras

Esteja informado: clique aqui  e leia mais notícias de aviação!

De acordo com resultados divulgados em novembro, o Grupo LATAM fechou o terceiro trimestre com mais de US$ 3,3 bilhões para enfrentamento da pandemia. Sendo assim, o valor é a soma de US$ 866 milhões de caixa e também US$ 2,45 milhões em empréstimos para serem usados no Chapter 11.

Ademais, em relação ao resultado financeiro, o prejuízo operacional da LATAM totalizou US$ 564,7 milhões no terceiro trimestre de 2020, enquanto o resultado líquido totalizou um prejuízo de US$ 573,1 milhões.

O post LATAM espera sair da recuperação judicial em 2021 apareceu primeiro em Contato Radar – Notícias de aviação .

Comentários Facebook
Continue lendo

Economia

A história de um único MD-11 que operou para três companhias aéreas brasileiras

Avatar

Publicado


source

Contato Radar

undefined
Luis Neves

A história de um único MD-11 que operou para três companhias aéreas brasileiras

Neste ano, o trimotor produzido pela americana Mcdonnell Douglas, completou 30 anos. Mesmo não sendo um sucesso absoluto de vendas, o modelo fez história e chegou a operar para as principais companhias aéreas ao redor do mundo.

O Brasil foi o único operador do modelo na América Latina, que teve o trimotor voando nas cores da Varig, VASP e TAM. Em 1992, foram entregues com poucos meses de diferença os primeiros MD-11, chegando primeiro na Varig e depois na VASP.

No total a Varig chegou a operar com 28 aeronaves MD-11, sendo 26 configurados para passageiros e 2 eram cargueiros puros. A VASP por sua vez, chegou a operar com 9 aeronaves MD-11 de passageiros em sua frota.

Com passar dos anos e com a crise que afetou as duas companhias aéreas, parte da frota dos trijatos americanos deixaram o país. Porém, uma aeronave em especial teria outras oportunidades para continuar voando com a bandeira brasileira estampada em sua fuselagem.

Entregue novo em 27 de novembro de 1996 para a VASP como PP-SFD, recebeu o nome de batismo de “Nossa Senhora Aparecida”, que por quatro anos ficou atendendo as rotas internacionais da companhia. No final dos anos 90, a VASP mergulhava numa crise que anos depois colocou um fim em sua história. No dia 23 de abril de 2000, foram tomados pelo fabricante os últimos quatro MD-11 que ainda restavam na companhia, entre eles estava o SFD.

Veja Também  A história de um único MD-11 que operou para três companhias aéreas brasileiras

O que parecia ser o fim da história do trijato em terras tupiniquins era apenas um renascimento, com uma nova roupa.

O retorno da fênix

A aeronave ficou por um período nos Estados Unidos e foi matriculado como N799BA. Em 2001, a aeronave volta a ostentar a bandeira brasileira em sua fuselagem, desta vez nas cores da Varig, matriculado como PP-VQX.

Foram seis anos cruzando os céus do Brasil e do mundo nas cores da companhia, e mesmo com a proposta de receber aeronaves novas e usadas para renovação da frota, a Varig vinha apresentando balanços financeiros negativos por vários anos. Em 22 de junho de 2005, a justiça brasileira deferiu o pedido de recuperação judicial, e com dívidas chegando a 5,7 bilhões de reais, nem mesmo as propostas foram o suficiente para salvar a empresa, que chegou ao fim em 20 de agosto de 2010, quando foi decretado a falência da antiga Varig.

De casa nova…

Antes de fechar as portas de vez até ser comprada pela Gol, a Varig estava perdendo boa parte da sua frota para seus credores. Em 2006 foi a vez do VQX deixar a Varig, sendo tomado pela Boeing, que havia adquirido a Mcdonnell Douglas.

Esteja informado: clique aqui e leia mais notícias de aviação!

Em janeiro de 2007, a Boeing cedeu para TAM três MD-11 ex-Varig em regime de leasing provisório até a chegada dos primeiros Boeing 777-300ER comprados pela companhia. O retrofit das aeronaves foram feitas na Varig Engenharia e Manutenção (VEM) no Rio de Janeiro, onde o VQX, passou a possuir uma nova identidade, deixando o hangar com a matrícula PT-MSJ.

Veja Também  Air France aumentará capacidade operacional doméstica

Na TAM, os MD11 foram responsáveis principalmente pelas rotas para Paris e Milão.

Gradativamente, as aeronaves começaram a deixar a frota a partir de agosto de 2008, sendo substituídos pelos novos 777-300. Entretanto, o último MD-11 a deixar a frota da TAM, sendo também o último MD-11 que operou no Brasil no transporte de passageiros foi o protagonista desta história, o PT-MSJ. Seu último voo aconteceu em 12 de dezembro daquele mesmo ano, partindo de São Paulo (GRU) para Paris (CDG).

Com fim de sua jornada ostentando a bandeira brasileira por quase doze anos, o lendário MD-11 retornou para os Estados Unidos para a transformação que lhe daria mais alguns anos de vida. Em 03 de setembro de 2009, após ser transformado em carpassagepor completo, o MD-11F de número de série 48769, foi entregue ao seu atual operador, a FEDEX, onde foi matriculado como N573FE.

Atualmente, a Lufthansa Cargo é a única operando com o MD-11F para o Brasil. Seus voos regulares com transporte de cargas estão programados para ocorrer até 29 de dezembro deste ano, quando serão substituídos pelo Boeing 777-200F.

O post A história de um único MD-11 que operou para três companhias aéreas brasileiras apareceu primeiro em Contato Radar – Notícias de aviação .

Comentários Facebook
Continue lendo

Policial

Política

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana