conecte-se conosco


Nacional

B.O. acusa Russomanno de tentar roubar gerador de R$ 125 mil

Publicado

Nacional


source
Celso Russomano (Republicanos), candidato à prefeitura de São Paulo
Republicanos

Celso Russomano (Republicanos), candidato à prefeitura de São Paulo, foi acusado de tentar roubar gerador de 2 toneladas

O deputado federal e candidato a prefeito de São Paulo, Celso Russomanno (Republicanos) , foi acusado em um Boletim de Ocorrência de tentar furtar um gerador de energia de R$ 125 mil do prédio onde funcionou seu Restaurante e Bar do Alemão, em Brasília.

Após ter suas contas e bens penhorados por não cumprir com o pagamento de 18 meses de aluguéis ao empresário João Carlos Cendron, proprietário do prédio onde ficava o estabelecimento, o candidato teria aparecido no endereço com seu assessor pessoal e um caminhão para levar o gerador, segundo o Cendron no B.O, registrado no dia 5 de maio de 2017 na 5ª Delegacia de Polícia Civil do Distrito Federal.

Veja Também  Enxurrada arrasta mais de 20 veículos e derruba caminhão em São Carlos

Por volta das 17h do dia 4, “o deputado Celso Russomanno, junto de seu assessor, foi ao local onde está guardado o gerador (antigo Bar do Alemão) na tentativa de levá-lo”, diz o empresário no B.O. Para isso, contrataram os serviços de um caminhão (…) para carregar o gerador , que pesa mais de duas toneladas Boletim de Ocorrência Segundo o relato, os funcionários da transportadora “chegaram a tirar os parafusos do gerador [que o prendiam ao chão], mas foram impedidos de removê-lo do local pelo vigia Wellington”.

O vigia, então, teria ligado para o dono do imóvel, que compareceu ao endereço. “Neste momento, o assessor e os funcionários da transportadora ainda estavam lá e só foram demovidos da ideia porque o dono do prédio disse que estariam cometendo um crime”, continua o relato.

Para comprovar a acusação, o empresário entregou à polícia vídeos, fotos do gerador e do caminhão estacionado em frente ao prédio e uma mensagem de WhatsApp em que proprietário da transportadora informa que foi contratado por Russomanno (ao lado).

Veja Também  Jovem joga celular pelo portão para fugir de assalto no litoral de SP; assista

Acordo

A confusão foi parar no Ministério Público, que costurou um acordo com Russomanno ratificado pelo Tribunal de Justiça do Distrito Federal em 27 de junho do ano passado. Nele, Russomanno e seu assessor foram absolvidos de ação judicial ao pagarem R$ 1 mil cada um “na forma de bens materiais” em favor do Lar dos Velhinhos.

Eles se comprometeram a doar gêneros alimentícios, material de limpeza, de escritório, pintura, reparos e medicamentos. Na ocasião, Russomanno negou que quisesse furtar o gerador de energia. Segundo o Termo de Audiência, “o Sr. Celso afirmou que não teve a intenção de retirar o gerador ilegalmente; que não praticou, a seu ver, qualquer conduta delituosa, tampouco seu assessor, porque não sabia que o gerador em questão estava dado em garantia da dívida”.

Russomanno alegou também que o gerador “estava do lado de fora do restaurante” e que “lá chegando, enquanto estacionavam, recebeu uma ligação” informando que o aparelho não poderia ser retirado. O parlamentar afirmou que “ao saber disto, imediatamente interrompeu as operações (…) e foram embora deixando o gerador no local”.

Comentários Facebook

Nacional

PF faz operação contra grupo que pede intervenção e prisão de ministros do STF

Avatar

Publicado


source
pf
Agência Brasil

PF faz operação contra grupo que pede intervenção militar e prisão de ministros do STF

A Polícia Federal (PF) deflagrou, nesta sexta-feira (27), uma operação para investigar um grupo que fazia propaganda em redes sociais para pedir a intervenção militar e a prisão de ministros do Supremo Tribunal Federal  (STF).

Um dos alvos do operação é  Renan Silva Sena,  ex-funcionário do Ministério dos Direitos Humanos, que foi demitido após divulgar vídeo com ofensas a autoridades do Supremo. A operação Estabilidade cumpre três mandados de busca e apreensão em Brasília (DF), Uberlândia (MG) e Taboão da Serra (SP).

Segundo a PF, a força-tarefa teve início após a publicação de um vídeo realizado na frente do prédio do STF, por dois dos investigados. “Com o aprofundamento das análises, foi possível constatar a participação deles em diversos atos do tipo, inclusive com a arrecadação de fundos para financiar o movimento”, disse a PF.

Veja Também  Enxurrada arrasta mais de 20 veículos e derruba caminhão em São Carlos

Os envolvidos são investigados por crimes que envolvemquestão de Segurança Nacional, por fazerem propaganda de processos violentos ou ilegais para alteração da ordem política ou social. As penas para esse tipo de crime variam de 1 a 4 anos de detenção ou reclusão.

Já conhecido das autoridades

Renan Sena é apoiador do governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Em junho deste ano, ele foi detido pela Polícia Civil por crimes de calúnia e injúria, após divulgar vídeo com ofensas contra autoridades e o governador do DF,  Ibaneis Rocha  (MDB). Mas, foi liberado após assinar um termo de comparecimento em juízo.

Além disso, Sena também é suspeito de “narrar o vídeo” em que manifestantes lançam fogos de artifício contra o Supremo Tribunal Federal (STF), no dia 13 de junho.

Comentários Facebook
Continue lendo

Nacional

Flordelis vai à 2° audiência no qual é ré pela morte do pastor Anderson

Avatar

Publicado


source
flordelis
Reprodução

Flordelis e o marido, pastor Anderson

A deputada federal Flordelis dos Santos de Souza chegou ao fórum de Niterói, na Região Metropolitana do Rio , às 9h desta sexta-feira, dia 26, para a segunda audiência do processo no qual é ré pela morte do marido. Ela estava acompanhada do seu advogado, Anderson Rollemberg.

A parlamentar é acusada de ser mandante do assassinato do pastor Anderson do Carmo em junho de 2019. Na sessão, marcada para começar às 9h, serão ouvidas testemunhas de acusação. Flordelis é ré no processo junto com outros sete filhos e um neto, além de um policial militar e sua esposa.

Flordelis foi a primeira a chegar no plenário. Cerca de dez minutos depois, os outros réus, que estão presos, foram conduzidos à sala de audiência. A juíza advertiu todos de que eles são proibidos de se comunicar e ameaçou tomar outras medidas caso não fosse atendida.

Veja Também  Como funcionam as sessões eleitorais nas comunidades indígenas? Entenda regras

Na primeira audiência, no dia 13 de novembro, foram ouvidas cinco testemunhas de acusação, entre elas os dois delegados que conduziram as investigações, Bárbara Lomba e Allan Duarte.

Flordelis é a única dos 11 réus que não está presa. Em razão de sua imunidade parlamentar, ela só poderia ser presa em flagrante delito por crime inafiançável. Há pouco mais de um mês, a deputada está sendo monitorada por tornozeleira eletrônica.

Foram decretadas ainda outras medidas cautelares, como proibição de contato com outros réus no processo e também com quatro pessoas que ainda são investigadas por suspeita de participação no crime.

Comentários Facebook
Continue lendo

Policial

Política

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana