conecte-se conosco


Nacional

WhatsApp bane mais de 250 contas suspeitas de disparo em massa

Publicado

Nacional


source
Eleições: TSE tem canal para denúncia de disparos em massa no WhatsApp
Agência Brasil

Eleições: TSE tem canal para denúncia de disparos em massa no WhatsApp

O WhatApp  baniu 256 contas do seu aplicativo após denúncias de disparo em massa relacionados às eleições municipais que ocorrerão no país em Novembro. O anúncio foi feito nesta quarta (28), e foi divulgado pela empresa junto ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Para evitar os problemas vistos nas eleições de 2018, o TSE abriu um canal de denúncias de suspeitas de disparo em massa, que consiste no envio automático de mensagens para um grande número de pessoas, normalmente feito por programas de computador.

Do dia 27 de setembro , 1º dia oficial de campanha até a última segunda (26) , o Tribunal recebeu 1037 denúncias. Após investigação, 1020 foram encaminhadas para o WhatsApp para análises maiores sobre o padrão de envio.

Veja Também  Polícia Civil mira PM chefe de milícia nas zonas Oeste e Norte do Rio de Janeiro

Segundo o aplicativo, as denúncias se referiam a 720 contas , e após apuração, 256 foram banidas permanentemente, as outras seguem sendo investigadas.

No final de 2019, o TSE decidiu pela proibição dos disparos em massa por aplicativos de mensagem nas campanhas eleitorais. Em 2018, na eleição presidencial, o WhatsApp divulgou que 400 mil contas foram banidas no Brasil e tinham relação com a eleição no Brasil.

Comentários Facebook

Nacional

Tandera, o miliciano mais procurado do RJ é alvo de operação da Polícia Civil

Publicado


source
Polícia em loja que seria usada por milícia na Baixada Fluminense
Foto: Reprodução

Polícia em loja que seria usada por milícia na Baixada Fluminense

O miliciano Danilo Dias Lima, o Tandera, que é considerado o criminoso mais procurado do estado  do Rio de Janeiro, é alvo de uma operação nesta segunda-feira. O objetivo da Polícia Civil é asfixiar diferentes fontes de renda da milícia que é chefiada por Tandera , na Baixada Fluminense. Até as 13h50m, 11 pessoas já haviam sido presas.

O grupo do paramilitar domina partes de Nova Iguaçu e o município de Seropédica. Ele e Wellington da Silva Braga, conhecido como Ecko , que era chefe da maior milícia do Rio de Janeiro e que foi morto há uma semana, chegaram a ser aliados. No entanto, no ano passado, a parceria foi rompida e ambos se tornaram desafetos. Os investigadores apuram se, com a morte de Ecko , Tandera esteja expandido seu território .

Você viu?

Nesta segunda, policiais da Divisão de Capturas da Polinter prenderam o responsável pelos furtos de sinal de TV a cabo da milícia. Já a Delegacia de Defesa de Serviços Delegados (DDSD) desarticulou depósitos de gás clandestinos e provedores ilegais de internet explorados pela milícia.

Veja Também  Médico finge fazer exame, esfrega genital na paciente e é indiciado por abuso

Por sua vez, a Delegacia de Repressão aos Crimes contra a Propriedade Imaterial (DRCPIM) estourou diversos estabelecimentos comerciais em Nova Iguaçu e Seropédica explorados pela milícia que comercializam produtos piratas e TVs Box. A Delegacia do Consumidor (Decon) e a Delegacia Fazendária (DELFAZ) interditaram estabelecimentos comerciais explorados pelo bando. Agentes estiveram em supermercados e lojas que vendiam mercadorias sem nota.

Entre os crimes investigados estão cobranças irregulares de taxas de segurança e de moradia; instalações de centrais clandestinas de TV a cabo e de internet; armazenamento e comércio irregular de botijões de gás e água; empresas de GNV ilegais; parcelamento irregular de solo urbano; exploração e construções irregulares, areais e outros crimes ambientais; comercialização de produtos falsificados e contrabando; transporte alternativo irregular e estabelecimentos comerciais explorados pela milícia e utilizados para lavagem de dinheiro.

Veja Também  Ricardo Salles não entregou a senha do seu celular apreendido aos investigadores

Comentários Facebook
Continue lendo

Nacional

Médico finge fazer exame, esfrega genital na paciente e é indiciado por abuso

Publicado


source
Ortopedista simulou um exmae médico na intenção de abusar sexualmente da paciente
Foto:Pixabay

Ortopedista simulou um exmae médico na intenção de abusar sexualmente da paciente

A Polícia Civil de Iporá, cidade do oeste de Goiás, indiciou um médico de 36 anos por violação sexual mediante fraude. O ortopedista simulou um exame em uma paciente com a intenção de abusá-la sexualmente . A mulher, que tem 46 anos, gritou por socorro quando percebeu que o homem estava esfregando seu pênis ereto nela. O caso ocorreu no dia 31/05. 

Durante a consulta o médico disse que faria um exame físico e pediu que a paciente se virasse para procurar nódulos localizados nas costas dela. Segundo relato da vítima ao delegado Igor Moreira da Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher (Deam) , em determinado momento, o ortopedista solicitou que ela colocasse uma das mãos para trás. Nesse instante, ela diz que sentiu algo estranho , mas o telefone do consultório tocou, interrompendo o que estava acontecendo.

Segundo o delegado, o médico atendeu o telefone, disse que ainda não havia terminado a consulta, trancou a porta do local e voltou-se para a paciente, pedindo que ela colocasse a segunda mão para trás. O relato da vítima informa que, ao colocar as duas mãos para trás, ela começou a sentir ele esfregando o pênis em suas costas.

Veja Também  Operação da Polícia Civil mira traficante que invade terrenos no Rio de Janeiro

“Ela se virou e viu que o médico estava com o pênis para fora da calça. Ficou muito angustiada, nervosa e começou a gritar por socorro”, conta Igor Moreira.

Você viu?

Toda a situação ocorreu dentro de um consultório no hospital onde o médico trabalha. A vítima relatou que foi socorrida por enfermeiras e outros médicos que entraram no consultório assim que ouviram seus gritos

Segundo o portal Metrópoles, o inquérito foi concluído com o indiciamento do ortopedista relacionado a esse caso específico, mas no decorrer da investigação outras suspeitas surgiram. Uma enfermeira ouvida pelo delegado disse que há três anos, também, foi assediada pelo mesmo médico.

De acordo com o relato da enfermeira, o ortopedista a chamou em seu consultório e, quando ela abriu a porta, o encontrou com o órgão para fora da calça e a convidando para atos sexuais. A enfermeira disse que não participaria daquilo e fechou a porta. Nas semanas seguintes, o médico seguiu ligando, insistentemente, para ela.

Veja Também  Mulher em situação análoga à escravidão há 20 anos é libertada em SP

Comentários Facebook
Continue lendo

Policial

Política

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana