conecte-se conosco


Direto de Brasília

Itamaraty envia mensagem de saudação a Luis Arce, presidente eleito da Bolívia

Publicado

Direto de Brasília


source

Agência Brasil

Itamaraty
Marcello Casal Jr/Agência Brasil

Mensagem foi encaminhada após a confirmação da vitória de Luis Arce.

O Ministério das Relações Exteriores enviou uma mensagem ao presidente eleito da Bolívia , Luis Alberto Arce Catacora , e ao vice, David Choquehuanca, felicitando-os pela vitória no pleito. Nela, o governo brasileiro saúda povo e governo bolivianos pelo clima de “tranquilidade e harmonia” registrado durante o processo eleitoral, bem como pela “atuação independente do Tribunal Supremo Eleitoral” na contagem oficial dos votos.”

O Governo brasileiro congratula-se com as forças políticas do país pelo respeito à vontade popular expressa nas urnas. Reconhece, em particular, a importância da participação dos observadores independentes das missões que acompanharam a votação – da OEA, do Parlasul, da União Europeia, das Nações Unidas, da Uniore e do Instituto Carter Center – cujo escrutínio contribuiu para afiançar a legitimidade e transparência do pleito e garantir que fosse respeitado o desejo soberano do povo boliviano na escolha de seus dirigentes”, diz a mensagem.

Veja Também  Deputados de oposição defendem criação de CPI sobre monitoramento de mídias sociais

O Itamaraty reafirmou a disposição do governo brasileiro em trabalhar com as novas autoridades bolivianas “com vistas à implementação de iniciativas de interesse comum e no âmbito dos laços de amizade, vizinhança e de cooperação que unem os dois países e seus povos.”

Após ter sido apontado, segundo pesquisas de boca de urna, como vencedor das eleições, Arce disse que a Bolívia “voltou à democracia”, e que fará um governo em prol de todos os bolivianos. “Vamos constituir um governo de unidade nacional”, declarou o candidato vitorioso, que foi ministro da Economia e Finanças Públicas da Bolívia em duas ocasiões durante o governo de Evo Morales – presidente da Bolívia por três mandatos consecutivos, de 2006 a 2019.

Sob a justificativa de evitar a continuidade de conflitos violentos que ocorreram em 2019 após um relatório preliminar da Organização dos Estados Americanos (OEA) levantar suspeitas sobre as eleições presidenciais bolivianas na época, Evo Morales convocou novas eleições e, em seguida, se exilou no México e, depois, na Argentina, onde ainda permanece.

Veja Também  Projeto altera legislação penal para ampliar punição de crime cibernético

Comentários Facebook

Direto de Brasília

Executivo do Carrefour afirma que empresa errou no episódio que vitimou João Alberto

Avatar

Publicado


Reprodução
O vice-Presidente do Carrefour (BR), Stephane Engelhard, informou que foi criado um comitê de diversidade dentro da empresa

O vice-presidente do Carrefour no Brasil, Stephano Engelhard, pediu desculpas pelo episódio que vitimou João Alberto Freitas em uma loja da rede em Porto Alegre (RS). O pedido foi feito em reunião virtual nesta quinta-feira (3) da comissão externa da Câmara que acompanha a investigação do caso:

“O Carrefour errou, o Carrefour falhou. Tem alguma coisa que não funcionou no Carrefour. Vou deixar isso bem claro para que não haja dúvidas. Pode ser uma empresa terceirizada, mas a responsabilidade é nossa”, disse.

João Alberto, que era negro, morreu no dia 19 de novembro após ser espancado por dois seguranças da loja. O coordenador da comissão, deputado Damião Feliciano (PDT-PB), começou a reunião, afirmando que o problema não está localizado na rede de supermercados:

“Nós, eu como coordenador, quero iniciar a fala dizendo que nós ficamos estarrecidos com o que aconteceu no Carrefour. E repito que não é uma peculiaridade só do Carrefour. Outras empresas cometeram atitudes semelhantes. Mas nós vamos aqui tomar como uma questão simbólica por ter tido a morte de mais um corpo negro”, afirmou.

Veja Também  Aliado de Rodrigo Maia desiste de disputar a Presidência da Câmara

Campanha contra o racismo
Stephano explicou que a rede Carrefour foi procurada por outras grandes empresas interessadas em apoiar uma campanha contra o racismo no país. O executivo disse que a empresa está fazendo uma auditoria de todas as suas atividades para identificar os problemas que causaram a morte de João Alberto.

Segundo ele, foi criado um comitê de diversidade dentro da empresa para propor novas soluções e políticas de inclusão. Stephano Engelhard afirmou que a rede tem 90 mil funcionários no país.

Após a fala inicial do vice-presidente, a reunião da comissão externa prosseguiu, mas fechada, acompanhada apenas pelos deputados do colegiado.

Reportagem – Sílvia Mugnatto
Edição – Roberto Seabra

Comentários Facebook
Continue lendo

Direto de Brasília

Relator defende programa habitacional que vai substituir o Minha Casa Minha Vida

Avatar

Publicado


O relator da Medida Provisória 996, deputado Isnaldo Bulhões Jr. (MDB-AL), defendeu em Plenário a aprovação do programa Casa Verde Amarela por ampliar o foco da política habitacional. “O programa não está agora restrito à mera construção física de unidades habitacionais, mas amplia seu alcance envolvendo regularização fundiária, infraestrutura, sociabilidade e oferta de equipamentos de serviços públicos”, destacou.

“Não se trata de mera substituição do programa anterior, mas melhora a execução das ações, promovendo eficiência de recursos públicos.”

Isnaldo Bulhões Jr. destacou que o modelo de financiamento do Minha Casa Minha Vida não será extinto, pois as regras devem continuar até o término dos contratos.

Com base em mais de 500 emendas protocoladas à MP 996, o relator fez algumas alterações no texto do Executivo. Entre as principais mudanças, ele destacou:
– tratamento diferenciado a classes mais vulneráveis;
– inserção de pequenos empreendedores e entidades sem fins lucrativos;
– medidas de transparência sobre a execução física e orçamentária do programa;
– necessidade de incorporação de novidades tecnológicas nos empreendimentos;
– facilidade de doação de bens imóveis da União para políticas públicas de habitação, dando preferência a projetos que gerem maior número de unidades, e não por contrapartida pecuniária.

Veja Também  Suplente que aguardava cassação da Flordelis vai assumir vaga na Câmara

Retrocesso
Deputados de oposição obstruíram o processo de votação porque consideram a MP 996 um retrocesso com relação às políticas de financiamento habitacional do Minha Casa Minha Vida.

“A MP exclui as famílias de renda até R$ 1.800, que justamente compõem a maioria do déficit habitacional”, alertou a líder do Psol, deputada Sâmia Bomfim (SP). Somente favorece construtoras e empreiteiras e exclui a população que deveria ser beneficiada por programas assim.

O deputado Paulão (PT-AL) lembrou que, nos governos Lula e Dilma, a faixa de financiamento para famílias até R$ 1.800 atingia 50% dos empreendimentos do programa Minha Casa Minha Vida. Ele lamentou que o programa habitacional, que chegou a receber R$ 25 bilhões em 2015, tenha tido investimentos de apenas R$ 1 bilhão neste ano.

“A MP é um cheque em branco, porque não define o teto de pagamento para as prestações. Estabelece que os imóveis públicos sejam passados para iniciativa privada, mas não define seu fim, que deveria ser prioritariamente para moradia popular”, criticou.

Veja Também  Mourão chama de hipocrisia polêmica sobre volta às aulas: aluno "vai pra balada"

Já o deputado Paulo Ganime (Novo-RJ) afirmou que a MP ajuda a avançar no tema fundamental da habitação. “Não precisamos só dar casas para que não tem, mas regularizar a situação daqueles que têm sua residência, mas ficam à mercê de traficantes e milicianos que ocupam o território”, argumentou.

Mais informações a seguir.

Reportagem – Francisco Brandão
Edição – Natalia Doederlein

Comentários Facebook
Continue lendo

Policial

Política

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana