conecte-se conosco


Nacional

Rapaz de mãos dadas com namorado incomoda vizinho, que pede respeito

Publicado

Nacional


source
O remetente do bilhete não se identificou.
Reprodução/Arquivo pessoal

O remetente do bilhete não se identificou.

Em Santa Catarina, um rapaz recebeu um bilhete após ser visto andando de mãos dadas com o namorado . No recado, um vizinho pedia por “respeito” e argumentava que o condomínio é um “local de família”. As informações são do UOL .

O caso ocorreu em Joinville, no dia 11 de agosto. O maquiador Felipe Alves, de 26 anos, conta que o bilhete foi deixado debaixo da porta do seu apartamento e não possuía assinatura.

“Olá vizinho. O Condomínio Piratuba é um local de família . Respeitamos todas as pessoas e não nos importamos com o que cada um faz dentro de sua casa. Mas essa semana eu tive que explicar pro meu filho pequeno o porquê de dois homens de mãos dadas andando pelo estacionamento. Respeito por favor”, escreveu o vizinho no bilhete.

Veja Também  STF nega regime semiaberto para ex-deputado federal Geddel Vieira Lima

Alves diz que ficou indignado. “A gente não estava fazendo nada de errado, só estávamos de mãos dadas “, afirmou. 

“A gente demorou bastante tempo para ter a liberdade para andar de mãos juntas. Fiquei com receio que ele não quisesse mais”, comentou Alves ao explicar que demorou quatro dias para contar o episódio ao namorado.

“Em quinze anos, é pela primeira vez que tivemos um caso de homofobia . Informamos aos moradores que orientamos o Felipe a fazer um boletim de ocorrência, pois caso o autor seja identificado, ele possa acionar o autor pelo crime que cometeu. Também pedimos que mantenham a habitual cordialidade e respeito que sempre imperou entre os moradores. Este caso realmente foi muito infeliz para o condomínio”, declarou o síndico Charles Scheel.

Alves registrou um boletim de ocorrência online na Polícia Civil.

Comentários Facebook

Nacional

Presos provisórios com guarda de crianças e deficientes ganham prisão domiciliar

Avatar

Publicado


source
Mãos algemadas apoiadas em grades
FreePick/Divulgação

Tribunais deverão ser acionados para que detidos tenham direito a prisão domiciliar

A Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) aceitou nesta terça-feira (20) um pedido de liberdade coletiva da Defensoria Pública da União (DPU) para permitir que presos provisórios responsáveis por crianças e pessoas com deficiência possam cumprir pena em regime domiciliar. Segundo levantamento do Conselho Nacional de Justiça, a decisão pode beneficiar cerca de 31 mil detentos.

O relator do caso, ministro Gilmar Mendes, foi o primeiro a votar. Ele foi seguido por todos os demais integrantes do órgão colegiado, os ministros Edson Fachin, Cármen Lucia e Ricardo Lewandowski. Antes da leitura dos pareceres, o subprocurador-geral José Elaeres também se manifestou em nome do Ministério Público Federal (MPF) a favor da concessão do habeas corpus.

Veja Também  Da esquerda à direita: o "quase" consenso do uso medicinal da maconha no Brasil

Em seu voto, Gilmar Mendes disse que há “elementos concretos” que justificam a conversão da prisão preventiva em domiciliar nos termos solicitados pela DPU. O ministro citou o entendimento fixado pelo próprio Supremo em julgamento, em fevereiro do ano passado, que concedeu o benefício a grávidas e mães de crianças de até 12 anos.

O ministro lembrou ainda uma série de dispositivos de proteção a menores e pessoas com deficiência previstos no ordenamento jurídico brasileiro.

“Entre os integrantes do núcleo familiar das pessoas submetidas a medidas restritivas da liberdade, a Constituição, as normas internacionais e a legislação federal atribuem especial relevância às crianças e às pessoas portadores de deficiência”, afirmou.

A decisão de hoje faz com que todos os Tribunais de Justiça e Tribunais Regionais Federais sejam notificados para apresentar ao STF, em até 45 dias, a listagem dos casos de concessão de habeas corpus com base no julgamento. Isso ocorre porque o relaxamento do regime de prisão não é automático e deve ser autorizado individualmente pelo juízo responsável.

O pedido de liberdade coletiva foi levado no Supremo em 2018 pela DPU. No pedido, a Defensoria alegou que crianças, muitas vezes fragilizadas pelo sofrimento do afastamento materno, são ainda mais expostas com a prisão de seus responsáveis.

Veja Também  Da esquerda a direita: o "quase" consenso do uso medicinal da maconha no Brasil

Comentários Facebook
Continue lendo

Nacional

MPRJ denuncia promotor por oferecer R$ 190 mil para soltar miliciano Nenzinho

Avatar

Publicado


source
Promotor Horácio Afonso da Fonseca em palestra na OAB-RJ.
Reprodução

Promotor Horácio Afonso da Fonseca em palestra na OAB-RJ.

O Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ) denunciou o promotor de justiça Horácio Afonso de Figueiredo da Fonseca , o administrador Marcus Vinícius Pinto Chaves e a advogada Kelly Michelly de Oliveira Maia por corrupção ativa. Eles são suspeitos de oferecer propina a um desembargador para soltar o miliciano Adalberto Ferreira de Menezes, conhecido como “Nenzinho”. As informações foram dadas pelo G1 .

Segundo a denúncia do MPRJ, o trio ofereceu R$ 190 mil ao desembargador do Tribunal de Justiça do Rio (TJRJ) Marcos André Chut para que ele concedesse um habeas corpus a Nenzinho . O miliciano foi preso por roubo e é apontado como um dos aliados de Wellington da Silva Braga, conhecido como Ecko.

Veja Também  Presos provisórios com guarda de crianças e deficientes ganham prisão domiciliar

O promotor Horácio Afonso da Fonseca e o advogado Marcus Vinícius foram até a casa de Chut e ofereceram os R$ 190 mil . Depois, o desembargador fez uma reclamação formal ao MPRJ sobre o ocorrido.

A denúncia do MPRJ aponta que o promotor Horácio Afonso da Fonseca “organizou desde o início a empreitada criminosa para a prática do delito de corrupção em questão”.

A ação foi assinada pelo subprocurador-geral de Justiça de Assuntos Criminais e de Direitos Humanos, Ricardo Ribeiro Martins, e ajuizada no Órgão Especial do TJRJ.

Comentários Facebook
Continue lendo

Policial

Política

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana