conecte-se conosco


Mulher

Magazine Luiza é acusado de ‘racismo reverso’, mas ‘racismo reverso’ não existe

Publicado

Mulher


source

Desde sábado (19), a hashtag #MagazineLuizaRacista aparece nos assuntos mais comentados no Twitter. O motivo: a empresa anunciou um programa de trainee exclusivo para pessoas negras , mas há quem enxergue a ação da varejista de “racismo reverso”.



a lu, avatar da magazine luiza, mostra um celular
Divulgação

A hashtag #MagazineLuizaRacista foi levantada por internautas brancos, que afirmam que trainees para pessoas negras é ato de racismo reverso


Quem aderiu à campanha contra o Magazine Luiza nas redes sociais afirma que criar um programa para pessoas negras seria fechar a porta para as brancas. Essa seletividade, para estes internautas, é vista como racista, pois passaria a ideia de segregação de oportunidades para pessoas negras.



Mas hashtag também está sendo usada por tuiteiros que afirmam que a acusação não faz sentido, pois “racismo reverso” não existe. Para argumentar, foram utilizados dados que apontam para o baixo número de pessoas negras em cargos de liderança em comparação com pessoas brancas. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 68,6% dos cargos gerenciais era ocupado por pessoas brancas e 29,9% por pessoas negras em 2018.

Veja Também  Jéssica Alves, ex-Ken Humano, perde conta no Tinder: "Me senti discriminada"



“O Magazine Luiza acredita que uma empresa diversa é uma empresa melhor e mais competitiva. Queremos desenvolver talentos negros, atuar contra o racismo estrutural e ajudar a combater a desigualdade brasileira”, afirmou diz Patrícia Pugas, diretora executiva de Gestão de Pessoas, ao site Money Times.

Segundo o advogado e filósofo Silvio Almeida, em seu livro “Racismo Estrutural”, o racismo vai além das ações pessoais de alguém, como insultos de uma pessoa branca a uma pessoa negra. De acordo com ele, o racismo é a maneira como instituições funcionam propositalmente para tornar oportunidades mais difíceis para negros e, assim, um grupo de pessoas consegue se privilegiar em detrimento de outras. O autor explica que, desta maneira, pessoas brancas conseguem se privilegiar de espaços em que pessoas negras têm desvantagens, como os cargos de liderança, por exemplo.

Racismo reverso é mito ou verdade?

Entende-se como “racismo reverso” que pessoas brancas sofreriam da mesma maneira o preconceito que sentem pessoas negras e não-brancas. No entanto, dentro dessa estrutura explicada por Almeida, pessoas brancas seguem ocupando a maior parte dos espaços de poder e têm posições sociais e econômicas mais favorecidas do que pessoas negras.

No livro “Pequeno Manual Antirracista”, a filósofa  Djamila Ribeiro explica que pessoas brancas sofrem violências diferentes das que sofrem pessoas negras. Quando se trata do argumento de que pessoas brancas também podem não ter condições de entrar nesses espaços, Djamila explica que, mesmo assim, uma pessoa branca e de classe baixa ainda terá o privilégio de raça.

Veja Também  Você é dinâmico? Veja no ranking dos signos mais elétricos

“Ainda que uma pessoa branca tenha atributos morais positivos […], ela não só se beneficia da estrutura racista como muitas vezes, mesmo sem perceber, compactua com a violência racial”, diz a filósofa no livro.


“Se uma empresa está focada em quem cursou universidade de elite ou tem inglês fluente, isso pode significar que apenas pessoas privilegiadas poderão enviar seus currículos”, explica Ribeiro em trecho do livro. “Pois sabemos que, no Brasil, estudar outro idioma ou fazer um intercâmbio não é acessível para todo mundo”, acrescenta.

“Atualmente, temos em nosso quadro de funcionários 53% de pretos e pardos. E apenas 16% deles ocupam cargos de liderança. Precisamos mudar esse cenário”, afirmou a conta do Magazine Luiza em seu perfil no Twitter sobre o programa de trainee para pessoas negras. “Queremos desenvolver talentos negros como nossas futuras lideranças e ajudar a ampliar a voz da negritude no processo de digitalização no Brasil”, explicou o grupo.

Em janeiro de 2020, A Justícia Federal de Goiás absolveu um jovem oacusado de “racismo reverso”  e, na ocasião, o juiz afirmou: “Não existe racismo reverso, dentre outras razões, pelo fato de que nunca houve escravidão reversa, nem imposição de valores culturais e religiosos dos povos africanos e indígenas ao homem branco, tampouco o genocídio da população branca, como ocorre até hoje o genocídio do jovem negro brasileiro.”

Fonte: IG Mulher

Comentários Facebook

Mulher

Elementais da água: Conheça mais sobre as sereias, ondinas e ninfas

Avatar

Publicado


source

João Bidu

undefined
Ana Melo

Elementais da água: Conheça mais sobre as sereias, ondinas e ninfas

As sereias despertam a atenção por sua beleza e canto, assim é como descrevem a maioria dos contos sobre essas criaturas fantásticas. Representadas sempre como belas mulheres com cauda de peixe da cinturas para baixo, as sereias são apenas um dos espíritos da natureza que representam os elementais da água.

Os elementais da água são as sereias, as ondinas e as ninfas. O elemento água representa as emoções, a purificação e o mundo dos sonhos. Cada um desses espíritos podem ser encontrados em lugares específicos, como rios, riachos, mares, lagos etc. Entretanto, os elementais podem estar em qualquer lugar que tenha presença e ação da água, como as gotas de água em uma teia de aranha, no ciclo natural da água e lugares de clima bem úmidos.

Os elementais da águas são conhecidos e representados pela arte e contos como seres bastantes belos e delicados, sempre com algumas características humanas. Há bastante diversidade sobre a aparência desses seres, principalmente, sobre as ondinas. Alguns dizem que são pequenas ondas do mar ou que se parecem com as sereias. Uma coisa que sabemos é que existem diferentes tipos desses elementais da água que variam de tamanho e preferência de lugar. Onde houver água, elas estarão lá.

Veja Também  Elementais da água: Conheça mais sobre as sereias, ondinas e ninfas

Assim, como nós, os elementais da água em desequilíbrio podem causar desastres naturais, mas, quando isso ocorre, dizem que é um reflexo das nossas emoções como humanidade que não estão em harmonia. É através da água que se faz a purificação e pela qual podemos alcançar um equilíbrio emocional, por isso a limpeza de algumas pedras é feita com água corrente ou com um copo de água na janela. 

Para chamar esses elementais não é preciso de muita coisa além de um copo de água, só tenha cuidado com água parada e água suja, tanto pela questão de saúde pública quanto pela a atenção de manter o espaço sempre receptivo para esses elementais que não gostam de bagunça e sujeira. 

Características

Temperamento: Observadoras, sensíveis e empáticas.

Signos regidos pelo elemento Água: Câncer, Escorpião e Peixes.

Direção de poder: Oeste.

Representação: Copo de água, pedra-marinha, espelho e conchas.

LEIA TAMBÉM:

Elementais do Ar: conheça mais sobre as fadas! 

Elementais da Terra: Conheça mais sobre os duendes e gnomos

Veja Também  Horas mágicas: conheça os momentos poderosos do dia

Descubra os benefícios da Cristaloterapia

Fonte: IG Mulher

Comentários Facebook
Continue lendo

Mulher

Dominatrix leva homem para passear de coleira em supermercado

Avatar

Publicado


source

Uma cena um tanto quanto incomum viralizou na internet. Imagine que você está fazendo compras em um supermercado, quando avista uma mulher entrando na loja puxando um homem por uma coleira. Foi exatamente isso que os consumidores em um mercado em Los Angeles, nos Estados Unidos, presenciaram. Um homem que estava por lá tirou uma foto e compartilhou no Twitter, nem é preciso dizer que o post viralizou. 

dominatrix
Reprodução/Twitter

Dominatrix é flagrada levando homem para passear de coleira

A dominatrix foi identificada como a Senhora Lark e deu uma entrevista ao site Daily Dot falando sobre a cena do supermercado. Ela contou que estava passeando com o submisso, que ia andando atrás dela de quatro como se fosse literalmente um cachorro, quando decidiu parar comprar um suco. Lark entrou no mercado e viu várias pessoas apontando os celulares para ela, tirando fotos e fazendo vídeos. 

“Eu só queria um suco. Eu estava passeando com meu sub e alguns amigos fazendo compras. Nós paramos no mercado e muitas pessoas prestaram atenção, mas o segurança deixou a gente passar e fazer a compra antes de pedir para nós sairmos de lá”, a dominatrix contou. 

Lark também falou um pouco sobre sua trajetória dentro do sadomasoquismo. Ela contou que começou a trabalhar com isso quando ficou sem casa aos 18 anos, após ser abusada sexualmente por um parente. Atualmente, ela diz preferir trabalhar com clientes a médio e longo prazo, ao invés de sessões curtas de dominação.

Fonte: IG Mulher

Comentários Facebook
Continue lendo

Policial

Política

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana