conecte-se conosco


Politica MT

Durante live com deputado, CRM-MT pede para população evitar aglomerações e usar máscara

Avatar

Publicado


.

Foto: Rose Domingues Reis / Gabinete do deputado Dr. Gimenez

 

As medidas de prevenção ao novo coronavírus (Covid-19) foram reforçadas durante a Live realizada pelo deputado estadual e médico Dr. Gimenez (PV), durante a noite de quinta-feira (23) com a presidente do Conselho Regional de Medicina de Mato Grosso (CRMT-MT), Hildenete Monteiro Fortes. Isolamento e distanciamento social, uso de máscara e higienização das mãos são os principais aliados da população no enfrentamento à pandemia.

Dr. Gimenez questionou o CRM-MT sobre a utilização de medicamentos profilácticos, como a ivermectina, inclusive por prefeituras de Mato Grosso, na intenção de gerar imunização à população. Mas o posicionamento do conselho é contrário, entre os motivos apresentados estão a falta de eficácia comprovada para a Covid-19 e ausência de protocolo adequado.

 “Qual a dosagem? Será ministrado semanal, quinzenal ou mensal? Como cada paciente está sendo avaliado do ponto de vista de utilização desse medicamento? Não temos comprovação de que funcione para coronavírus, além disso, é preocupante observar que a falsa sensação de imunização leve o cidadão a ter hábitos menos exigentes e com isso fica vulnerável a pegar a doença”, afirma Hildenete Fortes.

Para o parlamentar, é importante esclarecer à população sobre a importância de não se “automedicar”, tanto com a ivermectina como outros remédios que compõem o “kit covid”, pois precisam de orientação médica para sua utilização. “Não podemos permitir que isso se torne um “drive thru”. O paciente, primeiramente, deve ir a um centro de triagem avaliar se está mesmo com a doença e em qual estágio se encontra, para receber tratamento individualizado”.

A médica Hildenete pontuou que existem seis subtipos do vírus, portanto, mesmo já tendo sido infectado uma vez, ninguém está livre de pegar novamente. “Trabalhamos junto com a Assembleia Legislativa na orientação sobre o kit medicamentoso, mas sempre alertando que a prescrição deve ser de um profissional médico, ele tem autonomia para receitar e acompanhar o paciente, inclusive a cloroquina carece de uma autorização por ter muitos efeitos colaterais”.  

Baixa médica – Um total de 23 profissionais da saúde morreram em Mato Grosso vítimas da Covid-19 até o início desta semana, sendo cinco médicos e 18 enfermeiros e técnicos de enfermagem. Foram mais de 900 profissionais da área infectados, dos quais 260 médicos. Para a presidente do CRM-MT, vários fatores contribuem para esse quadro.

“O governo demorou muito para agir porque não acreditou na proporção da pandemia. Na verdade, já tínhamos uma falta de leitos de UTI muito antes da Covid-19, mas os problemas ficaram mais evidentes nessa situação de crise, portanto, faltou planejamento do Estado e dos municípios para abrir novos leitos de UTI e também fazer treinamento dos profissionais”.

Uma das soluções encontradas pelo CRM-MT é obrigar as unidades de saúde a contratar pelo menos um médico experiente para acompanhar as equipes nas UTIs ou trazer médicos de outros estados, que já passaram pela fase mais crítica da doença, para dar suporte à saúde em Mato Grosso. 

Fonte: ALMT

Comentários Facebook

Politica MT

Atividades legislativas são otimizadas no primeiro semestre de 2020

Avatar

Publicado


.

Foto: FABLICIO RODRIGUES / ALMT

 Economia em constante crescimento, redução dos gastos públicos, melhorar a logística para a exportação da produção agropecuária, melhorar a malha viária estadual, estruturar com qualidade a educação e a saúde e atrair novos investimentos para Mato Grosso. Esses eram alguns dos pontos que seriam discutidos pela Assembleia Legislativa, no primeiro semestre de 2020, no decxorrer dos trabalhos da Casa de Leis. 

Entretanto, a crise sanitária mundial, instalada com a pandemia do novo coronavírus, mudou parte da pauta de trabalho e a forma de os parlamentares exercerem suas atividades legislativas. A Covid-19 teve o epicentro na China, na cidade de Wuhan, no final de 2019. No Brasil, o primeiro caso surgiu em fevereiro de 2020, em São Paulo. Em Mato Grosso, o vírus fez a primeira vítima em março, em Cuiabá. 

Em Mato Grosso, o caos na saúde foi uma questão de tempo. Preocupados com a situação e com o objetivo de minimizar a falta de regras tributárias e sanitárias para o enfrentamento da Covid-19, os deputados resolveram votar matérias – todas com dispensa de pauta – que reduzem o custo de importação e a produção de artigos usados nas unidades hospitalares públicas e privadas em Mato Grosso. 

Para acelerar a tramitação das matérias exclusivas de combate ao vírus, a Mesa Diretora publicou a primeira Resolução Administrativa nº 07/2020, no dia 17/3/2020, alterando os trabalhos administrativos e a forma de realização das sessões ordinárias e extraordinárias, das reuniões de comissões permanentes, das lideranças partidárias e audiências públicas. Passariam, então, a ser feitas de forma remota. 

 Já os servidores efetivos e comissionados passaram a executar as atividades administrativas de forma home office. O acesso do público externo nas dependências da Assembleia Legislativa foi restrito. O atendimento feito no Espaço Cidadania João Paulo II – Procon, Defensoria Pública e Politec – foi suspenso. A medida restritiva sanitária atendia as diretrizes da Organização Mundial de Saúde (OMS) para evitar a propagação do vírus. 

Nesses quatro meses de trabalho remoto, as pautas das matérias com vista ao combater a Covid-19 foram intensificadas. Nesse interim, os deputados estaduais apresentaram 277 proposições voltadas a minimizar o caos do novo coronavírus às famílias e aos setores produtivos mato-grossenses. Desse total, 26 já viraram leis e estão em pleno vigor. Uma das propostas que virou Lei é a que reduz o ICMS de produtos utilizados por médicos, cidadãos, hospitais e laboratórios e comércios no combate à Covid-19.

Mas os debates não ficaram restritos a discutir e votar proposta para combater a doença; outros temas também foram debatidos pelos parlamentares. Antes de o presidente Eduardo Botelho (DEM) suspender as atividades legislativas por 18 dias em cumprimento ao recesso administrativo do Parlamento, os deputados e a equipe econômica do governo, em parceria com a sociedade civil organizada, realizaram duas audiências públicas para discutir o Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentária – PLDO nº 503/2020, que já recebeu 78 emendas.  

Ainda no primeiro semestre de 2020, mesmo tendo sido apresentado no final de 2019, os deputados aprovaram em 2ª votação o Projeto de Lei Complementar nº 96/2019, que alterou a alíquota da Previdência dos servidores públicos estaduais do Estado de Mato Grosso de 11% para 14%. O governo do estado já está descontando esse novo percentual dos salários dos servidores estaduais. 

Nessa mesma linha, os deputados discutiram mais duas propostas que mexem com a vida do servidor público estadual. Ambas foram aprovadas em primeira votação. Uma delas é a Proposta de Emenda à Constituição nº 06/2020, da Reforma da Previdência, que já recebeu 112 emendas. Esse texto altera o tempo de contribuição e a idade mínima à aposentadoria dos servidores. A PEC foi aprovada em 1ª votação.  

Outra matéria que obrigou os deputados a manterem diálogo constante entre os servidores estaduais e as equipes econômicas do governo é o Projeto de Lei Complementar n 06/2020, instituindo o Regime de Previdência Complementar para os servidores públicos titulares de cargo efetivo, membros dos órgãos que menciona e militares do Estado de Mato Grosso. Esse PLC já foi aprovado em 1ª votação e tem 10 emendas em seu texto original.  

Nesse período de pandemia, outras pautas também mobilizaram o Parlamento. Uma delas trata da volta às aulas, tanto dos alunos das redes públicas e privadas de Mato Grosso. Para isso foi instalada uma Comissão Especial para discutir o assunto com os diversos segmentos ligados a educação fundamental, médio e superior no Estado. Até o momento, a tese formada é de as aulas voltarem de forma gradual e com segurança. 

É importante destacar que o trabalho das comissões permanentes, mesmo com o acesso limitado, a Assembleia Legislativa realizou diversas reuniões ordinárias e extraordinárias, possibilitando que as proposições estivessem aptas para serem votadas em Plenário. Antes da Covid-19, a Comissão de Saúde, Previdência e Assistência Social realizou várias visitas às unidades hospitalares tanto de Cuiabá como as do interior do estado. 

Os deputados também aprovaram projetos de resolução que reconhecem o estado de calamidade pública de 35 municípios mato-grossenses, de um total de 141. De acordo com as proposições, as cidades, por motivo inesperado na saúde pública causado pelo novo coronavírus, não precisam cumprir os prazos legais à, por exemplo, contratação imediata de pessoal para fazer frente às necessidades emergenciais no combate a Covid-19.  

Enquanto isso, durante esse período de pandemia, nove deputados e pelo menos 38 servidores da Assembleia Legislativa foram contaminados pela Covid-19. Os deputados que testaram positivo ao novo coronavírus foram: Paulo Araújo (PP), Ondanir Bortolini – Nininho (PSD), Eduardo Botelho (DEM), Faissal Calil (PV), Allan Kardec (PDT), Max Russi (PSB), Wilson Santos (PSDB), Valmir Moretto (PRB) e Thiago Silva (MDB). 

Fonte: ALMT

Comentários Facebook
Continue lendo

Politica MT

Silvio Fávero destina mais de R$ 2 milhões em emendas para Lucas do Rio Verde

Avatar

Publicado


.

Foto: ANGELO VARELA / ALMT

Em menos de dois anos de mandato parlamentar, o deputado estadual Silvio Fávero destinou mais de R$ 2 milhões em emendas parlamentares ao município de Lucas do Rio Verde, sua base política, que comemora nesta quarta-feira (05.08), 32 anos de emancipação político-administrativa.

Dentre os segmentos beneficiados estão a segurança pública, com a destinação de R$ 1 milhão para as obras de construção do quartel do 13º Batalhão da Polícia Militar de Lucas do Rio Verde. Em uma área total de 18 mil metros quadrados, o batalhão também abrigará, futuramente, a Escola Militar que já funciona na cidade com 355 alunos. Com a nova sede, serão ampliadas para 1.200 vagas, com a destinação de outra emenda parlamentar do deputado Silvio também no valor de R$ 1 milhão.

Além de ajudar e estar desde sempre envolvido nas causas sociais do município, Silvio Fávero também, como deputado estadual, já destinou verba para a aquisição de um ônibus para a APAE no valor de R$ 342 mil; ambulância equipada com suporte avançado para o Município e viaturas para o Corpo de Bombeiros; construção da quadra poliesportiva da Escola Estadual Márcio Shabat e no bairro Primaveras; verbas direcionadas para as Escolas Ângelo Nadin, Dom Bosco e Manoel de Barros; além da viatura para as polícias civil é militar, entre outras ações direcionadas para a cidade.

No dia em que em o município de Lucas do Rio Verde comemora 32 anos de emancipação política, o parlamentar relembra o início da sua história e faz questão de parabenizar a cidade que o recebeu de braços abertos em 1990 e que foi a base para seu crescimento profissional, pessoal e familiar.

“Meu saudoso e finado pai sempre esteve certo quando lá, no início da fundação de Lucas do Rio Verde, me dizia que esta seria a minha cidade. Muito obrigado Lucas do Rio Verde pela oportunidade de crescimento. Obrigado a todos que fizeram e que fazem parte dessa história de progresso”, destacou Fávero.

Silvio Fávero iniciou sua trajetória profissional em Lucas do Rio Verde em 1990, atuando como advogado. Foi secretário de administração municipal, procurador do município, vice-prefeito e atualmente exerce o mandato de deputado estadual com forte atuação no município.

Fonte: ALMT

Comentários Facebook
Continue lendo

Policial

Política MT

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana