conecte-se conosco


Destaque

Sepultamento em tempos de covid-19 exige mudança de rituais

Publicado

Destaque

 

vlóro
Creative Commons

Velório

Diante da pandemia do novo coronavírus, dezenas de famílias se viram obrigadas a passar pelo processo de morte e luto de um ente querido à distância. Sem velórios ou com um número reduzido de pessoas e de tempo, com caixões lacrados, os enterros em tempos de covid-19 exigiram mudanças como participação de parentes via chamada de vídeo, rituais religiosos pela internet ou mesmo cerimônias solitárias.

“Os rituais diante da morte são muito importantes, porque regularizam as experiências, fornecem um lugar seguro, desde um lugar físico, até um lugar afetivo importante para expressão das emoções, para que as pessoas possam enfrentar este momento juntas. Com a covid -19, esses rituais, que tinham função apaziguadora, organizadora, não estão acontecendo, e isso representa um risco para o luto complicado após a morte, porque não foram feitas as despedidas” afirma a coordenadora do Laboratório de Estudos e Intervenções sobre Luto da PUC-SP, professora Maria Helena Pereira Franco.

A docente prevê um tempo bastante difícil no que diz respeito à saúde mental e o luto: “As pessoas que apresentam um luto complicado vão ter algumas demandas que precisarão ser atendidas, como por exemplo, buscarão mais os serviços de saúde, pois ficarão mais atentas a algum sintoma, terão mudanças no sistema imunológico, ficando mais suscetíveis a adoecer”.

Ela explica que haverá impacto também no âmbito social, na relação com grupos maiores, nas relações familiares. “Inclusive, por não terem a oportunidade de se despedir, podem ficar com a expectativa de que aquela morte não aconteceu, porque não tiveram a concretude da morte que os rituais proporcionam”, explica. Para Maria Helena, é importante pensar em alternativas e adapatações a esta falta, justamente porque é importante que o luto seja feito, nem que seja uma reunião online com amigos e familiares da pessoa falecida.

Veja Também  Vereador é cassado após pagar professora para ensinar analfabeta a escrever carta e registrar sua candidatura em sorriso

Rituais religiosos

Do ponto de vista religioso, o contato físico diante da morte é também uma forma de prestar solidariedade e acolhimento, afirma o professor da Faculdade de Teologia da PUC-SP, padre Sérgio Lucas.

“A perda de um ente querido é sempre uma experiência de dor, mesmo quando se dá ao final de um longo processo de adoecimento. Para lidar com esse evento, muitas pessoas recorrem às práticas religiosas, que podem oferecer significativa ajuda, mas com o distanciamento social provocado pela covid-19 refletimos sobre a possibilidade de realizar os rituais religiosos fúnebres de outras formas”, informa o professor.

Ele explica, que mesmo que não seja um ritual religioso, a despedida é importante. “No momento do falecimento, as pessoas se reúnem e elaboram algum ritual de despedida, um ritual que pode ser laico, pode ser conduzido por um conhecido, um próprio membro da família, não precisa ser nada elaborado, e é muito importante e significativo que se tenha esse momento, porque é a hora que as pessoas podem expressar suas emoções, naquele momento tão difícil no qual a gente se despede de uma pessoa que partiu”.

Padre Lucas explica, porém, que existem os rituais religiosos e que há a possibilidade de um ritual fúnebre religioso mesmo com a situação de isolamento social: “Não temos como elaborar um ritual com todas as partes que geralmente se faz, com as pessoas participando, esse talvez não seja tão simples de ser organizado num momento desse, mas é fundamental que as famílias saibam que existe a possibilidade. Após notificar um religioso, é bom que se organize um tempo breve, pouco antes do sepultamento ou cremação, e nesse tempo a gente possa fazer uma chamada de vídeo, usar essas plataformas para congregar mais pessoas, e fazer algumas das orações que são feitas nesse momento específico que possam fortalecer essas famílias”.

Veja Também  Fugitivo de unidade prisional do Pará é recapturado pela Polícia Civil

A despedida pode ajudar os entes a ter um consolo: “A importância desse ritual é justamente porque acentua o fato de que essa pessoa querida não está saindo da nossa vida de qualquer jeito, é preciso oferecer alguma coisa para essa pessoa que está partindo, e isso pode ser muito confortante para os entes sobreviventes”.

Luto complicado

O professor explica que os rituais são importantes para evitar o ‘luto complicado’. “Um conforto maior para que se possa evitar o que na psicologia nós chamamos de ‘luto complicado’, porque nem todas as pessoas conseguem lidar com facilidade com a morte. Aliás lidar com a morte é sempre difícil, mas algumas têm mais dificuldade em lidar e desenvolvem o luto complicado. A realização de um ritual religioso pode ser o fator de prevenção de um luto complicado”.

Padre Lucas diz ainda que, mesmo que não se consiga fazer um ritual nesse momento próximo ao sepultamento, pode ser organizado sim um encontro virtual com várias pessoas e nesse encontro pode-se organizar um ritual de despedida, de manifestação e expressão de sentimentos, no qual os familiares podem falar sobre aquilo que vem ao coração.

“Isso, talvez, minimize a dor das pessoas que perdem seus entes queridos e se veem [por conta da pandemia], limitadas a expressar seus sentimentos e manifestar um gesto de despedida dessas pessoas”, finaliza.

Fonte: IG Nacional

Comentários Facebook

Destaque

Rotam desmonta quadrilha e recupera peças de celulares furtadas em tombamento na Serra de São Vicente

Avatar

Publicado

 

Equipes da Rotam prenderam nesta terça-feira (26.01), oito homens por formação de quadrilha, receptação, porte ilegal de arma de fogo, furto e tráfico de droga. Na ação, foram recuperados 71 frentes de celulares, 33 baterias e 90 placas de aparelhos. E apreendidas duas espingardas de calibres 22 e 28, uma pistola calibre 22, nove celulares, 17 munições e porções de maconha e cocaína.

Os policiais realizavam patrulhamento e foram informados que um grupo de pessoas estaria em um lava jato, no bairro São João Del Rey, vendendo e comprando peças novas de celulares.

No local estavam cinco homens, sendo que um deles confirmou a informação e contou que as peças foram furtada de um caminhão tombado na Serra de São Vicente, na segunda (25). Parte do material foi encontrada em sua casa e o restante teria dividido com outros homens que moravam em chácaras na Serra de São Vicente.

No imóvel denunciado, o proprietário confirmou o crime e mais peças foram encontradas, além de uma pistola e munições. Ele apontou a casa dos comparsas onde estaria o restante das peças.

Veja Também  Condenada por matar Isabele sai de isolamento após 7 dias e passará a conviver com outras menores em socioeducativo

No imóvel seguinte, o dono assumir ter furtado o material e o restante estaria em um dos cômodos da casa. Ele apontou seu vizinho também envolvido na ação criminosa.

Na outra chácara, o suspeito também confessou ter participado do furto e o resto dos produtos encontrados em um dos cômodos da propriedade. Na vistoria, os militares ainda encontraram duas espingardas, porções de maconha e cocaína e cartuchos.

Serviço

A sociedade pode contribuir com as ações da Polícia Militar de qualquer cidade do Estado, pelo 190 ou, sem precisar se identificar, por meio do disque-denúncia 0800.65.3939. Nesse número, sem custo de ligação, qualquer cidadão pode informar situações suspeitas ou crimes. Exemplos: a presença de foragidos da Justiça com mandado de prisão em aberto e ponto de venda de droga.

Fonte: PM MT

Comentários Facebook
Continue lendo

Destaque

Outras duas pacientes de Rondônia chegam a MT e são internadas na UTI do Hospital Metropolitano

Avatar

Publicado

 

Mais duas pacientes de Rondônia foram transferidas para Mato Grosso na madrugada desta quarta-feira (27.01). Duas mulheres, de 60 e 53 anos, foram transferidas de Porto Velho para Várzea Grande e deram entrada na Unidade de Terapia Intensiva do Hospital Metropolitano.

Transportadas pela aeronave do Corpo de Bombeiros de Rondônia, as pacientes desembarcaram às 5h no Aeroporto Marechal Rondon e foram conduzidas pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) à unidade hospitalar.

Até o momento, um total de quatro pacientes foram transferidos de Rondônia para Mato Grosso. Eles apresentaram quadro clínico de emergência, com a necessidade de atendimento imediato, sendo transportados após a disponibilização de leitos por parte do estado.

Em entrevista coletiva nesta terça-feira (26.01), o secretário estadual de Saúde, Gilberto Figueiredo, disse que é preciso levar em consideração a universalidade do Sistema Único de Saúde (SUS) e ser solidário aos familiares e pacientes que anseiam pela assistência hospitalar.

“Dentro do princípio de que é o SUS, não existe leitos exclusivos de Mato Grosso, de São Paulo ou do Rio de Janeiro. Existem leitos do Sistema Único de Saúde e, neste momento, levando em consideração a nossa taxa de ocupação que está em 67% para UTIs adulto, temos que ser solidários com os estados que estão colapsados precisando de leitos”.

Veja Também  Rotam desmonta quadrilha e recupera peças de celulares furtadas em tombamento na Serra de São Vicente
Fonte: GOV MT

Comentários Facebook
Continue lendo

Policial

Política

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana