conecte-se conosco


Economia

Caged: carreiras na linha de frente contra covid-19 tiveram perda real

Avatar

Publicado


.

Um levantamento feito a partir de dados oficiais do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) mostra que a maioria das carreiras que hoje está mobilizada no combate à disseminação do novo coronavírus e no atendimento a enfermos, vítimas da pandemia, sofreu queda real nos vencimentos em 2019.

Salários de profissionais contratados no ano passado como enfermeiros, biólogos, biomédicos, biotecnologistas, químicos e farmacêuticos, portadores de diploma de ensino superior, perderam poder aquisitivo face a reajuste abaixo da inflação. O estudo foi divulgado pela plataforma Quero Bolsa, utilizada por estudantes para obtenção de auxílio no ingresso em faculdades privadas em todo o país.

Conforme nota distribuída à imprensa, as contratações de enfermeiros em 2019 tiveram valor médio R$ 3.309,99 – 3,08% acima do valor no ano anterior (R$ 3.211,23). O percentual é abaixo da inflação, medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que ao longo do ano passado foi 4,3%.

As contrações dos biomédicos tiveram valor médio de R$ 2.557,18 – reajuste também de 3,08% sobre a média do ano anterior (R$ 2.481,61). Entre os farmacêuticos, o índice de aumento das remunerações foi 2,94% – passando de R$ 3.125,57 em 2018 para R$ 3.217,48.

No caso dos biotecnologistas, o aumento do valor médio das contratações foi de 2,17% – subindo de R$ 3.603,71 para R$ 3.681,96. Já os químicos perceberam reajuste de 1,34% – de R$ 4.279,07 para R$ 4.336,34.

Em termos de percentuais de ajustes, a pior situação verificada foi a dos biólogos – o salário médio pago nas novas contratações teve baixa de 0,7% entre 2018 e 2019. “O valor recebido pelos profissionais passou de R$ 3.102,22 para R$ 3.080,63”, aponta a nota da plataforma.

Segundo a Quero Bolsa, as carreiras da medicina envolvidas na prevenção e cuidados aos doentes “tiveram ganho real de salário”. De acordo com a comparação, “em média, médicos clínicos receberam R$ 6.596,75, em 2019, alta de 6,65% em relação a 2018, quando o salário pago foi de R$ 6.185,47. Já os médicos infectologistas receberam R$ 6.958,02, alta de 8,17% em relação a 2018. Naquele ano, o salário médio foi de R$ 6.432,4.”

Edição: Fábio Massalli

Comentários Facebook

Economia

Em queda pela quinta sessão, dólar fecha no menor valor em um mês

Avatar

Publicado


.

Em um dia de alívio nos mercados internacionais, o dólar fechou no menor valor em quase um mês. A bolsa de valores (B3) oscilou bastante ao longo da sessão, mas encerrou com pequena queda.

O dólar comercial encerrou esta terça-feira (26) vendido a R$ 5,36, com recuo de R$ 0,098 (1,8%). Na mínima do dia, o dólar chegou a ser vendido a R$ 5,33, mas a queda desacelerou perto do fim da sessão. A cotação fechou no menor nível desde 29 de abril (R$ 5,355). A moeda norte-americana acumula alta de 33,57% em 2020.

O euro comercial fechou o dia vendido a R$ 5,879, com recuo de 0,87. A libra comercial caiu 0,43% e terminou a sessão vendida a R$ 6,612.

O Banco Central (BC) interveio pouco no mercado hoje (26). A autoridade monetária ofertou até US$ 620 milhões para rolar (renovar) contratos de swap cambial – venda de dólares no mercado futuro – que venceriam em julho.

Bolsa de valores

No mercado de ações, o dia foi marcado pela volatilidade. O Ibovespa, índice da B3 (bolsa de valores brasileira), fechou o dia aos 85.469 pontos, com queda de 0,23%. A bolsa chegou a operar com alta de 1,95% pela manhã, mas passou a oscilar ao longo do dia até chegar perto da estabilidade.

O Ibovespa descolou-se do mercado norte-americano. O índice Dow Jones, da Bolsa de Nova York, fechou a terça-feira com alta de 2,17%. O índice de confiança do consumidor norte-americano apresentou leve recuperação em maio, depois de uma queda em abril.

O anúncio da Organização Mundial da Saúde (OMS) de que duas vacinas contra o novo coronavírus (covid-19) estão sendo testadas em humanos e da reabertura do turismo estrangeiro na Itália em junho e na Espanha em julho também animou os mercados. Paralelamente, o Reino Unido estuda a reabertura do comércio no próximo mês.

Há várias semanas, mercados financeiros em todo o planeta atravessam um período de nervosismo por causa da recessão global provocada pelo agravamento da pandemia do novo coronavírus. Nos últimos dias, os investimentos têm oscilado entre possíveis ganhos com o relaxamento de restrições em vários países da Europa e em regiões dos Estados Unidos e contratempos no combate à doença.

Edição: Fernando Fraga

Comentários Facebook
Continue lendo

Economia

Inflação da construção civil sobe para 0,21% em maio

Avatar

Publicado


source

O Índice Nacional de Custo da Construção ( INCC-M ), divulgado nesta terça-feira (26), no Rio de Janeiro, pela Fundação Getulio Vargas ( FGV ), subiu para 0,21% em maio contra 0,18% de abril.

Tem passagem da Latam? Saiba como a recuperação judicial afeta os brasileiros

Com o resultado, o INCCM acumula inflação de 1,37% no ano e de 4,14% em 12 meses.

Inflação da construção civil sobe em maio
Reprodução

Inflação da construção civil sobe em maio


Os materiais e equipamentos tiveram inflação de 0,56% em maio, acima do 0,44% de abril. Já os serviços registraram inflação menor em maio (0,02%) do que em abril (0,13%).

A mão de obra teve, em maio, estabilidade de preços , assim como ocorreu no mês de abril.

Comentários Facebook
Continue lendo

Policial

Política MT

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana