conecte-se conosco


Economia

Maia afirma que fim do isolamento é pressão da Bolsa

Avatar

Publicado


source

O presidente da Câmara , Rodrigo Maia ( DEM-RJ ), declarou em reunião com governadores , nesta quarta-feira (25), que é preciso “equilibrar vidas e empregos”.

Mega-Sena suspensa? Nada disso! Caixa define programação de loterias

Além disso, Maia orientou aos gestores sairem do debate sobre a necessidade de isolamento social, como sugerido por Jair Bolsonaro . De acordo com o presidente da Câmara , o debate interessa apenas aos investidores da Bolsa de Valores .

Rodrigo Maia arrow-options
Luis Macedo/Câmara dos Deputados – 10.7.19

Rodrigo Maia


” Temos que sair desse enfrentamento, sobre sair ou não do isolamento. Isso nada mais é do que a pressão de milhares de pessoas que aplicaram seu recursos na Bolsa , acreditaram no sonho da prosperidade da Bolsa a 150 mil pontos, ela está a 70 mil por vários problemas”, afirmou Maia .

“Eles são assim, eles vivem de estatísticas, todos nós que fazemos política vivemos das vidas. E é isso que temos que saber equilibrar. As vidas e os empregos. Estamos aqui para ajudar”, completou o presidente da Câmara .

Maia também afirmou que o secretário do Tesouro , Mansueto Almeida , se comprometeu em enviar, na quinta (26), sugestões ao texto que tramita na Câmara , que permitirá aos estados realizarem cortes de despesas com pessoal.

“Eu disse a eles que se o governo não mandasse, o Congresso iria legislar para ter uma solução para esse assunto”, afirmou Maia .

Coronavírus: ruralistas querem tributos para garantir abastecimento

“Fica parecendo que eles estão esticando a corda exatamente para obrigar a sociedade ir pra rua e ficar em estado de maior pânico em relação aos próximos passos”, completou.

Por último, Maia afirmou que o Congresso irá tentar elevar a renda mínima dos informais , prometida pelo governo nesta quarta (25), de R$ 300.

Comentários Facebook

Economia

Indicador do Ipea de formação de capital fixo cresce 1,2% em fevereiro

Avatar

Publicado


.

O Indicador Mensal de Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF) do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) cresceu 1,2% em fevereiro, se comparado ao mês anterior e representou a segunda alta consecutiva, após os 7,9% de janeiro. No entanto, no trimestre móvel terminado em fevereiro, houve queda de 0,2%, mas positivo em relação ao mesmo período de 2019, quando registrou elevação de 4,4%.

No acumulado em 12 meses, os investimentos voltam a subir de 2,7% para 2,8%. Na comparação com o ano anterior, a FBCF atingiu um patamar 6,3% superior ao verificado em fevereiro de 2019. Os dados foram divulgados hoje (6) pelo Ipea.

O Indicador de Formação Bruta de Capital Fixo formado pelos segmentos de máquinas e equipamentos, construção civil e outros ativos fixos, mede os investimentos em aumento da capacidade produtiva da economia e na reposição da depreciação do seu estoque de capital fixo.

Conforme o Ipea, a produção nacional de máquinas e equipamentos cresceu 4,2% em fevereiro, também na comparação com janeiro, mas a importação subiu 25% no mesmo período. Já o indicador de construção civil caiu 1,6%.

Quando a comparação é com fevereiro de 2019, a construção civil teve elevação de 2,8%, e o segmento máquinas e equipamentos de 9,5%.

Edição: Valéria Aguiar

Comentários Facebook
Continue lendo

Economia

Produção nacional de automóveis teve queda de 21,8% em março

Avatar

Publicado


.

A Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea) informou hoje (6) que a produção nacional de automóveis em março teve queda de 21,1%, em relação a março de 2019. Já o nível de licenciamentos caiu 21,8% no período. De acordo com a entidade, os resultados foram consequência da pandemia da covid-19, que provocou a queda de quase 90% das atividades do segmento.

Ao todo, foram fabricadas 189.958 unidades, ante 240.763 unidades de março de 2019. A diferença de fevereiro para março foi de 7%, enquanto a variação no acumulado de janeiro a março foi de 16%. Como a produção, o volume de unidades exportadas também foi reduzido em 21,1% na comparação com março de 2019, passando de 39.018 unidades para 30.772.
Segundo o presidente da Anfavea, Luiz Carlos Moraes, “pode-se identificar com clareza a influência da pandemia nos índices, já que se registrava um aumento de 9% nas vendas até o começo da segunda quinzena, no acumulado do ano”. Para Moares, as circunstâncias levam a acreditar que o cenário para abril será preocupante.

“Tivemos dois momentos no mês de março. A primeira quinzena rodando normal, dentro do que a gente imaginava que seria possível vender e emplacar, e uma segunda quinzena, muito impactada pelo efeito da crise”, disse.

Moraes ressaltou que houve uma redução de 86,5% na média diária de licenciamentos, da primeira semana de março para a última. “Isso confirma a preocupação em relação ao atual momento que nós estamos passando”.

Caminhões

Moraes destacou ainda que, ao contrário dos automóveis, as vendas de caminhões apresentaram pouca oscilação quanto a fevereiro deste ano. Em março, manteve-se o mesmo desempenho, de cerca de 6,4 mil unidades emplacadas. Uma das saídas para esse tipo de negociação, explicou o presidente da associação, tem sido o contato direto entre montadoras e clientes.

Quanto às máquinas agrícolas e rodoviárias, observa-se um aumento de 46% na comercialização ante fevereiro, e de 10,3% em relação aos números de março de 2019. No total, foram vendidas 4.140 unidades.

Apesar da apreensão manifestada, o presidente da Anfavea salientou que a perspectiva para o segmento deverá repetir um padrão já vivenciado por países em que a pandemia chegou antes, como China, Itália, França e Espanha. Para fundamentar o argumento, utilizou como referência a variação nos licenciamentos de automóveis nesse locais, que foi, respectivamente, de menos 80%, 85%, 72% e 69%, respectivamente.

De forma geral, disse Moraes, a decisão da entidade é de aguardar a avaliação de especialistas sobre o Produto Interno Bruto (PIB, soma dos bens e serviços produzidos no país) para poder consolidar a projeção para a indústria automobilística brasileira.

Ainda de acordo com o relatório da Anfavea, com as medidas de distanciamento social 63 fábricas do setor interromperam as atividades ao longo das últimas duas semanas, afetando 123 mil funcionários. A paralisação abrange 10 estados e 40 municípios.

Edição: Fernando Fraga

Comentários Facebook
Continue lendo

Policial

Política MT

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana