conecte-se conosco


Saúde

Pessoas que tiveram contato com infectado por Covid-19 são monitoradas

Avatar

Publicado

 As 34 pessoas que tiveram contato mais próximo com o brasileiro que está infectado por coronavírus estão sendo monitoradas mais de perto pelos governos de São Paulo e pelo governo federal. Desse total, 30 pessoas são parentes que estiveram almoçando na casa do paciente na capital paulista no domingo (23), entre eles, duas crianças que são netas dele. As outras quatro são pessoas que estiveram próximas dele no voo que ele fez da Itália para o Brasil na última sexta-feira (21).

“Seguimos protocolos internacionais da Organização Mundial de Saúde e do Ministério da Saúde. Os familiares já foram todos contatados e a orientação é para que estejam atentos aos sintomas e, quando tiverem sintomas, eles devem procurar um serviço de saúde. Também falamos para que eles evitem aglomerações. O homem está em isolamento domiciliar. Ele usa máscara e existe um protocolo para eliminação de resíduos domiciliares (lixo). Estão todos eles orientados. E os quatro pacientes do contato no voo [que estavam na mesma área que ele], foram todos orientados”, disse hoje (26) coordenadora de Vigilância em Saúde do Município de São Paulo, Solange Saboia.

De acordo com a diretora do Centro de Vigilância Epidemiológica da Secretaria da Saúde, Helena Sato, a esposa do homem que teve o caso confirmado para coronavírus está vivendo na mesma casa que ele, mas em ambiente separado. Toda a louça que ele utiliza é separada somente para ele. A esposa não apresenta sintomas da doença.
 
Nenhuma das pessoas que tiveram contato com o contaminado, chamadas de contactantes, apresentaram sintomas. Por isso elas não precisam estar em quarentena, segundo os protocolos que são seguidos mundialmente. Elas são apenas orientadas sobre os sintomas, procedimentos adequados e riscos. 

Casos suspeitos 

Segundo a Secretaria Estadual de São Paulo, há 11 casos suspeitos de coronavírus no estado que estão sendo analisados, sendo nove deles na capital, um em Lorena e outro em São Roque. Além de apresentar os sintomas respiratórios característicos da doença, essas pessoas têm histórico de viagem, sendo que um deles passou pela China e nove pela Itália, países onde foram registrados casos locais de transmissão do Covid-19. Um dos casos é de uma pessoa que teve contato com um caso suspeito.

Em entrevista na tarde desta quarta-feira, em São Paulo, o secretário executivo da Secretaria Estadual da Saúde de São Paulo, Alberto Kanamura, disse que o único caso confirmado no estado até o momento é o desse homem de 61 anos, que esteve na Itália a trabalho e que mora na capital. Ele está em isolamento, em sua residência e seu estado de saúde é bom.

Teste de laboratório mostra resultado positivo para novo coronavírus Covid-19Teste de laboratório mostra resultado positivo para novo coronavírus Covid-19
Brasileiro infectado por coronavírus esteve na Itália a trabalho – Reuters©

Centro de Contingência

Após ter registrado o primeiro caso de coronavírus na capital paulista, o governo de São Paulo decidiu criar um centro de contingência para monitorar e coordenar ações contra a propagação do novo coronavírus. O centro será coordenado pelo infectologista David Uip.

O centro também terá profissionais do Instituto Butantan, médicos especialistas das redes pública e privada e terá a supervisão do Secretário de Estado da Saúde, José Henrique Germann.

Na primeira reunião do centro, nesta manhã, ficou acertado que os hospitais do estado que serão referência para o tratamento de casos graves serão o Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, o Instituto de Infectologia Emílio Ribas, ambos na capital,  o Hospital das Clínicas de Ribeirão Preto e o Hospital das Clínicas de Campinas, além do Hospital de Base de São José do Rio Preto e o Emílio Ribas do Guarujá. 

Essas unidades têm cerca de 4 mil leitos, sendo mil deles em Unidade de Terapia Intensiva. Os hospitais privados também poderão integrar a rede e disponibilizar leitos, caso haja necessidade.

Segundo Kanamura, apesar do registro do primeiro caso no Brasil, não há razão para alarde. “Não há razão para pânico, mas é preciso estar alerta porque essa situação pode mudar a qualquer momento”, disse ele. “Isso não quer dizer que essa é a pior doença. Essa é mais uma doença que vamos ter que enfrentar e vencer”.

Segundo o infectologista David Uip, neste momento, o Brasil passa por uma estação de verão, quando é menor a possibilidade da transmissão do vírus. “Vírus gosta de frio, não gosta de calor, mas não sabemos como o vírus vai se comportar no Brasil”, disse.

O que se sabe sobre a doença, disse Uip, é que cada infectado transmite para outras duas ou três pessoas. As pessoas mais vulneráveis em todo o mundo são as que têm mais de 60 anos, principalmente acima de 80 anos, embora haja casos registrados também em crianças. O período de incubação da doença é de 14 dias.

Primeiro caso na América do Sul

O primeiro caso de Covid-19 foi diagnosticado na terça-feira (25), em um paciente do Hospital Israelita Albert Einstein. O exame foi enviado para contraprova no Instituto Adolfo Lutz, laboratório de referência nacional para análise de amostras casos suspeitos, que confirmou o resultado. Esse paciente esteve na Itália, a trabalho. Quando começou a apresentar sintomas, como tosse, coriza e febre, procurou o hospital, que confirmou a suspeita.

Além dos sintomas como febre, dificuldade para respirar, tosse ou coriza é preciso observar outros aspectos epidemiológicos, como histórico de viagem em área com circulação do vírus ou mesmo contato próximo a algum caso suspeito ou confirmado laboratorialmente para Covid-19. As áreas consideradas de risco hoje, em que houve confirmação de transmissão de coronavírus, são Itália, Austrália, China, Coreia do Sul, Coreia do Norte, Camboja, Filipinas, Japão, Malásia, Vietnã, Singapura, Tailândia, Alemanha, França, Irã e Emirados Árabes Unidos.

“Quem é o caso suspeito? É a pessoa de qualquer idade que apresente febre, acompanhada por outros sintomas respiratórios que pode ser desde uma coriza nasal ou uma tosse”, disse Sato. Além disso, destacou ela, é observado se essa pessoa viajou recentemente. “[Além de apresentar sintomas, pessoas suspeitas são aquelas] que nos últimos 14 dias tenham vindo, além da China, desse conjunto de países que foi incluído [na lista feita pelo Ministério da Saúde]”.

Para prevenir a doença, o ideal é lavar as mãos constantemente com água e sabão ou álcool gel. Também é importante proteger o nariz e a boca quando espirrar.

Edição: Fábio Massalli

Comentários Facebook

Saúde

Unidades de saúde estarão conectadas pela internet

Avatar

Publicado


.

Até o final deste mês, todas as unidades de saúde do Brasil estarão conectadas pela internet. A promessa é do ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Marcos Pontes. “É um legado que vai ficar” do combate ao alastramento do novo coronavírus e do tratamento da covid-19. Segundo o ministro, a rede “vai facilitar a parte de telemedicina”.

Pontes, junto com ministros de outras pastas, participou nesta quarta-feira (1º) de entrevista coletiva no Palácio do Planalto, em Brasília. Cada área relatou ações próprias e de apoio às iniciativas do Ministério da Saúde.

Conforme anúncio do ministro, o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) prepara edital de chamada pública para financiar o desenvolvimento de diagnósticos, testes clínicos, vacinas de pacientes, pesquisas de patogênese, sequenciamento dos vírus e modelagem. Os recursos serão do Ministério da Saúde (R$ 20 milhões) e do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (R$ 30 milhões).

Além dessa chamada, a Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) vai custear (com R$ 50 milhões) a rede nacional de sequenciamento –  trabalho que mobiliza o Laboratório Nacional de Computação Científica (Petrópolis – RJ). “Isso vai ser muito válido para identificar qualquer tipo de mutação do vírus e para conseguir produzir vacinas com maior alcance e com maior eficiência”, explicou o ministro.

Outro projeto que conta com a participação de um grande laboratório público é o estudo computacional de moléculas, do qual participa o Laboratório Nacional de Biociências (Campinas – SP). De acordo com Pontes o trabalho “está bem adiantado”.

A pesquisa estudo cinco moléculas que têm capacidade “de interação com o vírus, de cancelar a reprodução, e [alterar] a relação com células.” As equipes estão fazendo testes in vitro com células reais e em breve, crê o ministro, será possível fazer testes com pacientes.

Durante a coletiva, o Ministério da Saúde anunciou a criação de um e-mail específico para receber contribuições externas de pesquisa e inovação para enfrentamento à covid-19. O e-mail é [email protected] e já está funcionando. Podem enviar contribuições pesquisadores de todo o país que tenham projetos de pesquisa relacionados à epidemiologia, diagnóstico, tratamento e inibição da transmissão da doença.

Edição: Fábio Massalli

Fonte: EBC Saúde

Comentários Facebook
Continue lendo

Saúde

Covid-19: SP tem maior número de queixas de falta de equipamentos

Avatar

Publicado


.

O estado de São Paulo concentra o maior número de denúncias recebidas pela Associação Médica Brasileira (AMB) sobre a falta de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) para os profissionais da saúde que estão na linha de frente contra o novo coronavírus. 

São 900 denúncias no estado, em 109 municípios paulistas. Em todo o Brasil, a entidade recebeu 2.622 queixas, em 539 municípios. Só a capital paulista teve 276 reclamações.

O vice-presidente da AMB Diogo Leite Sampaio avalia que o uso dos equipamentos de proteção individual pelos profissionais de saúde é fundamental para o atendimento do paciente com suspeita ou caso confirmado de covid-19, já que eles podem se contaminar durante o atendimento nas unidades de saúde.

“A partir do momento em que ele se contaminar, pode transmitir para outros pacientes, então esse profissional de saúde que ficou contaminado acaba sendo um vetor de transmissão, pode transmitir para outros colegas dentro da própria unidade de saúde, para outras unidades de saúde em que ele trabalha e para a própria família”, disse Sampaio.

Ele acrescentou que, se o profissional for contaminando por pacientes que estejam com a covid-19, ele deverá ser isolado por no mínimo 14 dias e vai sair da linha de atendimento, neste momento em que a demanda cresceu. “Então, por conta disso, não existe a possibilidade que o médico não tenha um equipamento de proteção individual para poder tratar esses pacientes”.

Considerando os dados de todo o país, 87% das denúncias relatam falta de máscaras tipo N95 ou PFF2, que têm melhor vedação que as máscaras cirúrgicas; 72% relatam falta de óculos ou face shield, um protetor facial transparente; 66% de capote impermeável, um tipo de avental; 46% de gorros; 28% de álcool gel 70%; e 13% registram falta de luvas. Cada denúncia pode relatar a falta de mais de um material. Em 72,7% das denúncias, faltam ao menos três tipos de material, podendo chegar a sete tipos de equipamentos em falta.

Desde o dia 19 de março, a associação disponibilizou uma plataforma específica para recebimento de denúncias sobre a falta de EPIs para os profissionais da saúde, garantindo o anonimato do autor da reclamação para evitar represálias. A partir dos relatos recebidos, a AMB comunica os estabelecimentos apontados na denúncia, pede esclarecimentos e atualização das informações, além de notificar o Ministério da Saúde, o Conselho Regional de Medicina (CRM), as Secretarias de Saúde Municipal e Estadual, o Conselho Federal de Medicina (CFM) e o Ministério Público.

“A gente está mandando também para a unidade [de saúde] dizendo que aquela unidade recebeu a denúncia de que faltam esses equipamentos. O que a gente tem percebido é que muitas unidades começaram depois dessa denúncia a providenciar os equipamentos. Então acho que é um ponto positivo desse movimento”, avaliou Sampaio.

Os estabelecimentos que informarem a solução dos problemas serão retirados da lista divulgada no site da associação, que apresenta detalhes sobre os EPIs que faltam em cada local.

Afastamento de profissionais da saúde

Os sistemas de saúde público e particular do estado de São Paulo tiveram de afastar, desde fevereiro, mais de 600 profissionais devido à suspeita ou a confirmação da infecção pelo novo coronavírus nos funcionários.  

Segundo levantamento do Sindicato dos Trabalhadores na Administração Pública e Autarquias no Município de São Paulo (Sindsep), ao menos 190 funcionários do sistema público municipal de São Paulo foram afastados, desde o último dia 15, em razão da suspeita do novo coronavírus. O Hospital Municipal Doutor Carmino Caricchio, no Tatuapé, na zona Leste, se destaca, com 45 afastamentos.

Na rede privada, dois dos mais importantes hospitais do estado removeram, desde fevereiro, mais de 450 profissionais diagnosticados com o coronavírus. O Hospital Sírio-Libanês afastou 104 funcionários. Já o Hospital Albert Einstein teve de remover 348 dos 15 mil colaboradores (2%), diagnosticados com a doença.

Edição: Aline Leal

Fonte: EBC Saúde

Comentários Facebook
Continue lendo

Policial

Política MT

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana