conecte-se conosco


Saúde

Cidades liberam Aedes aegypti com batérias “do bem” para evitar doenças

Publicado

Saúde

Minha Saúde

Como uma das formas de combater as doenças transmitidas pelo Aedes aegypti (dengue, zika e chikungunya), o Ministério da Saúde liberou mais mosquitos “do bem” em Niterói (RJ). A tecnologia consiste em infectar os mosquitos com a bactéria Wolbachia, o que inibe a transmissão de doenças que atingem o ser humano. Nos primeiros resultados, os insetos infectados com na experiência reduziram em 75% os casos de chikungunya, em 33 bairros da região.

Leia mais: Crise no Rio: veja os danos que água com baixa qualidade pode causar à saúde

A metodologia é inovadora, autossustentável e complementar às demais ações de prevenção ao mosquito. A Wolbachia é uma bactéria intracelular que, quando presente nos mosquitos, impede que os vírus da dengue, zika e chikungunya se desenvolvam dentro destes insetos. Desse modo, não há qualquer modificação genética, nem da bactéria, nem do mosquito. Normalmente, a Wolbachia está naturalmente presente na maioria dos insetos. Porém, ela não é encontrada nos mosquitos Aedes aegypti .

Até o momento, o método já foi aplicado em 28 bairros do Rio de Janeiro e 33 de Niterói. Com isso, já foram beneficiadas mais de 1,3 milhão de pessoas. O projeto prevê ainda a realização de ações prévias de engajamento e comunicação junto às comunidades locais e profissionais de saúde sobre a segurança do método e seu impacto no ecossistema.

Veja Também  Covid-19: em uma semana casos caem 30% e mortes 13%

Wolbachia já vem evitando que mosquitos transmitam doenças no Brasil

Somente em 2019, o Ministério da Saúde investiu R$ 21,7 milhões na tecnologia. Esse processo de mobilização já se iniciou em Campo Grande (MS), Petrolina (PE) e Belo Horizonte. A soltura dos mosquitos será iniciada nas três localidades no próximo ano, com o apoio do Ministério da Saúde. Além dos três estados, outros estados também receberão o Wolbachia em 2020. São eles: Fortaleza (CE), Foz do Iguaçu (PR) e Manaus (AM).

Leia mais: A Zika voltou: veja o que você pode fazer para evitar o contágio

Além disso, o Ministério recomenda algumas ações por parte da população para prevenir a contaminação. Uma delas é verificar sempre se há algum tipo de depósito de água no quintal ou dentro de casa. Também é indicado que uma vez por semana, lavem com água, sabão e esfreguem com escova os pequenos depósitos móveis, como vasilha de água do animal de estimação e vasos de plantas.

É necessário ainda descartar o lixo em local adequado, não acumular no quintal ou jogar em praças e terrenos baldios. Além disso, as pessoas devem lembrar-se de limpar as calhas, retirando as folhas que se acumularam no inverno, o que também é importante para evitar pequenas poças de água.

Comentários Facebook

Saúde

Empresa responsável por teleconsultas do SUS cobra dívida de R$ 35 mi

Avatar

Publicado


source
Pauzello
Carolina Antunes/PR

Ministro da Saúde, general Eduardo Pazuello

O Ministério da Saúde solicitou o fim do contrato com a empresa responsável pelo atendimento remoto aos pacientes com suspeita de Covid-19. O acordo, de R$ 144 milhões, foi assinado ainda durante a gestão do ex ministro Luiz Henrique Mandetta.

De acordo com o portal Uol. a empresa Topmed diz ainda não ter recebido o valor proporcional às 2,3 milhões de teleconsultas realizadas durante o período de maior isolamento social. O cálculo é de que, considerando o número de consultas, o valor devido pelo Ministério seja de pelo menos R$ 35 milhões.

Um dos motivos para a desativação do serviço é a mudança de abordagem do Ministério da Saúde, que após queda na ocupação dos leitos de enfermaria voltou a recomendar que pacientes com suspeita da doença busquem atendimento presencial. A Topmed chegou a dedicar 1.500 funcionários para atendimento remoto durante o aumento dos casos da Covid-19 no país.

Veja Também  HC investiga 16 pacientes suspeitos de reinfecção por Covid-19
Fonte: IG SAÚDE

Comentários Facebook
Continue lendo

Saúde

Covid-19 pode causar retrocesso na expectativa de vida em várias partes do mundo

Avatar

Publicado


source

BBC News Brasil

Ilustração mostra dezenas de pessoas caminhando em terreno aberto, com ícones representando o coronavírus sobre elas

Getty Images
Impacto maior deve se dar em regiões com expectativa de vida mais elevada, como Europa e América do Norte

Em lugares com expectativa de vida alta, como o Brasil e os Estados Unidos, um percentual acima de 2% da população infectada com a covid-19 poderá já ser capaz de quebrar uma histórica tendência de crescimento neste indicador, em que conforme os anos passam, mais longamente as pessoas tendem a viver.

É o que diz um estudo publicado nesta quinta-feira (17/9) no periódico PLOS ONE, que combinou em um modelo matemático dados da probabilidade de se infectar e morrer por covid-19 dentro de um ano em diferentes faixas etárias, além de números sobre outras causas de mortalidade e expectativa de vida em quatro grandes regiões do mundo.

Com a nova doença, é esperado um declínio pelo menos em curto prazo na expectativa de vida em vários países, sobretudo aqueles com maior expectativa de vida, na Europa e na América do Norte; e particularmente em localidades específicas fortemente afetadas pela doença, como Nova York, nos EUA, e Bergamo, na Itália.

De acordo com a publicação, uma prevalência (parcela de infectados em relação à população total) de 10% poderá levar à perda de um ano na expectativa de vida na Europa, América do Norte, América Latina e Caribe.

Para que tal perda aconteça no Sudeste Asiático e na África Subsaariana, seria necessária uma prevalência de 15% e 25% respectivamente. O impacto é menor em lugares com expectativa de vida mais baixa pois, neles, a sobrevivência em idades mais avançadas já é menor.

Com uma prevalência de 50% de covid-19 na população dentro de um ano, a expectativa de vida poderia cair de 3 a 9 anos na América do Norte e Europa; de 3 a 8 anos na América Latina e Caribe; de 2 a 7 anos no Sudeste Asiático; e de 1 a 4 anos na África Subsaariana.

Veja Também  Empresa responsável por teleconsultas do SUS cobra dívida de R$ 35 mi

“A Europa levou quase 20 anos para que a expectativa de vida média ao nascer crescesse seis anos – de 72,8 anos em 1990 para 78,6 anos em 2019. A covid-19 pode fazer retroceder este indicador para valores de algum tempo atrás”, diz um dos autores do estudo, Sergei Scherbov, do Centro Wittgenstein para Demografia e Capital Humano Global, na Universidade de Viena, Áustria.

Ele assina o trabalho junto com Guillaume Marois, do Instituto de Pesquisas Demográficas da Ásia, na Universidade de Xangai, China; e Raya Muttarak, da Universidade de East Anglia, no Reino Unido.

“No entanto, não temos certeza do que vai acontecer ainda. Em muitos países a letalidade da covid-19 está diminuindo fortemente, provavelmente porque o protocolo de tratamento ficou melhor definido”, pondera Sherbov sobre a possibilidade dos cenários serem confirmados ao longo do tempo ou não.

No último século, a expectativa de vida cresceu significativamente em várias partes do mundo.

Este é um dos indicadores que entra na conta do Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) e é influenciado por condições sociais, econômicas, e de acesso à educação e saúde.

Ilustração de coronavirus

Getty Images
Como surtos de influenza e ebola no passado, coronavírus pode afetar indicadores de expectativa de vida a curto prazo

O artigo na PLOS ONE considerou a seguinte classificação por regiões do mundo: expectativa de vida muito alta (América do Norte e Europa, 79,2 anos); alta (América Latina e Caribe, 76,1 anos); média (Sudeste Asiático, 73,3 anos); e baixa (África Subsaariana, 62,1 anos).

Epidemias do passado já mostraram que curvas podem ser alteradas de repente, como a pandemia de influenza em 1918 e o surto de ebola em 2014, que diminuíram a expectativa de vida em 11,8 anos nos EUA e de 1,6 a 5,6 anos na Libéria, respectivamente, segundo calcularam estudos anteriores.

Veja Também  Médicos brasileiros investigam mortes de crianças por Covid-19

Os autores destacam, porém, que o impacto da covid-19 na expectativa de vida pode não ser tão óbvio.

Isto porque, por um lado, o vírus é mais letal em idades mais avançadas, então o número de anos perdidos não é tão grande na soma final da expectativa de vida; por outro, a doença pode ter impacto devastador e rápido em certas localidades, sendo capaz de afetar, sim, o indicador de um país ou região.

Outra ressalva feita pela equipe é sobre os dados de prevalência e mortalidade por covid-19, que não são tão confiáveis e completos; por isso, foi escolhido um modelo matemático que combinasse vários tipos de dados, apontando para tendências e diferentes cenários e focado em grandes regiões.

Só para se ter um parâmetro da situação do Brasil, o país contabilizava, até esta quinta, 4,4 milhões de diagnósticos positivos de covid-19, cerca de 2% da população de 212 milhões estimada pelo IBGE.

Sabe-se, no entanto, que os números são provavelmente subestimados. O balanço mais recente do estudo EpiCovid-19, feito pela Universidade Federal de Pelotas (UFPEL) e financiado pelo Ministério da Saúde, apontam que o total de infectados no país pode ser até sete vezes maior.


Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube ? Inscreva-se no nosso canal!

Fonte: IG SAÚDE

Comentários Facebook
Continue lendo

Policial

Política MT

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana