conecte-se conosco


Política Nacional

Novo partido não usará fundo partidário sancionado, diz Bolsonaro

Avatar

Publicado

source

Agência Brasil

homem fazendo sinal de legal arrow-options
Daniel Marenco / Agência O Globo

Bolsonaro

Novo partido criado pelo presidente Jair Bolsonaro, o Aliança pelo Brasil não usará a verba do fundo partidário de R$ 2 bilhões, sancionado na sexta-feira (17) à noite com o Orçamento de 2020. O presidente deu a declaração durante discurso em evento para mobilizar apoiadores da nova legenda, na Associação Comercial do Distrito Federal, em Brasília.

O presidente justificou que a não sanção do fundo aprovado pelo Congresso poderia implicá-lo em crime de responsabilidade. Ele disse que sancionou o fundo partidário a contragosto, mas assegurou que o Aliança não usará esses recursos para angariar apoiadores nem para disputar as eleições municipais deste ano, caso a legenda consiga levantar assinaturas suficientes para oficializar a criação.

Leia também: Conheça os 14 ‘mandamentos’ do Aliança Pelo Brasil, partido de Bolsonaro

“Temos que agir com inteligência. De vez em quando, recuar. Algumas coisas, eu sanciono contra a minha vontade. Outras, eu veto contra a minha vontade também. O Brasil não sou eu”, disse o presidente à plateia de apoiadores.

Em relação à economia, Bolsonaro disse que manterá a linha liberal, com a diretriz de diminuir o tamanho do Estado. O presidente afirmou que essa não era sua visão no passado, mas disse que, no governo, a cada dia se surpreende ao descobrir a existência de determinados órgãos. Como nos últimos dias, ele reafirmou a defesa da retirada de intermediários no transporte de combustíveis, para reduzir o preço final aos consumidores, e defendeu a venda direta de etanol das usinas para os postos de abastecimento.

O presidente disse que pretende se recandidatar a reeleição em 2022. Segundo ele, se o partido conseguir se mobilizar, pode formar uma bancada de até 100 parlamentares no Congresso daqui a dois anos. Ao fim do evento, centenas de apoiadores distribuíram fichas para coletar assinaturas para a criação da legenda, depois de o presidente deixar o local. Para disputar as eleições de 2020, o partido depende do reconhecimento de pelo menos 492 mil assinaturas pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Fonte: IG Política
Comentários Facebook

Política Nacional

Lula vai reunir bancadas do PT no Congresso para alinhar oposição a Bolsonaro

Avatar

Publicado

source
lula arrow-options
Agência Brasil

Ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva

BRASÍLIA – De passagem por Brasília para depor à Justiça, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva vai se reunir, na tarde desta terça-feira, com as bancadas do PT na Câmara e no Senado . O encontro é aguardado com expectativa pelos parlamentares, já que é a primeira vez que o petista vem em Brasília depois de ser solto em novembro do ano passado.

Leia mais: Deputada do PSL chama tuíte de Eduardo Bolsonaro de “desnecessário e infantil”

O objetivo da reunião é alinhar a atuação política dos petistas no Congresso. De acordo com o líder do PT no Senado, Rogério Carvalho (SE), os parlamentares da legenda querem debater uma agenda com Lula.

“Estamos vivendo uma mutação (na sociedade). Como vamos lidar com isso? Fazer apenas o enfrentamento a uma agenda que vê o mundo pré-Renascimento, na Revolução Industrial e até mesmo na Idade Média. Como vamos ficar presos à agenda desse povo? Precisamos ter a nossa”, diz o líder.

O líder do PT na Câmara, Enio Verri (PR), reforça o discurso de que o partido precisa de uma agenda para os próximos anos.

Nessa linha, os parlamentares querem continuar explorando o encontro de Lula com o papa Francisco no Vaticano, na semana passada. A pregação é que os dois trataram especialmente de desigualdade e intolerância, temas nos quais os petistas desejam se colocar como oposto ao governo de Jair Bolsonaro.

“Vamos debater o que vamos defender no Congresso. É importante que a gente mostre os pontos divergentes ao atual governo, mas também apresente propostas objetivas “, comenta.

Com a ideia de também ser propositivo, o PT apresentou, por exemplo, uma proposta de emenda à Constituição (PEC) sobre a reforma tributária, tema em debate no Congresso e no governo. O partido a chama de PEC paralela da reforma tributária solidária. Uma das ideias defendidas é o imposto sobre grandes fortunas e heranças.

Alinhando o discurso da bancada no Congresso, Lula quer dar o caminho do partido para o segundo ano da gestão Bolsonaro, mirando também as eleições municipais. O entendimento de Lula é que as eleições deste ano devem ter um caráter nacional. Lula aposta que o governo Bolsonaro será escrutinado nos municípios.

Leia também: Governadores fazem carta que critica fala de Bolsonaro sobre morte de miliciano

Na quarta-feira, Lula presta depoimento na 10ª Vara Federal de Brasília, sobre a Operação Zelotes.

Fonte: IG Política
Comentários Facebook
Continue lendo

Política Nacional

Deputada do PSL chama tuíte de Eduardo Bolsonaro de “desnecessário e infantil”

Avatar

Publicado

source
eduardo bolsonaro arrow-options
Renato Costa/FramePhoto/Agência O Globo

Eduardo Bolsonaro foi chamado de infantil pela deputada Letícia Aguiar.

O esforço da bancada do PSL na Assembleia Legislativa de São Paulo ( Alesp ) em rechaçar qualquer imagem de divisão do grupo, feito após a votação por 8 a 7 que escolheu seu novo líder na Casa, foi por água abaixo. Na noite do domingo, Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) divulgou em seu Twitter os votos e rostos dos 15 deputados estaduais paulistas. O ato foi entendido como uma fritura pública daqueles que ajudaram a eleger Rodrigo Gambale, a quem Eduardo definiu como “opositor a Jair Bolsonaro”.

Leia mais: Governadores fazem carta que critica fala de Bolsonaro sobre morte de miliciano

“Deputado deve satisfação aos seus eleitores, que merecem transparência para poderem formar sua convicção. Apenas divulgo aqui a votação para líder do PSL na Alesp, ressaltando que Gambale faz parte do grupo opositor a Jair Bolsonaro, liderado pelo dep. federal Jr. Bozela”, escreveu Eduardo na publicação.

Castelo Branco, o candidato derrotado, era tido como uma continuidade à influência de Eduardo Bolsonaro no PSL estadual. Ele tinha apoio de Gil Diniz, líder anterior da bancada e braço direito do filho do presidente na Alesp. Ambos são identificados como a ala mais ideológica do grupo, em contraposição à ala mais moderada, que tem apoio de Júnior Bozzella, próximo a Luciano Bivar.

A deputada Leticia Aguiar , que votou em Gambale e, portanto, foi considerada do “grupo dos traidores” por Eduardo , usou suas redes sociais criticar a atitude do filho do presidente. Ela afirmou que “nenhum dos 15 deputados do PSL é opositor a Jair Bolsonaro” e que a bancada é unida, apesar de divergências naturais.

“Lamento a forma que o post foi produzido pelo filho do Presidente. Totalmente desnecessário e infantil. Somos de direita e defendemos as mesmas pautas do Presidente, independentemente ainda de sigla partidária. Valores e princípios estão acima de tudo”, escreveu Aguiar em seu Facebook na tarde desta segunda-feira.

Segundo a deputada, a direita está “querendo criar factoides onde não tem”, fazendo igual à esquerda, “que sempre se utilizou muito bem da tática de dividir para conquistar, mas sempre contra os opositores, não com a sua base”.

Logo após a votação, na terça-feira passada, os 15 deputados do PSL de São Paulo se reuniram para uma foto, a fim de mostrar a unidade do grupo. Ao longo da semana, tanto a ala vencedora quanto a perdedora fizeram questão de rechaçar qualquer divisão. Era um empenho para evitar que o grupo de Castelo Branco fosse associado ao Aliança pelo Brasil e o de Gambale ao PSL, uma divisão que de fato aconteceu na bancada da legenda na Câmara.

Era a segunda vez, em 14 meses, que todos eles tinham conseguido se encontrar pessoalmente. Outra que votou em Gambale, Janaina Paschoal postou a foto em seu Facebook e aproveitou para afastar a ideia de racha.

“Quem ganha separando a direita? Pensem nisso! Estamos aqui, na Alesp , desde cedo, trabalhando normalmente. Reunião de bancada, Plenário, Colégio de Líderes. Está tudo muito harmonioso por aqui. O resto é intriga!”, escreveu ela.

Leia mais:Doria defende policial que atirou em bloco carnaval e elogia segurança

Agora, os deputados estaduais devem precisar de um maior empenho para dar uma segunda mão de tinta na imagem de união que querem pregar ao eleitorado. Na publicação de Eduardo Bolsonaro, a reação dos seguidores foi virulenta contra os “traidores” identificados pelo deputado federal. “Que decepção!”, comentavam vários deles.

Fonte: IG Política
Comentários Facebook
Continue lendo

Destaques

Policial

Política MT

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana