conecte-se conosco


Economia

Os inimigos do crescimento

Publicado

Economia

Michel Temer arrow-options
undefined

Na época da posse de Michel Temer, os títulos emitidos pelo governo pagavam juros de 14,25% ao ano.

Nunca antes na história — só para lembrar a frase que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva sempre usava para elogiar seu próprio governo — foi adotada neste país uma  taxa básica de juros mais baixa do que a atual.

Na quarta-feira passada, o Comitê de Política Monetária do Banco Central, o Copom, anunciou mais uma redução da taxa Selic . Ela caiu de 5% para 4,5%.

Foi uma decisão correta: essa queda de meio ponto percentual tem sobre as contas públicas e sobre a economia real um impacto positivo  muito maior do que pode parecer à primeira vista.

Em 31 de agosto de 2016, quando o impeachment de Dilma Rousseff pôs Michel Temer na presidência da República, os títulos emitidos pelo governo pagavam juros de 14,25%  ao ano.

Começaram a cair desde então e estavam em 6,5% quando Temer passou a faixa presidencial para Jair Bolsonaro, em 1º de janeiro deste ano. Desde então, emagreceram mais dois pontos percentuais.

Com juros menores, a rolagem da dívida pública fica mais em conta e aumenta a possibilidade de reduzir o déficit das contas federais — um argumento que já se usava desde os tempos em que a política econômica dos governos petistas, a pretexto de segurar a inflação, insistia em manter a Selic muito mais alta do que precisava ser.

Banco Central corta Selic pela 4ª vez e taxa cai a 4,5% ao ano

 Os bancos , é claro, adoravam essa farra, que lhes garantia rios de dinheiro. A rolagem mais amigável da dívida pública é o efeito mais visível da redução da Selic, mas existe um outro benefício relevante vinculado à queda da Selic.

Durante a administração de Fenando Henrique Cardoso e nos governos petistas de Lula e Dilma, era muito mais s era muito mais vantajoso deixar o dinheiro parado em títulos do governo do que investi-lo em projetos que geram empregos e melhoram a situação da economia, mas envolvem os riscos naturais do mundo dos negócios.

Com uma Selic de 14,25% e uma inflação anual de 6,29% em 2016, deixar o dinheiro parado nas aplicações mais conservadoras do mercado significava colocar no bolso, sem correr qualquer risco, um rendimento líquido de 8%.

Era, convenhamos, um rendimento líquido muito expressivo. Mesmo com a incidência dos 15% do Imposto Sobre Ganho de Capital sobre os rendimentos das aplicações, financiar o déficit do governo era extremamente atraente e cômodo para quem queria ganhar sem trabalhar.

Veja Também  INSS: perícia médica não realizada poderá ser remarcada, permite Portaria

Agora não é mais assim. Com a taxa Selic em 4,5% e a inflação projetando 3,6% para 2020, o rendimento das aplicações em título do governo cai para menos de 1% ao ano. Nesse caso, torna-se mais vantajoso aplicar os recursos num  investimento produtivo e gerador de empregos do que mantê-lo parado nos títulos do Tesouro.

O primeiro segmento beneficiado pela redução dos juros foi a Construção Civil — um dos setores responsáveis pela elevação da expectativa de crescimento da economia para o ano que vem, conforme apontado pelo comportamento positivo do PIB no terceiro trimestre.

construção arrow-options
REPRODUÇÃO/AGÊNCIA BRASIL

Setor da construção civil é um dos que se beneficia com as taxas de juros baixas

É de se esperar que mais dinheiro hoje aplicado em títulos do governo migre para o mundo real e ajude a aquecer a economia , o que é ótimo. Em tempo: a queda da taxa básica de juros, por si só, não é suficiente para fazer a economia crescer num ritmo mais acelerado. Mas é, sem dúvida, um primeiro passo.

Esse efeito positivo da queda dos juros seria bem maior, sem dúvida alguma, se o sistema bancário brasileiro não tivesse um comportamento tão nocivo ao mercado real, como tem demonstrado ter nesse período de dificuldade que o país tem atravessado nos últimos anos.

A desculpa de que os impostos por aqui são muito elevados e que o risco de não receber de volta o dinheiro que emprestam às pessoas e às empresas é alto já não cola mais. Ela é insuficiente para explicar as taxas de juros obscenas cobradas pelos bancos brasileiros. Querer alguém aceite essa lorota é o mesmo que chamar o interlocutor de ingênuo.

Os juros no Brasil são exorbitantes porque o mercado é concentrado e os bancos não  competem uns com os outros. Eles se movimentam sempre juntos, mais ou menos na mesma velocidade e direção.

E todos têm o hábito de cobrar mais do que seria razoável de quem precisa de dinheiro. A coisa chegou a um ponto tão escandaloso que, no final de novembro, o Conselho Monetário Nacional aprovou uma resolução que fixa em 8%  ao mês a taxa de juros do cheque especial.

Caixa reduz juros para financiamento da casa própria e cheque especial

“Foi uma decisão essencialmente técnica”, explicou Roberto Campos Neto , presidente do Banco Central. A explicação de Campos faz corar os economistas liberais de carteirinha — como era o caso do avô do presidente do BC, o ex-ministro do Planejamento Roberto de Oliveira Campos.

Roberto Campos Neto arrow-options
MARCELO CAMARGO/AGÊNCIA BRASIL

Roberto Campos Neto, presidente do Banco Central, tomou uma medida intervencionista

Veja Também  Confusão sobre o calendário do auxílio emergencial gera filas na Caixa; entenda

Foi, sem dúvida, uma intervenção escancarada no mercado, num molde que fez lembrar a tentativa desastrada da ex-presidente Dilma Rousseff de tentar baixar a taxa de juros passando pito e ralhando com os bancos privados.

Ao agir do jeito que agiu, o governo pelo menos chamou atenção para o descalabro que tem sido a atuação do sistema financeiro no Brasil.

O limite de 8% ao mês, que passará a vigorar a partir do dia 6 de janeiro de 2020, representa mais ou menos 152% ao ano . É uma taxa ultrajante mas, de qualquer forma, menos salgada do que a atual.

De acordo com um levantamento feito pelo Banco Central em outubro passado, a taxa de juros média cobrada pelos bancos nessa modalidade de crédito era de 12% ao mês — o que dá, aproximadamente, 306% ao ano .

Tentativas de tabelar os juros não são recentes no Brasil. A Constituição de 1988, em seu artigo 192, chegou a estabelecer um teto de 12% ao ano para a taxa de juros.

O limite foi ignorado pelos bancos de uma forma tão solene que não restou ao Congresso,  diante das evidências de que a lei de nada valia, curvar-se à realidade e tirar da Carta Magna aquele dispositivo inútil.

O atual limite dos juros do cheque especial também não vai disciplinar o apetite desmedido dos bancos brasileiros pelo lucro fácil.

Governo limita juros do cheque especial, solução já usada no passado: funciona?

 O mesmo documento que fixa em 8% ao mês os juros de quem recorre ao cheque especial dá aos bancos o direito de cobrar uma tarifa do cliente que tem mas não utiliza o limite.

Sim. O cliente pagará para ter direito a um crédito que não utilizará. É muita mamata, não? Esse é apenas um dos lados do problema. Há outros.

Contar com o sistema bancário brasileiro para financiar projetos que estimulem o desenvolvimento é o mesmo que comprar uma casa contando com o Prêmio da Mega-Sena da Virada: a chance de dar certo é de uma em alguns milhões. Não é um problema de fácil solução.

Para acabar com esse quadro seria necessário uma maior abertura no mercado para o capital 
estrangeiro e a ampliação da concorrência no mercado bancário. As fintechs, empresas  financeiras baseadas em tecnologia que estão chegado ao mercado são o início de uma
solução. Mas ainda vai demorar até que elas se firmem.

Em todo país desenvolvido, o setor produtivo s empre teve no mercado financeiro um parceiro que apoiou o crescimento das empresas que geraram empregos e prosperidade. No Brasil, o paraíso do rentismo e da agiotagem legalizada, os bancos parecem fazer tudo o que está a seu alcance para que o país não vá adiante.

Comentários Facebook

Economia

Procura por crédito sobe pela primeira vez em seis meses, diz Serasa Experian

Avatar

Publicado


source

Brasil Econômico

crédito
Agência Brasil

Procura por crédito aumentou entre consumidores

Pela primeira vez em seis meses, a busca do consumidor por crédito subiu. O Indicador de Demanda do Consumidor por Crédito da Serasa Experian teve alta de 0,7% em agosto de 2020 em comparação com o mesmo mês do ano passado. 

A região Sudeste foi a que mais viu a procura por crédito crescer, com aumento de 2,8%. Por outro lado, as regiões Centro-Oeste, Nordeste e Norte tiveram retração da demanda em 6,4%, 0,6% e 0,5%, respectivamente.

De acordo com o economista Luiz Rabi, da Serasa Experian, esse aumento na procura por crédito indica que os impactos do isolamento social estão ficando para trás. 

“Esse avanço é muito importante e significa que o pior já passou, estamos retornando aos níveis anteriores a essa crise. As pessoas estão buscando crédito para renegociar dívidas e para investir, como por exemplo, em imóvel. Com a queda da taxa de juro, elas não só querem renegociar dívida, como também buscam melhores opções de investimentos e, nesse sentido, a aquisição de imóvel se torna uma boa opção”, disse ele ao G1.

Veja Também  Na ONU, Bolsonaro diz que auxílio pagou cerca de mil dólares a cada beneficiário

A maior alta na procura por crédito foi entre a população que tem renda entre R$2 mil e R$5 mil. Apenas os que recebem até R$500 estão buscando menos por crédito.

Comentários Facebook
Continue lendo

Economia

Confusão sobre o calendário do auxílio emergencial gera filas na Caixa; entenda

Avatar

Publicado


source
fila
Fenae

Governo alterou os calendários do auxílio recentemente; federação dos bancários diz que mudança tem gerado filas nas agências

Em meio à pandemia de Covid-19, um cenário que havia se amenizado voltou a acontecer: filas nas agências da Caixa para  saques dos R$ 600 ou R$ 1.200 do  auxílio emergencial. É o que aponta a Federação Nacional das Associações do Pessoal da Caixa Econômica Federal (Fenae) nesta terça-feira (22).

No início dos pagamentos do auxílio emergencial, em abril, havia aglomerações nas agências – fato que quebrava as recomendações sanitárias para a conteção da pandemia. Com o tempo e a ampla divulgação dos calendários pela imprensa, as filas foram diminuindo. Agora, elas voltam a acontecer.

Para o presidente da Fenae, Sérgio Takemoto, o governo federal e a direção da Caixa não estão tendo uma boa comunicação sobre o calendário de pagamento do auxílio emergencial para a população.

“O governo não assume esse papel (de dar informações à população), (…) com informações como, por exemplo, os motivos por não estar recebendo o auxílio emergencial. Após sucessivos erros de organização e planejamento, a direção da Caixa Econômica e o Executivo federal ainda não aprenderam e seguem expondo os beneficiários e os bancários aos riscos de contaminação pela Covid-19″, diz o presidente da federação dos bancários.

Veja Também  Não é só Magalu: veja vagas abertas exclusivas para negros e mulheres

Entenda como estão os pagamentos do auxílio emergencial

No mês de julho, as inscrições para o auxílio emergencial se encerraram e o governo criou uma nova maneira de organizar os pagamentos, desta vez, por “ciclos”, e não mais por “lotes”, como vinha acontecendo desde abril.

Atualmente, o auxílio está caindo na conta e sendo sacado pelas pessoas que fazem parte do Ciclo 2, ou seja, pelos beneficiários que começaram a receber a renda emergencial em maio.  Entenda o calendário do auxílio emergencial que está em andamento agora.

É possível ter acesso ao calendário completo de pagamentos dos ciclos no  site da Caixa.


Auxílio será cortado em dezembro

Beneficiários pertencentes a diferentes ciclos receberão diferentes quantidades de parcelas. Nem todos os beneficiários receberão todas as partes do  auxílio emergencial, porque ele será cortado em dezembro, apesar da prorrogação de R$ 300 que já começou para alguns ciclos.

Veja a qual ciclo do auxílio emergencial você pertence e quantas parcelas vai receber:

Ciclo 1: beneficiário que recebeu a primeira parcela em abril e, ao todo, receberá todas as nove parcelas até dezembro (cinco de R$ 600 e quatro de R$ 300);

Veja Também  Conab avalia que Brasil terá segunda maior safra de café em 2020

Ciclo 2: quem recebeu a primeira parcela em maio e, ao todo, receberá oito parcelas (cinco de R$ 600 e três de R$ 300);

Ciclo 3: quem recebeu a primeira parcela em junho e, ao todo, receberá sete parcelas (cinco de R$ 600 e duas de R$ 300);

Ciclo 4: quem recebeu a primeira parcela em julho e, ao todo, receberá seis parcelas (cinco de R$ 600 e uma de R$ 300).

Comentários Facebook
Continue lendo

Policial

Política MT

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana