conecte-se conosco


Nacional

Mortes em baile de Paraisópolis aconteceram por asfixia mecânica, apontam laudos

Avatar

Publicado

Baile funk em Paraisópolis arrow-options
Baile do 17 / Facebook / Arquivo

Jovens foram mortos após tumulto em baile funk de Paraisópolis

A causa da morte dos nove jovens durante operação policial num baile funk em  Paraisópolis , na região Sul de São Paulo, foi asfixia mecânica indireta, segundo apurou o jornal O Globo . Os laudos necroscópicos do Instituto Médico Legal (IML) mostram que as vítimas tiveram seus corpos comprimidos por algo externo e, por isso, não conseguiram respirar. Segundo um perito criminal, a modalidade é compatível com a versão da Polícia Militar de que elas morreram pisoteadas durante tumulto.

Leia também: Governo de SP afasta mais 32 PMs envolvidos em operação em Paraisópolis

Já os laudos toxicológicos do IML mostram que os nove jovens consumiram drogas na noite da tragédia. Os exames apontam que todas as vítimas haviam usado pelo menos uma das seguintes substâncias: álcool, maconha, cocaína, drogas sintéticas e voláteis, como lança perfume e solventes. Em algumas delas, foram detectados mais de um ilícito.

Na noite de quarta-feira (11), médicos legistas do IML se reuniram para discutir se as lesões identificadas nas vítimas eram compatíveis com a tese do pisoteio . A conclusão dos laudos só foi feita depois de cruzar com os resultados laboratoriais.

De acordo com o perito, embora não tenha relação direta com as mortes, o uso de drogas pode ter contribuído para que os jovens não conseguissem se proteger durante a correria. 

Além dos laudos toxicológico e necroscópico, feitos pelo IML, um levantamento pericial do local das mortes foi realizado pelo Instituto de Criminalística. Essa perícia analisa, por exemplo, as rotas de fuga usadas pelas vítimas, assim como possíveis vestígios de disparos de armas de fogo.

Leia também: Defesa diz que PM evitou “tragédia maior” em ação em Paraisópolis

Todos os laudos sobre as mortes em Paraisópolis já foram entregues para o DHPP (departamentos de homicídios), da Polícia Civil de São Paulo. O DHPP conduz as investigações a Corregedoria da Polícia Militar.

Comentários Facebook

Nacional

Três PMs morrem em abordagem a falso policial civil em São Paulo

Avatar

Publicado


source
pm
Reprodução

3 PMs foram mortos na ação nesta madrugada

Três policiais militares (PMs) morreram após serem atingidos por tiros disparados por um homem que fingiu ser um policial civil na madrugada deste sábado (8) em São Paulo. O suspeito também foi atingido e morreu.

Segundo relatos, um grupo com três homens abordou uma moto de maneira suspeita na Avenida Politécnica, no Butantã, Zona Oeste de São Paulo. Os PMs, que estavam passando pelo local, viram a cena e foram conferir a situação. Um dos três suspeitos, identificado como Cauê Doretto de Assis, de 24 anos, afirmou ser policial civil.

Os PMs então pediram a arma e um documento de identificação e, quando foram verificar a veracidade da informação, o suspeito Cauê sacou outra arma que estava escondida e começou a atirar.

Ele baleou um PM na cabeça, baleou o segundo e correu atirando para fugir. O terceiro PM que também foi atingido enquanto Cauê corria, consegui revidar e também o acertou. Tanto o PM atingido quanto Cauê foram socorridos e levados para o hospital, mas não resistiram aos ferimentos.

O acompanhante de Cauê que também estava no carro e único sobrevivente do tiroteio, Vitor Mendonça, foi levado para a delegacia para prestar depoimento.

Vitor disse que não se lembra porque eles abordaram a moto. Eles saíram de uma balada na madrugada e ingeriram bebiba alcoólica, o que pode explicar as ações inconsequentes. Sobre o amigo Cauê, que atirou nos PMs, ele afirmou: “Ele (Cauê) surtou, eu não entendi nada do que aconteceu, juro por Deus”.

A Polícia Militar divulgou uma nota de pesar, lamentando a morte dos três policiais militares.

Comentários Facebook
Continue lendo

Nacional

Bispo Dom Pedro Casaldáliga morre aos 92 anos no interior de SP

Avatar

Publicado


source
Pedro Casaldáliga
Reprodução

Pedro Casaldáliga morreu em Batatais, no interior de SP

O bispo emérito de São Félix do Araguaia, em Mato Grosso, Pedro Casaldáliga, conhecido pela luta a favor dos direitos humanos, morreu neste sábado (8), aos 92 anos, na cidade de Batatais, onde estava internado, em São Paulo. A informação foi divulgada pela Congregação dos Missionários Filhos do Imaculado Coração de Maria. A causa da morte não foi divulgada.

“D. Pedro Casaldáliga voltou para a Casa do Pai”, diz a nota divulgada em conjunto pela Prelazia de São Félix do Araguaia (Mato Grosso, Brasil), a Congregação dos Missionários Filhos do Imaculado Coração de Maria (Claretianos) e a Ordem de Santo Agostinho (Agostinianos), que informou ainda que o bispo estava na cidade de Batatais.

Dom Pedro Casaldáliga foi um bispo católico espanhol, radicado no Brasil desde 1968. Ao chegar no Araguaia, em 1968, o religioso realizou um trabalho na defesa da população desfavorecida, na luta pela posse da terra, contra o regime militar e, até mesmo, o Vaticano.

O velório ocorrerá em Batatais, neste sábado a partir das 15h, na capela do Claretiano – Centro Universitário de Batatais, unidade educativa dirigida pelos Missionários Claretianos. A missa de exéquias será celebrada, também em Batatais, neste domingo (9) às 15h.

Comentários Facebook
Continue lendo

Policial

Política MT

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana