conecte-se conosco


Economia

Já sacou R$ 500 do FGTS? Saiba quando poderá sacar o restante liberado

Avatar

Publicado

source

Agência Brasil

caixa fgts arrow-options
Gabriel Guedes/Brasil Econômico

Caixa anunciou nesta sexta-feira (13) a data de liberação do saque complementar do FGTS

A Caixa Econômica Federal anunciou nesta sexta-feira (13) a data de liberação do saque complementar do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), que permitirá a quem já sacou os R$ 500 do saque emergencial retirar mais R$ 498. A liberação ocorrerá a partir da próxima sexta-feira (20).

Leia também: Bolsonaro aprova aumento do limite de saque do FGTS para R$ 998; saiba sacar

Segundo o vice-presidente do Agente Operador da Caixa, Paulo Henrique Angelo Souza, mais de 10 milhões de pessoas serão beneficiadas pela nova liberação do FGTS . Terá direito ao saque extra quem tiver alguma conta do Fundo, ativa (atual emprego) ou inativa (empregos antigos), cujo saldo era de até R$ 998 (atual valor do salário mínimo) em 24 de julho deste ano, quando a Medida Provisória (MP) do FGTS foi assinada.

Quem tinha saldo acima desse valor na conta do FGTS à época só poderá retirar os R$ 500 originalmente previstos. O limite vale para cada conta, separadamente.

O limite do saque imediato subiu com a sanção da lei de conversão de medida provisória nº 13.932/2019, assinada pelo presidente Jair Bolsonaro nesta quinta-feira.

Dessa forma, um trabalhador que tinha R$ 998 em uma conta do FGTS e R$ 1 mil em outra conta até 24 de julho só poderá sacar R$ 998 da primeira conta e R$ 500 da segunda. Nesse caso, se o trabalhador tiver retirado R$ 500 de cada conta na primeira etapa do saque imediato, poderá sacar os R$ 498 restantes da primeira conta e não poderá retirar mais nada da segunda.

Para saber se tem direito ao saque adicional, o trabalhador deve consultar o extrato do FGTS na página na Caixa na internet. A consulta também pode ser feita no aplicativo FGTS, disponível nos smartphones dos sistemas operacionais Android, iOS e em computadores com o sistema Windows.

Para a consulta, basta o trabalhador digitar o número do CPF e a senha para verificar o extrato. Caso não tenha senha ou tenha se esquecido, o trabalhador deve cadastrar uma nova senha, mas, para isso, deve ter em mãos o Número de Identificação Social (NIS), que pode ser encontrado na carteira de trabalho, no Cartão do Cidadão ou no extrato impresso do FGTS.

Ao acessar a conta, o trabalhador deve clicar no botão Extrato Completo, onde aparecem todas as contas do FGTS , ativas e inativas, em seu nome. O correntista deverá clicar nas informações de cada conta. Caso tenha saldo de até R$ 998 em 24 de julho, poderá sacar até esse limite.

Leia também: Caixa reduz juros para financiamento da casa própria e cheque especial

Se o trabalhador não tiver feito o saque imediato nos últimos meses, poderá retirar até R$ 998 da conta com saldo de até um salário mínimo. No entanto, caso já tenha feito a retirada, poderá sacar a diferença entre R$ 500 e o saldo remanescente.

Fonte: IG Economia
Comentários Facebook

Economia

Confiança da indústria atinge maior valor desde março de 2018

Avatar

Publicado

O Índice de Confiança da Indústria, medido pela Fundação Getulio Vargas (FGV), teve alta de 1,5 ponto de dezembro de 2019 para janeiro deste ano. Com o resultado, o indicador chegou a 100,9 pontos, o maior valor desde março de 2018 (101,4 pontos).

A confiança subiu em 13 dos 19 segmentos industriais pesquisados pela FGV. A alta em janeiro foi puxada pelas expectativas do empresário da indústria, medidas pelo Índice de Expectativas, que cresceram 2,8 pontos. O que mais contribuiu para essa alta da expectativa foi a avaliação sobre a evolução do ambiente de negócios nos próximos seis meses.

A avaliação dos empresários sobre o momento presente, medida pelo Índice da Situação Atual, manteve-se estável de dezembro para janeiro.

O Nível de Utilização da Capacidade Instalada do setor subiu 0,6 ponto percentual de dezembro para janeiro e chegou a 75,7%.

Segundo a pesquisadora da FGV Renata de Mello Franco, o ânimo dos empresários tende a melhorar no primeiro semestre, mas a sustentação dessa confiança depende da evolução da demanda interna.

Edição: Valéria Aguiar
Fonte: EBC
Comentários Facebook
Continue lendo

Economia

‘Véio da Havan’ critica Projeto de Lei de licença-menstruação; entenda

Avatar

Publicado

source
licença-menstruação arrow-options
Reprodução

Luciano Hang critica PL


“Quanto mais direitos trabalhistas, menos empregos os brasileiros vão ter”. Essa foi a frase utilizada por Luciano Hang , dono das lojas de departamento Havan , para criticar o Projeto de Lei (PL) que pede pela licença-menstruação

Nesta terça-feira (28), o empresário usou sua conta no Twitter para fazer a afirmação, e acrescentou que o PL é populista. 


O que é a licença-menstruação?

Na publicação, Hang pediu a opinião de seus seguidores, o que gerou diversos comentários e críticas em torno da licença-menstruação . No tuíte, o empresário afirma que “se aprovado [o PL], todos os meses as mulheres poderão faltar até três dias de trabalho durante o período menstrual”. 

Leia também: Havan anuncia boicote à Globo em apoio a Bolsonaro e ‘valores da família’

Dentre os comentários, diversas pessoas disseram que as faltas acarretariam em menos horas de trabalho para as mulheres . Mas não é isso que diz o projeto de lei

De autoria do deputado federal Carlos Bezerra ( MDB -MT), o PL prevê que “a empregada poderá se afastar do trabalho por até 3 (três) dias ao mês, durante o período menstrual, podendo ser exigida a compensação das horas não trabalhadas”. 

Leia também: Bolsonarista, ‘Véio da Havan’ estreia em lista de bilionários da Forbes

No documento, o deputado traz um estudo da MedInsight , que revela que 70% das mulheres tem queda na produtividade no trabalho durante o período menstrual. Com a necessidade de repor as horas afastadas, a defesa de Bezerra é a de que as empresas ganharão em produtividade . “Entendemos, portanto, que a norma proposta beneficiará as mulheres trabalhadoras, que padecem por ter que trabalhar com todos os incômodos causados pela menstruação, mas também trará vantagens para as empresas, que disporão da força de trabalho feminina sempre no melhor nível de produtividade”, afirma o texto do documento. 

O PL ainda está longe de ser aprovado. Escrito em 2016, o projeto já tramitou por algumas comissões até chegar à Mesa Diretora da Câmara dos Deputados , onde foi arquivado em janeiro do ano passado.

Fonte: IG Economia
Comentários Facebook
Continue lendo

Destaques

Policial

Política MT

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana